Arifureta – Capítulo 112 – O momento do Dere


Depois que libertou todos os Demi-Humanos, eles começaram a explorar o dirigível para satisfazer suas curiosidades, de volta a ponte, Hajime estava ouvindo a história de Pal e seu grupo.

— Entendo… os Demônios atacaram ambos o Império e o Mar de Árvores.

— Afirmativo. Apesar de não sabermos os detalhes do Império, o Mar de Árvores foi invadido por um enorme grupo de poderosos Demônios. Teria sido muito perigoso se não fosse por nossas armadilhas previamente preparadas.

De acordo com Pal, os Demônios também levaram um exército de guerreiros para o Mar de Árvores. O Mar de Árvores Haltina era um alvo natural, já que o grupo de Freed tinha o objetivo de obter mais Magias da Era dos Deuses, os Demônios iriam atacar, afinal, esse local era conhecido por todos como um dos Grandes Calabouços.

Naturalmente, os Soldados de Faea Belgaen não poderiam permitir que os forasteiros passeassem como se fossem bem-vindos, então os Demi-Humanos reuniram suas maiores forças para confrontar os inimigos. Eles acreditavam que possuíam a vantagem devido a névoa densa, mas suas expectativas foram traídas com facilidade e eles logo entraram em confusão.

Além dos Demônios, as Feras Mágicas que os acompanhavam mostraram todos os seus poderes no Mar de Árvores. Embora os monstros não fossem do tipo inseto, eles pavimentaram seu caminho, derrotando e tomando as vidas de muitos Soldados de Faea Belgaen um após o outro com o uso de suas magicas peculiares.

Os Demônios pararam e perguntaram aos Demi-Humanos derrotados (de forma parecida com que fez Hajime): — Onde fica a entrada para o Grande Calabouço? — Contudo, eles não poderiam apenas dar a informação com obediência a seus inimigos, eles não sabiam quando os Demônios começariam a avançar contra Faea Belgaen para fazer a mesma pergunta para outros Demi-Humanos, então eles logo enviaram alguém de volta à cidade.

A conferência foi reunida depressa e uma decisão foi tomada, as Feras Mágicas eram fortes demais para se enfrentar, então eles decidiram dar a informação. Com o objetivo de evitar um desastre, como foi no caso de Hajime. O Calabouço em si iria cuidar de todos que não eram dignos.

Contudo, mesmo que eles fizessem as mesmas perguntas que o Sinergista, os Demônios tinham um senso de valores diferente em relação aos Demi-Humanos. Não, os Demônio não repetiram as ações de Hajime, pois eles carregavam um enorme senso de discriminação e ódio contra os Demi-Humanos.

Eles acreditavam que o mundo pertencia a sua raça, e essas feras que foram abandonadas por Deus eram a humilhação máxima e eram absolutamente intoleráveis. Suas expressões eram as mesmas de loucos com absoluta confiança em seu próprio Deus.

E assim, os Demônios mostraram suas presas para Faea Belgaen. Eles decidiram caçar os Demi-Humanos antes de irem para o Calabouço.

Os Soldados de Faea Belgaen lutaram com desespero. Entretanto, o exército de monstros desconhecidos era forte demais e não teve problemas no Mar de Árvores, as chances de vitória dos defensores era baixa.

Do jeito que as coisas estavam, cedo ou tarde, eles seriam derrotados, um Soldado da tribo dos Homens-Urso reconheceu isto e procurou por uma chance para escapar de Faea Belgaen. Seu propósito não era fugir. Seu propósito era implorar por ajuda.

Seu nome era Jin Banton. Ele era o ancião que atacou Hajime com raiva e foi ferido gravemente no processo, esse era o homem que guardava um profundo ressentimento contra a tribo Haulia1.

Agora, Jin, sem qualquer vergonha nem reputação, seguiu em frente para se curvar perante a tribo Haulia, que foi banida de Faea Belgaen. Ele correu pelo Mar de Árvores, seu corpo estava coberto de ferimentos, quando o Homem-Urso por fim chegou na nova vila dos Homens-Coelho, ele se prostrou no chão várias vezes. Ele os pediu com sinceridade.

— Eu preciso de sua ajuda, por favor, me empreste seu poder.

O líder da tribo Haulia, Kam, partiu para responder ao pedido dele.

O motivo não era salvar Faea Belgaen. É claro que sua própria espécie, os Homens-Coelhos, ainda estavam em Faea Belgaen, mas esse também não era o motivo, acima de tudo, a coisa que Kam não poderia perdoar era o fato que o propósito dos Demônios era o Grande Calabouço.

Emergência! Se os Demônios fizessem algo estranho com o Calabouço…

Quando o chefe deles, Hajime, voltasse mais tarde, ele não seria capaz de olhar o garoto nos olhos se os inimigos fizessem alguma coisa.

Como um subordinado de Hajime, — Não podemos permitir que o desejo do Chefe seja obstruído, para termos uma reunião feliz onde poderemos com orgulho inflar nossos peitos, não temos outra escolha além de agir, caso contrário, não temos as qualificações para chamar Hajime de Chefe! —, ele disse.

Apesar de Hajime realmente não se importar com esse tipo de coisa… era o orgulho dos Haulia que estava em jogo.

Como resultado, a tribo Haulia, ao invés de responder ao pedido de Jin, “Quem se atreve a colocar suas mãos em algo que pertence ao Chefe, ahn!? Se eles querem lutar, devemos oferecer a eles uma luta!?”, com isso em suas mentes, os Homens-Coelho decidiram participar.

As palavras de Jin mais tarde foram as seguintes:

— Os Haulia estavam mesmo assustadores naquele momento. Apesar de eles estarem em um frenesi como da última vez, seus lábios estavam tremendo e abrindo abruptamente… eles estavam rindo. Uu, eu não fui mais capaz de dormir bem a partir daquele dia. Os lábios dos coelhos apareciam em meus sonhos, meu pescoço… haaaaa, haaaaa… chega. Minha angústia não desaparece. Onde está meu remédio…

Assim que os Haulia entraram na guerra, eles decidiram primeiro se livrar de todas as Feras Mágicas ao redor de Faea Belgaen. O prédio deles era criar estratégias ao confirmar os movimentos dos monstros e suas magias estranhas. Apesar da tribo Haulia ficar mais forte, isso se devia ao uso de suas capacidades raciais ao máximo, junto com a mentalidade de não fugir de lutas, na realidade, seus atributos não aumentaram. Dessa forma, eles não atacariam um novo tipo de Fera Mágica que nunca enfrentaram antes sem um planejamento.

O outro grupo era um adversário formidável, assim, determinação era necessária, preparação para ataques furtivos, ataques surpresa, mentiras e enganações; eles fizeram tudo para reunir informações.

E quando o tabuleiro foi preparado, todos tomaram a ofensiva ao mesmo tempo. Mesmo que a densa neblina não fosse efetiva, as Feras Mágicas foram habilmente mortas pelas técnicas originais dos Homens-Coelho.

Dessa forma, os Demônios começaram a notar que seus monstros estavam desaparecendo; eles então ordenaram um rápido reagrupamento. Os Haulia, que não poderiam derrotar os Demônios em uma luta direta foram usados como iscas. Instruções foram dadas para armadilhas serem preparadas ao redor da nova vila.

Assim, guiar os inimigos foi simples. De qualquer forma, sendo provocados com tanta facilidade, o sangue dos Demônios choveu e cabeças rolaram pelo chão. Eles então apareceram e bufaram… isso foi o suficiente.

Após acabarem com os Demônios, os Haulia também sofreram perdas.

Contudo, a atual situação ainda não tinha terminado. Apesar de Faea Belgaen ser salva pelos Haulia, a quantidade de dano colateral foi enorme. Não havia espaço para proteger o Mar de Árvores com todos os cuidados médicos e funerais que foram necessários.

Com isso, uma abertura foi criada e os Soldados do Império invadiram o Mar de Árvores.

O propósito deles era raptar Demi-Humanos.

Depois que a batalha terminou, os Haulia voltaram para sua vila e demoraram para notar isso, como resultado, não houve resistência contra os sequestros. Quando Kam notou a situação, ele raptou e questionou um Soldado Imperial; aparentemente, o Império sofreu com o ataque das Feras Mágicas, foi decidido que eles precisavam garantir mão de obra para os reparos, em outras palavras, os Demi-Humanos. Essa parecia ser a razão para a invasão ao Mar de Árvores.

Kam rapidamente correu para as outras vilas dos Homens-Coelhos, mas ele estava atrasado, a maioria das mulheres e crianças já tinha sido sequestrada. Estava claro que os Homens-Coelhos sem poder foram raptados com o objetivo de ajudar com a reconstrução do Império. O propósito deles era serem usados para satisfazer o povo do Império após receberem esse ataque.

Como esperado, a tribo Haulia não poderia ignorar os companheiros de sua própria espécie, a maioria das forças foi deixada para proteger o Mar de Árvores, Kam e um pequeno grupo perseguiu a carruagem de transporte dos Soldados do Império, que seguiam na direção da Capital Imperial.

No entanto, a comunicação com Kam foi subitamente suspensa após eles chegarem a capital do Império. Ninguém apareceu no local de encontro que foi agendado com antecedência.

As pessoas restantes no Mar de Árvores ficaram agitadas e decidiram enviar batedores para o Império.

O resultado: o grupo de Kam, que invadiu a Capital Imperial, nunca retornou.

Depois disso, com o objetivo de invadir a capital do Império para descobrir o estado de Kam, o grupo de Pal estava buscando informação sobre a segurança na capital, quando eles notaram que havia um vagão de transporte com uma enorme quantidade de Demi-Humanos partindo para outra cidade, o grupo de Pal então parou a missão de coleta de informação e seguiu para o resgate de seus companheiros.

— Contudo, Chefe, por acaso outros locais também foram atacados pelos Demônios?

— Ahh, eles estavam bem ativos atrás das cenas em vários locais. Bom, por sorte eu estava por perto e eles foram derrotados.

Se você pensasse sobre isso, Hajime poderia ser considerado uma praga para os Demônios. Isto se devia por ele na verdade não ter nenhuma hostilidade contra eles como raça, ele apenas acabava encontrando eles em momentos ruins, então ele acabava os surrando para que saíssem de seu caminho e não o atrapalhassem.

— Bom, eu meio que entendi o que está acontecendo. Em primeiro lugar, você precisa de mais informação sobre Kam, que está na Capital Imperial?

— Afirmativo. E, apesar de sentir muito Chefe…

— Eu entendo. Nós vamos passar por lá de qualquer modo. As pessoas que foram capturadas, eu vou enviá-los de volta para o Mar de Árvores.

— Obrigado!

Pal e seu grupo se curvaram juntos. Apesar de Shia resmungar um pouco, nada foi dito.

Hajime notou isso e sabia o que ela queria dizer, mas ele esperou que a garota mesma dissesse, no fim, nada foi dito.

Por fim, o Sinergista recebeu uma mensagem das forças restantes do Mar de Árvores, então deixou Liliana e o grupo de Pal um pouco distantes da capital do Império. Assim, seu grupo seguiu caminho a toda velocidade na direção do Mar de Árvores Haltina.


Mais uma vez, Hajime colocou os pés no Mar de Árvores Haltina e foi recebido pela densa névoa que bloqueava toda a luz.

Mesmo assim, se não houvesse Demi-Humanos para mostrar o caminho, pessoas abaixo do nível inumano de Hajime acabariam tomados pela loucura. Enquanto o rapaz liderava o grupo, com o objetivo de não se separar, ele colocou os Demi-Humanos ao redor deles para cercá-los.

Por algum motivo, Arutena estava caminhando especialmente perto de Hajime, ele decidiu ignorar isso e continuou avançando. Shia, que estava por perto, estava com um rosto preocupado, de repente, suas orelhas reagiram com um pico, pico. Ela ergueu seu rosto, então começou a encarar o que estava à frente.

— Hajime-san, há um grupo armado adiante.

Os Demi-Humanos ao redor voltaram um olhar de surpresa para Shia devido a suas palavras. Até os Homens-Coelho sequestrados estavam surpresos por Shia ser capaz de perceber algo que eles não puderam.

Como se para confirmar as palavras da garota, um grupo de Demi-Humanos com orelhas de tigre apareceu da névoa com armas. O grupo armado tinha olhos ferozes e encarou o grupo de humanos, então eles sentiram que havia um enorme grupo de Demi-Humanos entre eles, assim decidiram não atacar.

Entre eles, os olhos do Homem-Tigre, que parecia ser o líder, pararam em Hajime. Seus olhos se arregalaram com o espanto.

— Você, daquela vez…

Hajime também se lembrou da aparência do Homem-Tigre. Seu nome era Gil, ele era o Comandante da força de segurança que confrontou Hajime na primeira vez que o rapaz visitou o Mar de Árvores. Aparentemente, ele sobreviveu a invasão e estava patrulhando de novo.

— O que diabos você quer desta vez… essa é, Arutena!? Você está bem!?

— Ah, sim. Essas pessoas e a tribo Haulia me ajudaram.

Gil tentou perguntar o propósito de Hajime com uma voz selvagem, mas Arutena, que estava ao lado do garoto, notou e se mostrou. Com as palavras da Elfa, um profundo suspiro de alívio e surpresa foi ouvido.

— Isso é bom. Alfrerick-sama está muito triste. Depressa, por favor, mostre a ele sua aparência energética. Garoto. Você, por qual motivo você ajudou a nós, Demi-Humanos? Embora isso não combine com você, que é arrogante e presunçoso… bom, você tem meus agradecimentos.

— Não há uma razão específica. Foi apenas uma coincidência, uma coincidência.

Pelo clima de encontro com um conhecido, o grupo de Shizuku estava com expressões de dúvida. Shia então explicou o que tinha acontecido com discrição, e também como ela se apaixonou por Hajime, e os rostos dos estudantes mostraram consentimento.

— Muito bem, há alguém da tribo Haulia destacado em Faea Belgaen? Ou alguém que saiba onde a atual vila deles está localizada?

— Mu? Se é sobre o pessoal da tribo Haulia, há alguns deles em Faea Belgaen. Embora você já deva ter ouvido, houve uma invasão, então muitos estão vivendo em Faea Belgaen.

— Isso é bom. Bem, vamos logo para lá.

Hajime disse isso e resumiu sua viagem com pressa. Com um rosto mais uma vez impressionado, como de costume, parecia que a atitude do garoto não tinha mudado, Gil ordenou que suas tropas preparassem suas armas para guiá-los.

Não havia nenhum sentimento de hostilidade como da primeira vez, isso se devia ao fato de eles terem sido salvos pela tribo Haulia, que foi treinada por Hajime, ou isso aconteceu porque havia um número maior de pessoas desta vez… os Demi-Humanos estavam mais maduros e guiaram os humanos, já que era conveniente que eles fizessem isso sem se envolverem em nenhum problema.

“Pelo menos chegamos a Faea Belgaen, apesar de ela ter mudado muito”. Em primeiro lugar, o enorme portão solene foi derrubado, os resquícios ainda precisavam ser limpos.

E a capital do Mar de Árvores, que encantou Hajime com sua fantástica e linda natureza, foi completamente destruída com destroços espalhados em vários locais, os corredores aéreos e os canais feitos de troncos de árvores estavam quebrados em vários locais.

— Isto é horrível…

Alguém murmurou.

Hajime também concordava. A brisa fria que vinha da escuridão e a própria Faea Belgaen continham uma aura sombria.

Assim, pessoas que passavam e viam Arutena ficavam com expressões rígidas; isso era inacreditável, em seguida, elas explodiram em aplausos e correram até eles.

Os Demi-Humanos enfim notaram que havia um grupo de humanos ao lado de seus compatriotas, quando eles ouviram como Arutena foi ajudada por eles, suas expressões ainda ficaram rígidas, mas assim que eles se abraçaram expondo suas alegrias, sua desconfiança desapareceu. Das pessoas raptadas, houve muitos que correram a toda velocidade na direção de suas casas, mas só após se curvarem para Hajime.

O círculo que envolvia o Sinergista começou a crescer, e, quando eles notaram, seus arredores foram completamente tomados pelo povo de Faea Belgaen. Após um tempo, a multidão começou a abrir um caminho. Do outro lado, estava Alfrerick Hypist, a pessoa mais importante de Faea Belgaen.

— Avô!

— Oh, Oh, Arutena! Estou feliz por você estar bem…

Arutena correu a toda enquanto lágrimas escorriam de seus olhos e pulou no peito de seu avô. Com a reunião dos dois familiares que pensaram que nunca seriam capazes de se verem de novo, muitos foram movidos as lágrimas.

Após se abraçarem por um tempo, Alfrerick se separou de sua neta e, com gentileza, acariciou sua cabeça, então seu olhar se voltou para Hajime. Um sorriso sem graça apareceu em seu rosto.

— … essa se tornou uma reunião surpreendente Hajime Nagumo. Com certeza, eu não pensei que minha neta seria salva. Deixando de lado nossa relação anterior… nós sinceramente expressamos nossa gratidão, obrigado.

— Eu apenas os trouxe até aqui. Se você deseja agradecer alguém, então agradeça aos Haulia. Eu ouvi que há pessoas da tribo Haulia aqui, deixe-me falar com eles…

— Sim, mas foi você quem mudou a tribo Haulia. Tudo que vai, volta, você não apenas salvou minha neta, mas todos nós. Isso é um fato. Sua gentileza é muito mais do que merecemos e nunca seremos capazes de pagá-la, porém, ao menos aceite nossa gratidão.

Hajime, com as palavras de Alfrerick, apenas encolheu seus ombros relutantemente e coçou sua bochecha por estar um pouco constrangido.

Yue, Shia, Tio e Kaori estavam felizes por ver a cena reconfortante. E o homem que se aventurou no Calabouço com o objetivo de treinar e salvar a raça humana, com o fato de que Hajime estava salvando pessoas ao redor do mundo, uma expressão complexa apareceu no rosto de Kouki.

Depois disso, a tribo Haulia escutou sobre a chegada deles e logo se reuniu com o garoto em Faea Belgaen. Eles receberam permissão para esperar na casa de Alfrerick.

Seguindo as ordens de Alfrerick, os estudantes receberam chá (Arutena corou muito quando sua mão tocou a mão de Hajime enquanto ela o servia). Quando todos terminaram de tomar uma xícara, homens e mulheres da tribo Haulia correram para dentro fazendo barulho.

— Chefe!! Eu não o vejo há muito tempo!!

— Nós esperamos por você! Chefe!!

— Eu-eu estou honrado por finalmente te conhecer desuuuu2! Senhor!!

— Uoi! Novatos! O Chefe voltou! Contem aos outros! Voltem aqui em 30 segundos!

— Sim, entendido de arimasuuuu3!

Com a atitude das forças restantes, Kouki, que já devia estar esperando algo parecido com a reação do grupo de Pal, ficou completamente surpreso. Ele cuspiu seu chá. Enquanto todos estavam se limpando, eles notaram que vários Homens-Coelho estavam se alinhando. De pé, com as colunas eretas e imóveis com os calcanhares juntos, era a imagem de uma deslumbrante continência.

Apesar de haver muitos que não conheciam Hajime, o comportamento e discurso deles pareciam ter sido adquiridos voluntariamente, e suas forças foram expandidas.

— Unnnn, sim, faz muito tempo. Como há outras pessoas aqui, vamos parar com a continência.

— Senhor, sim senhor!

Com uma ovação para o chefe que podia ser ouvida através do Mar de Árvores, a tribo Haulia parecia estar muito satisfeita, para a ovação genuína que eles experimentaram pela primeira vez, — Nós também iremos… —, os Homens-Coelho que não faziam parte dos Haulia foram preenchidos com expectativa.

Com toda certeza, após Hajime deixar o Mar de Árvores, a voz irritada do Sargento Hartman4 podia ser ouvida ressoando pela floresta.

— Eu me encontrei com o grupo de Pal e entendi o que está acontecendo. Vocês parecem ter desempenhado um papel importante. Vocês fizeram um grande trabalho ao repelir o inimigo.

— Sim, somo gratos de arimasuuuu!!

A última resposta foi dita cheia de emoção e vozes chorosas. Hajime então passou a informação do grupo de Pal para os Haulia que tremiam de emoção. Em outras palavras, descobrindo que o grupo de Kam invadiu o castelo imperial, eles também iriam invadi-lo. E havia um pedido de ajuda.

— De fato. A mensagem de “Baltoferd da Morte Certa” foi com certeza recebida. Nós expressamos nossa gratidão Chefe.

—… na, a propósito… qual é o seu segundo nome?

— Ha? Eu? Fu, é claro. Como um relâmpago caindo, como uma trovoada imprevisível atingindo seus inimigos, eu sou “Iorunikusu, a Lâmina do Trovão”! Desuuuu!

— … então é isso…

Parecia que já era tarde demais para a tribo Haulia. Eles já estavam todos infectados. “Eu me arrependo por não ter impedido isso após ‘Baltoferd da Morte Certa’.”

Hajime se recompôs e fez uma pergunta a “Iorunikusu, a Lâmina do Trovão”.

— Parece que há integrantes fora da tribo Haulia que foram treinados, agora, quantos exatamente eles somam?

— … fique tranquilo. Muitos jovens corajosos de tribos que tinham boas relações com nossa tribo Haulia ouviram rumores e imploraram para serem treinados. Nossa atual força de combate soma 122 Soldados.

Não apenas Hajime, mas também Yue e Shia estavam surpresas, se esse era o caso, então eles aumentaram muito seus números. As intenções do Sinergista não foram entendidas, assim, “Iorunikusu, a Lâmina do Trovão” estava com uma cara de incerteza.

— Podemos carregar todos eles de uma vez. Io-runikusu. Reúna todos que querem nos acompanhar até a Capital Imperial. Eu quero ver todos reunidos aqui.

— Ha? Ha! Entendido! Imediatamente!

Parecia que “Iorunikusu, a Lâmina do Trovão” não entendeu na mesma hora, então ele ficou parado com uma cara de dúvida, mas logo imaginou que isso significava que eles iriam com Hajime para a Capital Imperial, ele prestou continência e logo partiu para reunir os outros membros.

Hajime voltou com o objetivo de seguir para o Grande Calabouço, parecia que o Homem-Coelho não pensava que o estudante iria ajudá-los. Parecia que ele ficou abalado com essas palavras inesperadas.

E Io não foi o único que estava surpreso. Shia, que estava ao lado de Hajime, também ficou chocada. Os olhos dela se arregalaram e suas orelhas de coelho se levantaram. Ela encarou o garoto.

— Ha-Hajime-san… o Grande Calabouço…

— Você está preocupada com o grupo de Kam, não está?

— U… é que… é que… mas…

Hajime acertou em cheio no alvo, assim Shia fechou sua boca.

O propósito de Hajime era o Grande Calabouço, a situação de Kam era irrelevante, Shia foi incapaz de dizer o que ela queria sobre a investigação do paradeiro de seu pai; entrar na Capital Imperial seria complicado demais. Além disso, Kam não foi sequestrado, ele avançou por conta própria. No mínimo, isso era responsabilidade dele.

Shia também decidiu seguir a decisão que Hajime tomasse. Assim como seu pai tinha seu próprio caminho, Shia tinha o seu.

Entretanto, se você soubesse que um membro de sua família estava desaparecido, você naturalmente ficaria preocupado e o procuraria. Graças a ansiedade exibida no rosto de Shia, Yue, Hajime e o resto do grupo entendiam.

Hajime caminhou até o lado da garota, que estava quieta por saber que tempo seria dedicado a essa busca, e colocou suas mãos nas bochechas da garota.

— Fe?

Para a súbita ação do Sinergista, distraída, Shia soltou sua voz com um rosto confuso. Enquanto olhava diretamente nos olhos da garota com persistência, Hajime sorriu e disse:

— Shia, essa cara preocupada não combina com você. Se você está preocupada com Kam, apenas diga que você está preocupado.

— Ma-mas…

— Nada de “mas”. Agora, o que você quer fazer? Você sempre diz o que você quer. O que aconteceu com sua impudência de nosso primeiro encontro? Em primeiro lugar, se você não sorrir… eu não serei capaz de conter minha fúria.

— Hajime-san…

Apesar de ser dito de forma mordaz, era óbvio que o rapaz estava preocupado com Shia. Essas foram palavras que a Garota-Coelho ansiava. Ela entendeu e colocou sua mão em cima da mão de Hajime em sua bochecha. Seus olhos começaram a ficar marejados com alegria e amor.

— Você pode não ter percebido… mas é que… você é importante para mim. Portanto, se anime… Eu não vou hesitar em dar o meu melhor.

— Hajime-san, eu…

— Só diga o que você quer dizer. Porque eu definitivamente irei te ouvir.

Com um calor gentil sendo transmitido para sua bochecha, para os olhos que a observavam, as palavras de Shia que ela trancou dentro de si mesma começaram a surgir.

— … Eu-eu estou preocupada com o pai desuuuuu. Só uma olhada é o suficiente, eu quero ver ele em segurança desuuuuu.

— Sério, se você apenas tivesse dito isso no início. Então, você achou que eu fosse recusar?

— Wa, eu-eu não quis dizer isso! Mou, Hajime-san é mesmo irritante!

Apesar de estufar suas bochechas como se estivesse amuada, estrelas cintilaram em seus olhos, suas bochechas foram tingidas de rosa e o rosto de uma mulher que estava olhando para seu namorado apareceu. Para resumir, sentimentos de felicidade estavam transbordando de todo o corpo da garota.

Shia, apesar de não ser sua intenção ser reservada com Hajime, devido ao aumento das mulheres que pensavam no garoto (suas rivais), ela inconscientemente se segurou para aumentar sua avaliação pessoal.

Tudo foi descartado com as palavras de Hajime: “Você é importante”.

Quando esta Shia foi vista, as mulheres reagiram.

— … nnnn. Shia, fofa.

E Yue a observava com emoção. Assim como uma irmã mais velha.

— Esta te pede, esta ficará feliz se você ocasionalmente abusar destaaaa.

E Tio fez uma declaração que não poderia ser considerada como nada além de pervertida. Haverá uma forma de curar essa séria doença dela?

— Uuuuu, que invejaaaa.

— Bom, eu ficarei feliz se o homem que eu gosto dizer isso para mim…

— Na-Nagumo-kun… você é muito direto. Eu mudei minha opinião sobre você. Suzu está chocada.

— Shia… que inveja, eu também, com Hajime…

A ordem das frases foi: Kaori, Shizuku, Suzu e, por algum motivo, Arutena também.

Assim, por fim, Shia notou seus arredores. Seu rosto ficou carmesim e ela se cobriu com ambas as mãos. Entretanto, sua vergonha não poderia conter sua alegria; suas orelhas de coelho estavam balançando com alegria, até sua cauda estava se movendo de acordo com seu sentimento.

Então, Io voltou nesse momento. Parecia que as preparações da tribo Haulia tinham terminado. Foi excessivamente rápido.

Alfrerick e Arutena estavam se despedindo do grupo de Hajime enquanto eles partiam em Ferner e voavam na direção da Capital Imperial.


Tradutor: Zé   |   Revisor: SrDrumond



Notas

[1] Jin era o ancião que tentou agredir Hajime no capítulo 34, na primeira visita do garoto ao Mar de Árvores.

[2] O desu (です) é o verbo copulativo Japonês, também chamado de verbo de ligação, ele sempre é usado no final da frase para passar uma ideia de afirmação, de algo verdadeiro. No Português, esse verbo seria o “ser”, no Inglês, seria o famoso verbo to be.

[3] De arimasu (であります) é uma variação do verbo japonês desu considerada mais formal. É um termo que, no passado, era usado por militares japoneses para relatarem algo para seus superiores.

[4] Referência ao Sargento Hartman do filme Full Metal Jacket (“Nascido para matar” em português) de Stanley Kubrick.



Fontes
Cores