Arifureta – Capítulo 132 – Uma esperança


— “Chama Divina” —, ela comandou com uma linda voz com uma pitada de crueldade.

Logo depois, a função da magia de aniquilação se tornou aparente.

A chama azul começou a pulsar. Luz azul se espalhou ao redor do espaço subterrâneo e começou a inchar de dentro. Enquanto as ondulações parecidas com ondas na água apareciam, a cena pareceu nefasta e desprovida de piedade.

As baratas que foram tocadas pela luz azul não ofereceram a menor resistência, meramente desaparecendo sem deixar nem cinzas para trás.

Com a cena desta chama divina, a barata-chefão correu como um coelho assustado, um grito foi pego pela luz da azul que se espalhava e se afastava de Yue antes do monstro desaparecer sem gerar outro som.

Sem a barata-chefão, as baratas pequenas e medianas que estavam lutando com Shia e o grupo de Kouki ficaram confusas com a perda da liderança, se tornando incômodos triviais. A luz azul continuou a se espalhar, ela engoliu os insetos ao redor da garota-coelho.

Assim que as chamas se espalharam, Kouki e os outros assistiram sua aproximação com olhares aflitos.

Não era injustificado para eles se sentirem precipitados. Eles só eram capazes de ver a destruição diante deles.

O motivo era simples. Kouki, Shia e os outros não estavam certos se as chamas que destruíram as baratas tão completamente não iriam feri-los também. Entretanto, não apenas Shia e o resto do grupo permaneceram ilesos. O enorme tronco da árvore e seus galhos também estavam intactos.

Eles mostraram olhares surpresos para Hajime e Yue quando perceberam que as chamas que se espalhavam pelo espaço subterrâneo e devastaram por completo os insetos só afetavam as baratas.

“Chama Divina”.

Uma magia do fogo excepcional que disparava “chamas azuis” rapidamente dentro do espaço ao redor e as comprimia com magia da gravidade. Yue ainda especificou a magia com “Seleção” usando magia espiritual, assim, ela evitou que aqueles que continham almas fossem feridos.

Qualquer um que tivesse permissão de Yue sobreviveria, enquanto as chamas buscavam aqueles que ela marcou como inimigos.

Isso era com certeza adequado para ser chamado de arte. Não seria excessivo dizer que uma deusa chamada Yue proferiu seu julgamento dos céus.

— Que magia repentina… de fato algo esperado de Yue.

— Nn… me elogie mais, por favor.

Assim que a luz das chamas começou a se apagar, as vozes dos dois ecoaram no espaço subterrâneo.

Na realidade, Yue mostrava alguns sinais de exaustão, então Hajime deu a ela um grande abraço como recompensa por seu trabalho duro. Yue envolveu seus braços ao redor do pescoço do garoto e permitiu que seu corpo relaxasse contra ele. E dessa forma, ela beijou o pescoço do Sinergista, seguido do som de chupar após ela o morder e buscar seu sangue.

— Quando vejo algo assim, me pergunto quem venceria este duelo.

Enquanto Yue se prendia na nuca de Hajime e bebia seu sangue, ele a segurou com um braço, enquanto acariciava seu cabelo com gentileza com a outra mão. E assim, ele foi lembrado e questionou a conclusão do jogo que a dupla tinha começado.

— … nn, haa… nn. Minha vitória. Hajime não discordará.

Yue se separou do garoto com uma expressão eufórica, seus olhos estavam provocantes como sempre enquanto ela lambia seus lábios.

— Yue, tenho que perguntar, saber quem perderia ou venceria realmente importa tanto assim?

— … hehe. Bom, acho que podemos deixar isso de lado por ora.

Enquanto a dupla conversava sem preocupações, discutindo coisas que “poderiam ter acontecido”, uma voz alta surgiu.

— Vocês vão flertar para sempre, ou vão se juntar ao resto de nós!?

— Sim! Yue está trapaceando! Hajime-kun e eu somos… de qualquer forma, por favor, voltem!

Eram Shia e Kaori. Elas estavam acenando para que eles voltassem para o lado de Kouki e o resto do grupo. Tio apenas encolheu seus ombros. Elas estavam tentando levar os sentimentos deles em conta e ficaram esperando. Kouki e os outros pareciam um pouco desconfortáveis, Suzu e Shizuku estavam olhando para baixo com as bochechas coradas. Parecia que as duas estavam observando Yue e Hajime de longe.

Pelas reações das garotas, os sentimentos delas também voltaram ao normal. Hajime não sabia se o resto do grupo voltou ao normal com seu próprio poder ou se isso foi resultado da morte da barata-chefão.

O casal se encarou e deu outro breve beijo antes de voltarem para o lugar ao lado de Shia.

— Vocês se beijaram de forma tão casual no fim…

— Estou com inveja… mas… mas… é bom ver que vocês estão seguros. Embora eu sinta vontade de dizer: “Não apenas você!” ou “Eu também!”, mas não quero soar egoísta…

— De fato, como esperado de Yue e Hajime. Lutando em um mundo solitário, a atirando para longe como se fosse um brinquedo, não foi tão patético como esta imaginou.

Havia três pessoas que surgiram com três respostas diferentes, mas foram as palavras de Shia que tiveram o maior impacto. Hajime a deu um abraço com um de seus braços sem se soltar de Yue. A vampira não pareceu se incomodar. Contudo, Kouki e companhia estavam com expressões que indicavam irritação.

— … você recuperou seus sentimentos por conta própria?

— Você pode dizer que me recuperei pelo caminho, sim…

— Um. Posso perguntar se você voltou ao normal sem ajuda?

Kaori parecia incerta com a pergunta de Yue para Shia. Tio explicou melhor enquanto forçava um sorriso.

— Você pode dizer que esta também voltou sem ajuda. Esta assume que o gatilho foi o ciúme com a declaração de guerra entre o mestre e Yue, correto? Esta estava com inveja de seu ardente amor. Entretanto, eles logo não se incomodaram com as baratas, apenas se encaravam… foi o mesmo para Shia e Kaori?

— Sim, foi…

— Hã-hã…

Portanto, foi esse tipo de situação. Hajime encarou o grupo de Kouki para ver como eles estavam.

— …

— …

— …

— Bom, como foi? A última barata a morrer voltou a parecer desagradável.

Shizuku parecia ser a única a se recuperar por conta própria. Como esperado de Shizuku e sua força mental. Kouki e os outros devem ter recebido ainda mais dano assim que eles tiveram que assistir todas as suas amadas baratas morrerem até o fim.

Pouco depois, Shia estava perguntando Yue sobre a magia de um momento atrás. De repente, uma porção da enorme árvore próxima do teto começou a brilhar. Enquanto ajudava o grupo de Kouki a se recuperar dos estragos, Hajime observou a cena acompanhada por um galho gigante crescendo mais uma vez.

O galho criou uma nova passagem enquanto seu comprimento aumentava pouco a pouco. Hajime e os outros permaneceram na passagem de quatro pontos desde o início do ataque das baratas, até que um quinto galho se juntou a interseção onde eles estavam. O galho veio do teto, assim, ele assumiu a forma de uma escada que os levaria do tronco para os céus.

Após um breve olhar entre os integrantes do grupo, Hajime e companhia seguiram o recém-formado caminho.

Contudo, Yue estava segurando o Sinergista com força. Ela não se separaria dele, e ele não tentou a separar. No fim, estava tudo bem. Porém, Kaori também puxou da esquerda enquanto uma rabugenta Shia puxou da direita. Enquanto isso, Tio se agarrou por trás. Não é preciso dizer que Kouki e seu grupo observaram isto com expressões indescritíveis.

Quando terminaram de subir a quinta passagem feita de galho, eles entraram em outra sala em forma de caverna. Hajime permaneceu atento e, em pouco tempo, um círculo mágico brilhou e eles se viram sendo teleportados mais uma vez.

Após a luz desaparecer, eles podiam ver que estavam em um jardim que se espalhava diante deles.

O céu parecia assustadoramente próximo.

O ar parecia limpo. O chão se espalhava e tinha quase o tamanho do ginásio de um colégio. Havia árvores que eram um pouco menores e uma pequena construção calcária de onde vários canais saíam.

Barbantes cercavam a árvore maior, que estava em uma pequena ilha cercada por canais, uma litografia de pedra residia em sua base.

Tio caminhou pelo jardim, espreitando o cenário.

— O que você acha mestre? Parece que o caminho é o topo daquela árvore ali.

Outros olhares percorreram de baixo para cima o jardim após as palavras de Tio. Era um vasto mar de nuvens e uma névoa indubitavelmente grossa se espalhava sob seus olhos.

— Ei, isto é estranho. Quando voamos pelo mar de árvores, cruzamos a mata densa e não vimos uma árvore tão grande. Nenhuma árvore podia alcançar o cume da densa neblina, esta altura deve ser de pelo menos 200 metros. É impossível estarmos vendo uma árvore tão grande.

Hajime notou o humor de sua frase após dizer isso. Afinal, a parte superior escapando da névoa intensa só poderia ser natural, especialmente considerando o tamanho da árvore vista do chão se expandindo através da mata densa.

No entanto, você poderia pensar que os tamanhos das enormes árvores já teriam sido verificados.

— … entendo. É magia de ocultação que está fazendo isto.

— … sim, como algum tipo de magia das sombras que faz parte da magia espiritual… ou ela está apenas se deslocando no espaço?

Yue considerou a magia baseada na dedução de Hajime. Se isso fosse magia das sombras, deveria existir alguma forma de obstrução de reconhecimento, mas a escala era estranha. Se fosse algum tipo de magia espiritual, eles estariam conscientes das alterações sendo feitas com a magia da alma. Entretanto, eles não percebiam nenhum desconforto, o que seria impossível considerando as habilidades de Yue.

Hajime e seu grupo estavam com olhares impressionados. Apesar de eles experimentarem vários desafios e conseguirem manter a sordidez no mínimo, ainda havia o libertador. Normalmente, os libertadores não pareciam ruins.

— O objetivo está aqui? — Hajime murmurou.

Isto fez Kouki e os outros ficarem assustados.

— Aqui… até que enfim…

Hajime os ignorou e caminhou diretamente para a litografia.

O grupo atravessou um belo arco e entrou em uma pequena ilha com a forma de um iene cercada por um canal. A litografia começou a brilhar enquanto eles se aproximavam, o brilho verde da magia fluía para o canal. Isso funcionava como um círculo mágico? Fosforescência parecida com vaga-lumes surgiu.

A sensação de algo investigando sua memória e então gravando algo à força apareceu. Hajime e seu grupo tinham familiaridade com isto. Um gemido de alguém foi ouvido atrás dele quando a pessoa foi “atingida” pelo choque o a sensação de desconforto.

Enquanto o conhecimento fluía para dentro de Hajime, a árvore começou a envolver a litografia e inchar.

O grupo assumiu uma postura de luta. A forma da árvore começou a mudar, partindo galhos enquanto ela se formava. Fosforescência se afastou de Hajime, formando a imagem do rosto de uma pessoa no meio do tronco. A luz assumiu uma aparência feminina a partir de seus ombros.

A forma da pessoa estava completa; os olhos da mulher se abriram. Então, a boca se abriu gentilmente.

— Em primeiro lugar, gostaria de dizer parabéns. Você derrotou vários grandes calabouços. Eu sou Luluo Haltina e preparei O Grande Calabouço Haltina (Mar de Árvores). Peço desculpas pelos desafios muito difíceis que preparei com o máximo de respeito.

Ela parecia usar a árvore como um meio para sua gravação. Esta era uma forma de comunicação diferente das “imagens” de Oscar. Luluo parecia decorosa, como se ela estivesse conectada a algum tipo de realeza. Apesar de parte dessa sensação talvez se originar da própria árvore, que se dividia ao redor dela como se fosse seu cabelo e continha um certo tipo de beleza.

— Contudo, isso também é necessário. Se você atravessou os calabouços dos outros libertadores, você sabe sobre nosso relacionamento com os Deuses, a tragédia do passado e o que está acontecendo agora mesmo. Portanto, queria que você aprendesse algo sobre o vínculo irrenunciável que não pode ser demovido, um coração que não é abalado. Acho que você que chegou aqui com certeza entende algo sobre a força do coração, assim como suas fraquezas. Estou desejando com sinceridade que isto te ajude no futuro.

Shia ouviu as palavras de Luluo Haltina com um rosto meigo. Mas Hajime já estava impaciente. Ele não precisava de desculpas pretensiosas. No entanto, pela primeira vez, ele silenciosamente reconheceu o clima.

— Não sei para qual propósito você busca minha magia, “Sublimação”, você é livre para usa-la como achar melhor. Entretanto, confie em seus vínculos, e não se afogue no poder.

Hajime já estava olhando ao redor inquieto. Qual era o sentido disso? Mesmo que ele assistisse esse discurso, isso não mudaria nada. Ele já estava considerando remover a litografia para calar a libertadora e seguir em frente.

— Minha magia da era dos deuses, “Sublimação”, é o poder para fazer tudo evoluir. Esse é o conhecimento que lhe concedo. Porém, o verdadeiro valor desta magia está em outro lugar.

Os olhos do Sinergista se arregalaram por um momento. A mão que estava pairando sobre Donner voltou para o lado de seu corpo e seus olhos se prenderam em Luluo. O verdadeiro valor da magia de sublimação não era o conhecimento apresentado. “Me diga isso primeiro!”. Hajime exibiu um olhar de acusação

— Magia de sublimação faz o “poder” de tudo se tornar sublime, de forma literal. As outras magias da era dos deuses não são exceções a isso… magia da gravidade, magia espiritual, criação, magia espacial… essas poderosas forças são a fundação do controle. Todas elas levam para mais evoluções… mesmo quando combinadas umas com as outras. Esta magia poderia ser chamada de “magia de conceitos”.

Alguém fez um som de engolir em seco, ressonando o desejo por tal magia.

Hajime também estava com os olhos arregalados com a surpresa. Antes, no calabouço de Miledi Raisen, a libertadora sugeriu que se ele obtivesse todas as magias da era dos deuses, o garoto poderia ser capaz de encontrar algo que pudesse conceder seus desejos1. Ele precisava obter esta magia. Provavelmente foi isso o que ela quis dizer.

— Magia de conceito; seu significado é o mesmo que o nome indica. A manifestação de como a magia atua neste mundo. Mesmo se você obtiver a magia da era dos deuses, ela não pode ser usada com tanta facilidade, porque a magia de conceito foi inventada pelo absoluto desejo, não pela teoria.

Então esse era o motivo para a magia não ser copiada pelo círculo mágico.

Após escutar a explicação, Hajime franziu o cenho. “Absoluto desejo”… essa era uma explicação feita de forma muito leviana.

— Nós, os sete libertadores, trabalhamos pelo curso de décadas e conseguimos criar apenas três conceitos mágicos. Contudo, isso foi o bastante para nós… mas de qual deles você precisará?

Assim que Luluo disse isso, o centro da litografia deslizou e algo parecido com um relógio de bolso saiu de dentro. Hajime pegou o objeto com sua mão. Uma agulha de mesmo comprimento estava fixa no prato no centro da tampa semitransparente. Na parte de trás havia um padrão pintado na forma que Luluo Haltina usava. Ao que parecia, isso também servia como uma prova. Luluo resumiu sua explicação.

— Quanto ao nome, ela é chamada de “bússola do desejo”. O conceito é que, quando ativada, ela mostra o lugar desejado.

Hajime ouviu e explicação e seu coração bateu com força.

— O lugar que eu desejo é mostrado. — Isso significava que…

— Isso irá te levar para o local que você quer ir. Qualquer coisa, em qualquer lugar, mesmo que esteja escondido ou… mesmo que esteja em outro mundo.

— …

O “outro mundo” que Luluo estava falando seria o mundo em que os Deuses Loucos residiam. Os libertadores teriam que usar a magia de conceito com seu desejo absoluto. Para derrotar os Deuses, é claro.

Dessa forma, esta bússola foi produzida para encontrar o lugar onde os Deuses estavam. Hajime tinha certeza que Oscar ajudou a criar esta bússola usando a magia de conceito, assim como sua magia da criação.

Porém… também devia ser possível usar esta bússola para mostrar a eles como voltar ao Japão.

Uma forma para retornar para casa foi descoberta… alegria brotou no peito de Hajime como se ele pudesse explodir. Yue segurou a mão dele e o deu um firme aperto, olhando para ele com gentileza.

— Obter todas as magias da era dos deuses, se é esse seu objetivo, você será capaz de viajar para qualquer lugar. Desejo que você siga em frente com livre-arbítrio e encontre felicidade em sua vida. Boa sorte em seu futuro.

Luluo chegou ao fim de suas palavras após dar o seu discurso, tudo o que restava era que a árvore envolvesse a litografia.

Eles permaneceram imersos no silêncio com vestígios de brilho enquanto digeriam os eventos que acabaram de acontecer e os deixaram satisfeitos. Apenas o som das folhas sussurrantes enquanto o vento as acariciava gentilmente afetava o ambiente.

Foi Hajime que quebrou o silêncio, perguntando a Yue com um tom monótono de emoção controlada.

— Yue, escute isso, usando a magia de sublimação combinada com magia espacial, podemos viajar para o outro mundo?

Movimento sobressaltados se espalharam pelo grupo de Kouki atrás dele.

Yue entendia o peso dessas palavras e a exploração desse potencial. E com a usuário de magia mais forte de todas e o conhecimento inscrito em sua mente, ela procurou por uma solução.

Como resultado, ela obteve a resposta…

— … eu sinto muito.

— Sério…

Só isso. Se o mundo pudesse ser ultrapasso apenas ao se misturar magia espacial com sublimação, com toda certeza, os libertadores não teriam tido tantos problemas no passado.

Luluo disse que havia três magias de conceitos que foram produzidas. O primeiro conceito foi dado a “bússola do desejo”. Faria sentido que os outros conceitos seriam o de viajar para outro mundo e o de derrotar os Deuses.

Em outras palavras, enquanto não alcançasse a magia de conceito, a ideia de deixar este mundo seria difícil.

Yue estava de cabeça baixa de forma abatida por ser incapaz de atender as expectativas de Hajime. O Sinergista a deu um sorriso gentil e acariciou seus lindos cabelos de ouro com seus dedos. Yue parecia sensível, olhando para Hajime e encolhendo seus ombros enquanto ele fazia seus dedos correrem pela pele da vampira.

— Não tem problema. Eu fui ganancioso. Foi apenas uma ideia. Só precisamos de mais magias da era dos deuses. Só precisamos pegar a correta e você com certeza será capaz de descobrir a solução, então não fique com essa cara.

O coração que estava impaciente com o pensamento de poder voltar para sua casa já tinha voltado a sua estabilidade, e Hajime encolheu seus ombros com uma expressão de aceitação. Como Yue ficou aliviada com a recuperação do garoto, como sempre, ela aninhou-se perto dele.

Coff, coff. Bom… Yue e Hajime voltaram ao normal? Acho que um atalho se formou para nós voltarmos para a entrada. Então menos romance por ora!

Shia, enquanto olhava para o casal, interrompeu o espaço rosa deles dizendo: — Sim, como sempre. — Com toda certeza, em um dos cantos do jardim, o círculo mágico apareceu. Assim como a garota-coelho sugeriu, esse deveria ser o atalho para voltar para o nível do solo.

Após verificar o círculo, Hajime acariciou as orelhas de coelho de Shia para que ela deixasse de ficar emburrada. Então Kouki começou a falar.

— Ó… ei, Nagumo. Um pouco antes, quando… você recebeu a magia de conceito…

— É… devemos ser capazes de voltar agora. Pelo menos, esta bússola me dirá para onde devemos seguir.

— Sério…

Kouki estava com uma expressão que indicava que ele perdeu sua esperança. Ryutaro, Shizuku e Suzu também estavam com sentimentos que pareciam a ponto de explodir, como se eles pudessem começar a chorar a qualquer segundo. Eles estavam hesitando sobre a falta da obtenção da magia da era dos deuses, mas apenas porque Hajime estava ali no momento. Parecia que eles teriam que depender do Sinergista.

— Então, qua-quanto a isso, Nagumo. Quando voltarmos…

Suzu tentou perguntar algo a Hajime.

Mesmo se ela não dissesse isso, era possível adivinhar. Eles se lembraram da indiferença do garoto por seus colegas de classe. Eles só seriam capazes de voltar se Hajime os ajudasse… constrangimento apareceu quando a salvação dependia da benevolência de outra pessoa.

Suzu, como a típica criadora de clima, não estava em um lugar nem bom nem ruim enquanto tentava falar e enrolar um pouco sobre o assunto de voltar para casa. O pensamento de eles poderem voltar também era natural, porém… isso foi infundado, e… bem, Hajime não odiava esta ideia.

— Fique tranquila. Não haverá qualquer restrição de capacidade ou deméritos. Vou voltar com todos se puder.

— É que, vamos juntos ou… eehehe. Obrigada Nagumo-san.

— Pelo fato de vocês terem tão pouca confiança. Vocês realmente não fizeram nada, fizeram?

Ugh!

Kouki, Ryutaro e Suzu curvaram suas cabeças e as encostaram em seus peitos.

Com a magia de sublimação, a capacidade de todas as magias podia ser aumentada um pouco. É claro que quando você já tinha magia da era dos deuses, a necessidade de sublimar isso pareceria mais como um salto no limite sem os efeitos colaterais, dessa forma, também haveria algumas restrições. Como o Renascimento sem os efeitos colaterais ou algo parecido.

Mesmo assim, os alunos pareciam inseguros. Podia se dizer que eles não obtiveram a magia de sublimação. Mas isso já era algo esperado. Em primeiro lugar, foi pelos testes serem falhos e exploráveis que eles conseguiram chegar até o fim.

Assim sendo, Kouki e os outros abaixaram suas cabeças. Ainda assim, uma pessoa tentou dar continuidade a conversa de forma desajeitada com as circunstâncias.

— Yaegashi… por acaso você é capaz de usar a nova magia? — Hajime perguntou.

— !!! Ó, acho que sim, posso usa-la, sim.

— Ho! Isso é verdade?

— Isso é real? Você aprendeu isso?

— Certamente Shizu, Shizu! A noiva de Suzu!

Isto também já era esperado. Shizuku suportou o inferno do prazer, um sonho do mundo ideal e a ter seus sentimentos revertidos, tudo isso sem qualquer ajuda. Mesmo que a capacidade de combate da garota não fosse o suficiente, a magia da era dos deuses foi obtida apenas com o poder mental que ela usou para lutar.

Isso era emocionante, mas parecia que Suzu era mesmo a única que apreciava esse fato. Ryutaro estava com uma expressão mortificada, enquanto Kouki ficava com sombras nefastas em sua expressão e a elogiava com um sorriso.

Shizuku observou o Herói com um olhar angustiado.

— De qualquer forma, vamos voltar para Faea Belgaen. Lentamente. Hordas de baratas se tornaram um leve trauma. Um dano mental sério. Yue precisa curar isso com magia espiritual.

— Kufufufu. Eu vou consertar agora mesmo.

— Eu-eu também! Também vou colocar minha cabeça em seu colo! Yue já fez o bastante! Estou acima disto!

— É porque tudo já está terminado! Porque tudo está feito! Vou dizer isso duas vezes porque é importante!

— O mestre cansado deve confiar nesta! Isso será bom. Esta substituirá a cadeira da madame para que você possa descansar. Você já tem um apoio para o pé? Você pode pisar nesta o quanto quiser!

Enquanto Hajime caminhava para o círculo mágico fazendo carinho em Yue, Shia e as outras se agruparam ao redor dele pela esquerda, direita e por trás.

O garoto envolveu uma mão ao redor do braço de Shia enquanto ria um pouco. A garota-coelho ficou sobressaltada, mas parecia feliz e apertou a mão dele em resposta. Kaori e Tio pensaram que Shia estava recebendo algum tipo de prioridade e mostraram olhares de inveja para ela.

Shizuku os acompanhou, assistindo a cena com uma expressão animada enquanto considerava a possibilidade de voltar para casa.

Um garoto mostrava um sorriso e escolheu entender ao menos isso, e assim, a captura de um dos sete grandes calabouços, o Mar de Árvores, estava completa.


Tradutor:



Nota

[1] Essa conversa aconteceu no capítulo 49.



Fontes
Cores