Arena – Capítulo 10 – Treinamento


“Bem, já estou aqui, então posso tentar atirar umas cinco balas. As balas de chumbo que usarei para o exame e as de aço que encomendei têm pesos diferentes. Tenho que me familiarizar atirando balas de chumbo.”

“Vamos atirar.”

Peguei uma bala de chumbo, coloquei na câmara e mirei em um pinheiro que estava a vinte metros de distância.

“Pensei que seria desconfortável, mas usar a arma é bem fácil. É só pôr a bala na câmara e pronto. Bem simples. Nos rifles da era moderna têm que ter pólvora e um gatilho para funcionar. Mas esse usa balas de chumbo magicamente atiradas, não pólvora, então é bem fácil.”

Agachei-me em posição de tiro e coloquei a traseira da arma contra meu ombro.

Ajustei a vista, olhei para a arma, e mirei. Prendendo a respiração, atirei.

Com um pequeno som, senti um golpe pesado em meu ombro.

O som de um tronco de árvore quebrando soou e o tronco do pinheiro atingido foi destruído.

“O ricochete nisso é bem mais fraco que no K2 que usei no exército. Supostamente seu poder é mais fraco também.”

Claro que há vantagens nisso.

“Por ser uma arma leve e o ricochete pequeno, mesmo sem assumir a posição correta deve ser fácil atirar. Até o som é baixo. Por não ser uma pistola à pólvora, não faz um barulho tão alto.”

Aproximei-me do pinheiro para observar a impressão de onde a árvore foi atingida.

Se foi esse tanto, deve ter força o suficiente para matar.

Mirando bem, posso matar o macaco vermelho em um só tiro.

—Sylph.

—Miau.

Falei com a Sylph recém-invocada.

—Pegue a bala que acabei de atirar.

—Miau.

Sylph rapidamente desapareceu no ar e voltou com a bala de chumbo na boca, depositando-a em minha mão.

Ahh, claro…

Como previsto, a bala de chumbo estava totalmente deformada. Reutilizá-la seria impossível. Eu definitivamente devo me tornar um atirador do tipo “um tiro, uma morte”.

Afastei-me um pouco mais de meu pinheiro-alvo e atirei.
Dessa vez não acertei a árvore.

—Pegue, Sylph.

Sylph me trouxe a bala de chumbo que atirei. Dessa vez, por sorte, a forma do projétil estava boa. Vendo o tanto de sujeira nele, parece que aterrissou no chão.

“Graças a Deus. Cada tiro é precioso.”

—Sylph, você, por acaso, sabe qual a distância entre aqui e aquele pinheiro logo ali?

—Miau?

Sylph balançou a cabeça.

Aww. Sylph não entende o que são metros.”

Peguei meu celular e mostrei à Sylph o aplicativo de medidas nele.

—Aqui. Isso é um centímetro, e cem centímetros é um metro. Entendeu agora?

—Miau!

Com uma resposta confiante, Sylph marcou um número no chão.

Quarenta e um.

Droga. São apenas quarenta e um metros e eu não acertei. Não consigo acertar aquele pinheiro gigante?

—Minha mira não é muito boa.

Por um lado, o K2 que usei no exército era um armamento moderno que avançou com a ciência. Por outro lado, a arma mágica que eu tenho, à primeira vista, é bem antiquada. As balas tem um formato arredondado, então é óbvio que a precisão é duvidosa.

Eu tenho um tiro, uma morte. Mas a precisão da arma faz disso um problema. O que me resta é confiar em Sylph.

—Sylph.

—Miau?

—Se eu atirar, você pode usar seu poder para ter certeza que o tiro acertará a árvore?

—Miau.

Sylph acenou com a cabeça.

—Certo. Então vou atirar e você usará seu poder para fazer a bala de chumbo atingir o pinheiro exatamente no ponto anterior, entendeu?

—Miau!

—Ok. Vou atirar.

Posicionei a bala de chumbo na câmara e, pensativamente, assumi posição. Sem o cuidado de mirar, puxei o gatilho diretamente.

No mesmo instante no qual a bala saiu, Sylph voou.

Do pinheiro, outro som pesado ecoou. Acertei.

Corri e cheguei ao pinheiro. Surpreendentemente, a marca da bala estava exatamente no mesmo lugar que foi atingido pelo primeiro tiro.

—Conseguimos!

É uma boa precisão. Daqui pra frente posso usar a Sylph para me ajudar, assim conseguirei acertar cem de cem. O próximo problema é o quanto de poder ela gastou nesse tiro.

—Revisão de habilidade.

Invocação de espíritos (habilidade principal): Espírito de vento de nível baixo invocado no momento.

*Nível 1: Período máximo de invocação de 2 horas (Tempo restante: 1 hora e 29 minutos)

Quando o tempo de invocação terminar, você pode re-invocar em 10 horas

O tempo restante diminuiu bastante, então perguntei à Sylph.

—Sylph, faz quantos minutos desde que te conjurei?

Sylph marcou o chão.

Dezessete.

Isso significa que, ao usar o poder de Sylph, o tempo é reduzido em quatorze minutos! Eu usei muito do poder dela.

“Talvez seja óbvio que isso aconteça?”

A bala de chumbo que saiu da arma voou com extremos poder e velocidade. Faz sentido que usar o vento para desviar a bala atirada tenha custado muito poder.

E, acima de tudo, a distância é de apenas quarenta e um metros. Se fosse maior, e Sylph usasse apenas um pouco de poder, teria tido maior variação. Mas mover a bala de chumbo em uma distância mais curta precisa de mais energia.

“Se for contra apenas uma ou duas criaturas, será suficiente…”

Um tiro é quatorze minutos. Com apenas oito tiros o tempo de Sylph terá acabado.

Em uma situação com vários inimigos, não vale a pena.

Uma vez que o tempo de conjuração acaba, tenho que esperar dez horas para conjurar novamente. E essa habilidade tem uma penalidade muito alta.

—Não tem outro jeito?

Sentei-me e, enquanto descansava, comecei a pensar profundamente.

A precisão da arma mágica não é muito boa. Como seria se eu não conseguisse acertar um pinheiro há quarenta e um metros de distância? O poder de Sylph é crucial. Sem bons pensamentos na cabeça, ergui a arma mágica.

Em minha posição sentada, coloquei uma bala de chumbo na câmara e mirei no pinheiro.

—Miau.

Sylph sentou-se a meu lado e casualmente balançou sua cauda.

Agora que penso nisso, um atirador sempre tem um observador consigo, não?

Era como se eu fosse um atirador e Sylph fosse minha observadora. Mas tenho certeza que não tem uma observadora tão fofa quanto essa no mundo inteiro.

—Sylph, se eu atirar assim, você acha que a árvore será acertada?

—Miau.

Sylph assentiu.

—Você acha que consigo acertar o alvo de primeira?

Dessa vez, ela balançou a cabeça para direita e para esquerda.

—Então?

Sylph voou à minha frente e, com sua adorável pata dianteira, moveu o cano levemente para a esquerda.

—Vai funcionar se eu atirar assim?

—Miau.

Sylph assentiu.

“Certo. Será que devo tentar?”

Para não desviar a mira que Sylph armou para mim, acalmei meus batimentos cardíacos e me concentrei. Sem qualquer movimento, prendi minha respiração e delicadamente puxei o gatilho.

Acertou a árvore. Como que cheia de alegria, Sylph voou ao redor de minha cabeça.

Corri para ver o pinheiro.

“UAU!”

A profundidade do primeiro tiro foi aumentada ainda mais.

—É isso!

Uma forma de usar pouca energia da Sylph e ainda acertar cem de cem!

—Sylph, dessa vez vou fechar meus olhos e atirar. Quando eu puxar o gatilho, ajuste o cano da arma.

—Miau.

Longe do pinheiro, coloquei uma bala de chumbo a arma e fechei os olhos. Levantei o braço e apontei na direção geral.

Quando puxei o gatilho, pude sentir Sylph mover levemente o cano.

Conferi e, de novo, na mosca. Até agora, há apenas uma marca de tiro na árvore. Significa que todos os meus tiros acertaram o mesmo ponto! Além disso, consegui reduzir o uso do poder da Sylph.

Não é certo mudar a direção de uma bala de chumbo atirada.

Mover o cano logo antes de atirar usando um pouquinho de poder é a resposta.
Não tem porque eu mirar!

—Vamos fazer isso de novo!

—Miau!

Dessa vez, com a arma em punho, corri em alta velocidade.

Enquanto corria, peguei uma bala de chumbo e coloquei na câmara.

—Vamos lá!

Com todo meu poder, pulei e virei meu corpo no meio do ar, apontando a arma na direção do pinheiro.

Claro, estava com uma mira horrível, mas puxei o gatilho.

Nesse momento, Sylph moveu o cano com precisão.

Na mosca!

—Isso!

Ergui meus punhos e celebrei.

Serei capaz de acertar cem de cem não importa como eu atire. Sylph e a arma são a melhor combinação possível. É como se tivesse sido feita no Paraíso.


Tradutora: Marina M | Revisor: Asura



Fontes
Cores