UD – Capítulo 86 – Procura e uma donzela em perigo!



86. Procura e uma donzela em perigo!

 
“Então está decidido. Nós vamos começar a investigar todas essas localizações e determinar se nós podemos encontrar um traço do Conselho.” Miruliru assente com uma expressão satisfeita.

“E você tem certeza de que aquela Eris te disse a verdade?” Carne resmunga enquanto está folheando um bloco de papéis.

“Certo tanto quanto é possível. Eu mantive Eris por perto só por garantia.” Eu sorrio para o grupo na mesa. Nós estamos em Asheim para conversar a respeito de nossas ações futuras.

“Você a manteve perto? Não me diga que você fez algo irracional como com o El Shaddai!” -Chiffre

“Nãonãonão. Nada assim. Vocês não tem que se preocupar.” Eu continuo sorrindo. Hmmm. Mas as conversas sobre El Shaddai me lembram de algo.

Parece que eu esqueci alguma coisa. Hmmm.

“Entendo, você não quer falar. Bem, dá no mesmo nesse caso.” Gwalonna dá de ombos.

“Nós vamos checar todos os locais dentro de nossos territórios e relatar de volta assim que encontrarmos algo.” Zanders assente para o grupo e some.

Um após o outro, o resto parte também até eu estar sozinho na sala. Hah. Ainda parece que eu esqueci algo.
Que seja. Alguma hora eu lembro. Enquanto eu cantarolo uma melodia eu piso em um caminho para dar uma olhada em nosso mais novo projeto.

Eu reapareço na plataforma panorâmica acima de Quimera. Para ser mais preciso, é na lua. Para lidar com a rápida aparição de novas esferas, nós decidimos investir massivamente em nossa frota de fortalezas voadoras.

Ao pisar próximo à grande janela, eu obtenho uma boa visão de uma longa fileira de naves cristalinas. Bem, eu vou chamar aquelas coisas de naves. Elas são menores que as fortalezas com formas longas e elegantes.

Nós decidimos fazer isso dessa maneira porque elas são mais fáceis de se construir. Ou crescer nesse caso. E usando uma fortaleza inteira é um sério exagero para se lidar com pequenos incidentes.

Os outros poderes não têm algo assim ainda. Mas eles estão brincando com a ideia. A comunidade arcana já lançou alguns de seus protótipos.

As fortalezas e naves oferecem proteção se nada mais. Não é fácil abrir uma armadura de cristal blindado. E em casos de lutas, elas são os perfeitos pontos de convocação de valor estratégico.

“Vejo que você veio dar uma olhada no meu trabalho.” A voz de Margerie me alcança por trás de mim.

Eu me viro e sorrio enquanto a abraço. “Eu fiquei curioso sobre quanto o seu projeto evoluiu.”

“As primeiras naves vão voar dentro do próximo mês. Nós concentramos todos os nossos esforços em desenvolver a lua como um estaleiro até o momento. Se nós não encontrarmos nenhum problema imprevisto, nós começaremos a terminar uma nave a cada três dias.” Margerie sorri orgulhosamente enquanto cruza ambos os dedos na frente de si.

Eu ergo minhas sobrancelhas. Isso é mais do que eu barganhei. “Nós ao menos temos pessoas o bastante para tripulá-las?”

“Elas têm tripulações menores que as fortalezas e há muitas funções de segurança nos sistemas. Nós podemos até emprestá-las aos outros poderes se nós ficarmos sem pessoal. É claro apenas em troca de uma pequena taxa.” -Margerie

Eu sorrio tortamente para ela. “Eu não ficaria muito confiante que caras como a Comunidade Arcana não sejam capazes de dar um jeito de contornar esses recursos de segurança. Eles têm um pessoal muito astuto.”

Margerie bufa com esse comentário. “Eu duvido que eles tenham a coragem de mexer com meus recursos de segurança. Eu vinculei qualquer brecha de segurança diretamente a uma completa conversão de energia.”

“Conversão de energia”? -Eu

“A mana que compõe o cristal vai ser completamente convertida em energia, se uma força estrangeira tomar controle da nave.” -Margerie

“VOCÊ TÁ DOIDA!? ISSO VAI EXPLODIR TODO O SISTEMA SOLAR EM PEDAÇOS!” Eu grito. Isso é perigoso! Nunca libere a energia de um cristal de mana descontroladamente!

“MUAHAHA! Vai ficar tudo bem! Está tudo dentro dos meus cálculos. Metade da mana vai ser gasta para criar barreiras. A destruição será restrita a um pequeno espaço ao redor da nave.” Margerie dá um tapinha no meu ombro com um sorriso confiante.

“Eu ainda não tenho um bom pressentimento a respeito de algo assim acima de Quimera.” -Eu

Eu continuo falando com a Margerie sobre as medidas de segurança dela por meia hora até eu me sentir relativamente seguro sobre a segurança desse projeto.

Depois disso eu parto a fim de voltar para minha família para o jantar. Se tornou um costume para toda a família comer junta pelo menos uma vez por semana há muito tempo.

Eu reapareço dentro da sala de jantar onde a Celes já está esperando com as crianças. Arthur, Katrine e Ireth já estão aqui também. Só o Nicosar está faltando?

Eu me sento à mesa. “Cadê o velhote?”

“Nicosar pegou uma das fortalezas para investigar possíveis esconderijos do Conselho.” Ireth me dá a versão resumida.

Ele poderia ter deixado outros fazerem um trabalho chato desses. Checar todos os lugares que alguém pode se esconder dentro do multiverso é uma tarefa hediondamente chata. Mesmo que você possa se mover em uma velocidade instantânea de um local para outro.

“Bem. Ele poderia ter tirado um tempo e vindo aqui para jantar pelo menos.” -Eu

“Você conhece ele. Se ele estiver em uma tarefa, ele não para até que esteja concluída.” -Arthur

“Querido. Eu me perguntei recentemente. Mas você libertou o Tjenemit como nós decidimos?” Celes me pergunta enquanto Rose lhe serve um prato de comida.

Eu bato meu punho em minha palma aberta! “É ISSO! Eu sabia que tinha esquecido alguma coisa!” Eu pego o globo do meu bolso. Eu carreguei ele por aí por tanto tempo! Pareceu completamente natural tê-lo no meu bolso e de algum jeito eu esqueci sobre a existência dele.

“LUUUZ! A LUZ VOLTOU! FINALMENTE A ESCURIDÃO SE FOI! O GRANDE MESTRE DIVINO FINALMENTE DECIDIU…..”

Eu sorrio para o globo-Tjenemit. De alguma forma eu não quero jogá-lo fora. Esse pequeno tagarela é muito divertido, e relaxante também. É um bau de tesouro de entretenimento.

De repente o globo é tomado da minha mão! “HEY!”

“Essa expressão na sua cara tava nojenta! Eu lidarei com isso. Você é obviamente relutante demais para jogar fora coisas velhas e usadas!” Ireth me encara.

Enquanto eu tento objetar, minhas palavras ficam presas na minha garganta. Eu não posso ir contra minha mãe. O que há de errado comigo!? Eu sou o rei e eu não posso ir contra minha mãe!? Eu tenho que me levantar contra isso!

“Sim, mãe.”

Merda! Eu queria dizer não! Eu nunca vou me livrar desse condicionamento!

*********Em outro mundo, em outro tempo*********

Nyaaa! Esse é o pior resultado de todos! Minha jornada para glória e salvação! Eu só cheguei a meio caminho norte quando mercadores de escravos me capturaram!

Agora eu vou muito provavelmente ser vendida como uma escrava sexual! Eu quero chorar! Vida estúpida! Maldição estúpida! Correntes estúpidas!

*Chuta* *Chuta* *Chuta*

“Moça! Você vai atrair a atenção do escravizador.” A garotinha ao meu lado está acorrentada a mesma árvore que eu.

Os escravagistas montaram acampamento quando a noite caiu. Há vinte deles e cerca de quinze escravos. Em maioria mulheres e criancinhas.

Eu ouvi que eles são de um vilarejo próximo. Os escravagistas o atacaram enquanto os homens capazes estavam em uma caçada. Enquanto saqueavam tudo, eles capturaram todo mundo que não pôde correr rápido o bastante.

“Quem se importa!? Eles vão fazer coisas horríveis com a gente. Importa se acontecer cedo ou tarde?” Eu resmungo com a garotinha.

“Você é uma pessoa melancólica, Moça. Por que nós não esperamos pelo melhor e confiamos nas nossas habilidades e nos deuses?” A garotinha sorri para mim.

Eu começo a rir. “Habilidades e deuses? Malditos sejam todos! Eu estava em uma jornada pra me livrar das minhas habilidades! E deuses? A única coisa que eu recebi deles até agora foram maldições!” Eu cuspo no chão para fazer um ponto.

“Parece que você teve uma vida difícil até agora Moça. Se importa em me contar sobre ela? Talvez eu possa ajudar?” A garotinha se senta de pernas cruzadas ao meu lado e dá um tapinha no meu ombro.

“Você é uma garotinha! Mais nova que eu!” “Quantos anos você tem?” “Doze? Treze? Como você quer me ajudar? Você não pode nem imaginar pelo que eu passei!” Eu estouro com a garota sem um bom motivo. Eu só quero descarregar minha raiva!

Como eu pude ser tão estúpida em acreditar que eu conseguiria fazer uma viagem dessas sozinha! O mundo é muito diferente de uma cidade.

“Eu posso não parecer, mas eu vivi em um monastério e recebi a melhor educação possível dos monges. Eles pensaram que eu era fofa demais para ser deixada nas ruas. Eu li muitos livros na minha vida curta. Então se você me contar sua história, eu posso ser capaz de oferecer algumas palavras sábias.” -garotinha

Eu suspiro. “Minha história não é digna de ser contada.”

“Eu quero julgar isso por conta própria. E nós não temos nada melhor pra fazer.” -garotinha

Após alguns segundos eu concluo que eu não tenho mais nada também. Então eu conto a ela sobre minha vida como herdeira do maior puteiro na cidade. E sobre a maldição daquele deus pervertido!

Como eu não podia nem sair de casa sem me cobrir. Eu seria caçada por hordas de idiotas imediatamente caso contrário.

Nunca ser capaz de falar com o sexo oposto normalmente. Eles sempre ficariam enfeitiçados pelos meus olhos ou voz.

E como compus minha determinação de procurar por uma cura e treinei que nem doida. Mas eu nunca encontrei qualquer pista sobre os deuses que estavam envolvidos na minha maldição tirando a divindade local da nossa cidade. Mas a divindade não importava de qualquer jeito. A intromissão dela não me afetou.

Então eu decidi viajar e procurar ao redor do mundo por respostas. Só para descobrir que eu era presa fácil para alguns escravagistas com cordas e paus! Eu tive sorte deles não me estuprarem na hora.

Quando eu termino, eu olho melancólica para o fogo a alguns metros de distância. Aaah. Com certeza deve estar quentinho lá.

“Você é uma daminha estúpida Moça. Pensar que você viveu sua vida assim até agora é verdadeiramente hilário.” A garotinha ri e me insulta.

“O quê? Como você se atreve a dizer algo assim?” Eu chio com ela.

“Moça. Você viveu sua vida toda sem nunca tentar controlar seus poderes ou usar eles pra sua vantagem. Você só se banha no seu próprio azar e sente pena de si mesma.” -garotinha

Eu abro minha boca com uma expressão chocada. Esse é o conselho dela?

“Moça. Depois de ouvir sua história, você só reclamou sobre os deuses. Os deuses são injustos e cruéis. Mas na verdade você foi abençoada por dois deuses e amaldiçoada por um. Dois grandes e um menor estão envolvidos no seu destino.” A garota inclina sua cabeça para mim.

“Vo… Você sabe alguma coisa sobre Angrod e Miruliru?” Eu tenho me arrastar para perto da garota, mas as correntes me impedem.

“Hmm. Vejamos. Angrod é o deus-rei do Reino de Quimera. Sua alma parece estar sob a jurisdição dele. Se eu me lembro bem ele é um ser muito muito poderoso, apesar dele não ser amplamente conhecido porque ele normalmente não se interessa em seres mortais. Ele é um deus de magia e mudança.”
A garota inspira.

“Miruliru é uma deusa benevolente e agradável. Ela é sábia e prestativa. E muito bondosa. Ela é uma deusa da fé e determinação. Você deveria agradecê-la. Obviamente você fez algo muito desagradável na sua vida passada para o Angrod brincar com sua alma assim. Mas Miruliru teve pena de você e evitou o pior. Imagine sua vida se sua mentalidade tivesse sido masculina?” A garotinha ri para mim.

Minha mente não está funcionando após ela começar a falar sobre os deuses. “Você sabe como eu posso me livrar dessas maldições?”

A garota sacode sua cabeça. “Idiota. Você não escutou? Angrod é um rei entre deuses. Um ser mágico além da imaginação. E ele mexeu com a sua alma muito muito meticulosamente. Eu duvido que todos os deuses desse mundo juntos possam tirar essas maldições de você. Miruliru é uma deusa muito forte também e ela pôde só ajudar um pouco.”

Eu deixo minha cabeça cair. Minha esperança se foi. Meus sonhos. Tudo fútil….. então a garotinha me chuta. “Ow!”

“Não deixe a cabeça cair! Esse é o seu problema! Você só aceita suas habilidades como maldições, mas elas são mais! Elas foram dadas por um ser divino e você tem uma lista delas, uma lista maior do que a maioria dos mortais, tirando os heróis, jamais poderia imaginar! Use-as! Aprenda a controlá-las! Teste-as! Chame um daqueles mercadores de escravos e diga a ele para soltar as correntes e nos deixar ir!” -garotinha

“Do que você está falando? Eles seriam idiotas em fazer isso.” -Eu

A garotinha bufa pra mim. “Se sua mente está presa em uma gaiola dessas você pode merecer seu destino. Você não tem uma habilidade de mudar seu destino? Use-a! Use os poderes do Angrod! Elas vieram do rei dos deuses! Elas estão fadadas a serem poderosas!”

Eu penso sobre isso por um segundo e então eu decido tentar. Talvez ela esteja certa e eu esteja vendo isso do ângulo errado.

“~~~OOi? Caras? Eu tô tão sozinha aqui. Não tem nenhum de vocês que queira vir aqui e conversar?~~~”

Quatro dos escravagistas se levantam e vem em nossa direção. Merda! Eu só precisava de um de vocês! Não venham aqui com seus amigos!

“Olha! A bonitinha está se sentindo sozinha. Talvez nós devamos entretê-la um pouco?” Um escravagista gordo começa a coçar sua virilha enquanto de pé diante de nós.

“Não! Eu vou tomar ela sozinho. Uma boa garota dessas não é pra gordos como você.” Outro escravagista não muito bonito e magrelo insulta seu colega.

“O que que você disse?” -escravagista gordo

Os outros só me encaram com olhos lascivos.

“~~~Uuum. Eu acho que se vocês me provarem seu valor, eu poderia mostrar o paraíso a vocês. Eu gosto de homens fortes!~~~”

“Eu vou te mostrar!” De repente o Magrelo puxa uma faca e corta a garganta do gorducho.

Eu assisto em horror enquanto o sangue espirra para todo lado. O magrelo deve ter acertado uma artéria. Eu nunca vi alguém ser morto antes.

“~~~KyAAAA!~~~”

Eu grito em horror enquanto o escravagista gordo cai diante de mim e todos os escravagistas saltam com meu grito. Outro cara apunhala o magrelo por trás enquanto o quarto puxa sua espada.

Os outros escravagistas alcançam os combatentes e tentam impedi-los, mas uma coisa leva a outra enquanto alguém é empurrado e tropeça em sua própria espada!

“~~~AAAAIIIIIIII!~~~”

Eu grito com toda minha força com lágrimas nos meus olhos! Por que eles estão fazendo isso!?

Um combate de curta distância selvagem irrompe com todos contra todos. Eu nem mesmo entendo porque eles de repente começaram a lutar uns contra os outros após darem uma olhada no meu rosto horrorizado.

Segundos depois tudo está terminado e um campo de cadáveres está diante de mim. “Oh deuses! Tanto sangue! Oh deuses! Eles se mataram!”

As outras escravas assistiram em horror silencioso, enquanto a cena se desdobrava diante de seus olhos.

“Eu disse que você deveria chamar -um- deles pra cá. Não começar um maldito abatedouro” -garotinha

Eu sacudo minha cabeça enquanto eu olho horrorizada para ela. “Como eu deveria saber que isso aconteceria!?” Eu olho de novo para os cadáveres que estão caídos perto de nós. Mas ainda longe! “Como nós vamos conseguir as chaves agora!? Eu matei a gente?”

A garotinha dá um suspiro profundo. “Bem. Pelo menos você finalmente sabe do que você é capaz. Talvez você aprenda disso e comece a olhar seus poderes em uma outra luz. Guiar mortais com certeza é difícil. Eu vou te dar um pequeno bônus só porque você é uma donzela em apuros burra por enquanto.”

Huh? A voz dela e aura mudaram? Algo pesado está no ar e é difícil para mim respirar. Parece que algo muito maior que eu está por todo o nosso redor.

A garotinha se levanta enquanto suas correntes se derretem e se soltam de sua pele como água. Um belo vestido fofo ao invés dos frangalhos aparecem nela e ela começa a saltitar em direção a um dos cadáveres.

Eu acho que esse era o líder. A garota agarra um conjunto de chaves do cinto dele e as joga diante de mim no chão.

“Não esqueça de oferecer algumas orações para os deuses de tempos em tempos. Especialmente para MIM! Eu vou ficar nervosa caso contrário! Ajudar alguém duas vezes sem agradecimento não é meu estilo.”

Eu olho para cima, mas a garotinha se foi.

“Miruliru?”

Como se para confirmar minha questão, minhas algemas de repente se abrem e caem ao chão.

“Mortal esperta! Tente ganhar um entendimento das suas -bençãos- até nós nos encontrarmos de novo.”


Tradução: Batata Yacon   |   Revisão: Heaven   |   QC: BravoEd



Fontes
Cores