DDf – Volume 2, Capítulo 2.2 – Ética da Caça aos Macacos


Eu tinha certeza de que este homem era o mercador que possuía Laura De Farnese.

Suportar a minha preguiça e participar deste banquete valeu a pena. Ter conseguido encontrar o meu alvo tão rápido assim. Eu tive sorte.

Agindo como se estivesse surpreso, eu levantei a voz.

“Espera, pessoal. A filha ilegítima da família de um Duque? Do que estão falando? Eu gostaria de ouvir mais detalhadamente sobre isso.”

“Eu não estou totalmente certo disto, mas esse camarada, Giacomo, conseguiu um belo de um tesouro mesmo sendo tão jovem assim. É a primeira vez dele participando na indústria das feiras de escravos, mas meu Deus do Céu, ele conseguiu por as mãos em um produto que é A Flor dentre as flores!”

“Dizem que é a filha bastarda do Duque da casa dos Farneses.”

Os comerciantes ficaram agitados e começaram a fazer um grande alvoroço.

“A família de um Duque. E não uma familiazinha qualquer, mas sim a famílias dos Farneses! É claro que o nível de status deles caiu vertiginosamente após terem perdido na última Guerra das Rosas, mas ainda assim…”

“Bem, este é um segredo conhecido por todos. Eles provavelmente não queriam jogar a responsabilidade pela derrota em um dos herdeiros legítimos. Então eles venderam uma de suas filhas bastardas como concessão pela derrota. Contudo, tudo isto não passa de uma série de especulações.”

“Essa especulação provavelmente não seria o que aconteceu de fato? As outras possibilidades são impossíveis… Aquela pequena senhorita foi escolhida para ser um bode expiatório para a sua família.”

Alguém estalou a língua.

“Aqueles que saíram por cima após A Guerra das Rosas estão felizes por terem conseguido desornar a família dos Farneses, e os próprios Farneses estão felizes por terem conseguido reduzir seus prejuízos ao mínimo possível.”

“Se você olhar bem, aquele bando de nobres são ainda melhores nos negócios do que nós comerciantes. Keke. Aqueles no topo da pirâmide realmente sabem como as coisas funcionam.”

“Além disso, dizem que ‘aquilo’ não é de jogar fora.”

O mercador disse enquanto mordia uma coxa de galinha.

Eu transfigurei meu rosto em uma expressão de puro fascínio.

“O que você quer dizer com ‘aquilo’?”

“Aquilo, eu estou falando daquilo. O rosto e o corpo dela são simplesmente… kuuh!”

O comerciante deu uma risada perversa. Um molho marrom grudento besuntava seus dedos. Os outros mercadores concordaram animados.

“Eu também ouvi rumores sobre isto. Que ela era a princesa trancada dos Farneses.”

“Sim. Por ela ser uma mulher de beleza inigualável, eles temiam que isso fosse causar perturbações no reino. É por isso que o Duque a escondeu propositalmente na parte mais interna e oculta da mansão, para que ninguém pudesse vê-la.”

“Bem, honestamente, isso provavelmente é só um monte de mentiras.”

Os mercadores deram de ombro.

“Não importa como você analise isto, eles provavelmente a esconderam porque estavam envergonhados… Mas o que isto importa? O simples fato que rumores deste tipo terem vindo junto a ela já é algo especial. Afinal, rumores aumentam o valor do produto.”

“Mm. Eu acho que você está certo. Para início de conversa, ela vem de uma das famílias mais nobres do reino…”

“O rumor que afirmava que ela era a garota mais bela do continente já circulou uma vez.”

“E ela está na flor da idade, 16 anos!”

Todos os escravistas caíram na gargalhada juntos.

A única pessoa incapaz de acompanhar o clima do ambiente era o jovem rapaz. Ele manteve o rosto estoico.

“…Por favor perdoem-me por ir embora cedo. Boa noite.”

O homem levantou-se da mesa e andou para fora do recinto casualmente.

Os outros mercadores também lhe deram boa noite, mas o rapaz recebeu as despedidas com displicência. Seria difícil ver esta ação como sendo um comportamento positivo. Assim que o jovem se retirou de fato, os outros comerciantes imediatamente deram voz às suas opiniões.

“Ele não está agindo com um pouco de arrogância? Nós convidamos todos do mesmo ramo desta forma para que pudéssemos conhecer melhor nossos colegas, mas se ele se comporta assim…”

“Ele realmente não tem educação. Ele está apenas agindo com arrogância assim enquanto se apoia na reputação de seu pai. Hoje em dia todos os jovens são assim desse jeito.”

Parece que o jeito que os jovens se comportavam neste mundo e no meu mundo de origem era o mesmo.

Eu coloquei um sorriso no rosto e me levantei.

“Eu gostaria de dar uma olhada na feira amanhã bem cedo, então terei que me despedir de vocês e também retornarei aos meus aposentos agora. Companheiros, por favor, tenham uma noite maravilhosa.”

“Ooh. Durma bem.”

Depois de receber as despedidas dos mercadores, eu me retirei do salão de festas. Depois de instruir Lala para que ela fosse para fora da feira e se preparasse para qualquer situação, eu fui atrás do rapaz sozinho. Não tendo que ir muito longe, eu logo avistei a figura do jovem andando sozinho à noite pela feira.

“Senhor Giacomo. Senhor Giacomo!”

“Pois não…?”

O jovem virou-se para olhar para mim.

Seus olhos pareciam estar olhando para alguém suspeito.

Eu coloquei um grande sorriso no rosto.

“Você, por um acaso, não gostaria de conversar comigo?”

Vamos amaciar este novato.

 

Comerciante de Methoranum, Mercador de Escravos, Giacomo Petrarch, Calendário Imperial: 10/09/1505 Reino de Sardenha, Mercado de Escravos de Pavia

 

Em um canto da zona da feira, eu estava bebendo cerveja com estranho mascate.

Isto era estranho. Eu realmente não conseguia lembrar como eu acabei bebendo com ele assim. Parecia até que eu tinha sido possuído. Bem, em alguns dias de nossa vida você simplesmente apaga…

“Eu estou contando só para você, Senhor Giacomo.”

O homem estranho a minha frente deu um sorriso amargo.

“Para te falar a verdade, o ato de comprar e vender escravos é algo desagradável para mim. Parece que estou cometendo um crime contra a humanidade.”

“É verdade? Eu também penso assim.”

Eu respondi alegremente a confissão dele. Era por isto. Era por causa desta característica dele que nós começamos a beber juntos como se fosse algo natural. Pergunto-me se isto era uma coincidência ou se era pura sorte, mas a compatibilidade da maneira de pensar deste homem e da minha era surpreendentemente boa.

“A princípio, eu não queria ser algo como um comerciante de escravos. Entretanto, meu pai me pressionou para que eu me tornasse um. Ele disse que se eu quisesse me tornar um mercador veterano rapidamente, não tinha um negócio melhor do que me tornar um mercador de escravos…”

“Você tem um bom pai. Mas tem muitas coisas neste mundo que são mais preciosas e importantes do que se tornar um veterano. Seria bom se ele tivesse percebido isto.”

“É exatamente isto que eu penso!”

Oh Deuses, eu acabei falando muito alto sem querer.

Mas isto não era de surpreender. Era a primeira vez que eu havia encontrado alguém que se relacionava de maneira familiar e tão bem, e ainda por cima isto aconteceu no meio de uma feira de escravos. Este encontro não era algo bem excêntrico?

“Meu pai é muito aficionado ao dinheiro. Sim, o trabalho de um mercador é transportar produtos e fazer dinheiro. Eu não tenho nenhum problema com isso… Mas os escravos também não são pessoas? Sejam humanos, elfos ou ninfas… tratá-los como se fossem um tipo de produto em exibição…”

“Eu entendo. Ah, sua taça está vazia. Aqui, deixe-me servir outra.”

“Muito obrigado…”

Eu tomei o vinho que o cavalheiro me serviu. Eu senti uma embriaguez agradável crescendo em mim. Parece que eu realmente precisava de alguém com que eu pudesse livremente. Parecia que eu estava bebendo mais do que o normal, mas estava tudo bem. Ainda estava dentro da minha margem do aceitável.

E então o tempo passou. Antes que percebesse, eu me encontrei o levando para o alojamento da minha plataforma de escravos… Huh, por que eu o trouxe aqui?

“Mas que admirável. Recusar colocar correntes na maioria dos seus escravos, esta é um respeito muito humano e belo que você tem com eles.”

O homem olhou com admiração para os escravos nos vagões.

Aah, é isto mesmo. Lembrei-me agora. Ele me perguntou se podia dar uma olhada nos meus escravos e eu aceitei alegremente o pedido. Mesmo que não seja permitido trazer convidados para esta área… Isso não seria um problema muito grande, certo? Esta pessoa não era um mero convidado, ele era meu amigo.
Pensando bem nisto, qual era mesmo o nome dele?

“A maioria das pessoas apenas falam sobre isto, mas nunca tentam de fato. Você é diferente, Giacomo. Você está realmente tratando os seus escravos com zelo. Eu consigo ver isto claramente. Isso é  esplêndido.”

“Ahaha, você está exagerando.”

Ah bem, nomes não são algo importante. A coisa mais importante quando se trata de julgar uma pessoa é a sua personalidade. Estava tudo bem em confiar nele. Ele possuía uma boa personalidade.

“Exceto que, eu não acho que todos os escravos estariam satisfeitos com isso.”

“Perdão?”

Do que ele estava falando?

Não tentando me vangloriar, mas na minha opinião não existia outro mercador que demonstrava tanta preocupação com seus escravos quanto eu. Eu oferecia regularmente duas refeições ao dia para eles, e obviamente, os escravos também gostavam de mim. Mas dizer que eles não estavam satisfeitos…

“Oh Deuses, isto foi rude de minha parte. Eu estava só pensando pela perspectiva dos escravos.”

O homem deu um sorriso suave.

“Antes de serem capturados por nós, eles não viviam uma vida bem pacífica? Anteriormente eles deviam poder mover-se livremente e viver a vida como bem quisessem. Eu sinto que eles com certeza manteriam um pouco de insatisfação mesmo recebendo suas refeições na hora certa.”

“Pensar pela perspectiva dos escravos…”

Isto era surpreendente. Eu nunca tinha pensando nisto.

Eu sou um homem livre e eles são escravos. Nós claramente somos diferentes. Não tinha motivos para eu imaginar como eles pensavam sendo que eles eram completamente diferentes de mim. Mas eu havia pensando nisto assim…

Que trata-los com um pouco de cuidado e zelo já era mais do que o suficiente. Pensar pela perspectiva dos escravos? Isto era possível? Isto não era uma maneira excessivamente idealista de se pensar…?

“E como está na verdade?”

Enquanto eu recebia um choque pelas palavras anteriores do homem, ele atirou uma pergunta para mim.

Eu me recuperei com o sobressalto. Do que ele estava falando? Eu não conseguia lembrar o contexto da nossa conversa. Minha cabeça estava confusa já fazia algum tempo.

“O que é ‘na verdade’…?”

“Eu estou falando da Senhorita Farnese. Você já se esqueceu?”

Farnese? Ele estava falando da Senhorita Laura de Farnese?

Não, como que aquela família havia sido privada de seu título de nobreza, eu já não podia mais chama-la usando o nome daquela família. Mas eu não me lembrava claramente se nós realmente tivemos uma conversa sobre isto. Oh Deuses, eu acho que bebi demais.

O homem explicou calmamente.

“Eu não havia perguntando se a Senhorita Farnese estava satisfeita com sua vida como escrava? Assim que eu questionei, você, Senhor Giacomo, disse que iria mostrá-la pessoalmente a mim.”

“Ah. Isto mesmo. Isto mesmo… Por um instante eu havia esquecido.”

Eu não senti muita certeza disto enquanto respondia.

A Senhorita Farnese era um bem da mais alta qualidade. Para prevenir que ladrões a roubassem, eu a escondi na parte mais interna da minha plataforma. Mesmo que ele fosse meu amigo, eu não podia mostra-la tão levianamente. Eu estava começando a me arrepender disto. Como eu pude fazer uma promessa tão irresponsável…

O homem percebeu imediatamente a minha feição e disse.

“Entendo. Parece que você está relutante em mostrá-la a mim.”

“Não, a verdade é que…”

“Tudo bem. Por favor, não se sinta pressionado a isto. Eu meramente sugeri isso sem uma grande importância ou razão. Eu só estava curioso em relação a como você realmente lidava com seus escravos, como eles realmente se sentiam em relação a você.”

O homem deu um sorriso dolorido e murmurou.

“Sou eu quem deveria estar me desculpando. Graças a minha curiosidade, eu acabei colocando o Senhor Giacomo em uma situação difícil. Vamos voltar ao bar.”

“Ah…”

Após ver a expressão de tristeza dele, uma sensação de culpa indescritível surgiu em meu peito. Era isto então. Ele havia só pedido alguma coisa pensando em mim como seu amigo. Mas o que eu estava fazendo?

No fim das contas eu não estava tratando ele como um desconhecido? O que me tornava diferente daquelas pessoas no salão de banquete que açoitavam seus escravos? Eu era ainda pior. Se aqueles mercadores eram vilões, então eu não passava de um mero hipócrita.

“…Não. Espere por favor. Eu o guiarei até o local onde a Senhorita Farnese está.

“Perdão?”

Surpreso, o homem piscou os olhos.

“Está tudo bem mesmo?”

“É claro. Se nós apenas olharmos e já voltarmos não tem problema nenhum. Por sorte, a Senhorita Farnese não dorme a noite, então não tem problema fazermos a visita agora.”

“… Senhor Giacomo. Se você sentir qualquer dificuldade que seja em aceitar o meu pedido, então você pode recusar a qualquer momento.”

O homem estava me olhando com os olhos cheios de preocupação.

“Podem até serem apenas algumas horas desde que nos conhecemos, Senhor Giacomo, mas eu sinto que há amizade entre nós. Eu não quero incomodar um amigo.”

Eu estava comovido pela consideração que ele demonstrava. Eu disse a ele que estava tudo bem, mas ele ainda estava sendo delicado em respeito a mim e tentava recusar. Por que diabos eu estava hesitando frente a uma pessoa tão boa!?

Um sorriso se formou naturalmente em meus lábios, o leve toque de ansiedade que ainda restava em peito derreteu-se como neve.

“Não, está tudo bem. Eu, por meu próprio desejo, também quero ouvir a opinião da Senhorita Farnese. Se não for um incomodo, eu gostaria de pedir que você fosse comigo. Se é possível eu pensar a partir do ponto de vista dos escravos… as coisas que faltavam em mim até agora. Eu gostaria de discutir isto com você.”

“…”

Os olhos do homem se arregalaram.

Até que por fim, ele sorriu. Foi um sorriso muito suave.

“Giacomo. Você sabe como respeitar as outras pessoas. Esta é uma habilidade preciosa que vem do seu coração. Não é algo que qualquer um consegue aprender. Eu realmente respeito você.”

Eu não soube o que falar em resposta ao seu elogio tão direto.

Apesar de minha boca estar aberta e eu não conseguir dizer nada, ele apenas sorriu para mim em silêncio. Como se estivesse me dizendo que entendia tudo sobre mim… Não, era como se ele entendesse quanto reconhecimento que eu desejava que o mundo me desse, era este tipo de sorriso.

“Ah, bem uh. Você sabe.”

“Sim.”

O homem deu um sorriso torto.

“Vá em frente, Senhor Giacomo.”

“Isto é… P-por aqui. Por favor, siga-me.”

Sentindo-me envergonhado, as palavras não me vinham à boca facilmente.

Por algum motivo, eu me sentia muito acanhado para olha-lo no rosto. Sim, é porque eu estava bêbado. Minhas emoções estavam completamente descontroladas por causa da embriaguez. Não tinha nenhum motivo além deste. Nenhum mesmo. Realmente.

Lentamente, minha cabeça ficou tonta. Estava ficando mais difícil me manter estável. Mesmo que eu tentasse dizer que isto era tudo minha imaginação, a minha visão estava se retorcendo demais. Era estranho. Eu não deveria ser tão fraco assim quanto ao álcool.

“S-Só mais um pouco a frente.”

Minhas palavras começaram a se embaralhar. Minha consciência começou a se esvair rapidamente.

“Só mais um pouco e a cela em que a Senhorita confinada…”

“Está tudo bem, Giacomo.”

Eu estava oscilando para a direita para a esquerda e ele me apoiou com leveza.

Assim que eu apoiei minha cabeça sobre o corpo dele, toda a minha força desapareceu.

Enquanto meus olhos começaram a se fechar lentamente, eu pude ouvir a sua voz.

“Parece que você bebeu um pouco demais hoje. Responsabilizarei-me e levarei o Senhor Giacomo de volta a seus aposentos. Por isso por favor, descanse tranquilo.”

Uma voz que soava como a cantiga materna.

Sentindo-me confortado pela voz, eu fechei meus olhos.

Apesar do fato da minha mente estar totalmente desorganizada, havia que eu tive certeza absoluta de uma coisa. Eu tinha conseguido uma amizade que duraria para sempre…

 


Tradutor: Yuere   |   Editor: Yuere



Notas:

[Você liberou a rota Yaoi.]

[Afeição das discípulas fujoshis aumentou em 50 pontos.]

E não esqueçam de comentar ^^

Contribua com a Novel Mania!