VM – Capítulo 50 – Viagem de negócios 2.



(Os trechos em itálico estão em japonês.)



Assim que o avião pousou na pista uma limusine já estava esperando para recepcionar Tyler, ela fazia parte do teatro que ele havia planejado, uma verdade que poucos comentam é que em 99% dos casos, se vai fechar um contrato de qualquer tipo você será tratado de forma diferente dependendo de como estiver vestido.

Para essa ocasião Tyler usava novamente seu terno inglês feito por um alfaiate, ele tinha mais dois ternos muito bons, mas parecia que atualmente esse número não era o suficiente. Por enquanto ele teria que ficar trocando as camisas e as gravatas!

Umas das vantagens de ser homem é essa. Se o homem tem um bom terno preto, basta ter duas camisas e gravatas de outras cores, já uma mulher não pode fazer isso com um vestido.

Acompanhando a limusine estava um secretário temporário, ele tinha sido contratado exclusivamente para acompanhar Tyler nas reuniões.

“Bom dia senhor Newman, meu nome é Hiroshi Sato! Eu serei o seu acompanhante durante sua estadia em Tokyo.” Falou o homem, Hiroshi devia estar na casa dos 40, vestia um terno preto com camisa branca. Que estava impecavelmente bem.

Bom dia senhor Sato, como pode ver eu entendo um pouco o seu idioma. Mas se preferir podemos falar no qual achar melhor!” Tyler disse sorrindo.

O senhor está sendo humilde quando diz que entende um pouco do meu idioma, nunca vi um estrangeiro falar tão perfeitamente! Quantos anos o senhor morou aqui?” Sato perguntou.

Eu nunca morei aqui, mas passei 3 meses viajando por todo o Japão!” Tyler respondeu.

E aprendeu a falar tão bem assim apenas com esses 3 meses?” Sato perguntou incrédulo.

“Não, eu aprendi a falar japonês na faculdade, mas só recentemente adquiri essa fluência toda.” O que Tyler falava era verdade, embora ele falasse japonês antes, ainda tinha aquele sotaque que todo estrangeiro tem, entretanto desde que leu aquele pergaminho estranho virou fluente em qualquer idioma, tanto na escrita como na fala.

É realmente fascinante. O senhor quer ir para algum lugar antes ou devemos começar as reuniões?”

Vamos direto aos negócios.” Tyler disse e Sato assentiu.

O Primeiro local era uma grande fábrica de tornos computadorizados. Porém dizer que ela era somente uma fábrica de tornos era no mínimo depreciativo, ela também fabricava braços robóticos para linhas de montagem, fazia automação para grandes indústrias, mesas de cortes tanto de plasma como de jato de água. Era verdadeiramente uma empresa top de linha, para se ter uma ideia da capacidade e precisão dela, ela era responsável por fazer os motores dos carros de fórmula 1 de algumas escuderias!

Segundo os planos de Tyler a única coisa que ele “poderia” usar em um curto período de tempo naquele lugar seria a mesa de corte, e ainda usaria a mesa movida a jato de água. Ela perde um pouco na velocidade de produção, mas tem um consumo menor de energia e não corre o risco de danificar as peças por superaquecimento.

“Bom dia senhor Newman, é um prazer recebê-lo em nossas instalações, meu nome é Hiro Ishihara. Eu sou o gerente encarregado das vendas.” O homem curvou-se em um cumprimento formal, o senhor estava bem-vestido e talvez tivesse a mesma idade de Tyler, mas com uns 30 centímetros de altura a menos..

Bom dia! Será um prazer estar sob seus cuidados.” Tyler também curvou-se formalmente.

Surpreso com a inesperada capacidade linguística de seu novo cliente o senhor Ishihara teve um novo respeito por Tyler.

Ishihara acompanhou Tyler para conhecer todas as instalações da fábrica, desde o estoque ao setor de montagem e usinagem das peças.

Tyler estava amando cada passo que dava naquele lugar, antes de tudo Tyler era um engenheiro e não um engenheiro qualquer, ele tinha formação em quase todas as engenharias! Estar ali era parte de um sonho se realizando.

Um fato engraçado sobre indústrias que fabricam esse tipo de equipamento é que seus próprios produtos fazem mais produtos!

As peças usinadas pelos robôs na linha de produção são partes de outros iguais a eles. Os tornos esculpem no bloco de metal as outras partes para novos tornos e assim por diante.

“Sr Newman já conhece as nossas novas impressoras 3D?” Ishihara perguntou a ele durante o passeio.

“Não, nem sabia que vocês fabricavam impressoras 3D.” Tyler respondeu.

“Bem, como deve imaginar não produzimos impressoras comuns, as que mostrarei agora para o senhor é o resultado de anos de pesquisas e desenvolvimento! São as impressoras que dominarão um novo setor de mercado ainda não existente!”

“…” Tyler tinha uma expressão curiosa no rosto, ele não conseguia entender como uma impressora que atualmente era muito comum nas indústrias poderia ser tão revolucionária.

Guiado pelo homem Tyler entrou em uma nova ala da fábrica, e então pode entender as palavras ditas anteriormente.

“Impressão 3D em metal!” Tyler exclamou excitado.

“Sim, exatamente!”

Tyler até queria perguntar alguma coisa, porém estava hipnotizado olhando as máquinas funcionando. A primeira delas tinha um poderoso, mas concentrado jato de plasma saindo por um pequeno cone de aço.

O cone movia-se livremente pelo espaço de trabalho esculpindo a peça, camada por camada. Ela funcionava igual as que usavam plástico.

Ishihara chegou ao lado dele e começou a explicar. “Esse modelo em questão está usando um fino fio de ferro, o fio corre até o cone onde entra em contato com um jato de plasma, o fluxo resultante que sai dali é metal derretido, contudo ele não tem muita massa e rapidamente volta ao estado sólido!”

É magnífica!” Tyler disse assim que pôde falar algo que fosse além de vogais desconexas.

Esse modelo em especial é indicado para peças grandes e complexas, mas que possuem uma certa margem de tolerância em suas especificações.”

Tolerância?” Tyler quis saber.

As estruturas feitas nessa impressora tendem a ter um aspecto áspero, o que não é indicado em alguns equipamentos, entretanto é só colocar peça finalizada no torno com uma fresa de precisão que ela ficará perfeita!” O senhor respondeu.

E como funciona a outra?” Tyler disse apontando para outra máquina próxima.

Lembra de como eram as impressoras antigas?” Ishihara perguntou.

As com gesso?”

Sim, essas mesmo!”

Lembro sim.” Tyler lembrava muito bem desse modelo, ela operava da seguinte maneira, havia uma fina camada de pó de gesso no fundo da placa onde a peça seria moldada, o bico extrusor cuspia um pequeno jato de cola que endurece quando entra em contato com o gesso, posteriormente uma nova camada de pó cobria toda a placa e o processo se repetia camada após camada até que toda a estrutura estivesse feita. Depois era só pegar a peça pronta e dar um jato de ar para retirar o excesso de pó.

Embora muito usadas no passado, elas eram um pouco lentas e uma peça de gesso não é tão resistente quanto uma de plástico, se juntar isso mais o fato da manutenção ser mais cara faz com que ela fosse caindo em desuso.

Esse nosso modelo usa o mesmo princípio daquelas, só que é um fino pó metálico e a cola é um laser de alta potência.”

Tyler ouvia as descrições da máquina enquanto a via funcionando. Era linda de se ver, um laser saia da parte de cima e derretia em vários pontos diferentes, a vantagem dessa sobre a outra era que podia fazer muitas peças diferentes ao mesmo tempo além de gastar menos energia.

Quais os metais que ela pode usar?” ele quis saber.

Virtualmente qualquer um, desde que esteja em um pó muito fino!” Ishihara respondeu.

Ultimamente eu pensava que nada mais nesse mundo poderia me causar uma surpresa como essa, que bom que eu estava enganado!” Tyler disse com um sorriso.

É algo muito agradável de se escutar senhor Newman! Então vai querer uma dessas?”

Uma não, 10 de cada!”

10???!!!” Ishihara ficou perplexo.

Vamos para um local mais reservado, eu tenho uma lista bem longa!”

Tyler, Ishihara e os demais assessores que acompanhavam foram até uma sala de reuniões. A lista dele foi, por falta de adjetivos, incomum.

Geralmente uma empresa pede muitos equipamentos de um único modelo, pois na maioria das vezes eles querem alimentar uma linha de produção, todavia a intenção de Tyler não tinha nada a ver com uma indústria comum, ele queria ter um suporte tecnológico bem variado para poder se desenvolver com facilidade no futuro.

Ele comprou vários tornos de muitos modelos diferentes, só os braços robóticos foram em um número menor. Outra coisa que chamava muita atenção eram as peças de reposição, Tyler pediu tantas que facilmente poderia se fazer mais máquinas das partes sobressalentes.

Senhor Newman, não precisa comprar tantas partes extras, nossas máquinas são feitas com uma qualidade excepcional e nosso setor de manutenção está apto a resolver qualquer problema que o senhor tenha muito rapidamente!” O gerente de vendas estava preocupado, ele achava que a quantidade absurda de partes extras compradas por Tyler significasse falta de credibilidade da empresa.

Não se preocupe com nada senhor Ishihara, é só um hábito antigo meu. Sempre gosto de ter um enorme suprimento de reposição!” Ele tranquilizou o homem.

Se é assim, vou emitir o pedido agora mesmo!”

Eu agradeço.” Tyler disse.

Bom, com isso estamos um passo mais perto para completar o projeto Arca 2.0! Tyler riu para si mesmo quando pensou nisso, por algum motivo os céus estavam do seu lado, tudo corria conforme o planejado e até agora não apareceu nenhum empecilho que atrapalhasse significativamente seus planos.


Autor: Lion | Editor: Bczeulli



Web Analytics
Fontes
Cores