ISSTH – Capítulo 4 – Um Espelho de Cobre

O Pavilhão do Tesouro estava realmente cheio de tesouros. Ao entrar, o olhar seria deslumbrado com luzes brilhantes. Prateleiras de jade dispostas ordenadamente foram preenchidas com uma exibição deslumbrante de garrafas, espadas, ornamentos e joias. Meng Hao começou a respirar pesadamente e seu coração começou a bombear. Era como se todo o sangue em seu corpo tivesse ido para seu cérebro. Ele ficou ali, pasmo.

Na curta vida de Meng Hao, ele nunca tinha visto tanta riqueza. Ele sentiu como se ele estivesse submerso. Seu cérebro girou e ele inadvertidamente pensou em pegar tudo e fugir.

“O valor desses tesouros…” murmurou Meng Hao, “…eles são de valor inestimável. A compensação de trabalhar para Imortais, é incrível.” Ele passou por uma das prateleiras de jade, com sua expressão cheia de emoção, inconscientemente, esticando a cabeça para a frente. Perguntou-se se o terceiro andar do Pavilhão do Tesouro era o mesmo que o primeiro, ou se ele talvez tivesse tesouros ainda mais valiosos.

“Imortais… eles são tão ricos!” Meng Hao deu um suspiro profundo. De repente, seus olhos caíram sobre algo estranho. Em uma das prateleiras de jade ele notou um espelho de cobre.

Havia vestígios de corrosão sobre ele. Não parecia muito especial, nem brilhante. Não parecia que tinha jeito de se comparar de forma alguma com os tesouros em sua volta.

Surpreso, Meng Hao pegou e olhou para ele de perto. Ele parecia bastante comum, como algo do mundo mortal. Não parecia ser nada original. E, no entanto, aqui ele estava no Pavilhão do Tesouro, então ele assumiu que devia ter algum valor.

“Irmão Júnior realmente tem bons olhos,” disse uma voz atrás dele. Ele não sabia quando o homem de aparência astuta tinha entrado, mas ele ficou ali olhando para o espelho de cobre. Com sua voz cheia de elogios, ele continuou: “O fato de que você pegou o espelho de cobre mostra que você estava destinado a fazê-lo. Existem muitas lendas sobre ele. A coisa mais estranha é apenas aqueles com boa sorte e boas ações acumuladas em vidas passadas podem adquiri-lo. Parece que o Irmão Júnior é apenas uma pessoa. Com este espelho, você pode assenhorear-se do céu e da terra. Você definitivamente tem essa oportunidade.” À medida que o homem falava, ele suspirava mais e mais. Sua voz parecia conter algum poder estranho que obrigava Meng Hao a ouvi-lo.

“Este espelho…” Meng Hao olhou para baixo de novo, com uma expressão estranha em seu rosto. Não era coberto com esculturas ou desenhos complicados, mas ao invés disso, a corrosão, era muito aparente.

“Irmão Júnior, não olhe para manchas do espelho. Você deve saber que os verdadeiros tesouros de natureza espiritual muitas vezes escondem-se em coisas comuns. Quanto mais humilde eles aparentam, mais preciosos são.” Meng Hao estava prestes a colocar o espelho de cobre de volta na prateleira quando o homem de aparência astuta deu vários passos apressados em frente para impedi-lo. Ele olhou seriamente para Meng Hao.

“Irmão Júnior, o fato de que você pegou esse objeto mostra que você estava destinado a fazê-lo. Você realmente vai colocá-lo novamente só porque parece comum? Eu tenho sido responsável pelo Pavilhão do Tesouro por muitos anos e eu sei a origem de todos os itens aqui. Muitos anos atrás, este espelho de cobre causou uma enorme comoção no Estado de Zhao. Ele foi criado a partir de um raio de luz que caiu dos céus. Depois de adquiri-lo, o Patriarca da Confiança estudou-o em segredo, acreditando ser um tesouro dos Céus. No final, ele não pode desvendar os seus mistérios e chegou à conclusão de que ele estava predestinado a cair nas mãos de alguém que iria usá-lo para passar por cima do céu e da terra. ”

Ele assustou Meng Hao, ouvir o nome do Patriarca da Confiança. Ele tinha acabado de entrar na Seita Externa e havia muitas coisas que ele não estava familiarizado. Ele começou a hesitar.

“Patriarca da Confiança estudou, mas não conseguia entender. Como eu…”

“Suas palavras são incorretas, Irmão Júnior. Permita o Irmão Sênior te explicar: a falta de sucesso nos estudos do Patriarca da Confiança prova que há algo único e incomum sobre este tesouro. Antes de você, dez ou mais pessoas o levaram para estudá-lo e embora nenhum deles tenha conseguido compreendê-lo, nenhum deles lamentou sua decisão.”

“E se… e se você é a pessoa destinada a possuir o espelho? De qualquer forma, se você pegá-lo, você pode ficar à vontade. Todos os discípulos que pegaram o espelho no passado, a maioria voltaram dentro de três meses e eu deixei todos trocarem por outra coisa. Depois de tratar comigo algumas vezes, você verá que eu facilito bem as coisas. Eu não quero dar aos discípulos momentos difíceis.”

“Se você levá-lo, mas ser incapaz de desvendar os seus mistérios, então você pode devolvê-lo a qualquer momento e trocá-lo por outra coisa. Mas se você abandoná-lo e desistir de algo que você está destinado, então você vai se arrepender por toda a sua vida.” O homem de aparência astuta olhou fixamente para Meng Hao. Quando viu Meng Hao hesitar, ele riu para si mesmo. Os novos discípulos eram sempre os mais fáceis de brincar. Tudo o que ele tinha a fazer era dizer-lhes a história da lenda do espelho e as grandes palavras iriam seduzi-los. Seus corações iriam começar a ferver.

“Mas…” Meng tinha estudado e lido desde a infância, por isso ele era muito inteligente. Dada a superficial expressão séria do homem de aparência astuta, ele podia conjecturar que o espelho não era exatamente como ele tinha sido descrito. Mas, o homem ficou ali na frente dele, claramente determinado a impedi-lo de colocar o espelho de volta. Mesmo jogar fora seria de pouca utilidade. Ele começou a lamentar-se por ter pegado em primeiro lugar.

“Irmão Júnior,” disse ele, com o rosto severo e com a voz baixa, “não viole as regras em seu primeiro dia. Quando você pega alguma coisa na Pavilhão do Tesouro, você não tem permissão para colocá-la de volta.” O homem de aparência astuta sentiu que já era o suficiente. Este foi o seu método habitual para conduzir as pessoas a levarem o espelho. Ele acenou com a manga larga e um vento assobiante pegou Meng Hao, voou para fora do Pavilhão do Tesouro e o jogou.

Houve um rangido quando a porta principal do Pavilhão do Tesouro se fechou.

A voz do homem de aparência astuta ecoou de dentro: “Tenho o coração mole quando se trata dos discípulos. Se você realmente não está destinado a ter o espelho, então você pode devolvê-lo em alguns dias.”

Franzindo a testa com raiva, Meng Hao olhou para a porta fechada. Então ele suspirou e olhou de volta para o espelho de cobre em suas mãos. Ele voltou a pensar nas palavras do primeiro capítulo do Manual de Condensação de Qi e hesitou. Se isso realmente era algo que Patriarca da Confiança tinha estudado, então ele deve ter algum valor. Balançando a cabeça, ele colocou o espelho em seu manto. Então, olhou para o Pavilhão do Tesouro com um último olhar de ódio, assim, se virou e saiu.

Ele caminhou ao longo das estradas verdes da Seita Externa, usando as informações do emblema de jade como um guia. Por volta do meio-dia, ele encontrou sua casa. Era ao longo da fronteira norte, em uma área muito remota da Seita Externa. Havia várias outras casas preenchendo em torno dela.

Ele abriu a porta e ela bateu contra a parede. Dentro havia uma cama e uma mesa. Meng Hao ficou ali, sentindo-se bastante contente. Este lugar era muito melhor do que o seu quarto no Pavilhão dos Servos.

Ele se sentou com as pernas cruzadas sobre a cama, respirou fundo e puxou o espelho de cobre de seu manto. Ele o estudou cuidadosamente, até que o sol começou a se pôr sobre as montanhas ocidentais. Ele acendeu uma lâmpada a óleo e continuou a estudá-lo, tudo em vão. Ele não tinha ideia de qual era o propósito do espelho.

Não importa como ele olhasse para ele, o espelho de cobre parecia completamente normal em sua natureza.

Quando a noite afundou, Meng Hao colocou o espelho de lado e olhou para a lua pela janela. Ele pensou sobre o jovem gordo e seus roncos. Ele sentiu um pouco de saudade.

A lua brilhava lá fora, seus raios tocavam o beiral do telhado de sua janela. Tudo estava em silêncio, exceto pelo som do vento entre as folhas das árvores. Meng Hao respirou fundo, pensando na lua. Ele se sentiu emocionado, como se tivesse entrado numa nova era.

Ele murmurou para si mesmo: “Eu nunca mais serei um estudante no Condado Yunjie. Eu me tornei um discípulo da Seita Externa da Confiança…”

Meng Hao reuniu seus pensamentos, fechou os olhos e sentou-se em meditação, circulando o fio de energia espiritual em seu corpo. Ele estava vivendo dessa maneira por meses e agora, estava acostumado a isso.

Havia uma diferença entre a Seita Externa e o Pavilhão dos Servos: era que aqui, ninguém preparava os alimentos para você. Você tinha que cuidar de suas próprias necessidades alimentares. Se você não o fizesse, você morreria de fome e ninguém se importaria nem um pouco. Embora, em todos os anos, ninguém na Seita Externa da Confiança tinha morrido de fome.

Ao chegar ao primeiro nível de Condensação de Qi, é possível absorver e emitir a energia espiritual do Céu e da Terra. Apesar de não poder aliviar a fome, pode sustentar a sua vida.

Vários dias se passaram. Em uma tarde, Meng Hao estava sentado de pernas cruzadas em meditação, quando de repente ele ouviu um grito infeliz lá fora. Ele imediatamente abriu os olhos, correu para a janela e olhou para fora. Ele viu um discípulo da Seita Externa no chão, sendo espancado uma vez e outra. Sangue escorria de um ferimento no peito, mas ele não estava morto, apenas ferido. A pessoa que tinha o chutando agarrou seu saco de carregamento, em seguida, saiu com um “Harrumph” frio.

O discípulo chutado lutou para ficar de pé, com os olhos cheios de crueldade violenta. Ele cambaleou. Curiosos que o cercavam o encaravam friamente, com rostos cheios com o ridículo.

Meng Hao observou em silêncio. Ele tinha visto cenas semelhantes inúmeras vezes nos últimos dias e como tal, teve uma compreensão mais profunda de como as coisas funcionavam na Seita Externa.

Sete dias se passaram como uma névoa. Durante esse tempo, Meng Hao viu ainda mais exemplos de discípulos sendo roubados. A luta e pilhagem que ocorria entre os discípulos da Seita Externa fazia Meng Hao ficar cada vez mais e mais calado. Ficou especialmente preocupante quando ele tinha visto um discípulo do segundo ou terceiro nível de Condensação de Qi ser morto por outro na área pública. Isso fez com que Meng Hao ficasse especialmente cuidadoso e cauteloso quando ele saia.

Felizmente, a sua Base de Cultivo era baixo e ele não tinha qualquer coisa de valor, sendo assim, os outros em sua maioria o ignoravam.

Na verdade, Meng Hao havia chegado a um impasse em seu cultivo. O segundo nível de Condensação de Qi era diferente do que o primeiro. Ele ainda precisava de energia espiritual, mas de acordo com o Manual Condensação de Qi, seu corpo mortal já havia começado a mudar. Como tal, atingir o segundo nível de Condensação de Qi exigiria muitas vezes mais a quantidade de energia espiritual do que o primeiro nível exigia.

Da mesma forma, Meng Hao agora entendeu o que o talento latente era. A capacidade do organismo de absorver a energia espiritual do Céu e da Terra era apenas isso, talento latente. Quanto mais talento latente alguém tinha, mais energia eles poderiam absorver. Os talentos menos latentes tem menos energia que poderiam absorver. Para alguém com talento latente considerável, mais uma quantidade de tempo gasto em exercícios de respiração, poderia absorver mais energia espiritual.

Segundo seus cálculos, para chegar ao segundo nível de Condensação de Qi provavelmente levaria pelo menos um ou dois anos. A quantidade de tempo necessário para atingir o terceiro nível seria muito mais vezes do que isso.

Claro, se ele adquirisse algumas Pílulas Medicinais ou Pedras Espirituais, ele poderia usá-las para amplificar a energia espiritual, então, ele poderia diminuir esse tempo. Foi por isso que havia tantos roubos terríveis ocorrendo na Seita Externa; cada mês, pílulas seriam distribuídas abertamente.

“O forte se torna mais forte, o fraco se torna mais fraco,” disse Meng Hao calmamente. “Esta é a forma como a Seita Confiança preparava os discípulos para a Seita Interna.”

Numa manhã cedo, quando o céu escuro começava a clarear com a luz, Meng Hao estava sentado em meditação, como de costume. Ele não tinha recursos especiais, exceto por sua determinação. Portanto, ele não desistiu de suas meditações noturnas e exercícios respiratórios. Sinos reverberaram por toda a Seita e Meng Hao abriu os olhos devagar.

(NT: deixei meditações noturnas para dar a entender que ele fica a madrugada toda meditando.)

“Estes sinos…” Os olhos de Meng Hao focaram como se tivesse chegado a uma epifania. Uma expressão animada apareceu em seu rosto, e ele correu para fora do quarto e viu discípulos em todos os lugares, correndo para longe.

“Quando estes sinos soam, significa que chegou a hora da distribuição das Pedras Espirituais e Pílulas Medicinais. Deve ser hoje.” Mais e mais pessoas começaram a correr na direção dos sinos. Parecia que todos dentro da Seita Externa estavam lá.

“Dia de distribuição das Pílulas,” disse Meng Hao, respirando pesadamente. Ele correu junto com a multidão até chegar à praça no centro da Seita Externa. A praça era monumental em tamanho e ao longo dos seus cantos havia nove pilares de pedra cobertos de esculturas de dragões. Colocado no pilar mais importante havia uma plataforma de mais de noventa metros de diâmetro, sobre os quais giravam uma nuvem multicolorida. Dentro da nuvem podia ser visto formas disformes.

Mais de uma centena de discípulos da Seita Externa estavam ali com suas vestes verdes, murmurando entre si e olhando frequentemente para a nuvem multicolorida.

Então, a nuvem lentamente se dissipou, revelando um velho com cara esburacada vestindo uma túnica dourada. Seu rosto estava calmo e emitia um poder natural de calma e dignidade. Seus olhos brilhavam como um raio. Duas pessoas estavam ao lado dele, um homem e uma mulher, ambos vestindo mantos de prata. O homem era extremamente bonito, com uma aparência ereta, apesar da indiferença que cobria o seu rosto. Quanto à mulher, assim que Meng Hao colocou seus olhos sobre ela, suas pupilas contraíram.

Esta mulher era a mulher que o havia levado do Monte Daqing há três meses.