VM – Capítulo 158.1 – O conto dos comuns. #1


 

#1 Dreas:

 

Dreas não era ninguém, bom, pelo menos alguém digno de nota, ele tinha acabado de fazer 16 anos de idade e era o terceiro filho homem de Claus. Seu pai tinha sido um soldado por muitos anos ao lado do lorde Waz antes mesmo dele virar lorde e requerer as terras de Colina azul.

Ele e os seus irmãos cuidavam do pequeno rebanho de turões, seu pai tinha um total de 14 animais e 12 fêmeas, e 2 machos. Muito raramente eles matavam algum animal e viviam principalmente da venda do queijo.

Os turões apesar de serem animais grandes e de aparência assustadora, na verdade eram criaturas mansas e gentis. Como eram grandes, várias vezes maior que uma vaca, as fêmeas também tinha uma gestação muito longa, era um ano e meio!

Em compensação quando davam leite, rendia muito mais que uma vaca, Dreas já estava bem-acostumado com essa vida, de manhã cedo ele cuidava da ordenha e depois levava os animais para pastar no campo. Os turões até comiam outro tipo de grama além da azul, mas parecia que essa era a favorita deles, talvez fosse por causa disso que o leite tivesse esse leve tom azulado.

Não era algo estranho ou que desse nojo, era apenas diferente. O queijo por sua vez ficava muito bonito e tinha um preço elevado na capital, era uma pena que quase todo o lucro ficasse nas mãos dos vendedores que vinham uma vez por mês para comprar, mesmo que reclamassem, eles diziam que ninguém mais estava disposto a subir tão longe no rio simplesmente para comprar queijo.

Vender barato não era uma coisa que seu pai ou os outros produtores gostavam, contudo a vida em Colina azul era calma, eles tinham o que comer e o pouco dinheiro que conseguiam era gasto apenas em roupas, itens de ferreiros ou sal.

Dreas não tinha muitas expectativas, para um adolescente como ele, a vida era apenas isso. Ele se casaria com alguma moça da aldeia e continuaria cuidando de um rebanho de turões como seu pai fez.

Porém, um dia tudo mudou quando o novo príncipe chegou na cidade, Dreas já tinha ouvido seu pai falar que o rei fez uma competição para selecionar um novo herdeiro e até que o lorde Waz tinha ficado do lado do vencedor desde o começo.

Poucos dias após sua chegada tudo se transformou, para começar ele comprou todas as terras perto do rio, e não foi pouca coisa, agora tudo dentro de 4 quilômetros era do príncipe! Dreas e sua família pensaram que iriam ser expulsos, mas contrariando as expectativas eles receberam um prazo para desocupar a casa junto com uma boa quantia, além disso, ganharam uma terra 3 vezes maior em um local mais distante.

Seu irmão mais velho recebeu um emprego na nova pedreira que ficava mais acima do rio, Dreas ficou morto de inveja, pois o salário era muito maior do que eles esperavam, uma pessoa comum que sabia ler e escrever podia ganhar algo entre 20 e 30 moedas de prata por mês, contudo seu irmão disse que o príncipe estava prometendo pagar um mínimo de 40 moedas de prata.

Seu pai ficou muito preocupado, afinal ele era um soldado veterano e sabia muito bem que alguém sem qualificações só seria pago tão bem se o trabalho fosse perigoso. Semes, seu irmão, tranquilizou o pai dizendo que o príncipe tinha se preocupado com a segurança, ele mandou seus soldados limparem as feras de toda floresta ao redor. Semes só pôde fazer o pai acreditar quando contou que de manhã cedo antes de começar eles comiam carne das feras.

Antes de completar a semana, seu outro irmão, Jintas, conseguiu um emprego, mas dessa vez na madeireira. Ela ficava exatamente na floresta ao lado da pedreira e os dois iam todos os dias em um grande barco, e voltavam no cair da noite.

Dreas era um pouco franzino e não conseguiu trabalho nem na pedreira ou na madeireira. Sempre no final da tarde após trazer o gado para passar a noite no curral, ele corria até o porto e esperava seus irmãos chegarem.

Ele ficava fascinado com as histórias que eles contavam, cada dia era uma novidade. Semes disse que lá na pedreira havia uma coisa grande de metal que podia quebrar grandes pedras até elas ficarem tão pequenas quanto cascalho de rio, já Jintas contava coisas ainda mais impressionantes, uma delas era uma tal de motosserra, ela podia cortar uma árvore rapidamente. Dreas, curioso, perguntou quão rápido era, e seu irmão respondeu que podia cortar de 2 a 3 antes de se fazer uma xícara de chá.

— Mentira! — Dreas não acreditou, e pela cara que seu pai fez, ele também não acreditou.

Só depois de muito custo e Semes afirmando que tinha visto também, é que os dois acreditaram, contudo a situação só piorou quando ele continuou a falar sobre uma máquina que podia transformar toras em tábuas.

— Eu estou falando a verdade! — Jintas estava indignado. — Irmão, conte para eles, você também viu!

— Sim, eu vi. Jintas está contando a verdade. — Semes o apoiou. — Se não acreditam é só irem até o porto, todas as tardes uma balsa cheia de tábuas desce o rio.

Cada dia era uma coisa nova que acontecia, Dreas achou o máximo quando seus irmão ganharam roupas novas! Eles viram o próprio príncipe entregar a todos e dizer algumas palavras. Segundo o príncipe, essas roupas eram uniformes, elas serviam como proteção e também identificava quem trabalhava naquele lugar.

Todos na sua casa acharam muito bonitas, elas eram de uma cor laranja vivo e tinham algumas listras amarelas. Além das botas e luvas que eles mostraram, eles também tinham capacetes e óculos, como ninguém sabia o que era, eles explicaram que era algo para proteger; o capacete protege a cabeça, e o óculos os olhos.

Vendo essas coisas, o pai deles aconselhou seriamente que eles trabalhassem com mais afinco para retribuir a bondade do príncipe, sendo um soldado aposentado ele sabia o quanto era importante ter alguma proteção e só um senhor muito bom olharia para com preocupação para o bem-estar dos servos.

Tudo corria bem até que 15 dias depois o lorde Was chamou o pai dele e disse que o príncipe estava querendo comprar alguns turões para carga, alguns ficariam na cidade e outros partiriam em uma viagem.

Claus voltou para casa e conversou com a família, o príncipe estava oferecendo 5 moedas de ouro por cabeça e 8 moedas de ouro para quem cuidasse dos animais em cada viagem.

 

Como os filhos estavam trabalhando e ganhando um bom dinheiro, eles ficaram com medo de ficar sem uma forma de sustento no futuro. No outro dia, seu pai vendeu o gado e saiu na viagem para outra cidade.

Continua…


Autor: Lion | Editor: Bczeulli | QC: Delongas



Fontes
Cores