ZTJ – Capítulo 27 – Já a Muitos Anos




Às cinco horas da manhã, Chen Changsheng abriu os olhos. Ele não estava acordando de seu sono, mas de seu estado de meditação. Depois de confirmar que ainda não havia mudanças em seu corpo, ele balançou a cabeça e voltou ao seu quarto para tomar banho. Quando ele encostou-se na borda da bacia de madeira e permitiu que a água ligeiramente quente lavasse seu corpo e sua mente esgotada, os suspiros passando pela toalha molhada tornaram-se uma pergunta murmurada: “Quando eu conseguirei encontrar um caminho?”

Esta bacia de madeira era cerca da metade da altura de um ser humano e foi colocada muito perto da parede da academia atrás da casa. No momento seguinte, ele ouviu um suspiro extremamente fraco do outro lado da parede, acompanhado de uma declaração cheia de ansiedade: “Quando eu conseguirei encontrar essa pessoa?”

Chen Changsheng pensou no suspiro que tinha ouvido na manhã passada e tirou a toalha molhada do rosto para virar e olhar para a parede. O que enfrentava seus olhos era um emaranhado de hera verde. A parede da academia era muito alta, então ele não podia ver o outro lado para saber quem estava falando.

Tinha sido uma voz muito imatura, muito provavelmente a de uma criança do sexo feminino. A tristeza de todas as pessoas não era necessariamente as mesmas, todavia, eram tristezas. Chen Changsheng de repente simpatizou com a menina do outro lado da parede, mas logo percebeu que, em sua situação atual, ele não estava qualificado para simpatizar com mais ninguém.

Os dias seguintes passaram com uma serenidade pacífica. Todos os dias, ele lia livros na biblioteca, e quando a noite caia, ele extrairia o brilho das estrelas para seu corpo para a Purificação. Ao longo desta Purificação, ele sempre teria os olhos fechados na meditação, naturalmente inconsciente de que o brilho tinha penetrado em seu corpo. Do ponto de vista exterior, realmente não havia mudanças. Este resultado foi inevitavelmente desencorajador, mas ele continuou a cultivar de forma diligente e incessante, nem um pouco afetado.

Assim como o seu cultivo, os reparos da Academia Ortodoxa progrediram de forma metódica. Embora o Sacerdote Xin do Departamento de Educação Eclesiástica não tenha gerido as coisas pessoalmente, não houve escassez de fundos, e tudo chegou prontamente. Naturalmente, os artesãos e os trabalhadores não se atreveram a diminuir o ritmo.

Como esta parede da academia que tinha sido desgastada por anos de descaso não conseguia bloquear o som, o vento[1] também poderia passar naturalmente.

A notícia de que a Academia Ortodoxa estava sendo reparada rapidamente se espalhou por toda a capital. A questão de que Academia Ortodoxa ganhou um novo aluno também foi espalhada gradualmente pela população. No entanto, pelo motivo do declínio da Academia Ortodoxa, as pessoas só ousaram discutir essas novidades em particular. Ninguém ousou questionar sobre isso publicamente, então o único efeito dessas novidades era adicionar a quantidade de tópicos de conversação nas mesas de jantar e chá.

Chen Changsheng não sabia que uma tempestade estava sendo construída gradualmente no exterior do mundo. Ele continuou a estudar e cultivar silenciosamente naquela escola nas profundezas da Rua das Cem Flores, repetindo uma vida semelhante, e de forma simples, não sentia que seus dias estavam passando sem vida e monotonamente.

Na superfície, parecia que ele havia parado de se preocupar se poderia obter sucesso ou não no cultivo. Na realidade, sua mente estava completamente envolvida com esse assunto. A prova era que, já fazia vários dias que ele havia limpado as tábuas da biblioteca, uma ocorrência rara para alguém tão obcecado com limpeza como ele.

Por ele não ter conseguido a Purificação, não significava que ele não tinha obtido nada dessa vida de estudo.

Ele leu muitos livros na biblioteca, a maioria dos quais ele já havia lido na Vila Xining, enquanto havia alguns livros sobre o cultivo que ele estava lendo pela primeira vez. Ao comparar os dois, ele percebeu para sua surpresa que muitas das palavras que ele havia lido quando era pequeno estavam relacionadas ao cultivo.

Quando ele estava memorizando aquelas escrituras daoístas quando criança, ele não tinha ideia do que significavam essas palavras quase incompreensíveis, nem tinha conseguido obter nenhuma explicação definitiva de seu sênior ou mestre. Ele pensou que eram palavras relacionadas à metafísica e parou de pensar sobre elas. Só depois de chegar à capital e ler esses livros sobre a fase inicial de cultivo, como “Na Purificação” na Academia Ortodoxa que ele entendeu. Originalmente, todos os métodos de cultivo do mundo, as experiências preciosas deixadas por especialistas do passado, as técnicas de certas seitas principais não destinadas a serem transmitidas para o mundo exterior, e até mesmo alguns segredos de especialistas-demônio estavam todos contidos nas três mil escrituras do Dao no antigo templo da Vila Xining!

O que isso significava?

Quem disse que ele não sabia como cultivar? Ele simplesmente não tinha começado a cultivar, ou pelo menos era o que ele originalmente pensava. Agora, ele sabia que esse argumento estava incorreto. Quem disse que não começou a cultivar? Não, desde o momento em que ele conseguia falar, ele começou, ele já estava cultivando!

As três mil escrituras do Dao contidas no antigo templo da Vila Xining eram inúmeros fragmentos de conhecimento relacionados ao cultivo. No passado, esses fragmentos tinham sido um nevoeiro espesso no seu mundo espiritual, mas as técnicas de cultivo que ele agora entendeu tornaram-se extremamente pequenas manchas de poeira que formaram núcleos no nevoeiro. O vapor começou a cristalizar em torno desses núcleos, trazendo um aguaceiro ilimitado.

Chen Changsheng havia começado uma viagem extremamente fantástica, uma viagem maravilhosa. Pode-se dizer que ele havia compreendido por analogia, e também poderia-se dizer que ele havia sido iluminado de súbito, como se ele tivesse sido sacudido por um golpe na cabeça. Mas, na realidade, a descrição mais ideal da verdade eram aquelas seis palavras: ascensão repentina através da força acumulada.

Um pouco mais de catorze anos se passaram desde que Daoista Ji o pegou do córrego, e todos os dias e todas as noites desses catorze anos haviam sido passados na leitura implacável. Aqueles catorze anos de leitura foram um processo de acumulação. Ele já havia estabelecido uma base extremamente espessa. Por fim, tudo o que ele precisava era de uma oportunidade, e então ele poderia converter esse conhecimento que ele compreendeu durante os catorze anos inteiramente em sua própria compreensão do mundo e, mais tarde, convertê-lo em sua própria força.

Assim como uma jarra de pólvora inflamada por uma faísca.

Ocorreu uma explosão maciça no mundo espiritual de Chen Changsheng. Ele leu vorazmente todos os livros da biblioteca, compreendendo as leis do cultivo. Esses fragmentos de informações que ele obteve das escrituras do Dao da Vila Xining foram mais uma vez remontados, mais uma vez revisados, e então verdadeiramente entendidos. Com velocidade quase inimaginável, ele compreendeu os segredos do mundo do cultivo, apreendeu os detalhes dessas técnicas de cultivo. Unicamente em termos de conhecimento de cultivo, já havia assustadoramente poucas pessoas no mundo com uma compreensão mais ampla do que ele.

Para ser incapaz de ter sucesso na Purificação e, de repente, obter resultado tão grande foi um fato muito prazeroso para Chen Changsheng, e também, um consolo. Uma vez que suas emoções se estabeleceram, ele mais uma vez ficou confuso e desconfortável. Ele caminhou até a janela da biblioteca e olhou na direção de Vila Xining em silêncio. As escrituras do Dao nesse antigo templo não eram objetos comuns, e seu mestre também não era naturalmente um homem comum. Ele o ajudou a estabelecer uma base muito firme para o cultivo, mas por que ele simplesmente não o ensinou a cultivar, ao invés de insistir em que ele só começasse depois de chegar à capital? Era só porque a doença do seu corpo não era fácil de tratar e queria ver se ele teria encontros de sorte neste lugar?

O tempo passou, e em um piscar de olhos, dez excedentes dias se passaram. Ninguém da propriedade do General Divino do Leste apareceu novamente, nem a empregada chamada Shuang’er. Ele ficou bastante satisfeito pelo fato de sua vida tranquila não ter sido perturbada. Mas ele estava um tanto aborrecido pelo fato de Tang Trigésimo Sexto também nunca ter aparecido. Ele havia deixado seu endereço para trás na estalagem, presumindo que ele poderia encontrá-lo. Tudo bem, esse sujeito poderia estar cultivando amargamente na Academia do Caminho Celestial.

A Academia Ortodoxa tinha apenas Chen Changsheng como único habitante. Esta era a sua própria academia.

Ele calmamente e silenciosamente leu e cultivou, gradualmente esquecendo o mundo lá fora. Ele já havia sido esquecido pelo mundo exterior. De vez em quando, ele lembraria da conversa que ele tinha ouvido no Departamento de Educação Eclesiástica, pensava na excitação daquelas atividades de iniciação realizadas pela Academia do Caminho Celestial e pela Academia Caçadora de Estrelas, e sentiu um tanto de inveja, mas ele não se importou demasiadamente com isso. Ele já se acostumou com esse tipo de vida maçante e monótona — no antigo templo de Vila Xining, quando ele lia junto com seu sênior, sua voz era o único som.

Ele tentou por vários dias a Purificação mas seu corpo parecia não ter sofrido nenhuma mudança. Ele não podia ver nenhuma esperança de sucesso, mas ele não desistiria. No final, no entanto, ele cresceu um pouco mais indiferente. Ele decidiu que, se ainda não pudesse ter sucesso nos próximos dias, ele teria que procurar livros por outro método.

A indiferença muitas vezes fez com que as pessoas perdessem um pouco o caminho, mas faria com que algumas pessoas se tornassem mais calmas — precisamente o atual estado mental de Chen Changsheng. Não se poderia dizer que ele tinha retornado a sua mentalidade original, mas ele retornou à sua mentalidade no início desse processo. Agora que ele olhava para o chão coberto de uma camada superficial de poeira, a testa desse jovem, que amava muito a limpeza, enrugou em profundo desagrado.

A maior parte desse desagrado foi dirigida a si mesmo. Ele sentiu que tinha ficado preguiçoso.

Ele trouxe água limpa do poço e começou a limpar as tábuas do chão. À medida que a poeira ia sendo gradualmente limpa, as tábuas que foram limpas com água começaram a exalar um aroma extremamente fraco. Ele desconhecia o suor que transpirara na noite em que ele acendeu sua Estrela Destinada, então, ele ficou um pouco intrigado. Este aroma era, na verdade, muito fraco. Uma única rajada de vento noturno seria suficiente para o fazer desaparecer.

Depois de terminar a limpeza, sentou-se casualmente e começou a extrair a luz das estrelas para a Purificação.

A Academia Ortodoxa era uma representação em pintura do silêncio. Ele fechou os olhos em meditação, esquecendo completamente de tudo. Ele, naturalmente, não podia ouvir os pássaros da noite na floresta que deveriam estar descansando, mas de repente, começaram a chilrear[2], um som nítido e em movimento. Os coaxar dos sapos, que cessou durante vários dias, também começou novamente a soar, felizes sem comparação.

Uma borboleta flutuou pela janela e pousou no chão ao lado dele, sem vontade de partir.

Era o pedaço do chão que acabara de limpar.

……

……

A Rua das Cem Flores era uma rua muito comum da capital. Claro, já havia sido muito famosa porque a Academia Ortodoxa, em suas profundezas, já havia sido muito famosa. Além disso, o Jardim das Cem Ervas também era muito famosa. Esse lugar era o Jardim Imperial da dinastia passada.

A rebelião mais famosa na história da Grande Dinastia Zhou também ocorreu no Jardim das Cem Ervas. Na época, o Imperador Taizong, que ainda era um príncipe, estava galopando em seu cavalo de sua propriedade para o Palácio Imperial, mas foi emboscado neste lugar pelos outros príncipes. Naquele momento, o Imperador Taizong ainda estava vestido com a sua camisola.

A conclusão final dessa rebelião era conhecida por todo o continente: o Imperador Taizong obteve a vitória final e seus irmãos imperiais foram todos executados no local, várias centenas de seus seguidores foram simultaneamente decapitados.

Por causa dessa história sangrenta e sem glória, o Jardim das Cem Ervas perdeu seu status de Jardim Imperial e foi colocado sob a custódia do Salão da Virtude Celestial da Ortodoxia, para ser usado para cultivar ervas medicinais e frutas espirituais. Talvez por causa que solo do Jardim das Cem Ervas tinha absorvido muitos nutrientes do sangue, ou talvez porque muitos cadáveres haviam sido enterrados debaixo dele, as ervas medicinais e os frutos espirituais plantados aqui floresceram. Mais uma vez, foi valorizado pelo Tribunal Imperial e colocado sob rígida guarda.

Na realidade, poucas pessoas sabiam que a razão pela qual o Jardim das Cem Ervas estava tão fortemente protegido, além das preciosas ervas medicinais e frutas espirituais que cresciam dentro, era que ele costumava ser usado como uma residência para figuras importantes e poderosas que achavam inconveniente aparecer em público. Por exemplo, quando a Imperatriz Divina foi expulsa do Palácio Imperial, ela residiu neste templo em cultivo. Foi precisamente por esta razão que, mais tarde, o Salão da Virtude Celestial recebeu enormes benefícios.

No momento, o Jardim das Cem Ervas era habitado por outro nobre.

Sob as antigas muralhas cheias de hera, havia uma mesa de pedra. Uma xícara de chá estava na mesa, e a xícara continha o chá raramente visto e precioso feito de folhas de chá recém-colhidas na chuva nesta primavera.

Uma pequena senhorita estava tomando chá.

Seu rosto era infantil, suas pupilas como estrelas negras, seus lábios como ameixas vermelhas. Ela tinha cílios longos e esbeltos, e suas bochechas brancas pálidas tinham duas manchas fracas de vermelho. Ela era uma imagem de beleza assombrosa.

Era uma beleza extremamente saudável, deleitando tanto o corpo como a mente dos outros, mas nunca lhes dando qualquer tipo de pensamentos tortuosos.

A própria garota não estava muito satisfeita. Seu rosto era de um profundo sofrimento porque ela ainda não havia achado aquela pessoa.


Tradutor: Vaan  |   Editor: Enxarcado   |   QC: Enxarcado



1 – Vento, 风, também pode significar notícias.

2 – Onomatopeia referente ao barulho que os pássaros fazem.


Fontes
Cores