TI: Volume 4 Capítulo 3-2

Volume 4: Capítulo 3-2

Jonathan estava jogando poker com os americanos. Qualquer um podia perceber sua sorte pela expressão em seu rosto. Tinha uma moeda de ouro perto do americano sentado em sua frente. Ele obviamente tinha perdido a moeda que Zheng tinha dado à ele.

“Eae caras, querem jogar algumas partidas também?” – Jonathan disse quando viu Zheng e O’Connell. Mesmo que Zheng estivesse segurando sua faca progressiva, ela parecia tão normal que ninguém desconfiou de nada.

O’Connell estava confuso, ele perguntou para Zheng: “O que está acontecendo? Você está agindo de forma estranha.”

Quando ele terminou de falar, tiros soaram pelo navio e a parte de trás começou a sair fumaça. Enquanto todo mundo estava surpreso, um dos marinheiros caiu no chão enquanto sangue saia do seu peito.

Os americanos foram os primeiros a reagir. Eles puxaram suas armas e começaram a atirar. Jonathan não ficou para trás, ele pegou a moeda de ouro e o dinheiro na tábua e correu em direção à Zheng.

Zheng segurou sua faca em uma mão e sua submetralhadora em outra: “O’Connell, proteja Jonathan e vá se encontrar com os outros na cabine.”

O’Connel puxou suas duas pistolas e falou para si: “Esses homens de preto… Como eles descobriram que nós estávamos indo para Hamunaptra? E tem tantos deles…”

“Sim, essa parece uma quantidade enorme…”

Zheng se lembrou do filme original, só tinha dez assassinos no máximo quando eles atacaram o barco. Além de acenderem o fogo, não foi o bastante para matarem todos. Talvez o envolvimento do grupo de Zheng tenha feito com que eles se sentissem ameaçados, tinha dezenas deles no barco e mais ainda vinham pela água.

O poder da sua submetralhadora podia ir contra as metralhadoras pesadas dessa época. Zheng atirou na beirada do navio, causando dez ou mais homens caírem de volta. Todo mundo olhou em choque para ele.

Como balas normais eram quase de graça, Zheng atirava sem controle.

“Ainda tudo bem…” – Zheng estava protegendo as costas de O’Connel e Jonathan: “Felizmente, esses problemas podem ser resolvidos com armas. Eu senti saudades de resolver as coisas dessa forma…”

Jonathan se virou e perguntou: “O que não pode ser resolvido com armas?”

“Como espíritos e…”

Zheng sentiu perigo e entrou na frente de Jonathan com sua faca, bloqueando duas balas em sua direção.

“… e sorte.”

Jonathan estava surpreso. Ele bateu no ombro de Zheng e disse: “Boa cara. Boa… arma.”

Para ele, roubar era um instinto, Jonathan puxou a arma do bolso de Zheng sem pensar e começou a atirar. Zheng e O’Connell riram enquanto balançavam suas cabeças.

Não demorou muito para eles alcançarem os outros. Evelyn, Zero e Jie estavam com o mapa e com a caixa. O barco estava com fumaça em todos os lados.

Além do grupo de dez pessoas caídas no chão, com um buraco do tamanho de um dedo em seus peitos. Yinkong estava limpando suas unhas com um paninho. Ninguém teria imaginado que ela tinha acabado de matar dez pessoas com esse olhar indiferente.

Zheng guardou sua arma e faca, depois sorriu: “Vocês estão todos prontos?”

O’Connell respondeu rindo alto: “Claro, eu me lembro que a praia estava nessa direção…”

Jonathan estava confuso: “Pronto pra quê? Ei, O’Connell, o que ele quer dizer com ‘pronto’?”

Zheng não explicou nada. Ele empurrou Jonathan para o rio e pegou sua arma de volta. Evelyn gritou e se agarrou em O’Connel quando Zheng se aproximou dela. Zheng não pôde evitar afastar sua mão quando Lan de repente se jogou em seus braços. Zero e Yinkong já tinham pulado.

“Então… Vamos nessa.”

Ele também pulou enquanto ria. Mesmo que isso fosse um filme, mas ele já tinha interagido com os personagens. Além disso, esse filme não era tão perigoso quanto os outros, pelo menos, por enquanto. Então ele ficou um pouco animado com a aventura.

A correnteza não era muito forte. O grupo não foi espalhado por ela. Eles seguiram O’Connell até a praia. O barco estava pegando fogo atrás deles. Eles conseguiam perceber que outro grupo tinha pulado do barco também.

Mesmo que nenhum deles fosse bom nadando, eles conseguiram chegar a praia se ajudando: “Meu Deus! Minhas ferramentas, minhas roupas e todo meu trabalho se foi! Deus!”

Lan tinha passado por tudo facilmente. Ela tinha se agarrado à Zheng durante a travessia enquanto segurava um gato preto com a outra mão. Quando eles chegaram na praia, o gato ainda estava em seu braço sem se mover muito.

De repente, um homem magro gritou do outro lado: “O’Connell! Eei, O’Connell! Haha, parece que você conseguiu! Os cavalos estão todos do nosso lado! Haha!”

“Eei, Beni! Parece que você está do lado errado do rio! Haha…”

Contribua com a Novel Mania!