VM – Capítulo 103 – A New Man: Parte 1.



No momento em que Tyler acordou de seu pesadelo, seu coração afundou em tristeza. Ele sabia que tudo não passava de uma mentira inventada pelo seu subconsciente. Em seu sonho Calie estava algemada na parede, havia claros sinais de tortura, e para piorar o mesmo tinha acontecido com a Mel.

É claro que uma coisa dessas nunca aconteceria, contudo isso não diminuiu em nada sua culpa, Calie tinha sido a única mulher que ele amou de verdade, e ele a abandonou.

Mesmo quando serviu no Vietnã ele nunca teve grandes problemas para lidar com a perda, mas hoje quando acordou sentiu uma enorme vontade de fica apenas ali deitado, ou no máximo ter uma garrafa de whisky como companhia.

Das 6:00 da manhã até o meio dia, Tyler apenas ficou olhando para o teto.

“Mestre?” Uma voz feminina soou.

“Sim?”

“Sabemos que o mestre está cansado, gostaríamos de saber se há algo em que possamos servi-lo.” A empregada perguntou.

“Aqueça a água do banho, eu já estou saindo.” Ele respondeu.

Querendo ou não ele tinha que se levantar, hoje Tyler iria até a capital. Três dias de viagem tem que começar em algum momento, seria melhor se fosse logo.

“Acho que tenho que começar a fazer um banheiro decente em casa.” Tyler pensou enquanto estava tomando banho.

Atualmente ele estava em uma banheira de madeira onde mal cabia sentado. Tyler não tinha frescura com esse tipo de coisa, mas qual era a razão de não ter conforto quando se tinha as ferramentas necessárias para tal?

Felizmente graças ao gerador que tinha trago antes, ele tinha bebidas geladas e luz elétrica.

***

“Mestre eu acho que tenho um local que pode servir para as suas necessidades.” Macal falou depois de um tempo.

“Onde é?” Tyler quis saber.

“Fica nas terras do lorde Waz, é uma cidade pequena chamada Colina azul. Ela é as margens do rio manso, que é um filho do grande rio esmeralda, ele fica a dois dias de cavalo do mar e perto tem grandes montanhas, nunca fui atrás, mas ouvi dizer que existe bastante ferro nelas.”

Tyler sabia que nesse continente havia um grande rio que o cortava quase inteiro. O grande rio esmeralda era, pelo que ele tinha ouvido falar, similar ao nilo ou amazonas. Ele nascia nas montanhas ao norte onde os anões moravam e descia até o sul onde desembocava no mar, fazendo os limites entre o Reino Central e os povos do deserto.

Os afluentes, ou como macal tinha dito, eram bastante numerosos. Ter uma cidade com esse acesso logístico era muito bom.

“Por que essa cidade se chama Colina azul?” Tyler ficou curioso, cada nome de cidade tem uma história por trás, independente de qual mundo você esteja.

“Lá cresce uma grama muito singular de cor azul, por isso colina azul.” Macal explicou.

Tyler sabia que mesmo na terra existia uma espécie de grama cuja cor era azulada, porém não era tão azul assim, ela ficava entre um cinza e um azul bem claro e dependendo da luz do dia podia dar um aspecto celeste mais vivo.

“Esse tal de Waz, é um sujeito bom?”

“Ele estava presente naquela noite em que o mestre fez o jantar para os nobres, pessoalmente acho que ele é um homem decente, ele é um lorde simples e raramente se mistura com as intrigas entre os outros nobres, mas como já disse, ele estava presente naquela noite. Então pelo menos ele gostaria de ter algum tipo de ligação com vossa majestade.”

“Isso é bom.” Tyler ficou feliz em saber.

Por toda a viagem os homens conversaram. Macal particularmente gostava de ouvir música. Como aprendeu a mexer no som, desenvolveu um certo gosto musical nesses três dias de viagem, parece que rock era mesmo universal.

***

“Bem-vindo de volta meu filho!” O rei Otaviano recebeu Tyler na entrada do palácio real, uma multidão de nobres e plebeus tinham se reunido, Otaviano vestia roupas cerimoniais e carregava na cintura as pistolas 1911 que Tyler tinha lhe presenteado.

“Estou de volta pai real!” Tyler respondeu com reverência, parecia que hoje ele tinha que seguir algumas normas e etiquetas até estarem a sós.

“Todos escutem! Este homem é meu legítimo herdeiro, hoje começa uma nova era no nosso reino!” Uma salva de palmas e saudações fervorosas foram destinadas aos dois homens.

Sob decreto real a cidade estava em festa, comida e bebida foi fornecida a todos. O Reino do Leste tinha ficado por muito tempo em uma situação delicada, seu rei já era velho e não tinha nenhum filho.

Porém todos sabiam que ele tinha uma poção mágica capaz de dar juventude a qualquer homem, a situação não era tão grave, pois em um momento de perigo o próprio rei poderia voltar a ser jovem como foi um dia. O fato de Tyler também ser velho não foi nenhum impedimento pois todos já sabiam que era possível ter um grande rei, independente da idade.

Otaviano sabia exatamente o dia em que os 200 dias iam se acabar, sendo assim, ele já havia preparado um grande banquete em recepção.

Esse foi ainda maior que os anteriores já feitos antes, nenhum nobre faltou, todos estavam lá para a coroação de Tyler.

***

Vestido com uma roupa cerimonial, que era um tanto chamativa, Tyler estava em uma sala privada com o rei.

“Hoje eu vou lhe entregar a poção, se você tomar essa noite, amanhã será um novo homem.” O rei falou com uma certa pitada de orgulho.

“Como é?” Tyler estava curioso. “A sensação?”

“Hahaha. Primeiro você sente um gosto meio doce e depois vem um gosto de ferro, daí em diante só piora, é como beber fogo líquido. Você sente cada osso do seu corpo se partindo até sucumbir a dor e desmaiar. Porém quando acorda… bem, você vai ver!” Otaviano riu.

“Que encorajador.” Tyler ficou azedo.

“Não seja medroso, vale a pena.” O rei encorajou.

“Eu sempre quis saber, por que o senhor nunca quis tomar o segundo frasco?”

“Viver por muitos anos é tedioso, vi minhas esposas, filhos e netos morrerem. Enterrar seus parentes é uma péssima experiência.”

Tyler já sabia do passado do rei, há mais de um século ele era um nobre no Reino Central, mas devido a um desentendimento com o rei, ele teve suas terras invadidas e família morta. Com mais de 70 anos e só, ele decidiu partir dali. O Reino Leste, não era mais que um punhado de tribos e aldeias, foi ele quem unificou todos e formou esse reino.

“Mudando de assunto, já ouviu falar de alguma lenda ou relato de uma história como a minha?” Tyler perguntou.

“Nada ao certo, muitos povos falam de virem de outros mundos por uma caverna, mas elas são tão antigas que não temos certeza de nada, eu mandei várias pessoas em busca de informações. Mas até agora nada.”

“De qualquer forma me avise quando descobrir algo novo.” Tyler falou desanimado.

“Sim, eu estou cuidando disso, mas por que tanto interesse agora?”

“Eu esqueci algo importante lá e queria voltar para buscar.”

“Mulher?” O rei perguntou quando viu o olhar de Tyler.

“Talvez.” Tyler não abriu o jogo.

“Não pense tanto nessa mulher, o rei Bram tem uma filha linda, eu já a vi antes e posso dizer que existem poucas como ela. Talvez você devesse esquecer dela e se concentrar no que tem agora.”

Tyler não queria esquecer Calie, e nem pensar em casamento. “Após essa noite, eu vou partir para a cidade de Colina azul, do lorde Waz, é de lá que eu vou começar.”

“Vai tomar a cidade dele?” Otaviano não tinha nenhuma emoção em especial quando perguntou, ele não via nada de errado em Tyler tomar a cidade de um nobre, ele apenas estava curioso.

“Vou negociar, posso trocar por parte da cidade de Mil ou lhe oferecer um terreno dentro da própria cidade, no futuro será muito valorizado.” Tyler deu de ombros,

“Ele está no salão, mande alguém chamá-lo depois.” O rei aconselhou.

“Eu farei.” Tyler assentiu. “Outra coisa, eu quero 500 homens, todos com no máximo 25 anos, não me importam as origens ou cargos, eu só quero que sejam de confiança e que sejam talentosos.”

“Para que quer tantos homens, você não já tem os seus guardas?”

“Eu vou começar a fazer um exército de verdade, vou treinar cada um desses homens e se 80 deles passarem será um milagre. No futuro serão eles a treinarem novas pessoas.”

“Tão difícil assim?” O rei ficou espantado.

“Eles serão um grupo especial, os soldados normais não serão como eles, mas quem quiser chegar ao nível deles vai ter que pagar um preço caro.”

“Entendo, vamos para a coroação!” Otaviano chamou.

“Antes de irmos, eu quero te mostrar algo.” Tyler foi até sua bolsa e pegou um pano azul. “Isso é para hoje.”

“O que é isso?” O monarca ficou curioso com aquele pano.

“Essa é a nossa nova bandeira, hoje o império de Atlantis está formado!” Tyler desenrolou o tecido expondo um grande “A” prateado no fundo azul.

“O que esse nome quer dizer?” Otaviano passava os dedos sobre o tecido e tinha uma expressão saudosa no rosto.

“No meu mundo, Atlantis era um reino mítico que reinava soberano dos mares, ele era muito poderoso e também famoso por ser muito superior e avançado. Quando existia não havia ninguém que poderia se igualar!”

“Eu gosto!” O rei tinha um sorriso torto nos lábios.


Autor: Lion | Editor: Bczeulli | QC: Delongas



Fontes
Cores