DDf – Volume 3, Capítulo 2.3 – Inverno



Farnese fez carne-seca com os cães de caça mortos. Estávamos a uma semana de distância do local onde os Lordes Demônios planejavam reunir seus exércitos. Durante uma semana, Farnese continuou mastigando a carne-seca dos cães e afastando os soldados com seu olhar.

Durante um destes dias o rio não havia congelado completamente, então nós montamos acampamento próximo ao serviço de balsa para descansarmos. Havia um pequeno vilarejo localizado próximo ao serviço de balsa. Eu dei um comando militar os proibindo de pilhá-lo.

Durante a tarde, três soldados foram pegos. Eles eram criminosos que invadiram sorrateiramente  propriedades privadas para roubar e estuprar mulheres e crianças. Quando eu recebi este relatório, a Farnese e a Lapis estavam ao meu lado, tomando chá alegremente em uma sala. O chá me aqueceu por dentro. Abaixando a minha xícara, eu olhei para a Farnese.

“Já que você é a general, decida a punição.”

“Eu gostaria de executá-los.”

“Execução, hmm?”

Depois de olhar rapidamente para a Lapis, eu me virei para a direção da Farnese.

“Execução não é algo exagerado?”

“Eles são pessoas que desobedeceram o comando militar. Além disso, eles também são os primeiros a cometer um crime. Esta punição decidirá como os castigos acontecerão no exército de agora em diante. Esta jovem senhorita deseja lidar com isto severamente.”

Lapis interrompeu a conversa e perguntou baixinho.

“E com que método você vai fazer isto?”

“Para conseguir estabelecer uma regulamentação militar apropriada, as cabeças deles devem ser cortadas e exibidas. Esta jovem senhorita os decapitará.”

Lapis perguntou novamente.

“Como?”

“…”

“Eu perguntei como você planeja fazer isto, senhorita.”

“O que você quer dizer com ‘como’? Não é só colocar as cabeças deles expostas a todos?”

“Mas que patético.”

Os ombros da Farnese tremeram por causa das palavras de repreensão da Lapis. Desde o dia em que Lapis jurou que se tornaria a sua mãe, ela vinha repreendendo e afrontando a Farnese frequentemente. Lapis estava se comportando cruelmente de propósito, assim como o pai biológico da Farnese havia feito durante a sua infância. A Farnese tinha dificuldades em lidar com a Lapis quando ela se comportava assim.

“As pessoas são como ervas daninhas. Elas se erguerão novamente não importa quantas vezes elas sejam pisadas. E dentre estas ervas, os soldados contratados são os mais tenazes. Eles não irão abaixar a cabeça só porque três estupradores tiveram as cabeças decepadas. Entretanto, isto só se aplica caso você não implantar medo neles apropriadamente com antecedência.”

“Então o que esta jovem senhorita deveria…”

“Pense nisto sozinha. Esse objeto preso entre os seus ombros não é uma cabeça? Ou é só um balde de lata? Por que você não consegue pensar sozinha e vêm pedir ajuda para mim?”

“…”

“Se você realmente é a general, então não há necessidade de ajuda minha ou de Sua Alteza. Anteriormente você precisou de Sua Alteza para comprar o medo dos soldados, e agora você está tentando comprar o pavor dos soldados através de mim. Um dia você terá que pagar de volta a divida que você criou comigo e com Vossa Alteza, e o nome do preço que você terá que pagar, chama-se nada mais nada menos do que ‘a sua incompetência’. Se alguém contasse quantas vezes você teve que você teve ajuda de outras pessoas por todos os lugares, então com certeza a quantidade de competência que lhe falta seria imensa. Senhorita, eu não quero que aconteça a tragédia de Sua Alteza ter que pagar o débito que você mesma criou devido a sua própria inabilidade.

A Farnese ficou em silêncio.

Eu não me meti entre elas. Se eu interferisse agora, então a Lapis seria envergonhada e a Farnese se sentiria humilhada. Para deixar que minhas duas vassalas conversassem, e a seu próprio modo, estabelecem uma distância entre elas, eu fiquei em silêncio.

Depois de refletir por um longo tempo, Farnese murmurou.

“Esta jovem senhorita pegará a espada pessoalmente, e cortará os criminosos para…”

Tapa

Farnese abaixou a cabeça.

A bochecha que havia sido atingida ficou vermelha.

Lapis falou.

“Responda novamente.”

“… Eu não sei. Senhorita Lazuli. Esta jovem senhorita não faz a menor ideia.”

Lapis bateu na bochecha da garota com mais força do que antes. Farnese se encolheu. Ela ficou desolada, assim como um pedaço de papel alumínio amassado.

“Desde o princípio você não sabia. Apesar disto, você inventou uma resposta e teve esperanças que por coincidência seria a resposta. Se desde o início você tivesse confessado que não sabia, então você não teria apanhado, e se você tivesse mantido a atitude de continuar tentando descobrir a resposta até o fim, então o evento em que você foi estapeada também não teria acontecido. A sua desonestidade representa o seu orgulho próprio mesquinho, e a sua falta de esforços representa a sua incompetência. Quanta falta de vergonha uma pessoa mesquinha e incompetente precisa ter para continuar sentada aqui confortavelmente? Saia daqui imediatamente.”

Farnese foi expulsa do recinto.

No cômodo em que restava apenas  Lapis e eu, o silêncio perdurou.

“…”

“…”

Nós servimos chá um ao outro. Lapis e eu observamos o vapor embranquecido subindo de nossas xícaras.

Mesmo que mais chá fosse adicionado sobre o antigo, ele continuava transparente e não se tornava turvo. Chá com uma leve tonalidade era mais transparente do que a água pura absolutamente desprovida de cores. A transparência era óbvia em algo que não tinha cor desde o princípio, mas algo ter cor e ao mesmo tempo ser transparente o suficiente para conseguir enxergar o seu fundo, isto era claro e divino. Nós desejamos educar a Farnese como este chá. Lapis e eu não considerávamos o ato de transformar a Farnese em água pura e deixá-la assim, como sendo educação. Nós considerávamos o processo de cortar, moer, e ferver as folhas de chá, para só então servir a mistura em uma xícara, como sendo educação. Se eu desse cor a nossa filha e Lapis a preparasse como chá, então a Farnese carregaria uma fragrância em si naturalmente e a emitiria por conta própria. Era uma artificialidade que processava a natureza, e também era uma artificialidade que descobria a natureza. Nós não tratávamos alguém que teve a sua sede por autoridade castrada e jogada no lixo como um adulto, e nós não respeitávamos uma criança que não sabia como lidar com a sua autoridade. Nós éramos pessoas frias.

Depois de levantar a xícara a minha frente e colocá-la nos meus lábios, o chá já estava frio. Enquanto bebíamos nosso chá frio, falamos um com o outro em voz baixa.

“Como Vossa Alteza lidaria com os estupradores?”

“Mm. A questão principal deste problema é causar medo da punição nos soldados. Quanto mais distinta for a punição, mais forte será o medo, e quanto mais obscuro for este pavor, mais a punição será poderosa. Por um lado ela deve ser limpa e simples, e por outro ela também precisa deixar um sentimento de incerteza. Esta é a melhor solução.”

Lapis assentiu.

“Uma resposta lógica.”

“No meu caso, eu castraria as genitálias dos criminosos e faria um buraco no lugar onde elas estiveram antes. E depois disto eu traria um orc ou um goblin descontrolado e faria ele violar esse buraco. Com isto, ficaria claro que os estupradores receberiam estupro de volta, e os soldados temeriam a ideia de terem um buraco criado a força e terem este mesmo orifício violado. Portanto, as tropas sentiriam pavor da punição até nos cantos mais obscuros de suas mentes.”

Lapis balançou a cabeça concordando novamente.

“Isto é digno de elogios. Exceto que, seria ainda melhor se você também arrancasse seus globos oculares e inserisse os testículos no lugar. Dessa forma você poderia incluir uma metáfora os avisando para não cometerem um crime estando cegos pela luxúria.”

“Que ideia esplêndida.”

Desta vez foi a minha vez de assentir.

“Já que esta metáfora envolve tanto obscuridade quanto destaque, a punição fica ainda mais evidente. Além disto, você não estaria jogando fora os testículos cortados, ao invés disto você os reciclaria, isso deixa as coisas ainda mais belas.”

Nós nos entendiamos sem falar. Não tínhamos razão para não amar um ao outro. Depois de conhecer a Lapis eu compreendi que a expressão ‘feitos um para o outro’ não era um exagero.

“Com quantos pontos Vossa Alteza acha que a senhorita vai resolver essa tarefa?”

“Eu me pergunto sobre isto. Eu acho que ela mal vai conseguir atingir trinta pontos.”

“Vossa Alteza é generoso. Esta serva estima vinte pontos. Esta subordinada não entende porque Vossa Alteza tem uma opinião tão boa da senhorita. Se ela realmente tem talento ou não, esta vassala é incapaz de julgar isto.”

“Ela realmente tem um lado ignorante…”

Eu dei um sorriso amargo.

De todo modo, esta nossa avaliação se limitava puramente ao aspecto político. Quando se tratava de táticas, as coisas eram completamente diferentes. Nossa aptidão para a arte da guerra era completamente inexistente ou incrivelmente pequena. Até mesmo a Lapis já deveria ter percebido ao menos um pouco que a Farnese era genial quando se tratava de táticas.

“Um monstro terrível vive além das montanhas, na terra dos humanos. Farnese é a espada para derrotar esse monstro.”

“… quebra-cabeças não são a especialidade desta serva. Um monstro? Que tipo de pessoa ele é para que Vossa Alteza se refira e ele como monstro?”

“Não.”

Eu tomei o resto do meu chá.

“Isto está incorreto. É ‘ela’.”

A líder do grupo de extermínio dos Lordes Demônios daqui trinta anos.

Neste mundo se esconde uma garota que contrataria um pobre fazendeiro que sabia usar uma espada, nascido em um vilarejo de coivara, e então mandaria este aldeão como vanguarda na guerra, intitulando-o como herói.  Neste mundo se esconde uma garota que esmagaria os inimigos que persistissem, executaria os que se rendessem, e traria de volta os inimigos que fugissem para acabar com eles. Se havia uma pessoa cruel que não mudava sua própria educação depois de matar nobres, e que não sentia pena depois de matar seus próprios súbitos, também havia uma imperatriz que aniquilaria todos os Lordes Demônios e estabeleceria um império unido.

Portanto.

 

— Você sabe como esse mundo acaba?

 

Como resultado do desaparecimento de todos os Lordes Demônios, toda a energia mágica do mundo perderá o controle e transbordará, até que finalmente, isto resultará no fim do mundo. A comandante, a primeira pessoa a abrir as portas para um continente unificado, e também simultaneamente a primeira pessoa a destruir o mundo, no momento essa pessoa estava vivendo neste planeta como uma jovem princesa imperial.

Elizabeth.

Elizabeth A. E. von Habsburg.

Para enfrentá-la, Farnese era essencial. Se a princesa imperial possuía a espada conhecida como ‘herói’, então eu possuía a lâmina conhecida como Farnese. Cuidadosamente, eu saboreei o gosto do chá na minha boca.

Cresça rapidamente, Farnese.

Apresse-se a amadureça, oh Farnese.

Nós estamos vivendo para não morrermos.

 

 


Tradutor: Yuere   |   Editor: Golias



Sem internet boa parte da semana passada + fim de período na faculdade = cap mais curto. 🙁


Fontes
Cores