SE – Prólogo


Olhando inexpressivamente para a paisagem bela e transcendental, digna do nome “paraíso” na sua frente, um belo homem estava parado às margens de um lago. Ele vestia uma túnica completamente branca, dando a ele uma imagem de puro e digno.

Esse homem era tão belo que meras palavras não podiam ser usadas para descrevê-lo. A sua própria existência era um milagre da natureza já que pássaros cantavam à sua volta como se tentassem impressiona-lo, e peixes pulavam para fora da água como se quisessem chegar perto dele.

Sua nobreza estava presente em cada fibra do seu ser, a sua presença sozinha pode fazer com que mundos inteiros louvem glória à sua boa vontade, e tremam de medo à sua ira implacável.

Ao lado do belo homem, havia uma bela mulher, serena e suave, que também usava uma túnica completamente branca e complementava perfeitamente o homem, criando um cenário de um casal imortal perfeito e transcendente.

A bela mulher possuía características únicas. Sua beleza era incomparável a qualquer mortal, imortal e até mesmo a quaisquer deusas. A sua elegância, que estava presente até nos seus menores gestos, não poderia ser descrita mesmo pelos mais talentosos poetas.

Nesse momento, essa mulher perfeita e transcendente, estava franzindo suavemente suas belas sobrancelhas, enquanto olhava com preocupação para o belo homem.

Depois de um tempo em silêncio, a bela mulher não pôde segurar mais, e perguntou com uma ligeira preocupação:

“Meu amado, não era o que queríamos? Nós finalmente encontramos um caminho, e você agora quer desistir?”.

O homem continuou olhando para o horizonte silenciosamente, seu semblante continuava calmo e imutável, e só depois de um longo tempo, ele respondeu suavemente:

“Esposa, o meu desejo não é menor do que o seu, isso é o que eu quero. Mas você deve saber que isso ainda não é o que queremos.”

A mulher soltou um pequeno suspiro de decepção, e falou suavemente em direção ao homem:

“E daí? Quanto tempo levou para descobrir esse caminho? Quantos éons nós levamos para descobrirmos isso? Embora não seja perfeito, ainda desejo tentar.”

O homem virou calmamente o seu olhar para a bela mulher e falou com uma voz extremamente suave:

“Você quer fazer isso com nosso filho? Você quer fazer isso conosco? Se formos em frente com isso, nós só iremos sofrer.”

A mulher ficou calada, sem saber como responder a isso. Depois de um tempo em silêncio, o homem falou suavemente:

“Nós temos tempo, na verdade, o tempo é a coisa que mais temos, afinal, o nosso desejo transcende o tempo. Eu não quero que ninguém sofra, então vamos esperar, eu com certeza descobrirei um caminho melhor.”

O homem então se aproximou e abraçou suavemente essa bela mulher. Os dois fecharam os olhos, como se estivessem apreciando a presença um do outro. Essa cena de duas pessoas tão perfeitas se abraçando, parecendo extremamente felizes com a presença um do outro, junto com o belo cenário de fundo, pintava uma imagem perfeita e eterna.

Os dois abraçados não pareciam querer se soltar, já que continuaram abraçados por uma enorme, mas desconhecida,  quantidade de tempo.

Depois de um longo tempo abraçados, os dois se separaram e uma imagem embaçada apareceu a cerca de duzentos metros do casal.

A imagem mostrava um homem usando uma armadura vermelha impressionante que, em sua superfície, muitos padrões, símbolos e runas piscavam indefinidamente.

O homem se ajoelhou ali mesmo, abaixou a cabeça, demonstrando total submissão ao homem e a mulher, e falou com uma voz solene:

“Senhor, Senhora, por favor, me ajudem. Eu estou sob constante ataque, não vou conseguir aguentar por muito tempo.”

O homem de túnica branca nem sequer se deu ao trabalho de virar seu olhar, enquanto a mulher começou a falar de forma indiferente:

 “A sua guerra em nada nos interessa, ela é insignificante.”

O rosto do homem distorceu de dor por um momento, mas ainda continuou falando com a sua voz solene:

“Senhor, Senhora, eu servi aos dois por praticamente toda a minha vida de Imperador.”

A mulher, ainda indiferente, falou:

“Não nos importa quem é o Imperador, você sabe disso. Imperadores vêm e vão, mas nós ficamos. O Trono Imperial é insignificante perante a nossa existência.”

O homem ainda continuou tentando argumentar:

“Senhor, Senhora, eu sempre fui leal, porque não podem me ajudar essa única vez?”

A mulher, novamente, respondeu indiferentemente:

“Nós não precisamos que nos sirvam, nunca precisamos. Você que ofereceu sua lealdade, sem pedirmos e sem precisarmos. E mesmo depois de todos esses anos, nunca pedimos, ou exigimos nada de você. Quem você acha que somos? Acha mesmo que precisamos ser servidos?”

“Acha que não conseguimos entender o que se passa na sua cabeça? Essa sua lealdade desnecessária foi tudo para esse momento, quando precisar da nossa força. Quantas vezes acha que passamos por esse mesmo diálogo? Quantos Imperadores fizeram exatamente a mesma coisa que você? Quantos Imperadores você acha que presenciamos a ascensão e a queda?”

“O Trono Imperial foi algo que nós criamos, e se quisermos, podemos tomar a hora que nos convir, mas o Trono Imperial é algo que não nos tem utilidade, nunca teve, criamos simplesmente por um capricho. Portanto, não faz diferença se o Imperador for você, ou qualquer outra pessoa, não muda nada, contanto que o novo Imperador siga as regras impostas por nós, pode ser qualquer pessoa.”

O rosto do homem nesse momento exibia completo desespero. Ele não tinha mais o que falar, e mesmo que tivesse, não teve a chance, já que a imagem desapareceu assim que a mulher terminou de falar.

Assim que a imagem desapareceu, o homem olhou suavemente para a mulher e falou:

“Nós?”

A mulher riu suavemente e falou:

“Eu que criei; Mas fiquei com vergonha de falar isso. Naquela época, eu era muito imatura por criar um jogo tão infantil.”

O homem sorriu suavemente e a abraçou novamente.

Depois de um tempo abraçados, a mulher falou suavemente:

“Então precisamos esperar mais?”

O homem, ainda abraçando a mulher, falou suavemente:

“Sim, vamos esperar. Até lá, vamos continuar assim, Eve.”


Autor: ReaderBecameWriter    |   Revisor: Blame


Contribua com a Novel Mania!
Alterar fonte
Cores