DDf – Volume 3, Capítulo 4.4 – NÉVOA DE GUERRA



—….

 

Da parte inferior do morro, o esqueleto nos olhou. Parecia com o olhar de um viajante que estava examinando cuidadosamente a cordilheira que ele teria que atravessar agora. Apesar dele não ter olhos, eu pude sentir seu olhar. Era frio e sem emoções. O Príncipe Herdeiro riu ao som do vento nevado.

“Vieram muitos deles, não é mesmo?

Milhares de corpos saíram de dentro do nevoeiro. Almejando o acampamento das nossas forças, os cadáveres subiram a colina lentamente. O som de uma trombeta soou na nossa base. Os galos foram surpreendidos com as trombetas e começaram a cantar. Demorou um tempo extremamente longo até os animais finalmente pararem de cantar, mas assim que o fizeram, a nevasca se intensificou novamente, escondendo os esqueletos. Não era possível enxergar coisa alguma na tempestade de neve. Não se via nada, mas ainda assim, nossas tropas levantaram suas lanças e bestas.

“Ah, entendo! É o inverno!”

O Príncipe Herdeiro berrou. Ele colocou suas mãos em torno da sua boca fazendo um formato de concha para amplificar o som, e gritou ainda mais alto.

“É o inverno! O inverno está vindo!”

Nossos soldados estavam com medo da loucura do Príncipe. Parecia que o herdeiro ao trono não estava informando os soldados de que os mortos estavam vindo, mas sim que ele estava chamando os cadáveres, fazendo com que eles se aproximassem mais rápido. O Príncipe puxou sua espada da bainha de forma muito desengonçada, e a levantou acima da cabeça.

“Todas as forças, avancem! Avanceeeeeem!”

Ele pulou sobre a paliçada e começou a correr. ‘Todas as forças, sigam-meeee…’ os gritos do Príncipe Herdeiro ecoaram ao longe. ‘Homens! Não temam a morte…!’ Os soldados continuaram parados. Incertos sobre o que deveriam fazer, eles olharam uns para os outros e então se viraram para mim. A silhueta do Príncipe desapareceu em meio a névoa de inverno.

Pouco depois.

Ele retornou de lá. O Príncipe estava ofegando fortemente. Depois de se espremer com dificuldade entre os vãos de uma paliçada, ele andou até mim. Abaixando sua espada, levantou o queixo orgulhoso.

“Nossa, nenhum soldado veio. Parece que eles não têm a menor intenção de lutar.”

“…”

“Vamos só recuar, General.”

Virando-me em direção aos capitães, eu ordenei:

“Rolem as rochas!”

Os capitães repetiram a ordem. Os pedregulhos, que havíamos preparado antecipadamente, começaram a rolar morro abaixo. Graças ao fato daquelas rochas não conseguirem rolar direito, frequentemente elas desviavam e iam em uma direção completamente aleatória, mas como havia muitos mortos-vivos em qualquer direção que elas fossem, mesmo as direções aleatórias ainda não eram tão aleatórias assim. As pedras colidiram contra os esqueletos e arrebentaram seus ossos.

“O quê? Por que eles escutam as ordens do General, mas ignoram os comandos do seu Senhor? Esses soldados gostam mesmo de discriminar as pessoas. Quando eu voltar para a capital irei puni-los como rebeldes.”

 

A batalha foi intensa desde o amanhecer.

Apesar dos nossos soldados serem velhos, eles também tinham muita experiência. Como eles já haviam visto coisas muito mais surpreendentes em suas vidas, os soldados veteranos não se alarmaram com o avanço dos esqueletos. Um soldado chegou a sair correndo, no entanto, ninguém tentou pará-lo. Os veteranos pareciam entender que se alguém tentasse escapar sozinho nessas planícies nevadas, eles ou morreriam de fome, ou congelariam e se tornariam alimento para as feras. Os soldados passaram um bom tempo mastigando pão amanhecido, que foi distribuído como café da manhã, e o engoliram com água.

Assim que os pedregulhos terminaram de rolar, os velhos combatentes levantaram suas bestas. Estas balestras eram armas de longa distância que absorviam a energia mágica dos arredores e a utilizavam para disparar as flechas. Os projéteis saíam tortos caso a arma fosse disparada rápido demais, e causava um coice muito forte e também desviava a flecha caso o disparo demorasse demais. Como os veteranos conseguiam utilizar estas armas fazendo cálculos de tempo aproximado mentalmente, os capitães não precisavam dar instruções separadamente para eles. Os virotes dos velhos soldados voaram rapidamente e perfuraram firmemente seus alvos.

Eles lutavam da mesma forma que viviam suas vidas, por conta própria. A maneira que as pessoas estavam lutando era similar a forma de vida do povo do império… Então, era como se a própria população estivesse lutando. O povo de Habsburgo estava travando essa batalha. Eu inalei profundamente o ar frio do inverno.

“Ouçam bem minhas palavras, capitães!”

Imediatamente eles se organizaram em uma fila única. Eram capitães já muito vividos. Eles eram velhos soldados que, passaram todas suas vidas até envelhecerem em bases militares de baixa patente, isso porque eles ou eram de origem humilde, ou não eram muito habilidosos, ou não conseguiam nem entrar em formação apropriadamente. A maioria deles eram soldados nascidos no norte, e eles foram abandonados aqui na retaguarda justamente por terem nascido lá. Como suas colunas ainda estavam inteiras, eles se mantiveram com as costas retas.

“Schleiermacher.”

“Sim, Vossa Excelência.”

Eu comecei a chamar cada capitão pelo nome. Um capitão cuja barba ainda não havia ficado grisalha foi à frente e fez o cumprimento militar. Ele era o segundo irmão mais novo de um oficial responsável por um moinho no meu território.  Durante a minha juventude, enquanto protegia o moinho, eu tive uma pequena paixão de infância por uma menina daquele vilarejo.

“No momento a força militar das nossas tropas centrais não passa de dois mil homens. Custe o que custar, vocês não podem permitir que nossa formação seja quebrada por aqueles corpos. Vocês entenderam? Defendam suas posições na formação até o seu último suspiro.”

“Como você ordenar, Marquês.”

“Aguentem o máximo possível. As chances dos nossos companheiros recuando conseguirem sobreviver aumenta a cada segundo que defendemos. O Norte não deixará que suas mortes sejam em vão.”

“Entendido.”

Os capitães partiram com seus servos os seguindo. Ao longe, era possível ouvir o som abafado de um capitão gritando ordens para seus soldados em meio a tempestade de neve. Os outros capitães também estavam prestando atenção nos gritos dele.

“Sir Roenbach.”

“Sim, general.”

Um homem de meia-idade vestindo uma armadura de prata veio à frente. Entre esses oficiais, ele era o único que não havia nascido no norte. Apesar de atualmente só lhe restar seu nome, antigamente ele era o líder da Guarda Imperial dos Cavaleiros do Imperador. Haviam seis cavaleiros em meio às nossas forças, e haviam vinte escudeiros os seguindo. Eles eram os únicos cavaleiros que sobraram nessas tropas.

“Liderando os cavaleiros, corram pela colina e destruam qualquer morto-vivo que esteja muito avançado. O seu dever é impedir que eles cheguem mais perto do que cinquenta metros das nossas paliçadas. Defendam a linha de frente com as suas vidas, não morram em outro lugar que não seja nela.”

“Obedecerei às tuas ordens, General.”

“O Norte não se esquecerá da sua morte.”

“Eu, Roenbach, conquistarei esta glória.”

O líder dos cavaleiros ajustou seu capacete em sua cabeça e montou no seu cavalo. Os outros cavaleiros se agruparam em torno dele. Os cavalos de guerra, que pertenciam a uma boa linhagem, estavam vigorosos, mesmo neste vento frio. Os cavaleiros curvaram suas cabeças em minha direção uma vez, e repetiram o mesmo gesto para o Príncipe Herdeiro. O Príncipe assentiu com a cabeça. Ele não falou uma palavra de reclamação sequer sobre eu utilizar os cavaleiros como eu bem quis. Apenas encarou a nevasca com seus olhos embriagados. Um a um, eu chamei cada capitão pelo nome.

“Bergmann, eu colocarei vinte soldados de infantaria pesada sob o seu comando. Se houver algum trecho das nossas defesas que pareça estar em perigo, dirija-se para lá e lute.”

“Sim, Vossa Excelência!”

Décadas atrás, durante um ano de vacas-magras, o jovem rapaz que certa vez exibiu a sua inocência dizendo timidamente que havia caçado um faisão, pois estava preocupado que o seu jovem mestre estivesse faminto, agora havia se tornado este velho capitão.

“Gebauer, reúna os servos e distribua projéteis para todos eles. Além disso, distribua o resto das nossas provisões para todos nossos homens. As pessoas lutam com a força provida pelos alimentos.”

“Eu o servirei como for necessário, Vossa Excelência.”

A garota que havia se alistado no exército apesar do seu sexo, a mesma jovem que era frequentemente importunada pelos homens, e que uma vez, havia respondido em voz alta, questionando onde estavam os verdadeiros homens e mulheres do Norte, agora já velha, estava obedecendo meus comandos mesmo depois de muitas décadas.

“Fortes soldados de Habsburgo, escutem minhas palavras!”

Eu me virei para as tropas.

“Eu não sei para quem vocês juraram lealdade, mas eu não acho que a lealdade importa quando as suas vidas estão em jogo. No entanto, todos vocês devem saber. O dever de uma pessoa, a obrigação de um soldado, essas são coisas que vocês devem conhecer muito bem. Se nós fugirmos, os jovens do nosso país morrerão. Se nós cedermos, as terras da nossa nação arderão em chamas. Oh, grandes soldados de Habsburgo, vocês que um dia já foram jovens, vocês que sempre viveram nessas terras, é hora de passarmos para nossos filhos e filhas toda a felicidade que nossa pátria nos proporcionou.”

Eu desembainhei minha espada e a levantei, apontando-a para os céus. A espada cerimonial, que havia passado de geração para geração da minha família, foi perdida na última batalha. Mas isso não tinha importância. A minha vida era o campo de batalha. Esse era o meu lar. Essa era a verdadeira Casa dos Rosenbergs.

Eu gritei. O calor que estava crescendo dentro de mim subiu, queimando e atravessando meus pulmões doentes, e explodiu no ar frio do inverno.

“PELO IMPÉRIO!”

Os soldados levantaram suas bestas e gritaram fervorosamente em resposta:

 

— PELO IMPÉRIO!

 

Esperando que a minha voz conseguisse alcançar o outro lado da formação, que eu não conseguia ver devido a névoa e a neve, gritei:

“PELO IMPÉRIO!”

Os soldados responderam.

 

— PELO IMPÉRIO!

 

As vozes dos soldados do outro lado da colina, que estavam ocultos pela nevasca, me alcançaram. Os velhos soldados, que haviam nascido em lugares diferentes e vivido vidas diferentes, iam todos ter os seus momentos finais no mesmo local. Os flocos de neve, criados em locais diferentes, carregados por ventos diferentes, todos cairiam no mesmo solo e derreteriam. Vivíamos todos como flocos de neve, e por fim, também morreríamos como um. A primeira neve caía sobre o solo e derretia, o resfriando, impedindo assim que os flocos futuros derretessem ao alcançar o chão. Eu estava feliz em aceitar que somos todos flocos de neve, com nossas vidas e nossas mortes similares. O Norte era uma nação de neve. Um lar construído para as pessoas que não podiam ir para o sul. Virando meu rosto para o céu, deixei escapar um suspiro. Este era um bom dia para se lamentar. Realmente, um bom dia para se lamentar…

No amanhecer, um capitão veio correndo a mim.

“Vossa Excelência, a primeira linha de defesa foi rompida. Os soldados sobreviventes da primeira se juntaram à segunda. Por sorte a recuada rápida foi feita sem muita confusão. Apesar de muitos terem se ferido, poucos morreram.”

“Bom. Continuem defendendo assim.”

Olhando para o mapa, dei uma ordem. A nevasca estava intensa, então era impossível de ver todo o acampamento só com os olhos nus. Enquanto desenhava coisas que eu conseguia ver, e outras que não conseguia, eu pensava sobre quais ordens dar e em que direção, e supunha onde os soldados tinham que ir.

“Nós estamos vencendo só por conseguirmos aguentar assim. Não lutem descuidadamente, e não morram apressadamente.  Aguentem o máximo que puderem. Passe essa instrução para as tropas mais uma vez.”

“Entendido!”

Em seguida, um mensageiro correu até mim. O soldado era um ajudante do capitão. Como o capitão havia caído em batalha, o escudeiro estava fazendo a tarefa em seu lugar. Eu não perguntei onde exatamente o capitão havia sido derrotado, e o ajudante também não se prontificou a falar.

“General, a segunda linha foi quebrada. Ela se juntou a terceira e estão resistindo ao avanço inimigo. Nossa moral continua alta. O líder da tropa de cavaleiros caiu em batalha.”

“Muito bem. Na volta, informe a Comandante de Companhia Gebauer para abandonar a sua ordem anterior e ir para a linha de frente. Lutem ganhando tempo, mas se movam depressa. Se movendo rapidamente, vocês vão poder lutar menos vezes.”

“Entendido, General!”

Quando chegou o meio-dia, aproximadamente quando a nevasca parou, um mensageiro veio onde eu estava. Mais uma vez, era uma pessoa completamente diferente. Desta vez, o outro escudeiro havia morrido, assim como quase todos os outros capitães, então os únicos que poderiam vir a mim para passar relatórios eram os servos dos próprios escudeiros. O mensageiro fez uma saudação muito rápida e relatou a situação.

“Nossa terceira linha de defesa foi quebrada. Todo nosso exército está resistindo nas paliçadas finais. Apesar das tropas serem compostas de unidades diferentes reassimiladas, não estamos tendo problemas em lutarmos juntos.”

“Bom. Passe o comando para os cavaleiros remanescentes avançarem. Se vocês utilizarem o caminho estreito entre as nossas defesas, então vão conseguir passar a cavalo facilmente. Ataquem os flancos dos inimigos distraídos pela nossa defesa.”

“Entendido, Vossa Excelência. Que vençamos esta guerra.”

Então um soldado diferente, e mais outro soldado diferente…

E por fim.

Tudo ficou em silêncio. Não havia mais ninguém ao meu redor.

Como o povo do Norte, os capitães lutaram até seus últimos momentos. Nós não capturamos os soldados que fugiram, e como nós não os caçamos, mais soldados se dispuseram a ficar. Da Guarda Imperial dos Cavaleiros, desde os Cavaleiros Imperiais até os seus servos, todos eles caíram em batalha heroicamente. Durante a investida final, o Príncipe Herdeiro foi à frente junto às tropas sem dizer uma só palavra. Eu não perguntei como ele havia morrido, e também ninguém se dispôs a contar. O último mensageiro a me trazer um relatório da batalha não foi um capitão, nem um escudeiro, nem mesmo um servo de escudeiro. O último relatório foi dado por um soldado sem cargo. Ele me informou que a linha de defesa final havia sido quebrada, e correu imediatamente de volta à batalha.

“…”

Sentindo o sol sereno do meio-dia nas minhas costas, eu continuei encarando o mapa.

A luz solar derreteu as carcaças congeladas, espalhando um cheiro podre e de aspecto úmido pelo campo. Esse cheiro era um sopro do Paraíso. Como a neve caía do céu, e este cheiro vinha da neve derretida, então esse deveria ser o cheiro dos céus… Então a nação da neve era a nação do céu? As pessoas da neve eram pessoas do céu? Era esse o motivo para as pessoas do Norte voltarem para o céu tão facilmente?

Minhas costas esquentaram por causa da luz do sol. Sentindo o ar úmido, lembrei-me de quando Princesa Imperial lavou meu corpo. Eu não era completamente ignorante a ponto de não saber porque ela havia descartado tanto eu quanto o Príncipe Herdeiro neste local.

 

— O que este servo deve fazer?

— Você defenderá nossa retaguarda.

— Vossa Alteza está me dizendo para morrer defendendo?

— Eu não te impedirei de fazer isso. No entanto, não será só você. Meu irmão também estará lá. Se você deixar o Príncipe Herdeiro do Império morrer, então com certeza Marquês, você será conhecido como um traidor por toda eternidade.

 

Torne-se um eterno traidor.

Era isso que a Princesa estava dizendo.

As pessoas sussurravam umas para as outras que o Marquês Georg von Rosenberg foi quem deu origem a esta guerra. O Marquês Rosenberg perdeu as Montanhas Negras e arruinou o plano do Império de encerrar este conflito, de ser uma guerra rápida. Além disso, agora o Rosenberg foi incapaz de proteger o Príncipe Herdeiro da morte, e isto abalará toda a Corte do Império. Portanto, ‘arcando com todos os seus crimes e responsabilidades sozinho, Georg cairá e será enterrado sob as carcaças congeladas, é assim que você contribuirá muito’, essas eram as verdadeiras palavras da Princesa Imperial. Sentindo-me ofuscado por tamanha Graça Imperial, eu perguntei a ela:

 

— Vossa Alteza está oferecendo uma oportunidade a este vassalo?

— Eu desejo apenas lhe dar um local apropriado. Poderá partir carregando toda a sua humilhação sozinho.

 

Apesar de ser uma oferta diabólica, ao mesmo tempo, também era o único caminho para salvar o Império, então era irrecusável.

… A Princesa Imperial realmente deu um local apropriado para este velho saco de ossos. Esta região era meu lar, era o meu país, e era o local onde viverão gerações do meu povo, a Princesa Imperial pensou em tudo isso.

Uma sombra se aproximou das minhas costas. O ser desconhecido pisou na neve. Fazendo um som qualquer, a neve recebeu o peso de alguém vivo sobre ela.

“Hm. Você é Georg von Rosenberg?”

“Isso mesmo.”

Eu continuei encarando o mapa. Cada mapa era um local onde pessoas haviam morrido. Eu pensei nas pessoas que lutaram da mesma forma que viveram. Eu pensei nas suas mãos calejadas e firmes, puxando o gatilho das bestas. Mesmo depois de atirarem as flechas, eles continuavam puxando as cordas das armas. Atirando e puxando, eles continuavam puxando. Enquanto existir vida a batalha continua. Parecia que eu não passava de um efêmero exemplo que comprovava essa frase, esse ciclo infinito.

“A batalha acabou, criança humana. Para onde você está olhando?”

“Para a batalha.”

“Mas se essa batalha também acabar, para onde você vai olhar?”

“Para A Batalha.”

O som de metal se aproximou, cortando o ar do inverno.

… Então esse é o som da minha vida sendo cortada.

Foi isto que pensei. Eu me pergunto se a minha carne foi cortada com mais delicadeza do que o ar do inverno, pois diferentemente do ar, não escutei este corte. Minha visão girou e girou várias vezes, até que finalmente parei olhando para o céu. É para aquele local que irei. Eu fechei meus olhos.

 

— Como eu não posso limpar sua mente, considere que eu estou te consolando ao limpar seu corpo. Ao menos a sua jornada de compensação não será solitária.

 

Eu refletirei sobre o significado dessas palavras de novo e de novo. No entanto, como a nação da neve é a nação do céu, um dia, estes flocos vão retornar à terra e se acumular mais uma vez, assim dando continuidade as suas pobres vidas. O que realmente me consolava eram essas pobres vidas, elas eram imensamente mais reconfortantes do que a deferência de Sua Alteza.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A Graça Imperial de Vossa Alteza é imensurável.

Por favor, trate nós, seus súditos, com gentileza.

 

 

 

 

 

O Rei da Escória, 71º Rank, Dantalian,
Calendário Imperial. 12/03/1506
Planície de Neris, Acampamento do Exército Imperial

 

“…”

Eu olhei para baixo, em direção a cabeça de Rosenberg, caída no chão coberto de neve.

O Marquês continuava olhando em frente, com seus olhos semi-cerrados. Com toda certeza ele não podia enxergar mais nada através dos seus olhos, e também não poderia apreciar mais nada por eles. Mas independentemente disso, Georg von Rosenberg vai continuar encarando à frente, com seus olhos congelados. Virando meu rosto para a direção que os olhos dele apontavam, eu vi o céu. Murmurei:

“Vá para um bom lugar, Marquês.”

Eu levantei a sua cabeça do chão. Tirei a neve que estava no seu cabelo e limpei com um pano o seu pescoço que estava sujo com o líquido carmesim. Barbatos havia decapitado Rosenberg.

Portanto, nosso plano foi um sucesso. Apesar de ter tido uma diferença: que o Segundo Exército do Marbas foi derrotado pela Princesa Imperial, considerando as habilidades dela, no mínimo, esse era um resultado aceitável. Seria melhor considerar um alívio que a Barbatos não perdeu. Além disso, foi graças a vitória da Elizabeth que eu também pude conquistar a vitória. Foi um empate. Ainda estava empatado…

A guerra havia chegado em um período de calmaria relativamente longo.

Marbas precisava recrutar tropas novamente e a Barbatos também precisava reorganizar seu exército. Não era só as Forças Aliadas dos Lordes Demônios que precisavam de tempo, a Aliança dos Humanos também precisava de tempo para formular uma nova estratégia.

Apesar dos humanos quererem acabar com a guerra em uma batalha curta, tenho que pedir desculpas. Ainda está cedo demais. Por favor, participem da minha valsa mais um pouco. Olhando para o rosto do Rosenberg, eu sorri.

“Para onde você está tentando olhar mesmo depois da morte? Feche seus olhos e descanse bem, Marquês.”

Eu abaixei as suas pálpebras com a minha mão. Assim, Rosenberg finalmente fechou seus olhos. Eu não sabia que grande causa e que tipo de senso de justiça este velho homem estava tentando enxergar nos seus últimos momentos. Provavelmente era algo tedioso.

Um capitão se aproximou e me informou que a Barbatos estava me procurando. Ordenei que ele pegasse a cabeça do Marquês. Eu o intimidei de propósito.

“Eu quero dar isso de presente para a General Farnese. Segure isso bem, a General vai gostar muito. Se você, por um acaso, perdesse essa cabeça, acredito que a General ficaria bem chateada com você. Caso isso aconteça, nem mesmo eu poderei segurá-la.”

O rosto do capitão empalideceu enquanto ele enrolava cuidadosamente a cabeça do Rosenberg. A forma que seus dedos tremiam fazia parecer que ele estava segurando a sua própria cabeça. Dei uma risadinha e fui me encontrar com Barbatos. No meio do acampamento inimigo, Barbatos estava lixando suas unhas.

“Oh, você chegou?”

“Este servo veio a ti com a intenção de parabenizá-la por tua vitória, Vossa Alteza–.”

Entoei enquanto me ajoelhava. Se fosse por uma piada, eu era o tipo de pessoa que não se importaria nem mesmo com me ajoelhar. Barbatos bufou.

“Interessante. É muito bom ver que seus níveis de retardo estão aumentando. Siga-me.”

“Você vai me mostrar mais uma coisa boa? Ultimamente as coisas boas que você me mostra estão vindo uma atrás da outra, então eu não sei quando eu vou ter a oportunidade de dormir direito.”

Barbatos deu um grande sorriso.

“Tem como você só me seguir sem abrir a boca?”

Se você discutir, eu vou despejar uma chuva de xingamentos em cima de você de novo.

Era isso que o seu sorriso estava sugerindo.

Sendo um indivíduo que possuía fé no senso comum e na boa educação, eu a segui. Um prisioneiro estava preso em um dos cantos do acampamento militar. A sua armadura era bem grossa. Muito provavelmente a sua posição social era da alta nobreza. Barbatos sussurrou no meu ouvido:

“Esse é o príncipe herdeiro do Império de Habsburgo.”

“…”

Certamente.

Isso era mesmo uma coisa muito boa.

Barbatos mordeu levemente a minha orelha.

“Dantalian, você não quer jurar lealdade a mim. Isso é uma tragédia que eu considero mesmo muito lamentável. No entanto, mesmo que você não tenha jurado lealdade, você ainda é fiel a mim. Não planejo deixar isso sem compensação.”

“Oh? O que você quer dizer com isso?”

“Eu o darei para você.”

Barbatos passou a sua mão sobre meu peito. Parecia que cada um dos seus dedos tinha vida própria. Então essa era a sensação do toque de uma mão capaz de trazer os mortos de volta à vida. Foi o que eu pensei. Se for por esse toque, então até eu ficaria feliz em acordar imediatamente caso eu fosse um esqueleto.

“Você pode usar esse prisioneiro como quiser.”

“Barbatos…”

Levantei gentilmente o queixo dela. A Barbatos não recusou meu ato descortês. Nossos lábios se aproximaram.

“Você provavelmente já sabe disso, mas eu não gosto de mulheres com curvas pequenas.”

“Hm, e daí?”

“Mas você, só você, eu não consigo rejeitar.”

“Eu sei, seu idiota.”

Nós nos beijamos por um longo tempo. Era um beijo não de luxúria, mas sim de gratidão. Barbatos, grata por eu ter feito uma marcha forçada rumo ao norte para salvá-la, e eu, grato por ela não ter desconsiderado minha posição e atos, e ter me presenteado com uma recompensa justa. Quão belo é uma parceira de negócios que sabe como ser honestamente grata pelo que recebeu, e recompensa o seu parceiro logo em seguida? Nós éramos belos parceiros. Eu afastei meus lábios dos dela e sussurrei:

“Embora o desejo de levar isso aos finalmentes aqui e agora esteja crescendo, não—”

“Tudo bem. Nós já fodemos bastante ontem. Vá tratar dos seus negócios.”

Barbatos gesticulou em direção ao Príncipe Herdeiro com o queixo. Eu balancei a cabeça concordando e me aproximei dele.

Imagino que o Príncipe tenha rolado bastante no chão, já que a sua aparência estava mais suja do que a de um vira-lata. Seu cabelo era prateado, mas, graças à lama, ele estava porcamente misturado com uma cor marrom. Com o rosto cheio de sujeira, ele olhou para mim. Seus olhos estavam fundos, como o de um alcoólatra que havia acabado de acordar de uma bebedeira.

“Quem é você…?”

“Um inimigo da Elizabeth.”

“…”

“Você não gostaria de ouvir minha proposta, oh Príncipe Herdeiro?”

Eu dei um sorriso gentil.

 

Senhor irmão mais velho.

Eu vim informá-lo sobre uma coisa boa.

 

 


Tradutor: Yuere   |   Revisor: Ryoukusan000


 


Fontes
Cores