ISSTH – Capítulo 290 – Essa Vida



Dois anos depois, Meng Hao tinha agora trinta e cinco anos de idade e já fazia nove anos desde que saiu de casa. Contudo, durante todo esse tempo viveu apenas em dois lugares, junto ao rio e na floresta.

Dessa vez, ele se encontrou com uma gangue de bandidos.

Bandidos normalmente eram assassinos, no entanto eles resolveram não matar Meng Hao. O motivo talvez tenha sido porque vestia um manto de erudito ou a mochila simples que carregava consigo, era alguém que demostrava para quaisquer não ter muita riqueza. O líder dos bandidos era uma mulher linda e sedutora. Ela lhe fez uma única pergunta.

“Você consegue trabalhar com registros financeiros?”

Meng Hao meneou negativamente com a cabeça, no entanto, os bandidos os levaram mesmo assim até um forte na montanha ao qual era, na verdade, um vilarejo fortificado onde mais de mil pessoas viviam. Sendo que a maioria eram membros das famílias dos bandidos, inclusive tinham algumas crianças.

E Meng Hao foi trazido para ser o tutor delas e seu trabalho na maior parte seria instruir essas crianças a ler e escrever. Ele não tinha que ensinar nada muito complicado, afinal eles precisavam que as crianças soubessem ler notas bancárias e entender mensagens simples que todo bom bandido teria que ser capaz de compreender.

Isso era o requerimento imposto a todos os bandidos pela bela Chefe dos bandidos.

Com isso o tempo se passou e Meng Hao se adaptou onde estava e rapidamente sentiu-se em casa. Ele ensinava leitura e escrita e aproveitava o tempo livre para apreciar o céu. Era quase exatamente a vida que tinha no Condado do Advento Oriental. Algumas vezes ele se lembrava de seu Mestre ou de seu pai e de como fazia muito tempo que ele não fora visitar o túmulo dele.

As pessoas morriam todo mês no forte da montanha. Durante um período de três anos, o acampamento moveu de lugar duas vezes. No quarto ano, um exército veio para aniquilá-los e o forte da montanha se deparava com uma desvantagem numérica avassaladora; e foi nesse momento crítico em que a vida e a morte estava em jogo que Meng Hao sem hesitação propôs o uso de veneno para lidar com essa ameaça.

Naquele momento, o vento estava soprando para o norte e o exército estava localizado no sul.

Meng Hao não tinha exatamente certeza de o porquê ele teve essa ideia de utilizar-se de veneno. Algo curioso aconteceu com ele nesses últimos anos, parecia que em sua cabeça tinha florescido uma abundância enorme de conhecimento. O veneno obviamente foi criado pelo próprio Meng Hao.

Meng Hao fechou os olhos, enquanto o pó venenoso vagueava pelo sul junto com o vento. Um longo tempo depois, ele escutou gritos de celebração. Seu veneno tinha feito um massacre e o vilarejo da montanha tinha vencido.

Meng Hao agora tinha trinta e nove anos de idade. E durante aquela noite, na terceira metade da noite, algo como um calor fogoso se enterrava junto com ele nas cobertas de sua cama. Era a Chefe dos bandidos, durante o dia ela era uma mulher rígida e tradicional, mas nessa noite ela se demonstrava diante de seus braços ter um espírito meigo e encantador.

De um dia para outro, a vida de Meng Hao mudou. Ele não mais era um tutor, agora ele era um conselheiro militar, uma profissão que ele nunca tinha desempenhado antes, portanto algo novo e excitante. Mesmo ele já tendo alcançado os quarenta anos de idade e já há muito tempo passado da juventude, onde o sangue fervia para algo novo, ele ainda assim achava tudo isso… viciante.

Matar e saquear. Durante três anos nenhum sangue tinha sido derramado de fato pelas mãos de Meng Hao. Entretanto, indiretamente graças a sua assistência, o número de vidas que os bandidos mataram aumentou pelo menos em dez vezes.

E no inverno do último ano, Meng Hao finalmente estava de saco cheio de tudo isso. Ele não tinha escolhido essa vida para si e queria ir embora. Contudo, por causa dele o forte da montanha tinha aumentado de tamanho imensamente e quando ele trouxe o assunto de ir embora, a linda Chefe dos bandidos se recusou a permitir.

Mas Meng Hao persistiu e partiu do forte da montanha de qualquer forma. Resultando em eles irem atrás dele tentando matá-lo.

Eles o perseguiram por um ano até finalmente desistirem e Meng Hao acabou sobrevivendo a caçada. Exausto, ele virou-se para trás na estrada e atrás dele a cerca de cem ou mais passos dele, estava a Chefe; ela estava em cima de um cavalo, olhando fixamente para ele com um grande arco negro na mão. Ela estava mais velha de que quando a conheceu pela primeira vez, mas a passagem dos anos não diminuíra sua beleza e em seus olhos havia uma expressão devastada pela dor.

Uma brisa soprou passando pelos dois. Meng Hao estava carregando nas costas a mesma mochila de erudito que ele levava consigo anos atrás quando saiu de casa pela primeira vez. Ele se virou para a estrada contrária e caminhou se distanciando no horizonte.

Nenhuma flecha foi disparada daquele arco.

Naquele ano, Meng Hao tinha quarenta e três anos de idade.

Eventualmente, ele vislumbrou ao longe um Templo Daoista localizado no topo de uma montanha.

Era outono e as folhas sussurravam pela brisa gelada até caírem, deixando o calçamento do templo com uma cor esverdeada. O céu estava nublado e ocasionalmente um suave tremor de trovão podia ser ouvido. Estava vindo chuva.

Meng Hao aceitou ficar um tempo no Templo Daoista depois daquele dia. Ele assistia as práticas Daoistas de cultivo religioso e observava as rotinas das vidas dos monges. Ele desfrutou desse tipo de paz que ele nunca experienciou na vida antes.

Ele teve uma sensação persistente, que suas mãos estavam manchadas de sangue, que simplesmente não importasse o que fizesse não conseguia limpá-las. Talvez naquele Templo ele descobrisse um meio de limpá-las.

Dois anos depois, ele agora tinha quarenta e cinco anos e soltou um suave suspiro resignado.

“Então, na verdade não existe nenhum meio de limpar o que eu fiz. Se é esse o caso, então só tenho que aprender a viver com isso.” sacudindo a cabeça, ele deu adeus para os monges do Templo Daoista e novamente tomou a estrada pelo mundo.

Eventualmente, ele chegou na capital. Depois de viver lá por um ano, uma guerra sangrenta foi iniciada com uma nação vizinha e apesar de sua idade, Meng Hao foi forçadamente recrutado para o exército e virou um soldado. A guerra entre os dois países tinha apenas se iniciado quando isso aconteceu.

Nos dois anos de guerra, Meng Hao usou algum dos seus venenos criados por ele para vencer uma batalha, e isso chocou ambas as nações envolvidas. Isso foi a faísca para sua ascensão militar. Ele agora não era mais um soldado comum, mas sim, um Especialista em Venenos.

E depois de cinco anos de guerra, se tornou General. Liderando um exército especial de cerca de cem mil soldados, junto deles havia uma unidade de cem mil Especialistas em Venenos que foram treinados especialmente por ele.

No oitavo ano de guerra, o inimigo recuou no campo de batalha e ficou na defensiva. Meng Hao agora tinha mais de cinquenta anos e seu nome era muito famoso pela nação inteira. Ele liderou seus homens em uma campanha dentro da nação inimiga para destruí-la completamente.

No décimo ano de guerra, Meng Hao agora tinha cinquenta e cinco anos. Já fazia trinta anos desde que ele saiu de sua terra natal. O inimigo foi totalmente aniquilado e quando ele retornou para a capital de sua nação foi recebido com uma cerimônia grandiosa de celebração.

Ele agora era uma lenda e foi-lhe conferido o título de Conselheiro Real.

Tudo isso aconteceu como se fosse um sonho e Meng Hao não estava acostumado com isso. Talvez tenha sido por causa dele ou talvez seja pela sua nação ter aumentado o poder, mas depois dele ter se tornado Conselheiro Real, a sua nação que antes foi invadida dessa vez se tornara o invasor. E uma nova rodada de guerras foi iniciada.

Ano após ano se passou e eventualmente, Meng Hao chegou aos sessenta anos de idade. E mais uma vez ele ficou de saco cheio dessa vida, ele deixou o exército e sozinho foi visitar as regiões assoladas pelas chamas da guerra. Fome e doenças consumiam essas regiões e ele a partir daquele dia começou a salvar vidas, portanto não mais era um Conselheiro Real, mas agora tinha se tornado em um Médico Alquímico.

E nisso ele continuou sua jornada perseguindo seu sonho de juventude, escalando montanhas e viajando para terras distantes.

Não importava para ele quantas pessoas ele tinha matado no passado, esse seria o número de pessoas que ele salvaria a vida.

Essa jornada perdurou por vinte anos.

Durante esses vinte anos, Meng Hao viajou por incontáveis nações e escalou até o pico de inúmeras montanhas. Ele salvou uma quantidade enorme de pessoas, e logo rumores de um Médico com mãos milagrosas se espalhou para todos os cantos desse mundo.

Naquele ano Meng Hao tinha chegado aos oitenta anos de idade, e olhava reflexivo para o céu. Seu rosto desgastado por inúmeros anos de caminhada era evidência de uma vida repleta de memórias.

“Eu trilhei muitos caminhos na vida”, ele refletiu, “mas nenhum deles é minha escolha real … que escolha realmente é essa…? Eu não escolhi ser o reflexo da água no rio, nem escolhi viver a vida pacífica de um eremita na floresta. Eu absolutamente não quis viver a vida romântica e aventureira de um casal de bandidos, nem quis ser um monge Daoista…. Eu, há muito tempo desisti de ser um Especialista em Venenos ou Conselheiro Real causando guerras…. Eu pensei que minha escolha final seria me tornar um Médico Alquímico. Mas agora, pensando bem… esse também não é meu real caminho que tenho que trilhar. O que eu realmente almejo ir atrás nessa vida?” Ele olhou para o céu, mas não conseguiu a resposta para essa pergunta. A única coisa que ele sentiu foi mais frustração e uma exaustão profunda.

Ele sentia falta de casa. Era uma noite de outono e ele estava sentado abaixo das estrelas olhando para o céu. Próximo do seu pé havia uma folha caída, ele não a notou quando a brisa sussurrou em seu ouvido em direção a floresta levando consigo a folha e retornando a árvore que a mesma caiu. Nesse instante, ele era igual àquela folha. Tinha estado longe de casa por quase um ciclo completo de sessenta anos. Agora, ele sentia que era hora de retornar.

Então começou o caminho de volta. Depois de ele ter saído, o levou cinquenta e quatro anos para chegar até ali aonde estava e no seu retorno levou apenas seis anos.

O Condado do Advento Oriental permanecia no mesmo lugar e prosperando mais que nunca. Meng Hao dessa vez estava com os cabelos completamente brancos quando entrou na cidade e foi capaz de discernir poucas coisas que restaram que eram iguais ao que se lembrava do passado.

O bordel que ele conhecia já não existia mais. O muro havia sido derrubado e era localização de uma grande mansão.

A casa onde ele cresceu também sumiu com a passagem do tempo e agora era uma estalagem. Meng Hao ficou na frente dela por um longo tempo a olhando fixamente. Em seu rosto estava marcado não somente as lamúrias da passagem do tempo, mas uma expressão complexa. Até que finalmente, ele virou-se e foi embora.

Quando ele retornou a casa de seu Mestre, a pessoa que abriu a porta era um estranho. Depois de fazer algumas perguntas, ele virou-se para olhar para a Montanha Leste ao longe.

Seu pai tinha sido enterrado lá a mais de cinquenta anos atrás e seu Mestre também foi enterrado lá a mais de vinte anos atrás.

Meng Hao suspirou. Silenciosamente subiu a montanha segurando nas mãos uma garrafa de álcool. Primeiro ele visitou o túmulo de seu pai que estava coberto por erva daninhas. “Eu sei que isso tudo é uma ilusão”, ele falou suavemente, “e que você não é meu pai verdadeiro. No entanto, você me fez sentir o amor paternal que me faltava na vida. Mesmo que tenha sido apenas o abraço que eu precisava para que pudesse dormir nessa ilusão…” cerca de trinta anos atrás, no templo Daoista, ele já tinha compreendido tudo. Sabia que esse mundo era nada mais que uma ilusão, um teste para se tornar um aprendiz.

O verdadeiro Meng Hao ainda estava no mundo da Terra Celestial na Seita Destino Violeta no topo da Montanha Leste Violeta.

Ele fechou os olhos. Depois de um longo tempo ter se passado diante do túmulo de seu pai ele finalmente foi até ao túmulo de seu Mestre. Ele o olhou por um tempo até continuar a falar.

“Se tornar um aprendiz requer três prostrações”, murmurou. “A primeira é durante o fim da inocência, a segunda durante o início da itinerância e a terceira quando assistindo ao pôr do sol… você me deu uma vida inteira para decidir se quero ou não me tornar seu aprendiz; tudo nesse reino de ilusões não foi criado por você e sim por mim. Você apenas me deu o ponto de partida. Cada pessoa nessa prova de fogo criará seu próprio mundo.”

“E nesse mundo, eu liberei meu coração. Eu… eu experienciei de tudo. E no final das contas, retornei para cá, o ponto de partida, não sabendo ainda o que eu desejo ir atrás…

“O Dao da Alquimia? Obviamente que não.” Ele ergueu a garrafa de álcool e tomou um longo gole.

“Vida eterna?”, continuou suavemente. “Não tenho qualificações para isso.” logo o sol começou a se pôr no oeste e a garrafa de álcool estava vazia. Entretanto, ele não começou a sua terceira prostração, ao invés disso ele virou-se e retornou para o Condado de Advento Oriental.

Ele sabia que assim que ele realizasse a terceira prostração sairia desse mundo de ilusões. No entanto, ele ainda não tinha achado a resposta que tanto buscava. Portanto, escolheu não ir embora e sim, ficar nesse mundo.

E assim, um homem muito velho tinha resolvido morar no Condado do Advento Oriental.

Do lado de fora do mundo das ilusões, dentro da Terra Celestial do Destino Violeta e no topo da Montanha do Leste Violeta, Chu Yuyan apareceu com os olhos escorrendo de lágrimas. Ela os abriu sua expressão era como se estivesse repleta de pesar. Era como se estar imersa naquele mundo a fez esquecer da realidade.

Um longo tempo se passou e então um tremor percorreu o corpo dela. Ela piscou e seus olhos ficaram inicialmente preenchidos com confusão e então rapidamente ficaram mais esclarecidos de onde estava. Sua expressão era de melancolia. Eventualmente ela olhou para cima e viu que adiante estavam duas outras pessoas acima dela no topo da Montanha Leste Violeta.

Um deles era Fang Mu e o outro era Ye Feimu. Ambos estavam com seus olhos fechados. O primeiro estava com o rosto repleto de reflexão e o segundo de confusão. O primeiro sendo Meng Hao e o segundo Ye Feimu, respectivamente.

Já ela estava ainda a dez passos de chegar ao pico da montanha. E mais atrás dela estavam os outros dois candidatos desconhecidos dessa prova de fogo.

Foi nesse instante que Ye Feimu subitamente estremeceu e começou a acordar.


Tradutor: Devlin | Revisor: Bonadeo | QC: Ana Paula



Fontes
Cores