VM – Capítulo 18 – A proposta.



Diante daquelas palavras todos se ajoelharam. Tyler ficou sem perceber o que estava acontecendo.

“Majestade!” os guardas anunciaram.

“Quem é você?” o rei perguntou olhando Tyler de cima a baixo!

“Vossa majestade, meu nome é Tyler Newman, eu exterminei os trolls que assolavam as terras do reino, vim aqui para pegar minha recompensa!” Tirando uma simples reverência feita, Tyler não foi servil em nada! Ele tratou o rei como ele trataria qualquer um, embora ele tenha feito isso de forma automática e nem sequer tenha percebido. Todos notaram, inclusive o rei!

Contrariando as expectativas de todos ele deixou um breve sorriso escapar. O lorde Hélio que estava com a mão sangrando sentiu uma perda nesse momento! “Majestade esse homem confessou ter matado o lorde Virtu, Desejo que a lei se cumpra e enforque esse maldito ainda hoje!”

Nesse momento um dos guardas se aproximou e começou a falar no ouvido do rei. A expressão dele mudava sempre que ele ouvia algo novo.

“Você, seu nome é Tyler, não é?”

“Sim, majestade!”

“Confessa que matou o senhor da cidade de Atazar?” o rei perguntou com um olhar sério.

“Hahaha!!!” Tyler deu um riso maníaco, ele sabia que tinha de blefar ou estaria frito. “Ele queria passar por cima das ordens de vossa majestade e não me deixava ir caçar os trolls, ele acobertava um ninho de goblins que tinha sequestrado dezenas de mulheres e matado centenas de aventureiros, e perseguia e abusava de dezenas de mulheres, muitas delas eram casadas! Se está perguntando se eu matei aquele homem? Não! eu apenas tirei um verme do meio das pessoas!”

Tyler foi esperto com sua escolha de palavras, ele sabia que todos tinham repúdio pelos goblins e um homem que usa de seu status social para roubar mulheres casadas não tem apoio de ninguém!

Embora os soldados não tenham percebido o teatro de Tyler, tanto o rei como o lorde Hélio notaram!

“Isso não muda o fato! Você matou um nobre!” Lorde Hélio rugiu, ele sabia que estava perdendo terreno.

“Quer dizer então que qualquer homem pode ir contra as ordens do próprio rei e sair impune?”

Todos olhavam um para o outro tentando saber quem estava certo nessa questão. Se ir contra um nobre era um tabu… entretanto o que era ir contra o rei?

“Onde está o resto dos seus homens?” o rei perguntou!

“Eu só tinha um ajudante e ele já voltou para casa!”

“Está dizendo que apenas você e outro homem mataram trinta trolls?”

“É verdade majestade, pergunte aos seus guardas!”

O guarda ao seu lado começou a passar outro relatório.

“Parece que a questão não é tão simples assim, venha até o salão real!”

O rei saiu e Tyler foi atrás dele.

                                                      

                                                          ****

O clima estava meio tenso naquela sala, o rei tinha mandado todos saírem.

“Estou muito curioso ao seu respeito!” o rei falou olhando para Tyler.

“Estou aqui para o que vossa majestade precisar!”

“Tanto seu nome quanto a forma que se veste são muito estranhas!”

“Ahh… isso? É porque eu sou de longe!”

“Longe aonde?” o rei perguntou sério.

Tyler sentiu um frio na espinha, ele tinha vacilado nessa. Dizer que era de outro país para um rei?! Isso foi burrada.

“De um lugar tão longe que não acreditaria!” Tyler disse.

“Já vivi muito e vi muitas coisas, fale talvez eu possa acreditar!”

“Quer mesmo a verdade?” Tyler riu sem querer.

“Estou ouvindo!” o rei estava curioso com esse velho, afinal até agora tudo indicava que ele tinha matado aqueles monstros sozinho.

“Eu sou de um mundo diferente do seu!” Tyler achou que agora sua melhor arma seria a verdade! Bem… a verdade contada por ele.

“E como é o seu mundo?” o rei estava visivelmente curioso.

“No meu mundo não há magia então nós nos esforçamos muito na sabedoria! Somos capazes de fazer coisas além da sua compreensão!”

“Como o quê?”

“Podemos atravessar os mares voando por cima dele em meio dia, podemos viajar até a lua se quisermos, temos armas que destroem cidades em um piscar de olhos!”

“Quer que eu acredite nisso?”

“Quanto tempo leva para o seu melhor artista fazer um quadro tão perfeito quanto os olhos podem ver?”

“Um simples quadro pode ser feito em um dia, entretanto se quer um excelente demoraria meses!”

“Vou fazer um seu agora e lhe mostrar!” Tyler pegou a câmera e tirou uma foto.

O flash assustou o rei que pois a mão na espada. “Que magia foi essa?”

“Calma, eu só estou fazendo o retrato! Veja aqui.” Tyler aproximou o visor e mostrou.

O rei se sentou no trono tremendo. “Como isso é possível?”

“Eu disse que nossa sabedoria é avançada!”

“E quanto as armas… isso é verdade?” Tyler viu medo nos olhos dele.

“Infelizmente sim, embora só usamos duas vezes centenas de milhares de pessoas morreram no tempo de uma respiração!”

“…”

“Não usamos essas armas nas guerras tradicionais, o que eu tenho aqui é uma dessas armas!”

Tyler mostrou seu fuzil.

“Isso não se parece com nada, nem com uma espada ou arco?”

“Essa arma não corta, ela é mais parecida com um arco, só que cem vezes mais potente!”

“Mas como, não tem corda?”

“Venha vou lhe mostrar!”

Os dois foram até uma janela. “Vê aquela estátua?” Tyler apontou a uma estátua à uns trezentos metros de distância!

“Sim.” O rei respondeu.

“Preste atenção nela e tape os ouvidos!” o rei não entendeu, mas fez o que ele mandou.

Tyler atirou! Em um piscar de olhos a cabeça da estátua explodiu!

“Nossa!!”

Antes de poder falar mais alguma coisa Tyler descarregou o pente inteiro!

O rei ficou profundamente abalado com a cena, ele não era tolo e fez as contas. Um homem com uma dessas armas era muito perigoso, mas e um exército?

“Todo soldado tem um desses?”

“Não seria um soldado se não tivesse!”

“Quais são seus planos?”

“Eu posso usar meu portal por algum tempo, estou arranjando muito ouro e prata para conseguir trazer muitas coisas diferentes de lá!”

“E o que vai fazer quando estiver aqui?”

“Eu era o que você pode chamar de sábio ou mestre. Meus conhecimentos são superiores ao de milhares de pessoas. Meu plano aqui é passar parte do conhecimento as pessoas desse mundo!”

“O senhor é mestre em quê?” o rei perguntou.

Tyler viu que a conversa estava dando certo, o rei já estava tratando ele com respeito e o tinha chamado de senhor.

“Sou mestre da saúde, na agricultura, na ferraria, no comércio, em animais e plantas, general e mestre de história!”

Um olhar duvidoso passou pelos olhos do rei. “Por que ser mestre em história?”

“Um povo que não conhece sua história está fadado a repeti-la!”

“Sábias palavras, como é o rei de seu país?”

“Não temos rei! Somos um povo livre que escolhe pessoas para governarem por um certo período de tempo!”

“Não há mais reis no seu mundo?” ele agora estava assustado!

“Sim ainda existem, muitos locais e bons locais, diga-se de passagem, ainda tem reis, entretanto a maioria das nações seguem esse modelo com poucas diferenças!”

“Entendo…”

“Por que quer dar seu conhecimento para nós?” o rei começou a sondar.

“Não sei direito… minha vida toda foi em função de ter conhecimento, acho que chegou a hora de passar adiante!”

“E o que sua família acha disso?”

“Não tenho ninguém, todos que conhecia já se foram!”

O rei deu um sorriso frouxo… ele sabia como era viver assim.

“Já te contaram sobre mim?”

“Apenas que é um excelente rei, mas não tem mais filhos para herdar o trono!”

“É verdade… e sobre a minha idade?”

“Me contaram que tem mais de 200 anos, eu não levei a sério!”

“Tenho 212 anos de idade!”

Tyler franziu as sobrancelhas. “Como?”

“Sente-se, eu vou contar a minha história!”

“Há muito tempo atrás eu nasci como um nobre de uma casa pequena no reino central, quando eu era jovem salvei a vida de um alquimista élfico por nome de Valvier. Como agradecimento ele me deu duas pequenas poções! Ele me disse que essa poção iria me transformar em um novo homem. Quando eu tinha 60 anos houve uma guerra sangrenta no reino, minha esposa, filhos e netos foram todos mortos.”

“Sinto muito!” Tyler viu um olhar vazio no rei.

“Apenas eu consegui escapar… não pude salvar nada da minha casa apenas os dois pequenos frascos! Me mudei para essas terras. Sem nada a perder eu tomei a poção. Aquele elfo não mentiu… Fiquei jovem como um homem de 20 anos, mas com a força e a disposição de dez deles! No começo eu mal dormia de tanta energia, nem mesmo dez mulheres eram capazes de me satisfazer!”

“Nossa…”

“Muito tempo depois eu me casei novamente, tive mais dois filhos! Minha mulher morreu no nascimento do meu segundo filho, quando adultos eles também se foram!”

Tyler não sabia o que dizer, ele não tinha tido família, mas esse homem teve duas vezes e a perdeu!

“O que você quer de mim?” O rei perguntou.

“O que eu mais preciso agora é de dinheiro!”

“Isso pode ser arranjado, quanto quer?”

“Eu não sei se os cofres do reino podem me suprir! Quero 1.000.000 de moedas de ouro. Seria melhor se fosse em prata!”

Esse valor só em ouro daria algo em torno de 143 milhões de dólares! É mais que o suficiente para Tyler comprar tudo o que desejava e ainda sobrava! É claro que ele não acreditava que conseguiria tal montante! O que ele estava fazendo consigo mesmo era chamado de ‘técnica de ancoragem’. Quando você quer muito uma coisa você tem de fazer uma meta bem alta, pois se você não a atingir, não terá problema pois com menos já seria suficiente! Parece loucura, mas funciona bastante.

“O tesouro real tem apenas 3.000.000! mesmo se eu lhe desse tudo o tesouro real ficaria desfalcado, como vai arranjar esse valor?”

“Para mim cada moeda importa, fiz a missão dos trolls pelo dinheiro e pela posição de nobre. Comecei a fazer pequenos negócios com a guilda comercial!”

“Isso é bom, entretanto terá que fazer trocas o suficiente para abastecer os quatro reinos, para conseguir esse valor!”

“Vossa majestade quer entrar nas negociações?”

“Como assim?”

“Eu vendo os produtos direto para o reino e vossa majestade pode vender para os outros reinos, o reino iria lucrar e eu iria retirar um atravessador!”

“Guardas! Tragam o ministro Morimoto!”

‘Morimoto, um nome japonês?’ Tyler achou estranho um nome assim.

Meia hora depois uma carruagem chegou trazendo um senhor de uns 45 a 50 anos e como seu nome dizia tinha uma aparência asiática!

Tyler trouxe uma amostra de tudo o que tinha vendido para o gerente Shu.

“Ministro Morimoto, quero lhe apresentar o novo senhor da cidade de Atazar, o lorde Newman!”

Um choque passou pelos olhos de ambos!

“Mas majestade…” o ministro quis dizer algo.

“Quer falar que ele matou Virtu, todos sabiam que ele era um bom para nada! Ele até estava desobedecendo minhas ordens. Contudo não quero falar sobre isso, nosso reino tem a grande chance com esse homem, ele veio de outro país e tem muitos produtos que superam a qualidade dos produtos feitos por elfos ou anões!”

“É esse velho quem fez negócio com a guilda de comércio?”

“Sim fui eu!”

“Vossa majestade, eu já estava atento quando vi as coisas que esse homem trouxe, é verdade que todos eles eram excelentes, mas o que vamos fazer?”

“É o seguinte, ele trará os itens e você irá vender as outras nações em nome do reino, venda o mais rápido possível pelo melhor preço!”

“Sim, suas ordens foram ouvidas majestade!”

Tyler estava satisfeito, isso era melhor do que ele havia previsto!

“Majestade meu portal fica na cidade de Nil, na montanha dentro da floresta. Posso pedir para que mande seus homens para lá?”

“Sim, qualquer pedido será atendido!”

“Então me mande de volta, o tempo que temos é curto, vou providenciar todas as coisas!”

O rei deu a ele 5.000 moedas de ouro e um baú lotado de joias!

“Leve isso como parte da sua recompensa! A Cidade de Nil não tem lorde, não é?”

“Não senhor!”

“Então você será o senhor de lá também!”

“Obrigado!”

“Quando vai partir?”

“Quero partir amanhã mesmo, se vossa majestade permitir!”

“Ótimo, espere apenas mais dois dias, haverá um banquete em comemoração e também será sua nomeação!”

“Se for a vontade de vossa majestade eu irei esperar!” Tyler decidiu esperar mais um pouco, afinal ele poderia conhecer um pouco mais essa cidade.


Autor : Lion | Revisor: Bczeulli



Fontes
Cores