UD – Capítulo 69 – Trabalho para a próxima geração?



69. Trabalho para a próxima geração?

-NÃOOOOOO! -TRAÍÇÃO!-

Eu assisti com curiosidade enquanto a coisa dentro do buraco negro rasgava a mente espelho em pedaços e a devorava. Eu a havia preparado em caso algo desse fatalmente errado.

Obviamente a -coisa- dentro do buraco negro não ficou feliz quando percebeu que não havia capturado uma alma verdadeira.

A primeira regra em um duelo de mentes é “Não lute abertamente”. O meu eu verdadeiro se escondeu dentro da sombra de meu espelho. É claro, se você armar algo assim, você estará sem controle. A mente espelho fará como achar melhor de seu ponto de vista e você pode apenas acompanhar.

Mas é perfeita como uma isca. Descobrir as habilidades do inimigo é importante. Eu retraio minha mente da esfera e olho para a mesma com desgosto.

Todos que usaram a esfera foram devorados? A coisa parece ter uma conexão direta com o buraco negro.

Então a coisa dentro do buraco negro reprogramou os Membros do Conselho e eles começaram a alimentá-la com as almas de deuses? Esse é um pensamento horripilante. Ela fica forte com cada alma que devora?

Eu me levanto, caminho até a porta e a abro. Lá fora estão um bom número de pessoas me olhando com expressões preocupadas. Esses caras deveriam relaxar um pouco. Os outros magos mentais imediatamente tentam me escanear.

“Ajoelhem-se perante o governante do mult-”  *TAPA*
*Blergh!* 
“OwOwOwOW! Foi uma piada! Parem com isso!” 

Celes imediatamente me estapeou sem hesitação enquanto Arthur me pegou em um mata-leão e Nicosar pulou em mim para me segurar.

Eu deixo minhas defesas caírem e os magos mentais verificam minha identidade.

Mas o que eles veem em minhas memórias não os fazem felizes e todo mundo, ou empalidece, ou faz uma careta.
As expressões da minha família se tornam azedas já que eles já temem o pior.

“Ele está bem.” Um dos caras mais velhos anuncia depois de um minuto. “Só um pouco bagunçado da cabeça. Eu não consigo acreditar que alguém assim é nosso rei!”
Os magos mentais assentem sem exceção.

Eu sorrio e aceno para que eles escutem. “Nós recuperamos todas as almas das pessoas que morreram durante a luta?”

“Nós estamos bem certos de que recuperamos todos os nossos, porque pusemos prioridade neles.” Um dos magos me informa.

Leva um bocado de tempo para uma alma flutuar para um novo mundo e reencarnar. Então todos ainda devem estar próximos a esse sistema. Almas não devem ir em direção a um buraco negro por conta própria.

Uma alma livre é atraída por cada ser vivo capaz de contê-la. O buraco negro não deve ter qualquer atração. Eu ainda não quero alimentar aquela coisa nem um pouco, mesmo por acaso.

“Limpe todo o sistema de almas livres. Até nossos inimigos. Eu quero um espaço completo livre de almas ao redor do buraco negro.” Dois dos meus subordinados se curvam e desaparecerem. Eles não têm que perguntar mais nada porque escanearam minha mente.

“Você pode explicar o que está acontecendo?” -Arthur
Arthur e Nicosar saem de cima de mim e me põe de pé.

Após pensar por um segundo eu respondo. “Parece que há -algo- selado dentro do buraco negro e a Esfera de Visão está configurada de modo a conectar a mente do usuário diretamente a ela. Essa coisa teve grande prazer em comer a mente espelho que eu criei.”

Eu espero por um segundo para deixar a informação afundar. “Então no momento parece que o Conselho foi manipulado por aquela coisa para alimentá-la. Eles jogaram refeições em suas presas por quem sabe quanto tempo.”

“Nós poderíamos ter sido comida dela também se não fosse pela Seria.” Arthur murmura para si mesmo.

Eu anuo. “Nós não temos como ter certeza, mas pode muito bem ter sido que as ações da Seria tenham sido responsáveis por manter a coisa em uma dieta baixa.”

“Nós deveríamos destruir a Esfera de Visão. É inútil para nós. E então nós esmagaremos aquela sala também. Talvez esmagar a cidade inteira seja melhor.” Celes pensa alto.

“Eu acho que você está certa sobre a Esfera. Mas nós ainda podemos precisar da sala.” -Eu

“Você está insano? Tudo que você poderia fazer com ela é alimentar aquela coisa ominosa.” -Nicosar

“Eu não quero alimentá-la Eu quero ter a sala em caso uma daquelas coisas ainda esteja fora do buraco negro!” Eu solto a bomba neles.

“Essa possibilidade não… é…” Mas Arthur é interrompido por Nicosar.
“Infelizmente ele está certo. Nós temos que trabalhar com o pior dos casos em mente. Então se nós assumirmos que o culpado não pertencia ao Conselho. Ainda pode haver alguém desconhecido nesta equação!”

Eu anuo. “A próxima coisa que eu quero é que cada um que volte para nossa casa seja mentalmente checado duas vezes!” A última coisa que eu quero é que nós carreguemos alguém indesejado conosco. Então eu quero todo este sistema fora de limites! Apenas os guardas. E em casa nós construiremos mais algumas fortalezas para montar uma vigília constante aqui.

Então eu aceno minha mão para materializar meu cajado. “E a Esfera, ela será lidada aqui e agora.” Eu me viro e caminho de volta para a sala.

Diante da esfera, eu tomo posição e a acerto com toda minha força. Eu invoco um escudo, enquanto a esfera se despedaça e estilhaços dela espirram pela sala. Escurecendo lentamente, a sala fica silenciosa e um pouco menos brilhante que antes.

Celes olha para dentro com uma expressão curiosa. “Eu pensei que você quisesse quebrar a Esfera e não a cidade.”

Eu me viro. “O quê?”

“A cidade acabou de perder toda a energia.” Arthur dá sua observação.

Mas então a luz lentamente retorna e uma voz feminina estoura pela sala em uma língua estranha.

~Jegme’nod. Mjerk’sod’lemef~ 

“Eu não entendo uma única palavra. E vocês caras?” -Eu
Mas todos sacodem suas cabeças.

~Ajustando a linguagem para os atuais cidadãos. Reinicialização completa.~ 
~Sistemas contaminados reconhecidos. Removendo sistemas contaminados.~ 
~Há pessoal não autorizado dentro de partes vitais da cidade. Identifiquem-se.~ 

Celes me dá um olhar acusador.
“Santa merda! O que eu quebrei agora!? Desde quando essa cidade pode falar?” Eu não consigo acreditar nisso. Esta cidade tem algo como um super computador instalado?

~Eu não sou uma cidade. Meu nome é ‘a Guarda’. Eu fui criada para garantir o aprisionamento continuado da grande calamidade que flagelou o multiverso. Identifiquem-se! Ou vocês serão removidos!~ 

“Espera ai! Nós estamos do seu lado. Eu acho que você não está totalmente por dentro da situação!” -Nicosar

~Calculando diferença de tempo de acordo com o movimento estelar.~

Eu prendo minha respiração e a Celes sussurra para nós. “Aquela coisa foi obviamente feita pra guardar o buraco negro, mas falhou miseravelmente. Nós deveríamos dar no pé, caso ela não esteja bem da CPU ou o que quer que use para pensar!”

~ Eu posso te escutar. E você não precisa ter tais medos. Meus criadores fizeram-me capaz de manter minha vigília mesmo após o retorno deles ao ciclo de vida e morte.~

“Então, quanto tempo você esteve apagada e por quê?” -Arthur

~….~

“Alô?” – Nicosar

~ Meu cálculo me diz que se passaram quatro bilhões de anos desde que eu tentei a reinicialização. ~

Eu assobio e dou uma olhada ao redor. “Então eu imagino que você não possa nos dizer também quem manipulou o Conselho?”

~ Eu não sei nada de um Conselho. Não há uma facção assim dentro dos Ascendidos que governam o multiverso.~

“Me dê uma versão completa da história, tanto quanto você saiba.” -Eu

~ Não tem autorização para esta informação. ~

Eu franzo meus lábios enquanto penso sobre a Guarda. Ela parece ser uma A.I altamente avançada. Mas de mente muito literal também. “Guarda. Seus criadores se foram e você falhou em sua missão até agora porque dormiu! A sociedade dentro do multiverso passou por uma série de mudanças. Nós somos a coisa mais próxima da mais alta autoridade no momento. Então seria muito inteligente se você nos dissesse como proceder com a coisa dentro do buraco negro.”

Alguns segundos de silêncio seguem enquanto Guarda considera a situação.

~ Você primeiro. Qual é a história do Multiverso de seu ponto de vista? ~

Celes se intromete e dá a Guarda nossa versão da história. Pelo menos tanto quanto nós conseguimos reunir. Após meia hora era se cala e Guarda começa a falar.

~ Entendo. Algumas coisas deram muito errado enquanto eu dormia. Tanto quanto eu sei, os Ascendidos são… eram as existências mais altamente avançadas no multiverso. A sociedade deles encobria tudo e era o objetivo deles liderar toda vida inferior ao status de perfeição assim como eles. ~

~ Mas mesmo que seus corpos fossem durar para sempre, suas mentes não podiam suportar a eternidade. Muitos retornaram ao ciclo de vida e morte pelo qual todas as formas de vida inferiores passam. Eles firmemente acreditavam que ascenderiam novamente no futuro distante para recuperar seus direitos de nascença. Mas isso não era o bastante para alguns deles. Alguns pesquisaram possibilidades para suportar a eternidade. ~

~ Eles encontraram a resposta em um experimento para juntar suas mentes em conjunto. Mas o resultado não foi estável. Aqueles que passaram pelo experimento enlouqueceram e começaram a ficar sedentos por mais almas. Fundindo-se uns com os outros e com cada alma infeliz o bastante para cair nas mãos deles, ele se tornaram o que nós chamamos ‘a grande calamidade’.~

~ Uma existência que apenas visa comer toda e cada alma dentro de todo o multiverso para se fundir com elas.
Os seres inferiores, fora os Ascendidos, não tinham chances de se defenderem contra algo assim.~

~ Então os Ascendidos restantes se ergueram para lutar a primeira e última guerra em suas histórias. Eles criaram poderosas armas para derrotar seu inimigo. Mas todos os seus esforços foram em vão, já que a grande calamidade se espalhava como uma praga. ~

~ Para cada encarnação da grande calamidade abatida, mais duas se separariam dela e continuariam sua horrível sede por almas. Os Ascendidos decidiram selar seu inimigo dentro do buraco negro acima de nós. Nem mesmo eles sabiam como escapar de um buraco negro.~

~E então eles esperaram que a grande calamidade ficaria selada até o fim dos tempos. Talvez ela até morresse de fome com o tempo. Mas após a grande caçada pela calamidade ter acabado e todas suas peças terem sido jogadas no buraco negro, os Ascendidos perceberam que não haviam muitos deles sobrando. E o tempo não estava do lado deles.~

~Eles eram velhos o bastante pra saber que alguém tinha que ficar de olho na prisão.
Então eles me criaram, a Guarda. Eles tencionaram-me para guardar a prisão pelo resto da eternidade.~

~Com o tempo, os Ascendidos desvaneceram e retornaram ao ciclo de vida e morte. Nos últimos de seus dias, quando os números deles eram apenas o bastante para preencher essa cidade, outros ascendidos começaram a aparecer.~

~Eles eram selvagens e impulsivos, em muito parecidos com o Ascendidos em suas juventudes.~

~O Mais Brilhante dos Ascendidos criou um globo para observar as novas existências em seus esforços e conflitos. Ele pretendia guiá-los em seus caminhos após ter entendido suas disputas. Mas para instalar o globo, ele tinha que conectá-lo ao meu sistema. Então ele ordenou uma reinicialização completa. O que eu fiz. …….. não acordando de novo até agora.~

“Então o globo, que estava  conectado ao buraco negro, interrompeu sua reinicialização. E após nós a termos destruído, você pôde completar a reinicialização e acordou.” Eu concluo.

~Parece ser isso. Mas se isso é verdade, algo da calamidade sobreviveu à caçada e se infiltrou nos Ascendidos. Esse algo me desligou com o globo e de alguma forma conseguiu lidar com os últimos Ascendidos. Se não eles teriam me reparado.~

Mas Celes tem suas dúvidas. “Eles ao menos sabiam como te reparar, tirando o Brilhante que você mencionou? Quem teria sabido que o globo era o culpado? Não teriam eles sofrido lavagem cerebral como o Conselho?”

~Apesar de eu não querer que isso seja verdade. Essa é uma possibilidade. E se a grande calamidade obteve controle do Brilhante, há uma grande chance de que ela pudesse se dividir e esmagar os ascendidos restantes.~

“Mas se algo dessa calamidade ainda está fora do buraco negro. Por que ela não comeu todo o multiverso até agora?” – Arthur

~A grande calamidade era capaz de plantar uma parte de si mesma dentro de um hospedeiro. A pobre alma se tornaria um mero servo, empenhado em alimentar a grande calamidade. O servo entretanto seria incapaz de se misturar com outras almas e continuaria a desejar por algo que nunca conseguiria obter.~

~É improvável que uma parte núcleo da grande calamidade tenha sobrevivido. O multiverso já teria acabado agora como você disse. É mais provável que nós tenhamos negligenciado um de seus servos e ele nos invadiu ou corrompeu outros com a ajuda do globo.~

“Você sabe que é um verdadeiro presságio de más notícias né, Guarda?” Eu pergunto a voz enquanto contemplo sobre toda a história.

~Eu sou apenas a Guarda.~


Tradutor: Batata Yacon   |   Revisor: Heaven   |   QC: BravoED



Fontes
Cores