TI – Volume 5, Capítulo 3


Zheng foi jogado no ar alguns metros de distância até colidir com um carro estacionado. O vidro do para-brisa do carro se estilhaçou com a colisão e seu alarme disparou. Alguns gangsters em suas motocicletas e algumas pessoas que estavam passando pela rua olharam para ele perplexos. Quase um minuto de choque já havia se passado até alguém correr até ele gritando, enquanto outras pessoas retiraram seus celulares para ligar para a polícia e para a ambulância.

Zheng recobrou a consciência assim que colidiu com o carro. Metade de seu corpo atravessou o para-brisa, mas ele teve sorte. Se ele tivesse colidido com algum objeto afiado, isso certamente tiraria sua vida. Não importa o quão forte ele tenha se tornado, qualquer dano feito quando ele estivesse inconsciente não poderia ser evitado ou reduzido.

Seu corpo inteiro estava queimando de dor e dormência após ter sido eletrocutado, era como se ele tivesse sido jogado em uma frigideira ardente. A dor foi seguida pelo efeito colateral de ter entrado no modo de liberação genética. Felizmente, ele já tinha sofrido uma dor pior em filmes anteriores e agora tinha um corpo mais forte do que pessoas normais, então depois de ficar ali deitado atordoado por dois minutos, ele lentamente recuperou o controle de seu corpo.

As pessoas começaram a se reunir em volta do ocorrido. Os gângsteres daquela região foram os mais rápidos a chegarem. Um deles pegou do chão o Canhão de Ar de Zheng e puxou o gatilho contra uma parede. No entanto, por eles não terem nenhum tipo de energia tal como o Qi, a arma lhes era inútil. Os outros começaram a vasculhar o corpo de Zheng e alguém pôs a mão em seu anel.

Após retomar o controle de seu corpo, a primeira coisa que Zheng fez foi abrir seus olhos. O gângster ficou surpreso, mas isso não o fez parar de tentar arrancar o anel do dedo dele. Zheng ficou puto com isso e, sem hesitação, apertou sua mão esquerda até formar um punho. A mão do gângster que estava tentando pegar seu anel foi esmagada como se fosse um patê. O gângster gritou de dor enquanto rolava no chão segurando sua mão destruída.

Zheng se levantou de dentro do carro e encarou friamente aquele que estava segurando o Canhão de Ar, “Me dê isso!”

O gângster ficou obviamente aterrorizado. Ele entregou a arma e então assistiu aturdido ela desaparecer do nada na mão de Zheng. Então, Zheng os ignorou e começou a se distanciar dali pela rua, como se nada estivesse acontecido.

As expressões de alguns dos gângsteres ficaram odiosas enquanto viam Zheng saindo dali dessa maneira. Eles tinham dúzias de pessoas aqui, o cercando! Eles conversavam um com os outros em voz baixa, até que então alguém com reputação naquela região foi até Zheng e colocou a mão em seu ombro, “Não vai..” Antes que pudesse terminar de falar, ele levou um chute que o fez sair voando.

Zheng havia pulado instintivamente e, seguindo seu pulo, deu uma voadora giratória no rosto do gângster enquanto virava no ar para trás. O gângster foi jogado alguns metros pra trás. Vendo esse chute anormalmente poderoso, os outros gângsteres ficaram parados, embasbacados sem se atreverem a se mover. Eles todos estavam olhando para Zheng como se ele fosse um alienígena.

Desde que entrou nesse filme, a raiva de Zheng estava se acumulando. Seus companheiros foram subitamente raptados, Jie estava escondendo segredos dele e a possibilidade de ser atacado pelos seus companheiros nos próximos cinco dias tinha deixado sua mente em um estado um tanto caótico.

E além desses problemas, a anormalidade desse filme estava sendo estressante para seu coração. Tudo nesse lugar poderia tentar tirar a sua vida, talvez isso acontecesse quando ele estivesse comendo ou apenas caminhando na rua. Ele não se atreveria a sequer dirigir um carro e nunca imaginou que seria alvo da Morte tão cedo nesse filme. O que tinha acontecido antes obviamente não podia ter sido apenas pura coincidência. Ele não acreditava que era tão azarado assim.

Sob todas essas circunstâncias, as ações dos gângsteres o fizeram querer descarregar seu estresse. Ele não se importava em se segurar para não matar mais. A culpa era de todos esses gângsteres que se atreveram a provocá-lo.

“Kungfu chinês!”

Um deles gritou surpreso em chinês. Zheng parou o movimento de seu chute na metade do caminho e resolveu socar o próximo gângster no estômago. Isso o ergueu acima do solo por dois metros e então Zheng continuou com um chute em suas costas, o jogando na direção de outro gângster, derrubando ambos no chão.

Demorou apenas dois minutos para que todos que o cercavam antes, exceto um, estivessem sofrendo deitados no chão. Mesmo que suas vidas não estivessem em risco, alguns estavam gravemente feridos. Apenas aquele que falou em chinês foi deixado de pé.

Ele estava totalmente aterrorizado. Então gritou de medo e começou a correr, mas Zheng o impediu, o agarrando pelo braço, “Seu merda. Vai abandonar seus amigos, é? Aqui estão algumas pepitas de ouro. Você sabe o que fazer com isso, apenas os leve logo para um hospital!” Zheng xingou e, ao mesmo tempo, retirou do seu anel algumas pepitas de ouro e então as colocou na mão do gângster.

O gângster olhou em confusão para as pepitas em sua mão e perguntou inconscientemente, “Patrão, como dividiremos isso?”

Ao ouvir isso, Zheng não sabia se devia rir ou chorar. Ele se virou e falou enquanto começava a se distanciar, “Eu não me importo em como vocês dividirão isso entre vocês. Apesar de estarem em muitos, vocês não sabem nem mesmo fazer essa coisa tão simples!”

Como se tivesse compreendido algo do nada, Zheng subitamente se virou novamente e encarou o gângster com um par de olhos ardentes, como se fosse um pervertido encarando uma garota pelada. O gângster se tremeu todo com isso. Se ele não estivesse aterrorizado pelo Kungfu chinês de antes, ele provavelmente teria corrido nesse mesmo instante.

“Em quantas pessoas vocês são? Não só os daqui, mas todos aqueles que têm uma motocicleta e que você terá que dividir o dinheiro.” Zheng perguntou.

O gângster ficou absolutamente perdido e aterrorizado com a pergunta e então respondeu, “Algumas centenas, não, cerca de duas ou três centenas de pessoas. Por aqui existem algumas grandes gangues igual a gente. Patrão, você quer ensinar a eles uma lição também?”

“Não.” Zheng sorriu com isso. “Vá falar com eles, vocês querem ouro? Ouro puro. Eu tenho muito mais do que vocês imaginariam. E tudo o que quero é que me ajudem a encontrar seis pessoas nessas redondezas. Bom, primeiro entre em contato com os líderes dessas gangues. Eu lhes darei esse ouro então façam esse serviço para mim.”

Zheng retirou barras de ouro, uma a uma, de seu anel e as empilhou em cima do capô do carro amassado, havia algumas dúzias delas. Suas luzes douradas deslumbravam todos que a olhavam. Se não estivessem com medo do Kungfu de Zheng, essas pessoas estariam se digladiando por esse ouro nesse mesmo instante.

Vendo os efeitos positivos de seu incentivo, Zheng guardou o ouro de volta no anel. Os gangsters estavam o encarando com saliva escorrendo de suas bocas. Então, Zheng falou, “Façam com que minhas palavras se espalhem pelas gangues. Quero que encontrem seis chineses, seis asiáticos. Três homens e três mulheres. Um deles é um garotinho de onze anos de idade. Eu lhes darei o detalhe deles quando os líderes das gangues vierem até mim pessoalmente. Lembre-se de falarem com todos eles. Darei duas barras de ouro para cada pessoa encontrada. Se todos os seis forem encontrados, darei trinta barras!”

“Eu estarei aqui no Leva-Bar de hoje à noite até meio-dia de amanhã. Falem com o dono do bar se quiserem me encontrar. Eu lhes darei meu número amanhã. Qualquer um que quiser fazer esse serviço deve me ver pessoalmente amanhã. Ficou claro?”

Os gângsteres assentiram. Zheng então gritou, “Então vão! Ah, esperem, leve-os para o hospital antes. Essa metade de barra é o pagamento de vocês.”

Zheng quebrou ao meio uma barra de ouro com as mãos, na frente de todos, e então deu metade a um gângster. “Darei a outra metade quando vocês tiverem feito o que tem que ser feito. Não tentem fugir com esse dinheiro, não vão querer me ver puto!”

O gângster estava aturdido quando recebeu a metade da barra. Ainda havia as marcas dos dedos de Zheng nela. Diante de ambas, uma recompensa e uma ameaça, especialmente vindas de alguém que tem um poder sobre-humano, ninguém se atreveu a pensar em resistir. O gângster assentiu e então os outros começaram a carregar aqueles que estavam gravemente feridos para alguns táxis. Zheng suspirou aliviado ao ver que tudo ocorreu como planejado e então caminhou retornando ao Leva-Bar.

A ideia de Zheng era se utilizar dos elementos do cenário ao seu favor. Já que Jie tinha controle dos seus quatro outros companheiros, ele iria então controlar e utilizar-se das pessoas desse mundo para lutar contra Jie. Ele não achava que Jie tinha a habilidade de controlar todo mundo. Se não fosse pela sua falta de influência, ele até mesmo iria querer liderar a polícia para encontrá-los. No entanto, essa seria uma ideia um tanto fantasiosa.

Depois de aprimorar seu atributo de Inteligência, sua memória e capacidades cognitivas tinham sido aumentadas substancialmente. No entanto, ele ainda não podia pensar em um plano perfeito como Xuan ou Honglu faziam. Sabedoria e o modo de pensar de uma pessoa não podiam ser obtidos por aprimoramentos artificiais. Portanto, Zheng estava lentamente aprendendo a utilizar sua inteligência. No momento, ele agora poderia apenas aplicar esse tipo de sabedoria em batalhas.

Depois disso, ele abriu a porta do Leva-Bar e entrou.

O dono do bar não falou muito ao ver Zheng retornando. Pessoas com dinheiro eram seus patrões e pessoas com ambos, dinheiro e poder, eram seus mestres. O dono serviu uma dose de conhaque para Zheng e ele bebeu tudo de uma só vez. O calor desceu rasgando até seu estômago, o fazendo se sentir renovado.

Zheng sentou-se pensativamente em um banco próximo do balcão e falou, “Você por acaso tem algum quarto que empregados usam? Hmm. Melhor ainda se for silencioso e tiver algum chuveiro para tomar banho.”

O dono respondeu de imediato, “Nos fundos do bar tem aposentos para nossos fregueses. Obviamente, lá é mais silencioso. E existem chuveiros dentro de muitos desses aposentos.”

Zheng jogou algumas pepitas de ouro para ele e falou, “Houve um incidente lá fora. Se a polícia vier, os despache para outro lugar. Se alguns daqueles motoqueiros vierem procurar por mim, os leve até meu aposento. E também prepare algo para eu comer e beber.”

Mesmo não sendo por longo período de tempo, Zheng tinha se tornado Líder do time China. E diferente dos líderes em um mundo normal, líderes nesse lugar precisavam ser determinados a matar se for necessário. Zheng ainda não havia chegado a esse nível de alguém que o faz a sangue-frio, mas possuía algumas qualidades de líder e enquanto falava, dava a sensação a quem ouvia que suas ordens tinham que ser obedecidas sem questionamento.

O dono concordou inconscientemente e então escolheu uma mulher loira para escoltar Zheng aos fundos, enquanto ele voltava a falar no telefone.

Zheng seguiu a loira passando por um beco e atrás do bar tinha um motel. Um homem caucasiano já estava a sua espera ali e disse a loira, “Suíte de luxo. No final do corredor do segundo andar.”

Zheng apenas seguiu a loira até o segundo andar sem dizer nenhuma palavra. A suíte não era ruim a primeira vista, era comparável a uma suíte de um hotel três estrelas. Depois que Zheng adentrou no quarto, a loira falou, “Quer uma massagem? É de graça, apenas me dê um pedacinho daquela coisinha dourada.”

Zheng deu a ela uma pepita e então disse em um tom indiferente, “Saia e diga ao seu patrão para trazer comida e bebida o quanto antes. E além dos gângsteres das motocicletas, não quero ser incomodado por mais ninguém.”

No entanto, a loira já não estava ouvindo nenhuma palavra do que ele dizia. Sua atenção estava focada na pepita de ouro em sua mão. Alguns segundos depois ela se recompôs, sorriu para Zheng e então saiu da suíte.

Zheng soltou um suspiro de alívio. Não se importando nem em ligar a luz ou tirar suas roupas, só chegou e deitou na cama. Roncos vieram dez segundos depois disso, ele estava bem cansado.

Muitas coisas aconteceram em apena um dia. O enigma que tinha sido Jie e com isso a perda de seus companheiros, e agora teria que encarar um filme sozinho. Isso extenuou sua mente que estava em um constante estado de tensão. Quando a Morte o atacou, se não fosse pelos seus atributos físicos aumentados e sua taxa de recuperação de ferimentos devidos a uma linhagem vampírica superior, ele ainda estaria inconsciente até agora. Então, assim que encontrou uma oportunidade de descanso, ele rapidamente caiu no sono.

***

Enquanto isso, em dois outros lugares na cidade. Os novatos que se separaram dele não tiveram sua sorte e nem seu poder. Mesmo com uma barra de ouro, eles tiveram dificuldades de fazer qualquer coisa na cidade sem ter um green card [1] ou uma identificação. Então os oito novatos ainda não tinham conseguido comer até agora. Eles estiveram procurando algum lugar para trocar o ouro por dinheiro.

A garota Panda falou para o homem de cabelo tingido na rua, “Yang Le, você realmente acha que podemos encontrar uma loja de antiguidades que aceitará esse ouro?”

Ele respondeu sem virar a cabeça para olhá-la, “Você provavelmente não sabe sobre isso, mas eu ouvi de uma irmã da amiga da minha tia que existem lojas de penhores em diversos bairros Chineses na América. Ainda se não existir nenhum, com certeza existem lojas de antiguidades e elas devem estar dispostas a fazer algum lucro com a gente já que nós todos somos chineses. Lu Chichuan, você disse que ainda é virgem? Não acredito nisso, você deve estar apenas brincando comigo.”

Ela corou ao ouvir isso, “Eu sou realmente virgem. Eu tive alguns namorados antes, mas apenas os deixei tocarem no máximo da cintura para cima. É claro que Minha primeira vez será com meu marido. Você não está pensando sobre isso, certo?”

Yang Le riu disso, “E por que não? Somente nós dois sobramos aqui. E nós não sabemos quando morreremos. Não ouviu o que aquele retardado falou? Você realmente quer morrer virgem?”

Chichuan riu junto com ele enquanto os dois caminhavam de mãos dadas. Em frente a eles um banco apareceu e atrás dele havia uma ponte que atravessava um rio. Parecia não haver nenhum bairro chinês nesse lugar. Os dois olharam um para o outro e suspiraram resignados. Eles decidiram passar pela ponte e continuar suas buscas.

Ao mesmo tempo, muitos adolescentes com cigarros em suas bocas estavam vindo do outro lado da ponte, em frente a eles. Os adolescentes pareciam animados com cigarros em suas mãos, carregando também um outro maço fechado. Provavelmente roubaram isso de algum lugar.

A fumaça flutuou no ar em direção a Yang Le e Chichuan e seguiu junto com o vento até adentrar no banco. De alguma forma, essa fumaça ativou o alarme de incêndio da entrada do banco e água jorrou em cima deles. Os adolescentes imediatamente se protegeram da água cobrindo suas cabeças e correram soltando xingamentos de suas bocas. Yang Le e Chichuan ficaram perplexos com a súbita jorrada de água. Eles também se protegeram cobrindo suas cabeças e correram adiante, e então esbarraram nos adolescentes.

O chão ficou escorregadio e Chichuan escorregou para o lado depois do esbarrão. Felizmente ela manteve o equilíbrio e parou na rua. Enquanto estava furiosa, ela viu Yang Le a olhando aterrorizado. Ela virou a cabeça na direção em que ele estava olhando e tudo que pôde ver foi uma luz brilhante.

Virando a esquina, vinha alguém dirigindo obviamente embriagado e…

***

Zheng subitamente abriu seus olhos. Ele pensou ter ouvido um grito, mas então percebeu que estava tirando um cochilo na cama de sua suíte. Como ele poderia ter ouvido gritos por aqui? Provavelmente era apenas um sonho, ele pensou.

Algumas batidas soaram de sua porta e Zheng a abriu para ver aquela mulher loira. Ela estava empurrando um carrinho cheio de comida, sopas, sobremesas e vinhos. Era uma refeição um tanto chique para o lugar em que ele estava e ninguém faria nenhuma reclamação sobre isso.

Zheng a retribuiu com um sorriso. Ela serviu polidamente toda a comida em uma mesa e então ficou parada ali, o olhando com um sorriso no rosto.

Zheng não era nem um pouco mão de vaca, já que o valor desse ouro fora desse mundo não era muito maior do que rochas. Ele jogou uma pepita de ouro como gorjeta e falou, “Eu também precisarei de um celular com bastante crédito, mil dólares em dinheiro e algumas roupas casuais. Não me incomode se não tiver isso, entendeu?” Ele então colocou uma barra de ouro na mesa.

Ele não prestou mais atenção na saída da mulher. Enquanto ele começou a comer, ele continuou tendo a sensação de que alguma coisa não estava certa ali, sem ter razão alguma para isso.

Assim que ele ficou ciente dessa sensação, ele imediatamente olhou em volta da suíte. Ninguém poderia negligenciar nem mesmo um único detalhe nesse filme, justamente porque a Morte poderia vir de diversos tipos de coincidências, as mais estranhas possíveis. Ele não queria morrer em uma armadilha da Morte por se descuidado, isso seria imbecilidade, ele preferiria morrer em uma luta contra monstros.

(Mas o que realmente está errado? De onde vem essa sensação?)

Zheng caminhou de um canto a outro de sua suíte e ainda assim não pôde descobrir o que estava errado. Até que ele olhou sem querer para baixo do carpete e viu ali dois rastros profundos deixados pelo carrinho. No entanto, comidas e bebidas não deviam ser tão pesadas para deixarem esses rastros. E por que a loira deixou o carrinho na sala e não o levou embora consigo?

Zheng ficou parado em pé do lado do carrinho e sentiu uma sensação assustadora vindo de seu coração. Esse tipo de técnica de ocultamento e esse tipo de ataque furtivo eram de…

E uma adaga flamejante apareceu bem no meio de seu coração.

Não havia qualquer esperança em tentar desviar daquele ataque. Yinkong era uma especialista excepcional na arte do assassinato. Ninguém poderia detectá-la quando ela estivesse escondida. Eles poderiam apenas sentir sua intenção de matar no instante que ela atacasse e quando isso acontecesse normalmente já era tarde demais para fazer alguma coisa contra isso. Sua velocidade de ataque já tinha alcançado outro patamar depois que adquiriu o aprimoramento Lampejo.

Zheng inconscientemente movimentou seu braço, o colocando entre a adaga e seu peito. A adaga perfurou esse braço e sua ponta entrou no peito dele.

A adaga não era muito longa e, com o braço no meio do caminho, perfurou apenas metade de uma polegada do peito, mas a chama mágica fez Zheng gritar de dor.

A queimação em sua alma foi tão terrível que até mesmo Zheng não conseguiu aguentar a dor provocada e berrou alto com isso. Entretanto, ele já era um tanto veterano de combate e tinha trilhado muitas vezes na linha tênue do caminho até o inferno. Então, quando Yinkong estava usando sua outra mão para pegar uma faca de arremesso, Zheng a chutou no estômago, a jogando longe levando consigo a adaga flamejante.

Sua reação a isso foi extremamente rápida. Com um pouco de sangue saindo do canto de sua boca, ela usou a força do chute que sofreu para ganhar impulsão e chegar até uma janela. Em um instante, ela tinha desaparecido pelo lado de fora do quarto, e se obscureceu junto com a calada da noite.

Zheng não perdeu tempo. Ele a seguiu até a janela nesse mesmo instante e ao mesmo tempo retirou um spray de homeostasia, borrifando em seu ferimento algumas vezes. Duas facas de arremesso voaram até ele enquanto fazia isso, mas ele agora estava atento a isso. Ele puxou sua faca progressiva e bloqueou as facas que vinham em sua direção, então ele pulou para fora da janela utilizando sua técnica de movimentação.

Estava bastante escuro fora do motel. Essa era uma área residencial com muitos apartamentos. Então, nesse lugar tinha diversos becos conectados uns nos outros. Zheng subiu pela parede do apartamento até chegar ao telhado. Lá ele conseguia ter uma visão mais clara de todos os becos daquele lugar, mas ainda assim não conseguiu achar onde Yinkong estava. Era como se ela tivesse desaparecido do nada no meio da escuridão.

No quesito de poder de combate corpo a corpo, Zheng tinha superado completamente todos em seu time com o último aprimoramento que fez em sua linhagem vampírica. No entanto, quanto a técnicas de assassinato, ele não era páreo para Yinkong. Sem falar que as habilidades de atirador de elite de Heng eram poderosas e as estratégias de Honglu não eram algo que ele podia sequer pensar em se comparar. E também havia a Sonda Psíquica de Lan que seria uma das habilidades mais importantes para o time daqui pra frente, isso tudo fez com que Zheng ficasse ciente da dificuldade que enfrentaria.

Zheng suspirou resignado. Ele originalmente planejava desmaiar Yinkong, já que pelas palavras de Jie, quando ele desmaiasse uma pessoa esta iria acordar de seu transe. Essa foi uma grande oportunidade para isso. Yinkong já era uma ameaça grande por si só, sua habilidade para realizar assassinatos eram tão difíceis de se defender quanto os ataques que a Morte faria. Ele sentiu calafrios só de pensar que a qualquer momento ela poderia esfaqueá-lo sem ele nem mesmo perceber. Sem falar que além de Yinkong, tinha também as flechadas de longa distância de Heng que o forçava a tomar ainda mais cuidado sobre ficar parado em um mesmo lugar.

Zheng suspirou resignado novamente. Ele sabia que seria difícil localizar uma assassina no meio da noite. Isso sem falar que procurá-la num terreno complexo, cheio de becos, seria como se estivesse procurando a morte. Quem poderia saber de onde viria um ataque de adaga feito na surdina? Foi azar de Zheng ter deixado passar a oportunidade de antes. Quando ele estava prestes a retornar para sua suíte, ele sentiu uma sensação de perigo como se estivesse próximo da morte, como se um caçador estivesse com um rifle mirado nele.

Duas flechas vieram em sua direção de não muito longe. Suas velocidades já eram rápidas isoladamente, mas quando a segunda flecha colidiu com o final da primeira, sua velocidade novamente aumentou em inúmeras vezes. Zheng só teve tempo de se mover um instante antes da flecha perfurar seu peito. Ela atravessou o espaço entre seus pulmões e passou apenas alguns centímetros de atingir sua coluna. A flecha carregou Zheng, o fazendo voar no ar por alguns metros até cair do telhado em direção a um beco.

Yinkong estava o tempo todo escondida na região escura desse beco. Ela não fugiu. Era uma regra comum para assassinos, eles não deveriam correr depois de realizar um ataque, pois se corressem era quase certo que seriam notados e perseguidos em seguida. A razão de Zheng não conseguir encontrá-la foi porque ele estava procurando por alguém se movimentando.

Quando ela viu Zheng caindo em sua direção, ela começou a se mover em direção a ele. Mas seu dispositivo de comunicação soou após isso e a voz de Honglu disse pelo dispositivo, “Recue, ele está esperando pelo seu ataque.”

Yinkong perguntou suavemente depois de um instante de silêncio, “Por quê? Ele não acabou de levar um tiro?”

“Heng falou que não atingiu nenhuma área crítica. O ferimento fez parecer que era grave, mas na verdade apenas feriu seus músculos. Provavelmente não chegou a sequer atingir nenhum osso. Apesar da força da flecha ter sido o suficiente para empurrá-lo do telhado, porém, você não percebeu que a velocidade de queda está mais devagar do que o normal? Ele está usando sua técnica de movimentação para se estabilizar. Ele tentou fingir bem realisticamente para que você viesse até ele, mas seu corpo ativou mecanismos defensivos involuntários depois de cair de um lugar alto como aquele, o fazendo utilizar sua técnica de movimentação sem ele sequer pensar nisso. Se você chegar perto dele, ele definitivamente vai atacá-la. Vamos recuar. Hoje é apenas o primeiro dia. Nós ainda teremos bastantes oportunidades.”

Yinkong respirou fundo e embainhou sua adaga em sua cintura, então se virou no sentido contrário e se distanciou correndo. Com sua velocidade, ela desapareceu em apenas alguns segundos, como se nunca estivesse estado ali.

Zheng apenas ficou deitado no chão sem se mover. Passou-se cerca de dez minutos até ele se sentar no chão e suspirar resignado. Seu abdômen estava coberto de sangue, com uma flecha ainda alojada em seu peito. Zheng cerrou seus dentes e puxou a flecha para fora. Sangue jorrou do ferimento até ele aplicar o spray de homeostasia nele.

A flecha de Heng o tinha forçado a entrar automaticamente no modo de liberação de trava genética. Além disso, como Zheng já estava bastante cuidadoso para o que acontecia ao seu redor, ele teria algum tempo para reagir caso fosse atacado. Ele tinha duas opções naquele instante. Uma delas era utilizar o braço para bloquear a flecha, exatamente como fez com a adaga de Yinkong, e seguindo isso ele teria uma oportunidade de perseguir de onde a flecha veio e talvez capturar Heng.

A outra opção era deixar a flecha perfurar seu corpo, deixar parecer que tinha sido ferido gravemente e então ele apenas teria que esperar pelo próximo ataque de Yinkong. Com isso ele teria uma outra oportunidade de lutar contra ela em um combate a curta distância e estava certo de que conseguiria fazê-la desmaiar!

No entanto, ele soube onde seu plano tinha dado errado assim que estava caindo do telhado. Seu corpo inconscientemente ativou sua técnica de movimentação. Ele não tinha levado em consideração que isso aconteceria quando ele estivesse no modo de liberação de trava genética, que seu corpo iria agir espontaneamente para protegê-lo. Tudo que ele podia fazer era esperar que ninguém tivesse notado essa anormalidade. Então, ele continuou deitado ali com um resquício de esperança de sucesso. Infelizmente, Yinkong não tinha aparecido para enfrentá-lo novamente.

“Hahaha, só agora eu pude perceber o quão forte nosso time se tornou.”

Zheng riu amargamente. O braço que tinha sido perfurado pela adaga flamejante estava doendo e coçando como se estivesse com alguns insetos roçando nele. Quanto ele sentiu que não podia aguentar mais e quis coçar o braço, ele viu que o ferimento já estava cicatrizado.

Quando Zheng retornou a sua suíte e ligou todas as luzes, ele estava certo de que seus ferimentos já estavam se curando sozinhos. Ele gesticulou com o braço, mesmo que o dano tenha atingido até o osso, de modo algum isso o impedia de movê-lo, ele apenas sentia dor e coceira nesse osso.

“Então a descrição da linhagem de Conde Vampírico era de fato real, contanto que o coração ou o cérebro não sejam gravemente feridos, então você não deve morrer facilmente.”

Zheng sentiu uma surpresa agradável ao perceber isso. Ele entrou no banheiro e averiguou o ferimento em seu abdômen com um espelho. A flecha era poderosa e fez uma microexplosão assim que o atingiu, o ferimento era do tamanho de três moedas juntas e também começou a se cicatrizar, se fechando a partir das pontas. Com essa taxa de regeneração, ele estaria completamente curado amanhã.

“Isso é maravilhoso. De acordo com o que Jie falou, eu posso apenas utilizar uma parte do poder dessa linhagem, mas mesmo assim, esta taxa de regeneração já é tão poderosa.”

Algumas batidas vieram da porta enquanto ele estava averiguando seus ferimentos. Quando ele abriu a porta, lá havia uma mulher loira junto com dez homens com roupas atípicas, entre eles estava aquele gângster que falou anteriormente em chinês sobre seu Kungfu Chinês. Estes eram provavelmente os líderes das gangues.

“Entrem.”

Zheng caminhou de volta até a mesa e subitamente se sentiu com muita fome, como se não tivesse comido há dias. Isso provavelmente era devido a sua regeneração necessitar de uma grande quantidade de comida. Todavia, ele não reparou nas expressões chocadas nos rostos dos gângsteres quando viram o ferimento em suas costas. Essas pessoas apenas ficaram paradas ali, assustadas na porta com medo de entrar.


Tradução: Devlin  |  Edição: Vands



[1] Green Card: Cartão de identificação de um imigrante que tem residência permanente dos Estados Unidos, é um visto permanente de imigração concedido pelas autoridades daquele país.

Contribua com a Novel Mania!