LMS – Volume 23 – Capítulo 6 – Fortaleza Furgol

Versão em .pdf1: [NovelMania] Volume 23 – Capítulo 6 – Fortaleza Furgol (nota integrada)

Versão em .pd2: [NovelMania] Volume 23 – Capítulo 6 – Fortaleza Furgol (nota rodapé)




Otem estava liderando o caminho, com os outros Necromantes o seguindo, enquanto arrastavam ao redor os seus mortos-vivos. Olhando de muito longe, a visão de um enorme contingente de mortos-vivos os seguindo poderia ser vista.

Weed e seus subordinados mortos-vivos, também seguiram a partir da linha de retaguarda. Esqueletos, Dullahans e Cavaleiros da Morte marchavam com Weed, que estava cavalgando corajosamente sobre seu cavalo fantasma.

Não poderia ser dito que eles tinham um grande número, mas eram soldados de elite, forjados através de difíceis batalhas. Esqueletos de Elite e Guarda-Costas Cavaleiros Reais da Morte!

“Keuuu, o lorde ordenou que nos reuníssemos e seguíssemos ele”.

“Todo mundo ande mais rápido”.

Os mortos-vivos estavam com medo de Weed. Não era apenas devido ao seu carisma ou sua liderança, mas à sua forte força de vontade demonstrada nas batalhas. Também foi em razão deles terem testemunhado o seu comportamento ousado ao derrubar as forças inimigas, mesmo que isso significasse colocar os mortos-vivos em perigo.

 

Medo sentido pelo contingente de mortos-vivos: 87%.

 

Exercer precisamente o medo, em quantidade suficiente, ajudava a motivá-los na batalha e os fazia seguir Weed lealmente. Em grandes batalhas, quando um ponto ruía, isso poderia causar uma reação em cadeia e gerar o colapso de toda a formação. Embora isso não acontecesse frequentemente, o medo ajudava a prevenir que tal situação ocorresse.

“*Tosse*, a distância é bem longe”.

Apenas ouvir Weed tossir fazia os Esqueletos tremerem como árvores no inverno.

Os Esqueletos andavam arrastando suas espadas sobre o chão, enquanto os Dullahans e Cavaleiros da Morte protegiam os flancos e a retaguarda. Isso não era necessário, mas olhando para isso ele julgou que seria melhor se deslocar em formação, então os ordenou para que fizessem isso.

Outras variedades de mortos-vivos estavam espalhadas ou reunidas ao redor, ficando para trás dos outros e geralmente fazendo as coisas como eles bem entendiam.

Era incomum para os Necromantes arrastarem seus mortos-vivos com eles. Eles estabeleciam seus locais de caça e não se deslocavam ao redor muito longe de lá. Os Necromantes tinham que se concentrar, várias vezes, no controle dos mortos-vivos.

Weed falou para eles se reunirem e o seguirem, mas ainda havia algumas rupturas.

“Apressem-se, mexam-se”.

“O lorde falou. Não saiam de suas posições!”

Os Cavaleiros da Morte e Dullahans repetiam as ordens de Weed e comandavam os mortos-vivos.

Enquanto estavam em movimento, eles avistaram um grupo de reconhecimento de Furgols, mas os Necromantes despejaram suas magias para expulsá-los.

“Nós temos que economizar mana, então, por favor, lutem moderadamente”.

À medida que eles encontravam mais grupos de reconhecimento, os Necromantes reduziam o uso de seus feitiços mágicos para economizar mana. Como resultado, alguns Furgols sobreviveram e fugiram.

“Alertem o castelo sobre a invasão dos mortos-vivos!”

“Eles estão chegando!”

Havia alguma distância entre eles e os Furgols, então eles tinham que os atacar com magia. Weed franziu as sobrancelhas enquanto olhava para os sentinelas sobreviventes, fugindo de volta para a fortaleza.

“Nada de bom virá disso”.

O Necromante tentou acalmar as preocupações de todos:

“Não se preocupem sobre o grupo de reconhecimento. Não importa o que nós façamos, não há nenhuma maneira de que eles não saibam que nós estávamos vindo”.

Otem estava no comando da marcha.

Outros Necromantes de nível elevado estavam andando em vagões, arrastados por mortos-vivos, reabastecendo suas manas com meditação.

Além da rápida regeneração de mana, a meditação também duplicava temporariamente a quantidade máxima de mana do jogador. Podia ser dito que ela era uma habilidade indispensável para o uso de feitiços de alto nível ou para a preparação de uma grande batalha.

“Quando os sentinelas estiverem perto, enviem uma unidade de mortos-vivos para caçá-los. Por enquanto, nos deixe economizar mana enquanto estivermos nos movendo”.

Seguindo as instruções de Otem, os Necromantes se concentraram em avançar com seus mortos-vivos e deixaram os Furgols sozinhos.

Alguns grupos de reconhecimento chegaram muito perto e foram caçados, mas, na maioria do tempo, eles mantiveram distância e apenas observaram o movimento dos mortos-vivos.

‘Nós não deveríamos deixar os Furgols cientes de nossa aproximação’.

Weed tinha um mal pressentimento sobre isto.

O exército de mortos-vivos, que estava se movendo agora mesmo, era monstruoso em número. O avanço deles era lento e eles não conheciam o terreno, bem o suficiente, para camuflar seus movimentos.

Mesmo assim, se eles tivessem se preparado bem, teria sido possível que o Reino Furgol ficasse ciente de seus avanços muito mais tarde.

Eles não eram humanos que acenderiam um sinal de fogo no topo de uma montanha quando percebessem o avanço inimigo. Ao caçar os sentinelas, tão rápido quanto possível, não haveria quaisquer sobreviventes sobrando e o Reino Furgol talvez não os tivesse percebido.

Deixar os sobreviventes partirem era algo que nunca teria acontecido sob a vigia de Weed.

Mesmo que os grupos de reconhecimento não fossem tão fortes, uma vez que a guerra começasse, eles os estariam enfrentando novamente na fortaleza. Não havia necessidade de aumentar o número de inimigos.

Caçá-los enquanto você pode e aniquilar tudo, esse era o método de Weed.

‘Tanto faz, eles podem gerir por eles próprios’.

Weed apenas continuou seguindo os Necromantes silenciosamente.

Os Necromantes estavam competindo entre si para serem os melhores, de modo que a rivalidade e a inveja estavam além do normal. Este não era um momento favorável para tomar partido e a maioria das forças aqui eram compostas por mortos-vivos conduzidos pelos Necromantes.

‘Comparado à composição geral dos mortos-vivos, eu estou do lado mais fraco’.

Sendo constantemente observado pelos grupos de reconhecimento dos Furgols, eles chegaram à localização da fortaleza. As muralhas foram empilhadas com tijolos feitos de lama assada e estavam localizadas em uma encosta íngreme, o que tornava muito difícil para os mortos-vivos escalarem.

Os soldados Furgols já estavam preparados para a batalha, no topo das muralhas, e quando a batalha começou ficou claro qual era o lado mais forte.

Jeanne parou a sua meditação e abriu seus olhos.

“Exércitos de mortos-vivos, ataquem!”

Seguindo o comando dos Necromantes, os mortos-vivos avançaram.

Esqueletos, Ghouls, Zumbis, Dullahans e Cavaleiros da Morte!

O exército de Weed seguiu depois dos outros mortos-vivos, mas eles nunca foram para o fronte de batalha. Isso ocorreu em razão de Weed ter ordenado para que eles não lutassem e esperassem.

Era fácil ressuscitar os mortos-vivos, mas quando eles fossem ressuscitados, todas as capacidades desenvolvidas até então, desapareceriam. Ele tinha que prevenir a perda de suas forças ao explorar um combate de menor importância.

As flechas atiradas pelos Furgols foram derramadas sobre os mortos-vivos. Uma pequena porção daqueles que possuíam vida baixa, tais como os Esqueletos, morreu, mas o resto chegou a um canto estreito que levava à fortaleza.

“Kiyauu!”

“Avancem!”

Os mortos-vivos correram ladeira acima.

As flechas dos Furgols foram concentradas no caminho estreito e pedregulhos rolaram abaixo, esmagando os mortos-vivos em seu caminho. Enquanto tentavam desviar dos pedregulhos, alguns dos mortos-vivos caíram do penhasco.

Eles sofreram enormes casualidades, com nenhum deles sendo capaz de alcançar a fortaleza.

“Forjem o caminho, escalem o penhasco!”, Jeanne gritou.

Com a sua atual capacidade de liderança, era impossível comandar o exército de mortos-vivos como um todo. Contudo, os outros Necromantes deram as mesmas ordens e os mortos-vivos começaram a escalar o penhasco com seus dois braços e duas pernas.

Os mortos-vivos tinham excelentes capacidades físicas e ainda tinham um semblante de instintos remanescentes, então não era impossível para eles escalarem.

Jeanne e os outros Necromantes pensaram que fosse impossível atacar a fortaleza através do caminho onde os ataques inimigos estavam concentrados. Mesmo que eles alcançassem o fim do caminho, seria difícil obter passagem pelo portão sem sofrerem enormes casualidades. Assim, eles ordenaram a investida, ao escalarem o penhasco, para dividirem os ataques inimigos.

“Vamos conseguir algum tempo, de modo que os mortos-vivos possam escalar”.

Os Necromantes lançaram feitiços mágicos em direção à fortaleza.

Bolas de Fogo golpearam a fortaleza e fumaça negra, a partir de magia negra, surgiu, ficando maior cada vez que tocava em um Forgol, drenando suas essências vitais.

Os feitiços ofensivos eram fracos e não tinham o poder de destruir as muralhas. Eles eram apenas fortes o suficiente para fazerem os arqueiros, localizados na fortaleza, desviarem por um momento e, depois de um tempo, voltarem a atirar as flechas novamente.

A classe da magia negra também era baixa, parando e desaparecendo depois de um curto período de tempo.

Durante este tempo, muitos mortos-vivos foram capazes de escalar o penhasco, mas conforme suas mãos deslizavam ou eles perdiam o apoio para seus pés, eles caíam do penhasco e se espatifavam no chão abaixo. Além disso, quando eles caíam, eles colidiam com outros mortos-vivos.

Já que eles estavam atacando o inimigo, muitos dos mortos-vivos estavam reunidos abaixo da fortaleza. Estes mortos-vivos sem defesa recebiam danos todas as vezes que eles eram atingidos por flechas ou quando alguém caía em cima deles. Na pior situação, dezenas de mortos-vivos colidiam uns com os outros enquanto caíam e todos se espatifavam no chão.

Escalar muralhas claramente não era uma tática ruim e valia a pena tentar, mas eles precisamente careciam de preparação. Teria sido bom se os mortos-vivos usassem capacetes, armaduras ou, pelo menos, um escudo de madeira, mas eles tinham a defesa mais vulnerável do que qualquer outro monstro[1].

Com todas as adversidades, os mortos-vivos tentaram escalar a Fortaleza, mas era impossível para os Esqueletos, Dullahans e Cavaleiros da Morte, sem escadas, usarem suas mãos nuas para escalar aquelas muralhas compostas de tijolos firmemente empilhados. Eles escorregavam muito e, quando tentavam não cair, eram atingidos por flechas e morriam.

“É impossível. Recuem!”

Jeanne no final desistiu e reconvocou os mortos-vivos junto com os outros Necromantes.

Descer o penhasco também não foi fácil, visto que os Furgols não ficaram apenas parados. Contando o número de mortos-vivos que voltaram em segurança, cerca de um terço do exército sofreu danos.

É claro, a unidade de Weed mal teve quaisquer casualidades, o que motivou o recebimento de olhares de muitos dos Necromantes, mas eles não estavam em uma situação que os permitissem discutir sobre este assunto.

 

***

 

“Nós desistiremos da missão da Legião Imortal assim? Neste ritmo, os Guerreiros Furgols estarão de volta e ficará muito mais difícil”.

“Bem, nós deveríamos definitivamente tentar mais alguns ataques. Contudo, sem quaisquer bons planos, nós não teremos grandes expectativas quanto ao resultado”.

“Parece que a missão seria resolvida se nós tivéssemos mais Necromantes. Não era suficiente só conosco?”

“Talvez este seja o nosso fim”.

Era simplesmente demais, deixar a missão da Legião Imortal de Balkan terminar desta forma. Em razão de que esta era uma missão que foi dada para todos os Necromantes, ela não era uma missão simples, mas sim uma de dificuldade muito alta.

Se os Necromantes crescessem rápido e seu número aumentasse, seria muito mais fácil do que agora. Todavia, a situação não estava totalmente assim. Enquanto estes Necromantes tinham perdido suas forças de vontade e estavam discutindo o que aconteceria a seguir, Weed estava costurando um botão caído, como de costume[2].

“Realmente, conseguir uma carona não é possível”.

Seria realmente bom se ele pudesse apenas observar e a missão terminasse desta forma, mas a situação não estava favorável. Os Necromantes eram muito desajeitados em situações que envolviam cooperação ou batalhas em grupo. Era sufocante vê-los julgarem que era suficiente convocar tantos mortos-vivos quanto possível para lutar.

“Que pessoas ingênuas, elas escolheram se tornarem Necromantes, mas mesmo assim, até agora, eles sequer invadiram, saquearam ou realizaram um incêndio criminoso…”

Se Weed fosse um Necromante desde o início, ao invés de um escultor, era possível que ele já tivesse reunido mortos-vivos e devorado algumas cidades industriais.

Esses Necromantes ingênuos e conscientizados não sabiam o básico sobre invasões e isso estava claro ao observar suas ações desajeitadas.

Quando o portão da Fortaleza Furgol se abrisse pela primeira vez, a primeira coisa que ele planejou fazer era contar os tesouros, começando por alisá-los. Contudo, ele tinha que se preocupar em como conquistar a fortaleza primeiro.

“Há muitas possíveis opções”.

Graças as suas experiências, a partir de muitas batalhas, ele apareceu com táticas que exploravam diretamente as fraquezas da fortaleza.

Weed murmurou uma de suas táticas perto de Harien:

“… tem que fazer isso”.

“Perdão?”

“Mesmo que o objetivo principal seja conquistar a Fortaleza… Não há necessidade de se apressar até que os reforços deles cheguem…”

Weed não estava iniciando uma conversa, ele estava murmurando, fingindo falar consigo mesmo.

 

***

 

“Movam-se rápido! Eu ouvi notícias de que nosso reino está sendo atacado por mortos-vivos”.

Os reforços dos Furgols!

Os Guerreiros Furgols, que haviam se dispersado para caçar, estavam correndo de volta para o seu reino. Os seus números eram superiores a 9.000!

Se todos os Furgols se reunissem, as suas forças seriam capazes de cercarem os Necromantes e eliminá-los.

“Ataquem!”

Contudo, ao invés de perderem suas forças em uma guerra de cerco, os Necromantes emboscaram os Guerreiros Furgols em seu caminho de volta. Eles usaram os melhores lugares para esconderem os mortos-vivos e emboscarem os Furgols, massacrando cada um deles.

Quando os Furgols morreram, eles foram ressuscitados como mortos-vivos e aumentaram as forças dos Necromantes. A melhor parte de tudo isso, foi que o número de reforços voltando diminuiu.

“Sabendo que os reforços estavam chegando, ao invés de se pôr em perigo tentando conquistar a fortaleza o mais rápido possível, apenas caçar os reforços primeiro foi a medida correta!”

Em terras planas, poder-se-ia dizer que a força dos mortos-vivos era extraordinária. Foi possível esmagar os inimigos com o número de Esqueletos e, toda vez que os Furgols morriam, eles poderiam infligir mais dano usando o feitiço Explosão de Corpos ou transformando-os em mortos-vivos.

Os Necromantes conduziram seus exércitos, a partir de todas as direções, e eliminaram os Guerreiros Furgols. Não apenas para o propósito da missão, mas também porque eles davam uma boa quantidade de pontos de experiência e itens.

“Capturem todos eles. Há muitos outros lugares para ir, então se apressem”.

Weed liderou as suas forças, caçando os Guerreiros Furgols enquanto ganhava experiência. A estratégia que ele disse indiretamente para Harien não era uma estratégia de gênio ou algo assim.

“Caçar os monstros de forma rápida ou lenta, não há diferença. Apenas não deixe nada para trás!”

Não se importando com o fronte ou com a retaguarda, ele apenas via os monstros como pontos de experiência e itens!

Os Necromantes foram capazes de caçar cerca de oitenta por cento dos Guerreiros Furgols. Eles recuperaram completamente as tropas que eles tinham perdido e adicionaram mais, comparado com os números anteriores.

Em seguida, eles os reorganizaram como leves, porém resistentes Esqueletos Guerreiros, Esqueletos Magos e Esqueletos Arqueiros, os quais eram apropriados para a guerra de cerco.

Sem mais reforços chegando, os Furgols, presos em sua fortaleza, não poderiam resistir para sempre contra o cerco dos Necromantes, os quais espalharam doenças contagiosas dentro da fortaleza. Além disso, após repetidas batalhas, as muralhas pouco a pouco entraram em colapso.

Quando os Soldados Furgols saíram, para reparar as muralhas, os Necromantes continuaram a atacar, causando casualidades e finalmente conseguiram conquistar a Fortaleza.

Missão completa!

Quanto maior a batalha, mais o contraste nas táticas representava a diferença entre o céu e a terra.

“Obrigado. Com o seu conselho nós fomos capazes de vencer a batalha confortavelmente”.

Harien veio e prestou a sua gratidão, mas Weed estava observando as toras e frutas secas, empilhadas na tesouraria dos Furgols, com desespero. Ele virou-se e mastigou a casca seca, de uma das frutas, de forma lamentável.

 

***

 

Weed se classificou como um dos principais comandantes da Legião Imortal. Esta era uma posição que lhe permitia conduzir uma unidade de mortos-vivos dentro da legião.

“Eu ouvi sobre as suas grandes conquistas em batalha e vim até aqui. Eu dou-lhe a minha lealdade”.

Mais mortos-vivos vieram para se tornarem um dos subordinados de Weed. Era irritante, em relação aos Esqueletos, que andavam até ele com as suas juntas fazendo barulho.

“Vocês, descubram a si próprios e alinhem-se”.

Mesmo em relação aos mortos-vivos do nível de Dullahans, estava se tornando ligeiramente cansativo.

“Você sabe como puxar uma espada? Se você puder lutar bem o suficiente está tudo bem”.

Weed sequer piscou quando, até mesmo, um Cavaleiro da Morte veio para trabalhar sob seus comandos.

“Oh, você veio”.

“Apenas mais ou menos!”

Não importa quanto de esforço era colocado para evoluí-los, ele não era um Necromante e os mortos-vivos não poderiam se tornar seus verdadeiros subordinados.

Weed era alguém que lavava pauzinhos descartáveis, utilizados em refeições orientais, para reusá-los, mas uma vez que a missão terminasse não era conhecido se eles voltariam a se tornar mortos-vivos inimigos.

Na realidade, o primeiro exército enviado pela Legião Imortal para conquistar Morata tinha sido aniquilado. Era um enorme exército de 120 mil mortos-vivos, mas um grande número deles havia se dispersado durante a marcha e foram parados pelos paladinos da Ordem de Freya e pelos jogadores de Morata.

Os jogadores estavam felizes, visto que podiam elevar seus atributos de fé e obterem armaduras antigas, espadas e itens há muito tempo enterrados. Contudo, de acordo com os rumores a partir da Legião Imortal, uma força maior, de 190 mil mortos-vivos, foi mobilizada e despachada.

A Guerra entre Morata e a Legião Imortal estava em curso.

Se Balkan já tivesse recuperado todo o seu poder, Morata se transformaria em cinzas e a cidade seria conquistada pelos mortos-vivos.

A ordem pública de Morata estava caindo em um ritmo rápido, sentindo a inquietação do fluxo, de jogadores iniciantes e residentes, decrescendo. Se não fosse pela Grande Catedral, eles estariam em uma situação muito pior.

De qualquer forma, o exército de mortos-vivos de Weed, de modo idêntico, não era tão ruim. Embora houvesse uma discrepância nas classificações ou classes, o número de Esqueletos chegou a um pouco mais de 600, os Dullahans a 123 e os Cavaleiros da Morte a 89.

A partir daí, a missão que Weed recebeu foi a de conduzir suas forças para a batalha. Ordens foram dadas por ele, tais como suprimir monstros em colinas ou em cavernas e assegurar um caminho para o exército de mortos-vivos.

Já que o carisma de Weed era elevado, os mortos-vivos o obedeciam bem e não houve problemas na solução da missão de dificuldade ‘C’.

“De uma maneira ou de outra isso é factível. Não é muito bom, em relação à recompensa, quando em comparação com uma caçada ininterrupta”.

Enquanto Weed estava resolvendo missões, um jogador Necromante, que estava arrastando seu contingente de mortos-vivos, veio até ele.

“Saudações”.

Vendo que o outro lado cumprimentou primeiro, Weed acenou com a cabeça em retorno.

“Olá”.

Necromantes normais cobriam a si próprios com mantos até a cabeça e carregavam ao redor bastões com uma caveira na ponta.

Weed estava usando uma armadura completa com uma espada afivelada na lateral.

A saudação de uma pessoa, arrastando seus mortos-vivos ao redor, normalmente era uma visão bizarra além da comparação. Foi muito estranho dizer olá um para o outro.

‘Ele disse Marey?’

Comparado aos outros jogadores no desfiladeiro, Weed era um recém-chegado, então ele apenas sabia o nome dos jogadores.

Os Necromantes às vezes cooperavam, mas na maioria do tempo eles estavam em competição, caçadas ou em missões intermináveis. Eles não tomavam qualquer partido e, desta forma, sabiam muito pouco uns sobre os outros.

Marey, em uma voz calma, se apresentou primeiro:

“Meu nome é Marey. Eu tenho certeza que você já me viu muitas vezes passando quando nós éramos Esqueletos e Fantasmas e agora, uma vez mais, neste desfiladeiro”.

“Sim, eu sei disso”.

“Entendo, mas minha profissão original era a de um bardo”.

“Como?”

Weed tinha uma personalidade que não se surpreendia facilmente, mas desta vez ele ficou enormemente surpreso.

Marey Stanbard, se sua classe original fosse a de um bardo, então não havia erro. O ranker que tinha uma posição no Reino Halsburg, conhecido como o melhor entre aqueles pertencentes a classe dos bardos. Ele era um jogador muito famoso.

“Como você veio parar aqui…”

“Eu acho que você está curioso, certo? Se eu explicar isso de forma complicada não haveria fim para a história, mas devo dizer que eu cheguei aqui pegando carona em uma brisa e agora estou compondo um hino para os mortos-vivos?”

“…..”

Os bardos geralmente escolhem aventuras enigmáticas. Diferentes dos aventureiros, que exploram profundamente lendas ou masmorras, os bardos perambulam ao redor sem rumo. Era uma classe que sabia todos os tipos de histórias e rumores, ao mesmo tempo em que tocavam instrumentos musicais!

Mesmo se eles tivessem uma fama baixa, eles poderiam extrair sentimentos de simpatia em direção a eles e fazer os aldeões lhes contarem histórias.

Quando eles paravam uma missão no meio do caminho, até mesmo as suas punições eram pequenas.

Muitos escolhiam esta classe em razão do seu charme e, mesmo em Morata, os bardos eram uma classe realmente popular.

Marey, maravilhado, perguntou-lhe curiosamente:

“Mas você é, por acaso, Weed o Deus da Guerra?”

Se Weed usasse a habilidade Metamorfose Escultural, para disfarçar a sua identidade, a sua aparência mudaria completamente. Mesmo se os outros tivessem olhos afiados, seria difícil de perceber.

Contudo, agora mesmo ele não estava usando a habilidade, mas mesmo assim, quando ele se transformou em um Cavaleiro da morte, Marey o percebeu.

“Como você sabia?”

“Uma coisa boa sobre os bardos é que eles possuem bons ouvidos. Mesmo através dos sons que os animais fazem e das vibrações no chão nós podemos ouvir histórias. Nós podemos escutar, casualmente, informações por estes meios. Agora mesmo, você está fazendo as maiores conquistas e elas são incomparáveis com as dos outros Necromantes”.

A competição entre os jogadores estava em uma vertente incrivelmente feroz, tendo em mente que aquele que mais avançou era o Weed.

Os Necromantes estavam ocupados se concentrando em suas batalhas e arrastando seus mortos-vivos, de modo que eles não eram capazes de prestar muita atenção nos outros. Contudo, em razão de Marey ter muita experiência em aventuras, apenas por ouvir as histórias de segundo plano, sobre uma pessoa com as façanhas mais ilustres, ele percebeu que ela era o Weed.

“Os Necromantes ingênuos não podem exibir movimentos como aqueles em batalha. A única pessoa que poderia avançar tão longe, sem convocar mortos-vivos, é Weed. Eu tenho observado você por um longo período e estava completamente certo de que era você”.

Mesmo entre os jogadores Necromantes, rumores de que Weed estava trabalhando na missão foram espalhados amplamente. Ao completar continuamente as missões em cadeia, eles ficaram curiosos se também não se encontrariam com Weed ao lado de Balkan!

Contudo, na verdade, eles não estavam cientes de que Weed começou desde o básico, como um Esqueleto, junto com eles.

“A sua dedução é muito impressionante”.

As mãos de Weed lentamente alcançaram a sua espada. Na verdade, ele havia criado ressentimentos em quase todos os lugares, de modo que em qualquer lugar vago, que não fosse uma aldeia ou cidade, ele não poderia ficar tão distraído.

Mesmo se a outra pessoa fosse o melhor bardo, ele próprio era um dos mais brilhantes escultores entre todos os jogadores.

Um bardo era mais ágil e poderia equipar mais armaduras ou espadas, então ela era uma classe mais próxima daquelas relacionadas ao combate. Todavia, esse tanto de desvantagem era facilmente superado. Além disso, neste momento ele era um Cavaleiro da Morte e tinha muitos mortos-vivos o seguindo.

‘Eu deveria me livrar dele?’

No amplo Continente de Versalhes, com tantas pessoas dentro dele, Marey se aproximou de Weed de uma maneira amigável. Entretanto, na mente de Weed, a tentação estava se aproximando.

‘Se eu o matar, ele provavelmente derrubará alguns bons itens. Pelos menos um item único que pode ser usado no nível 380 cairá, certo?’

Weed já tinha feito uma estimativa!

Na verdade, Marey integrava a ala dos jogadores de boa reputação entre os rankers em Royal Road. Embora houvesse acidentes de forma ocasional enquanto viajava livremente, ele era muito amigável com jogadores novatos e tinha habilidades excepcionais com instrumentos musicais.

‘Devem ser todos rumores infundados. Como eu posso acreditar em tudo isso?’

Era um pântano profundo de desconfiança do qual era difícil nadar para fora.

‘Sim, mesmo se não for um item único, haverá a queda de um item decente. Com o dinheiro que eu fizer vendendo-o, eu posso comprar arroz e cozinhá-lo e, em seguida, ficarei feliz enquanto o estiver comendo… ’

Em sua mente, Weed já tinha descartado Marey e estava decidindo a duração do leilão dos itens na internet.

Contudo, assassinar outros jogadores de nível elevado não era, em última análise, a forma de Weed ganhar dinheiro. Era muito melhor ganhar uma renda estável enquanto caçava e subia de nível.

Entretanto, em sua frente uma presa incrivelmente deliciosa havia aparecido.

A vida de Marey estava sendo ameaçada a cada segundo que ele chegava mais perto. Todavia, ele esticou a sua mão primeiro.

“Você não caçará em grupo comigo?”

“O quê?”

“Para ser honesto, comparado a Weed-nim e aos outros que estão aqui, eu tenho um objetivo diferente. Você conhece bem os bardos?”

É claro que Weed sabia sobre os bardos, bem como sobre as outras classes. As características da classe, os instrumentos que eles usavam, o preço dos equipamentos e até mesmo a renda gerada a partir das apresentações, baseadas nas habilidades de canto e instrumentais.

“Meu objetivo é criar um hino sobre os mortos-vivos e, se possível, eu posso criar um poema épico se permanecer ao lado de uma pessoa em uma grande missão. Assim, eu desistirei de todos os direitos em relação aos itens obtidos a partir das caçadas e das missões”.

Se os hinos ou poemas dos bardos tornarem-se famosos, eles se espalharão ao redor de todo o continente. Os bardos podem ganhar fama e dinheiro se suas músicas se tornarem populares. Além disso, atributos, tais como carisma e charme, também aumentavam.

Era o romance de um bardo perambular ao redor do continente e experimentar missões e batalhas. Eles eram capazes de receber missões além de suas habilidades e limitações.

Marey segurou sua capa esfarrapada com a sua mão direita, para cobrir a parte superior de seu corpo, e se curvou um pouco para baixo, em reverência.

“Perambular ao redor do continente e escrever canções, poderia ser dito que este é o destino de todos os trovadores. Eu não sei o que você deseja realizar, mas eu não serei uma distração. Você formará um grupo e caçará comigo?”

Os bardos poderiam ganhar recompensas apenas por olhar a aventura dos outros com seus próprios olhos. De qualquer modo, esta era uma oferta que não era desvantajosa para Weed.

Contudo, o fato de Marey se aproximar de Weed primeiro era como obter um parcelamento a partir de um ladrão de bancos!

“Tudo bem, vamos juntos”.

Apenas por olhar para suas classes, este era o nascimento de uma combinação estranha, de um escultor e de um bardo.

 

***

 

Zabrin aumentou abundantemente suas realizações na Aldeia Kapua.

Já que ele foi promovido para um fantasma, a Guilda Hermes lhe entregava qualquer item que ele dizia ser necessário.

“Iiiiiitttteeeennnnsssss ssssããããoooossss oooosssss mmmeeeeelllllhhhhooooorrreeess”.

Embora seu nível fosse baixo, ele era capaz de conseguir grandes efeitos a partir dos itens.

Dois Warlocks chegaram, a partir da Guilda Hermes, e lançaram um feitiço de bênção sobre ele, de modo que Zabrin foi capaz de caçar monstros em massa.

Ele usou ativamente o Anel de Relâmpago e o Anel da Destruição, os quais eram apenas utilizáveis por fantasmas ou mortos-vivos.

Cerca de metade de todos os Necromantes presentes na Aldeia Kapua tinham se reunido.

“Eeeuuu ccoommppaarrtttiilllhhaaarrreeiii iiiittteeennnssss qqquuueeee vvvooocccêêesss pprreecciisssaaammm”.

Ao demonstrar generosidade em relação aos itens, Zabrin foi capaz de reunir os jogadores em volta dele.

Era verdade que, Polon e as tropas de cavaleiros e magos, vieram capturar Weed. Contudo, ao contrário do pretendido, foram os Necromantes que atraíram suas atenções[3].

Ela não era uma classe ideal para formar grupos de caça ou para se aventurar. Além disso, havia momentos em que eles não podiam entrar em aldeias e os aldeões sentiam nojo deles, reclamando sobre o cheiro.

Os Necromantes tinham grandes poderes, mas também tinham uma experiência comparável em serem discriminados. Todavia, em batalha eles eram muito úteis.

No Continente Central havia batalhas intermináveis, ainda em andamento, seja de larga ou pequena escala. A Guilda Hermes, após conquistar o Reino de Haven, estava fazendo uma pausa para complementar suas forças, mas era amplamente conhecido que não seria uma pausa longa.

Mesmo se a Guilda Hermes não agisse primeiro, as guildas, a partir dos reinados das proximidades, formariam uma união e atacariam primeiro. Se eles pudessem trazer Necromantes para a Guilda Hermes em uma situação como esta, eles se tornariam grandes recursos em batalha.

No encontro dos principais executivos da Guilda Hermes, eles instruíram Zabrin a desistir dos itens para recrutar tantos jogadores quanto ele pudesse.

“Nós poderíamos obter… a Legião Imortal?”

É claro, a Guilda Hermes também desejava obter a Legião Imortal de Balkan.

Exércitos de Mortos-vivos já prontos para a batalha! Um número interminável de soldados que sequer precisavam de comida.

De acordo com os relatórios de Zabrin, depois que eles chegaram em Kapua, houve um número interminável de missões.

Eles não sabiam qual seria o final da missão, mas tinham suas esperanças: tornar-se o melhor Necromante e herdeiro de Balkan e, em seguida, herdar a Legião Imortal.

“Se isso acontecer, não haverá qualquer problema em caçar Weed”.

Havia uma elevada possibilidade de que Weed estivesse em algum lugar na área, mas não importava se não fosse este o caso. Eles poderiam trazer os mortos-vivos e transformar Morata em cinzas, infligindo enormes danos àqueles que se opunham à Guilda Hermes[4].

Era uma avaliação que poderia dar asas para a Guilda Hermes, de modo que fornecer os itens para Zabrin valia cada centavo.

Polon conversou frequentemente com os principais executivos da guilda.

 

Polon:

Como você quer lidar com os Necromantes de nível avançado no desfiladeiro?

Executivo:

Tais como Jeanne e Harien?

Polon:

Sim, isso mesmo.
Executivo:

Se for possível recrutá-los é o ideal. Elas estarão mais próximas de terem a autoridade para controlar a Legião Imortal do que Zabrin.

Polon:

Eu tentarei recrutá-las então.

 

A maioria dos jogadores Necromantes, incluindo Jeanne, já estava em guildas. Todavia, você nunca sabe o que aconteceria quando a Guilda Hermes emitisse uma recomendação para se juntarem a eles.

 

Executivo:

Se elas recusarem a entrar na Guilda Hermes…

Polon:

Então eu cuidarei disso apropriadamente.

Executivo:

Também há Necromantes que não foram completamente investigados. A possibilidade é alta de que um deles possa ser Weed?

Polon:

Sim, é possível. Os Necromantes estão ativos, embora intencionalmente estejam escondendo seus nomes.

Executivo:

Investigue e mate qualquer um que não seja identificado. Isso dará um bom exemplo para aqueles que não nos seguirão[5].

 

A Guilda Hermes odiava passar as coisas vagamente. Se eles não pudessem ter uma coisa, eles a destruiriam.

Essa era uma das razões pelas quais a má reputação deles era inflada, mas no Reino de Haven não existia nada que pudesse ir contra eles. Mesmo se houvesse insatisfação, não havia um único caso de alguém que ousasse chegar perto da Guilda Hermes para se vingar deles.


[1] NT = Nota barafael: parte traduzida direto da raw: 헬멧이나 갑옷, 하다못해 나무 방패라도 들었다면 좋겠지만 언데드들의 취약한 방어력이야 보나 마나한 것.

[2] NT = Nota barafael: uma metáfora para dizer que Weed, mesmo em situação de crise, estava agindo como sempre.

[3] NT = Nota barafael: traduzido direto da raw: 그러나 의도했던 바와는 달리 네크로맨서들이 그들의 관심에 들어왔다.

[4] NT = Nota barafael: Vocês estão um pouco atrasados, Balkan Demoph já teve essa ideia.

[5] NT = Nota barafael: Essa Guilda Hermes realmente acha que é a última bolacha do pacote.


Tradução/Adaptação: barafael

Revisão: Vands

Formatação: barafael

Edição: barafael

Fonte da tradução: https://clickyclicktranslation.blogspot.com.br/2015/04/volume23ch6.html


Contribua com a Novel Mania!