TI: Volume 2 Capítulo 7-3

Volume 2: Capítulo 7-3

Junto com o grito veio um barulho forte de impacto contra a porta. Só uma investida do alien contra ela foi o suficiente para abrí-la. Zheng podia ver que metade do corpo do alien estava preso na porta, duas das três tinham acertado o alvo. Uma atravessou o peito esquerdo e a outra o pescoço do alien. Ambos são pontos vitais, mas não o suficiente para matá-lo.

Essa era a segunda vez que Zheng lutava contra um alien pessoalmente. Mesmo que a situação seja melhor que a última vez, não dava para ser otimista. Esse alien estava no seu auge, cerca de 30% maior que o primeiro.  Seu exoesqueleto era grosso e resistente o bastante para ser comparado a um pedaço de aço. De fato, a barra de ferro só penetrou um terço da sua largura. O restante estava balançando no lado de fora do alien.

Zheng tremeu quando ele olhou para a aparência medonha do alien. Especialmente quando sua calda fez um buraco enorme no chão ao bater nele. Se ela fosse direcionada a um corpo humano… Não importa o quanto Zheng tenha se desenvolvido, ele não acharia que seu corpo se tornaria mais resistente que aço.

(É essa pressão, como se minha consciência fosse embora. Tudo o que sobra é medo e instinto…)

Zheng sentiu que alguma coisa se soltou em seu corpo de novo. Vários planos passaram pela sua cabeça. Eles diziam como usar o Ki de forma mais eficiente.

Ele guiou seu Ki pela sua espinha em força de espiral, atravessando sua cabeça e passando para seu braço direito. Esse processo durou uma piscada dos olhos. Zheng deixou que seus instintos tomassem controle do seu corpo, os resultados foram notáveis.

Quando o Ki passou pela sua cabeça, ele sentiu que alguma coisa do seu cérebro se uniu à ele. Ele reuniu essa mistura em sua mão direita. No momento que o alien derrubou a porta, ele jogou outra barra gritando. O alien atacou junto usando sua calda para bater em sua cintura.

Jie e Lan gritaram. Zheng foi atingido e voou contra a parede. A lança que ele jogou foi ainda mais forte. Ela atravessou a cabeça do alien e parou na parede atrás dele. Um terço da cabeça dele tinha sumido. O alien balançou um pouco e caiu no chão. Na parede detrás, um buraco da largura de uma lança estava lá.

Lan pegou algumas roupas para cobrir seu corpo e correu para perto de Zheng: “Como está? Zheng! Como você está?!” A ansiedade fez com que ela chorasse enquanto Jie estava parado lá em choque. Ela se ajoelhou perto de Zheng, mas assim que ela se abaixou, ela viu ele com uma expressão idiota. Lan ficou com raiva e bateu nele: “Você assustou a gente! Você atacou sem dizer nada, o que aconteceria se você falhasse? Você iria… e também faria com que a gente ficasse em perigo! Você vai acabar matando a gente!”

Zheng reclamou da dor quando ela bateu nele. Lan viu que tinha sangue em sua mão, então ela ficou em pânico de novo: “Desculpa. Desculpa. Eu não sabia que você estava machucado. Me desculpa…”

Zheng tirou a mão dela e olhou para o ferimento. Tinha um buraco de três dedos de largura. Felizmente só cortou a pele e um pouco dos músculos. O intestino e os órgãos não foram feridos.

Jie foi para perto dos dois. Ele viu que tinha uma pegada impressa no chão. Ele se levantou e disse impressionado: “Isso foi incrível. Você pulou quando a calda ia atingir você. Por isso ela só cortou um pouco você. Se eu estivesse no seu lugar, ela teria atravessado meu corpo.”

Jie ficou mais animado enquanto dizia. Ele voltou para o lado de Zheng e bateu no ombro dele: “Cara, como você fez isso? Isso foi incrível! Se eu não tivesse visto com meus olhos, eu iria pensar que algum mestre de artes marciais o matou. Deus, como você fez isso, me ensine!”

Zheng deu um sorriso forçado: “Vocês dois, me ajudem a fazer um curativo primeiro. Se continuar assim vou acabar morrendo por causa do sangramento. E alguém deveria ir pegar alguma roupa para Lan…”

Lan percebeu que ela estava sem roupa. Ela ficou vermelha e olhou para Zheng, depois correu de volta para o banheiro. Zheng pegou um spray coagulante e uma bandagem do seu anel. Com a ajuda de Jie ele enrolou toda sua cintura.

Lan saiu do banheiro, Zheng falou: “Não tenho tempo para explicar. Jie, me carregue em suas costas e vá em direção à Xuan. Não pare, não importa o que aconteça comigo. Lan, meu braço direito está quebrado, então carregue as barras para mim. Lembre de manter o passo com a gente. Vamos!”

Zheng agora confiava em sua hipótese. A trava genética era liberada durante sensações de perigo e terror, mas o corpo das pessoas normais não pode sustentar isso. Mesmo com os atributos melhorados, seu braço direito sofreu uma fratura devido ao seu lançamento. Em seguida, a dor imensurável. O que iria acontecer se uma pessoa normal passasse por isso?

Essa liberação é uma faca de dois gumes e tem que estar sobre situações de vida ou morte, além de ter que estar sentido terror para que a trava seja quebrada por um tempo. Esse é o último mecanismo de sobrevivência de um humano contra a morte.

“…ha, a única coisa boa nisso, eu acho que descobri um possível jeito de usar Energia Sanguínea, mas não tenho certeza…”

Antes que ele pudesse terminar, aquela sensação de morte passou pelo seu corpo. Ele começou a ter uma convulsão nas costas de Jie. A dor impedia que abrisse a boca. Os músculos dele pareciam estar sendo rasgados. O machucado em sua cintura começou a transbordar de sangue. O sangue escorria pelas suas pernas e caia no chão.