ISSTH – Capítulo 472 – A Alma da Ponte do Caminho Imortal!


CAPÍTULO ANTERIOR                                                                                           PRÓXIMO CAPÍTULO


Apesar disso, o corpo de Meng Hao ainda foi transformado em uma estátua de gelo. Ele ficou parado imóvel entre as camadas de gelo; a única coisa que ele era capaz de se concentrar era garantir que sua mente não fosse exterminada. No entanto, o vórtice em seu braço direito explodiu de repente com intensidade.

Meng Hao pôde sentir a força do poder do tipo Terra se elevando dentro do vórtice. A força gravitacional parecia inesgotável; na verdade, você poderia até dizer que se aproximava do ponto em que poderia exterminar o poder do Solo Gelado.

Quanto à Zhixiang, ela era uma Divindade Imortal que possuía um corpo físico. No entanto, neste momento, seu nível de fraqueza não era muito diferente do de Meng Hao. O Qi de Espada a evitou, mas ela também caiu e imediatamente se tornou uma estátua de gelo. A principal diferença era que ela poderia aguentar por muito mais tempo do que Meng Hao.

Lá em cima, o menino ao lado do velho sorriu e disse: — cem.

No exato instante em que sua voz soou, os cem mil clones de Han Shan terminaram de exterminar todos os Escravos da Ponte na área.

No entanto, foi nesse momento que, de repente, dentro da aura do frio implacável, uma figura após a outra começou a aparecer. Essas figuras não eram outros senão os Escravos da Ponte que Han Shan acabara de matar. Eles… reapareceram sem nenhum ferimento. Nem um único estava morto.

Na verdade, quando Meng Hao olhou de dentro da estátua para os Escravos da Ponte, havia uma garota que parecia familiar.

— Então, você entende? — disse o velho friamente.

Han Shan ficou ali, taciturno. Com um olhar amargo no rosto, ele ergueu o jarro de álcool e tomou um gole.

A próxima pessoa a falar não foi o velho, mas sim o menino. — No meu mundo, se você exercer fé em mim, você nunca morrerá, nunca poderá ser morto. Isso não é bom? Vida eterna. Indestrutibilidade. O único requisito é que você me reconstrua.

Mais vozes soaram, não as do menino, mas sim dos Escravos da Ponte, tudo em uníssono. Era quase como se todos esses Escravos da Ponte fossem uma pessoa.

— Exercite a fé em mim e você poderá viver para sempre!

— Exercite a fé em mim e você nunca poderá ser destruído!

— Exercite a fé em mim e você pode existir com o Céu e a Terra!

— Exercite fé em mim, entenda meu Dao. Meu Dao é o seu Dao….

Em seguida, o velho, o menino e os escravos da ponte falaram em conjunto.

— Eu sou o espírito da Ponte do Caminho Imortal. Você veio aqui há três mil anos para se prostrar diante de mim. Você fez uma promessa para mim. Você queria a vida eterna, força vital ilimitada para poder cultivar sua Canção da Espada Solitária.

— Naquela época, você tinha apenas dez anos de longevidade. Minha resposta a você foi que você deveria exercer fé em mim… No entanto, você… voltou atrás na sua palavra! — As últimas três palavras saíram em um rugido de fúria sem fim, cheio de loucura.

— Você claramente consentiu, depois voltou atrás em sua palavra, tudo por causa da mulher que estava com você. Ela implorou e implorou para você mudar de ideia. Sua persuasão distraiu você, e então o que ela fez… fez você quebrar sua promessa!

— Eu nunca imaginei que, a fim de garantir que você nunca exercesse fé em mim, ela de repente gritaria tais palavras, bem na sua frente. Ela se tornou uma Escrava da Ponte…

— Foi isso que te acordou…

A voz trovejou até os Céus, rugindo e ecoando em todas as direções. O rosto de Han Shan estava pálido e ele tossiu um bocado de sangue. Este sangue não foi devido a uma lesão que ele recebeu; em vez disso, era da dor intensa e violenta que sentia em seu coração. Suas memórias de repente se abriram. Ele viu uma imagem de sua esposa ao seu lado, implorando e insistindo, agarrando seu manto enquanto ela tentava persuadi-lo.

Mas ele estava obcecado. Ele queria a vida eterna. Não foi até que ele a viu se afastando na frente dele, que ele… percebeu.

— Eu pensei muito sobre isso nos últimos três mil anos… — suspirou Han Shan. Ele levantou a cabeça e seus olhos se encheram de determinação e intensidade. Ele começou a andar para frente.

No instante em que ele começou a andar, os Escravos da Ponte em volta dele começaram a rugir e mais uma vez avançaram em sua direção. Quando eles o fizeram, Han Shan respirou fundo. Sua espada azure rugiu, e dos cem mil clones ao redor dele, dez mil desapareceram.

Sua espada varreu, fazendo com que a aura Congelante na área se levantasse. Em um instante, milhões de Escravos da Ponte foram congelados no lugar.

Quando isso aconteceu, muito do cabelo de Han Shan ficou branco e ele ficou mais velho. Esse movimento da espada foi a Canção da Espada Solitária que ele mesmo criou. Essa canção não era algo que ninguém, exceto ele, pudesse ouvir. Ela foi cantada em seu coração, algo que só ele podia desfrutar, só ele podia ouvir.

A música só poderia ser cantada uma vez na vida. Aquela música não ardia com força vital, mas sim, fundia a força vital com a canção, criando um solo da vida!

— Minha escolha naquele ano foi complicada e, em muitos aspectos, irracional. Era como se eu estivesse endemoniado… — Enquanto ele caminhava para frente, Han Shan acenou com a espada novamente. Mais dez mil clones desapareceram e mais Escravos da Ponte se tornaram estátuas de gelo. Nesse momento, seu cabelo estava completamente branco.

Ao mesmo tempo, a aura de Han Shan explodiu. Por causa de seu solo da vida, sua Base de Cultivo e sua força vital explodiram.

Meng Hao não tinha ideia em qual Base de Cultivo Han Shan estava, mas agora, seu nível de poder excedeu completamente qualquer coisa que Meng Hao pudesse compreender.

Vida… é simplesmente sobre como o tempo flui.

Vida… é resumida em dez golpes de espada!

— Depois, eu queria entender se era realmente por causa de suas convocações… — Han Shan disse levemente, caminhando em direção à montanha. Ele balançou a espada pela terceira vez. Ela assobiou e o gelo não conseguiu bloqueá-la. Ele bateu na montanha, fazendo-a tremer inteira . Os rostos do velho e do menino de repente tremeluziram.

Quanto a Han Shan, seu cabelo estava começando a cair e seu corpo estava velho e decrépito. Ele agora estava longe de ser de meia-idade; ele era um homem velho, com a pele flácida e coberta de rugas. Ele não era mais majestoso e com aparência heróica. No entanto, seus olhos e sua vontade estavam mais decididos do que nunca. Eles estavam cheios de teimosia e nenhum arrependimento… Mesmo que isso significasse caminhar até a morte, ele salvaria sua esposa!

— Eu me arrependo de trazer Xue’er aqui… Eu originalmente vim com ela para que nós dois pudéssemos adquirir a vida eterna… — Sua voz era suave quando uma quarta espada saiu. Os nomes na montanha estavam ficando sombrios; o palácio no topo da montanha tremia e rachaduras apareciam em sua superfície.

— Han Shan, o que você está fazendo?! — gritou o velho, sua expressão explodindo de fúria e maldade. Ao lado dele, o menino também tinha uma expressão selvagem enquanto olhava para Han Shan.

Meng Hao assistiu em silêncio de dentro da estátua de gelo. O vórtice em seu braço direito estava loucamente sugando o Solo Gelado. Sua majestosa Base de Cultivo estava lentamente começando a se elevar. Quando isso aconteceu, ele olhou para Han Shan e viu o que só poderia ser descrito como uma persistência que chocaria o Céu e a Terra.

Tal persistência era como fé.

“Como é minha persistência?” pensou Meng Hao.

— Eu nunca vou esquecer o que aconteceu naquele dia… — disse Han Shan. Sua quinta espada varreu com poder para rasgar a Terra. Quando aterrissou no pico da montanha, um rugido encheu o ar e o menino foi morto.

O menino ficou cheio de descrença quando se transformou em gelo. A última coisa que ouviu antes que sua consciência desaparecesse era uma voz que, apesar de parecer à beira da morte, estava calma e aterrorizante.

— Eu também ponderei por que você me chamou aqui — disse Han Shan. — Quando terminei minha Canção da Espada Solitária, começou a nevar. Meu mundo inteiro estava congelado. Todos os lugares que minha espada tocava viravam gelo. Então eu entendi. Então, algumas memórias antigas vieram até mim…

— Eu sou o Imperador Demônio do Solo Gelado! — Uma sexta espada explodiu. A cabeça do menino foi completamente cortada e o palácio explodiu. Rachaduras apareceram no topo da montanha. Agora, Han Shan parecia um ancião; ele estava cercado por uma aura de morte espessa e todo o seu corpo estava murcho.

— Mais precisamente, eu sou o seu clone. Incontáveis ​​anos atrás, consegui escapar da perseguição do Ancestral Ji. Eu vivi no mundo dos mortais por incontáveis ​​gerações até que finalmente entendi. — Sua sétima espada desceu e o pico das montanhas começaram a se despedaçar. O velho tremia e seus olhos se encheram de pavor.

Foi nesse momento, quando o topo da montanha quebrou, que dois Espíritos Demoníacos de borboleta voaram de dentro, aparentemente nascidos da destruição da montanha. Eles flutuaram no ar quando dispararam para longe.

Ninguém prestou atenção aos Espíritos Demoníacos da borboleta. Han Shan não, o velho não. Nem mesmo Meng Hao prestou atenção neles. Apenas Zhixiang notou, mas ela estava presa no gelo, e não pôde fazer nada além de observar enquanto os mesmos disparavam para longe.

— Eu não me importo qual é o seu objetivo. Eu só quero minha esposa de volta. — Uma oitava espada desceu, cortando a montanha, cortando em direção ao corpo do velho.

O velho parecia não ter intenção de bloquear ou lutar contra a espada. No entanto, quando a espada se aproximou dele, o espaço à sua frente de repente começou a ficar embaçado, e uma mulher apareceu na frente dele. Ela olhou para a espada e depois para Han Shan.

Han Shan de repente parou ali mesmo. A espada cessou seu movimento. Tudo parecia desaparecer; a única coisa que ele estava olhando era essa mulher.

Ela não era muito bonita, mas sim extremamente gentil. Ela olhou para Han Shan.

— Eu não vou com você — ela disse suavemente. — Nem posso ir. Eu sou um Escravo da Ponte. Desde aquele ano, eu me tornei um escravo da ponte por toda a eternidade… — Ela parecia um pouco confusa.

— Quando a Ponte da Imortalidade parecerá como nova mais uma vez…? Senhor, em que dia voltaremos a pôr os olhos em você…? — Quando a voz murmurante da mulher ecoou, o velho começou a desaparecer. Enquanto isso, ele olhou calmamente para Han Shan.

— Eu sou a alma da Ponte da Imortalidade —, disse ele. — Todos os Escravos da Ponte são parte de mim. Se eu desistir de minhas lembranças desse tempo, então quando eu morrer, sua esposa se tornará a nova Alma da Ponte.

— Não há inimizade entre eu e você. Tudo isso fazia parte de nossa missão, restaurar a Ponte do Caminho Imortal. Originalmente, você deveria ter sido a Alma da Ponte. É por isso que o estimado Imperador Demônio escondeu você todos aqueles anos atrás. Agora, no entanto, a tarefa vai ser da sua esposa.

— Minha missão está completa, embora não perfeitamente. Minha tarefa era te encontrar e te trazer de volta. Este foi o comando final do estimado Imperador Demônio antes de sua morte: encontrar você e fazer de você um Escravo da Ponte. — Com isso, ele desapareceu.

No instante em que ele desapareceu, a confusão nos olhos da mulher desapareceu. Seus olhos agora estavam sãos. Ela viu Han Shan e recordou suas memórias antigas. Esta foi talvez a primeira vez desde que ela havia escolhido se tornar uma Escrava da Ponte, a primeira vez em sua vida eterna, que de repente ela viu tudo claramente.

Com um sorriso amargo, ela olhou para Han Shan.

— Me mate, permita-me ser libertada…

Suas palavras ecoaram. Quando Meng Hao as ouviu e viu o que estava acontecendo, ele suspirou.

A clareza durou apenas um momento. No momento em que um Escravo da Ponte se torna a Alma da Ponte, o Escravo da Ponte teria um momento de clareza. Depois daquele momento, o Escravo da Ponte estaria acordado e consciente, mas não seria mais a mesma pessoa que era antes.

Essa pessoa seria a nova alma da Ponte do Caminho Imortal.


Tradutor: Gafiam | Revisor: Delongas


CAPÍTULO ANTERIOR                                                                                           PRÓXIMO CAPÍTULO


Fontes
Cores