ISSTH – Capítulo 247 – Me Matem!



        Bem cedo na manhã seguinte, o sol do amanhecer espreitou-se ao céu e sua luz caiu sobre o Pico Negro das Boas Vindas. A montanha era frondosamente verdejante, e apesar de não haver nenhum pássaro cantando ou perfumes das flores. O humor de Meng Hao estava elevado enquanto ele olhava a paisagem da vegetação exuberante das cadeias de montanhas ao redor da varanda do segundo andar de sua residência. 

As montanhas ondulantes cobertas com uma vegetação de um verde esmeralda eram iluminadas pela brilhante luz do sol do amanhecer. O brilho refletiu no manto negro de Meng Hao, fazendo a aura violeta do mesmo ficar ainda mais forte. Qualquer um que o olhasse teria dificuldade de discernir se era preto ou violeta.

A brisa da montanha levantou seu longo cabelo, fazendo parecer como se Meng Hao quisesse fazer a si próprio voar junto com o vento. Enquanto ele apreciava a vista, uma luz violeta brilhou de seus olhos.

Ela era a manifestação do Qi Violeta do Leste, que também transformara seus seis Pilares do Dao em uma tonalidade violeta.

Depois de um longo momento ter se passado, Meng Hao respirou profundamente e então saiu de sua residência. Assim que ele começou a descer a trilha da montanha, que atravessava por todas as Montanhas Negras de Boas Vindas, encontrou diversos discípulos da Seita Luva Negra no caminho que imediatamente o saudaram juntando suas mãos e com expressões repletas de polidez, ainda que alguns estivessem mantendo o orgulho de serem membros da Seita Luva Negra. Obviamente, foi espalhado a palavra a todos da Seita a respeito do modo de como os visitantes deveria ser tratados.

Meng Hao sorria, retornando a saudação e continuando seu caminho.

E logo saíra das Montanhas Negras de Boas Vindas e foi parar no meio das Cem Montanhas e essa área era restrita para discípulos Centrais da Seita.

Ao olhar em volta para todos os discípulos da Seita Luva Negra e as construções do local, sem falar do enorme incenso que existia acima de tudo isso, Meng Hao suspirou internamente. Antes de se juntar a Seita Destino Violeta, ele nunca poderia imaginar que um dia iria ser capaz de caminhar pela Seita Luva Negra de uma maneira tão despreocupada.

“É ótimo que a gelatina de carne trocou de pele já faz bastante tempo. Se isso estivesse acontecido nesse exato momento, minha identidade teria sido revelada imediatamente.” Ele caminhou entre as construções e eventualmente veio parar no início de uma praça pública. Lá, ele pode ver dúzias de discípulos da Seita Luva Negra sentados de pernas cruzadas. Han Bei estava entre eles.

Um ancião estava entre eles dando uma palestra e dissertando sobre as variadas escrituras com compreendiam as técnicas mágicas da Seita Luva Negra. Meng Hao já tinha visto esse ancião antes; ele era um dos cultivadores do estágio de Formação do Núcleo que tinham ido recebê-los ontem junto com o Patriarca Luva Violeta.

A voz do ancião ressoou tranquilamente: “A magia da Seita Luva Negra pode ser dividida entre a vontade do Submundo Negro e os ensinamentos da Luva dos Céus. O Submundo representa os espíritos das nove Terras e a Luva representa a vontade dos nove Céus. Portanto, na Seita Luva Negra, a magia do Submundo é usada para matar e a vontade dos céus será sempre divina. Vocês devem gravar esses ensinamentos sagrados em suas mentes enquanto praticam o cultivo. No futuro, seu caminho será direcionado até os Céus.” Foi nesse instante que ele ficou ciente da presença de Meng Hao.

Ele assentiu brevemente, obviamente sabia quem Meng Hao era. Não falou nada, apenas olhou para a plateia. Eventualmente seu olhar veio a repousar sobre o rosto de Han Bei, dando a ela um olhar significativo que a fez suspirar internamente, então ela se levantou e caminhou na direção de Meng Hao.

A expressão do ancião permaneceu a mesma de sempre enquanto continuava a dissertar sobre as escrituras da seita. Ele nunca teria deixado que qualquer outro forasteiro ouvisse tais dissertações que eram próprias da Seita, mas levando em consideração o status que Meng Hao tinha, não seria apropriado que ele fosse enxotado dali. Portanto, ele pediu discretamente para que Han Bei o guiasse para fora.

Já Han Bei na verdade não queria aceitar essa tarefa, mas não tinha como ela realmente recusar. Sem deixar seus sentimentos transparecerem no rosto, ela chegou até o lado de Meng Hao e um belo sorriso floresceu em seu rosto.

“Grão-mestre Fang, você é daqueles que acordam bem cedo. Por que não me acompanha? Eu irei mostrá-lo as paisagens em volta da Seita.” Ela era linda como uma flor, sua voz suave e encantadora.

Meng Hao estava muito ciente que não seria muito apropriado dele ficar e continuar ouvindo as palestras da Seita. Ele assentiu contentemente com a proposta de Han Bei e então respondeu. “Para acompanhar tal flor estonteante seria minha honra.”

Os dois então começaram a caminhar juntos.

Quando eles ficaram a alguma distância longe da praça. Han Bei sorriu e respondeu. “Grão-mestre Fang, você é realmente uma pessoa refinada e lisonjeira. Eu não mereço ser comparada a uma flor.” Seus olhos faiscaram e seu ondulante vestido de cedo azul preso em volta dela de certo modo a fazia realmente parecer com uma flor exuberante.

Han Bei era uma mulher inerentemente linda, com um sorriso deslumbrante, ela muito bem poderia ser um flor, mas para Meng Hao, ela era uma rosa, cheia de espinhos venenosos. Ele nunca esqueceria da forma suave e carinhosa que ela proferiu “Xie, querido” antes de matá-lo na Terra Santificada da Seita Luva Negra.

Como resposta as suas palavras, Meng Hao riu um pouco, mas não disse nada. Ao invés disso, ele a olhou de cima a baixo.

“Grão-mestre Fang, não me diga que ainda está pensando sobre em que lugar você achou ter me visto antes?” Ela sorriu levemente, mas oculto em seus olhos, Meng Hao pode ver que ela resguardava um grau de ansiedade. Ela achou que Meng Hao não conseguiria perceber, mas considerando o quão bem ele a conhece, ele notou isso em um único olhar.

A mente de Meng Hao instantaneamente entrou em ação, agitando-se em especulações. Ele sabia que Han Bei não era do tipo de mulheres que ficariam nervosas facilmente, relembrando-se de todas as vezes que a tinha visto confiante antes.

“Eu creio que envergonhei a mim mesmo em frente a você, Irmã Daoista Han,” ele respondeu. “É só que eu estou realmente interessado em você.” Ele olhou para ela, deixando transparecer um brilho de interesse sair dos seus olhos.

Quando Han Bei percebeu isso, seu coração instantaneamente se apertou nervosamente. Desde o instante que Meng Hao chegou até a Seita, uma sensação inquietante tinha tomado conta dela. Agora, essa ansiedade estava crescendo cada vez mais. Entretanto, suas habilidades com ardis eram profundas e ela fez seu melhor para esconder o que sentia. Ela manteve suas sobrancelhas tranquilas e um sorrido preso em seu rosto.

Continuaram a passear e ela respondeu. “Grão-mestre Fang, estou verdadeiramente honrada pelas suas palavras. No entanto, realmente não entendo, o que há de tão interessante em mim para você?” Ela olhou para ele, piscando.

“O sobrenome Han é bem especial,” disse Meng Hao lentamente, olhando para o sol nascer no horizonte.

Ouvindo isso, a expressão no rosto de Han Bei não mudou. Ela sorriu e perguntou. “Por que acha que é especial?”

“É especial porque pertence a uma das Nove Grandes Famílias.” Meng Hao respondeu com a expressão tranquila de sempre, mas suas palavras fizeram que Han Bei cerrasse o cenho e suspirasse. Meng Hao sabia que essa reação dela era simplesmente um meio de ela encobrir sua verdadeira reação.

E por causa disso seu coração estremeceu ainda mais que antes, ele agora tinha certeza que algo suspeito estava acontecendo.

“Você está certo,” falou Han Bei, olhando para ele. “Meus ancestrais estavam entre as Nove Grandes Famílias.”

Eles chegaram a parar do lado de fora de um trecho de uma floresta montanhosa verde-esmeralda. O vento soprava suavemente, causando as folhas se balançarem e a distância, o som de água corrente podia ser ouvido. Os sons da natureza se fundiram em algo similar a uma melodia.

Cercados pela beleza da paisagem, Meng Hao não a respondeu. Ele olhou fixamente para Han Bei e ela retornou seu olhar.

Depois de um longo momento se entreolhando, Meng Hao riu e virou sua cabeça para olhar para floresta verdejante. Eles passearam até um córrego da montanha, e suas águas corriam vagarosamente para leste. Ele olhou para a descida do córrego, reparando na movimentação dos peixes acima das pedras que repousavam no fluxo do córrego. Uma expressão pensativa apareceu em seu rosto.

“Há alguma coisa estranha acontecendo com Han Bei,” ele pensou. “Por que que ela fica tão nervosa na minha presença? Não pode ser nada relacionado com Fang Mu e ela não sabe que eu sou Meng Hao. Então tudo me leva a crer que a culpa disso deve ter algo haver com a Divisão Pílulas Leste!”

Han Bei permaneceu ao seu lado, com a expressão a mesma de sempre. Depois de ter passado tempo o suficiente para um incenso queimar, ela subitamente acionou sua bolsa de carregamento e uma tira de jade brilhante se materializou. Depois de avaliá-la por um instante, ela fez uma leve reverência a Meng Hao falando.

“Esse lugar é isolado e silencioso. Grão-mestre Fang, se desejar pode ficar aqui por um tempo. Infelizmente, hoje tenho alguns assuntos que eu preciso tratar e não desejo atrapalhar suas reflexões. Nessa tira de jade contém um mapa da Seita Luva Negra, por favor, sinta-se livre para usá-lo e ir desfrutar das paisagens, vou precisar me retirar agora.” Ela entregou a tira de jade e então virou-se agilmente e se começou a retornar.

E enquanto ela caminhava, Meng Hao casualmente falou. “Um de seus amigos da Divisão Pílulas Leste queria que eu lhe passasse suas saudações. Quanto aquele assunto…” Suas palavras pareciam ser repletas de um significado, mas ainda assim eram ambíguas e enigmáticas. Na verdade, qualquer significado poderia ser tirado delas.

No entanto, assim que Han Bei as ouviu, seu coração começou a se acelerar. Ela estava de costas para Meng Hao, devido a isso ela pode deixar transparecer que seus olhos se estreitaram. Porém, a sua postura não a traia revelando mais que devia a respeito do que estava pensando. Ela lentamente virou sua cabeça para trás, e quando o fez, seu rosto estava coberto com uma expressão de surpresa.

“Grão-mestre Fang, eu não tenho realmente certeza do que é quis dizer,” ela respondeu, piscando. Sua expressão repleta de confusão, como se ela estivesse tentando muito descobrir qual seria o amigo que Meng Hao estava se referindo.

Se ela não tivesse manifestado essa expressão, só restaria Meng Hao tentar adivinhar, mas para responder com essa reação solidificou suas especulações.

Tinha definitivamente alguma coisa acontecendo com Han Bei.

Baseando-se no que ele conhecia dela, ele sabia que se ela não estivesse resguardando um profundo nervosismo, ela iria se aproveitar dessa deixa no assunto para iniciar uma conversa e para buscar mais informações sobre isso. Mas ao invés disso, ela instantaneamente demonstrou apenas a reação de surpresa.

Ele riu disso. “Ah, entendo. Agora claramente percebi que eu confundi você com outra pessoa.” Não falando mais nada. Nesse momento, ele não tinha muita certeza que segredo que Han Bei estava mantendo. Isso necessitaria uma discussão mais aprofundada. Entretanto, ele sabia que se continuasse a falar muito poderia levá-lo a cometer deslizes, resultando que Han Bei poderia chegar a conclusão que ela estava sendo interrogada e isso só levaria a complicações futuras desnecessárias.

Ao ouvir a resposta de Meng Hao, Han Bei o retornou com um sorriso vazio. Sem falar mais nada, ela deu outra saudação e então virou-se e partiu. Só quando ela se distanciou bastante que seu rosto empalideceu e se apertou de nervosismo.

“Divisão Pílulas Leste…” ela murmurou enquanto se distanciava velozmente no horizonte.

Meng Hao assistiu ela desapareceu com olhos que brilhavam pensativamente.

Han Bei tinha agido estranhamente desde o instante que ele pisara da Seita Luva Negra e não queria que ninguém reparasse seu nervosismo, mas Meng Hao conseguiu notar que ele tinha conseguido se enfiar diretamente no quaisquer que for o segredo que ela está guardando profundamente em seu coração.

Porém, depois de muito se pensar, Meng Hao ainda não foi capaz de deduzir que tipo de relacionamento Han Bei poderia possivelmente ter com a Divisão Pílulas Leste. Ele olhou para a tira de jade que recebera e a escaneou com seu Sentido Espiritual, fazendo assim que um mapa com as mais variadas montanhas da Seita Luva Negra se materializasse em sua mente.

Algumas áreas no mapa estavam marcadas com símbolos mágicos indicando que eram proibidas o tráfego. Depois de um tempo analisando o mapa, Meng Hao ergueu a cabeça e continuou seu passeio.

Ele caminhou sozinho pela Seita Luva Negra até próximo do meio-dia. No horizonte, ele já podia ver o Pico Negro das Boas Vindas e estava prestes a retornar a sua residência quando subitamente seus olhos se estreitaram. Ele virou-se para olhar para trás.

Nesse exato momento, um grito estridente quebrou a paz e o silêncio da Seita Luva Negra. No sopé de uma montanha distante um rugido pode ser ouvido. O chão tremia e um cultivador insano voava adiante, seu cabelo chicoteando em volta da sua cabeça.

“Me matem! Por favor me matem!” ele gritava, sua voz estremecendo o ambiente ao redor. Enquanto ele voava adiante, múltiplos raios de luz voavam disparados atrás dele.

Meng Hao olhou fixamente para isso com olhos estreitados, porque ele reconheceu quem era esse cultivador. Era ninguém menos que a Criança do Dao da Seita Luva Negra , Zhou Jie!


Tradutor: Devlin | Editor: Bonadeo



Fontes
Cores