VM – Capítulo 158 – Partida.


Depois de preparar previamente todos os pormenores do leilão, Tyler ficou ponderando se levava ou não alguns soldados com ele. Mas ele não estava muito contente com isso, para ele, essa era uma jornada pessoal, era sua última chance de redenção.

O problema era que ele não sabia quanto tempo passaria longe e nem o quão perigoso seria, cedendo a realidade, ele escolheu mais duas pessoas para a equipe, elas eram Deme e Cam. Os dois tinham servido na invasão ao Reino Central e desde aquela época estava apenas treinando o novo exército e limpando o Império de feras perigosas.

A missão do Reino Central causou grande comoção por todo continente, ninguém acreditava que a maior nação sofresse uma derrota tão vergonhosa e simplesmente ficasse calada. Mais ou menos um mês depois Tyler deu uma grande festa com presença do rei e nobres, a festa foi a primeira cerimônia de entrega de medalhas. Como sempre, Tyler já tinha pensado nisso e havia encomendado elas quando estava na Terra, na mesma fábrica ele também encomendou moedas, contudo ele só as usaria bem mais no futuro.

Os 12 homens receberam a medalha, mais uma promoção para capitão, Rabe foi a única civil que recebeu uma medalha, a ela também lhe foi dado uma casa na vila militar e uma boa soma de dinheiro.

Feras como goblins e ogros, já podiam ser consideradas extintas! Mesmo outras perigosas como lobos gigantes, demônios de costas azuis e outros, foram reduzidas para níveis seguros. Como os grandes perigos foram afastados, muitas terras se tornaram cultiváveis, as cidades pequenas que não tinham muralhas, ganharam fôlego e começaram a se desenvolver.

Houve um grande salto no número de empregos, apenas os aventureiros profissionais sofreram uma perda no mercado. A maioria deles vivia de caçar feras, quem não migrou para coletar plantas medicinais teve que mudar de profissão, só não houve tanta reclamação, pois além de ser uma coisa bastante perigosa, havia muito emprego novo surgindo.

***

— Senhor! — Os dois homens prestaram continência ao entrar na sala de Tyler.

— Descansar. — Tyler apontou para as cadeiras. — Sentem-se, eu queria discutir algo com vocês, como tem sido esse período depois do Reino Central?

— Calmo. — Deme deu um leve sorriso, embora todos tenham trabalhado todos os dias, era mais um serviço o treinamento de novos homens, nada se comparava àquela temporada no inferno.

— Estou planejando uma expedição até a floresta celestial, não sei quanto tempo vai durar, querem ir? — Ele quis saber.

— Claro! — Cam estava excitado. — Quando vamos?

— Em dois dias. — Tyler respondeu. — E ah, serão apenas eu, Nº1 e vocês. Apenas nós quatro.

Deme franziu o cenho e perguntou. — Estamos indo em uma missão secreta?

— Não em tudo, não é secreta, mas também não estou falando abertamente sobre ela, está mais para discreta. Na verdade eu queria ir só, porém, por precaução, estou levando vocês dois, mais alguma outra pergunta?

— Eu tenho. — Cam disse. — Onde fica essa floresta celestial?

— Eu também não conheço esse lugar. — Deme apontou.

— Poucos sabem, ela fica ao norte, sob a encosta das montanhas dos anões. — Tyler explicou. — Vamos partir em dois dias, quero ir de barco até onde der e depois ir caminhando.

O rio grande que margeava a capital era o principal rio de uma série de afluentes diferentes, contudo todos eles nasciam nas montanhas ao norte. Tyler supunha que esses rios se formavam do degelo da neve nas montanhas, na Terra o mesmo acontecia com o rio amazonas.

Achando que essa era a melhor saída, Tyler começou seus planos.

***

— Quantas meias você pegou? — Tyler perguntou para Nº1.

— Três pares. — Ela respondeu.

— Pegue mais três, é muito importante levar muitas meias extras. — Ele aconselhou. — Fora as suas roupas, você vai levar o kit médico, certo?

— Sim, ela assentiu.

Apesar de um pouco volumoso, o kit médico era o item mais leve que eles carregariam. Dessa vez Tyler seria a mula de carga da equipe, já que ele tinha uma força superior, era o responsável por levar os itens mais pesados, para ele uma mochila com 60 quilos era como nada.

Outra coisa para se pensar eram as armas, cada pessoa deveria levar uma arma diferente, ele andaria com seu fuzil M4-A4, Deme levaria um rifle de caça(ambos do mesmo calibre) e Cam levaria uma espingarda calibre 12. Apesar de parecer antiquado, uma espingarda é uma das melhores armas para uso na selva, ela tem um calibre grosso que não é muito afetado pelas plantas e tem uma dispersão dos vários projéteis.

Narja levaria apenas sua pistola, Tyler não queria que ela carregasse muita coisa. Ela corria com ele todos os dias pela manhã e tinha muita disposição, contudo só quem já fez uma marcha quilométrica por uma floresta densa e úmida, sabe o quanto cada metro pode ser um esforço terrível.

— Posso levar meu leitor de livros? — Ela perguntou.

— Pode, você pode levar qualquer coisa extra que quiser, desde que não fique muito pesado no final.

Os únicos eletrônicos que ele levaria eram algumas GoPro, um tablet, um drone e uma placa solar portátil.

Cada item na sua mochila era separado por categorias como, higiene, comida, fogo, pesca, roupas, caça e etc. Cada um deles era guardado em um saco estanque, isso garantia uma dupla camada impermeável, mesmo quando eles dizem que uma mochila é à prova d’água, não acredite! Em uma chuva longa e intensa é quase certo que suas coisa vão molhar, e se você cair em um rio, os sacos estanque vão ajudar a flutuar.

— Vamos levar uma barraca? — Narja procurou na lista.

— Não se acampa de barraca no meio da selva. — Tyler ensinou. — Você até pode fazer isso, mas não é o melhor jeito de passar a noite lá.

Como Otaviano explicou, a floresta se chama Celestial, isso não é por causa de algum fator místico, mas sim por causa da neblina constante que paira sobre ela. E como neblina sempre, é quase certo que chova sempre.

— É muito difícil armar uma barraca em uma floresta densa, não dá para achar um bom local todas as vezes, há muitos insetos no chão e quando chove pode empoçar e entrar água dentro.

— E como vamos dormir? — Narja fez uma cara preocupada.

— Vamos usar redes, elas são mais leves, fáceis de carregar e vão nos deixar no alto, onde é muito mais seguro. — Ele respondeu, Tyler não estava reinventado a roda, todo exército que combate na selva usa redes ao invés de barracas. Ele só copiou o que realmente funcionou, quando estava no Vietnã, eles usavam barracas e para ser sincero, elas eram uma bosta! Se fosse em campo aberto, era uma boa, o problema é que quase nunca eles tinham um campo aberto para dormir, e, se achavam… bem, quem queria ficar no meio de uma clareira onde os inimigos podem lhe ver e você não?

— Vamos levar comida?

— Sim, mas não tanto quanto você acha, vamos separar refeições para 10 dias, o resto vamos caçando. — Nessa parte ele não estava preocupado, nesse mundo a fauna era muito abundante, sempre foi fácil achar comida, pode ser difícil para quem está de arco ou lança, mas com uma arma, não.

As rações eram apenas para o caso de passarem dias chovendo.

***

— Prontos? — Tyler perguntou para Cam e Deme quando ambos subiram no barco.

— Sim senhor. — Ambos responderam.

— E você? — Tyler perguntou para Narja, a menina tinha trocado seu boné branco dos Yankees por um chapéu de pesca camuflado.

— Sim! — Ela disse animada, para ela uma nova aventura estava começando.


Autor: Lion | Editor: Bczeulli | QC: Delongas



Fontes
Cores