Se – Capítulo 63 – Amigo



Os professores simplesmente não sabiam o que fazer, então só ficaram quietos enquanto o rapaz pegava de mão em mão as provas, e escrevia as respostas corretas.

Depois de ler as mesmas, os professores verificaram que todas as respostas estavam corretas.

Quando as últimas páginas terminaram de ser respondidas, o rapaz se sentou indiferentemente na cadeira e começou a olhar pela janela.

Os professores ficaram petrificados, sem saber o que pensar.

Eles agora mesmo descobriram que o rapaz não sabia de nada, e no momento seguinte, ele entendia tudo, eles não sabiam o que pensar.

Um dos professores após um momento de silêncio, falou:

“Será que ele está nos enganando?”

Os outros professores se viraram para o professor que falou.

O mesmo continuou:

“Ele pode ter copiado as respostas enquanto não estávamos olhando.”

Outro dos professores falou:

“Nós vimos tudo, ele não olhou nada, não tem como ter colado na nossa frente.”

O professor apressadamente argumentou:

“E se a própria ideia de que ele não sabia de nada for mentira? E se ele tiver feito isso para chamar atenção?”

Isso é o que está na mente deles agora.

Num momento ele falou que não sabia, e no outro ele respondeu tudo perfeitamente, só podem acreditar que foram enganados.

Meimei que estava de lado até agora escutando tudo, falou:

“Eu não sei se é assim mesmo. Enquanto vocês estavam discutindo, ele pegou o celular e começou a pesquisar sobre as matérias, eu consegui ver um pouco e a última matéria que ele olhou foi história.”

Um dos professores respondeu sarcasticamente:

“Você quer nos fazer acreditar que enquanto discutimos, ele leu sobre as matérias e respondeu as provas? Não me faça rir.”

Nesse momento, o rapaz falou:

“Que irritante.”

O professor ficou irritado e ia discutir, mas então o rapaz se levantou da cadeira.

Ele foi até a mesa do professor e pegou um dos livros.

O professor que tinha colocado seus materiais na mesa é o de Geografia, então o livro que o rapaz pegou foi naturalmente o de geografia.

Ele pegou o livro e voltou para a mesa.

Quando chegou em frente à mesa, ele folheou o livro rapidamente.

Depois de folhear o livro completamente, ele o entregou para o professor que falou anteriormente.

O professor que recebeu o livro estava confuso, e estava prestes a perguntar, quando o rapaz falou inexpressivamente:

“Fale uma página, e uma linha.”

Os professores ficaram chocados, e depois de algum pensamento, eles entenderam o que o rapaz queria fazer.

O professor com o livro na mão ficou parado por alguns segundos, e então abriu o livro.

Ele pegou alguma página e falou:

“Página 62, 15ª linha.”

O rapaz lentamente recitou:

“A maior parte do Oriente Médio é ocupada pelos países árabes. Localizados na Península Arábica e vizinhanças, são nações fundamentalmente agropastoris…”

O rapaz lentamente recitou a linha.

Depois de um tempo, ele já tinha recitado cinco linhas inteiras perfeitamente.

O professor ficou petrificado enquanto escutava.

Depois de alguns segundos, ele rapidamente virou as páginas e deu novas páginas e novas linhas, e o rapaz recitava tudo perfeitamente.

Depois de um tempo, só uma coisa restava na mente dos professores:

Memória fotográfica.

Os professores ficaram ali, enquanto olhavam uma lenda viva que só ouviram falar, mas nunca viram de verdade.

Memória fotográfica é algo que muitas pessoas já ouviram sobre, mas ver de verdade? Eles nunca viram isso.

Depois de um tempo, um dos professores saiu rapidamente.

No final, todos os professores se dispersaram, e só ficou o professor de geografia, o vice-diretor e o diretor.

O professor de geografia rapidamente foi até os seus livros, pegou todos que tinha, e carregou até a frente do rapaz.

O rapaz parecia entender, então pegou livro por livro e folheou rapidamente.

Depois de alguns minutos, os professores voltaram com muitos livros. O rapaz pegou livro por livro, e os folheou rapidamente. Depois que entregaram os livros, os professores saíram novamente.

Depois de alguns minutos eles voltaram com mais livros.

A diferença é que os livros que trouxeram não eram de suas matérias específicas. Eles então pegaram seus livros e foram embora.

Durante esse tempo, o rapaz indiferentemente folheava os livros. Ele terminava cada livro em poucos segundos e partia para o próximo.

Depois de um tempo, os professores voltavam com mais livros, e levavam de volta mais, e então traziam mais.

E ficou um ciclo.

Parecia haver um acordo tácito, já que eles não falaram nada.

Depois de um tempo, os professores voltaram com mais livros e um deles falou:

“Esses foram os últimos livros da biblioteca.”

O rapaz já estava terminando de folhear os livros, e um dos professores se agachou na multidão de livros, pegou um aleatoriamente, e falou:

“Página 13, linha 17.”

O rapaz olhou para o livro na mão do professor e recitou as palavras facilmente.

Depois de terminar de ler todos os livros, Baijian falou inexpressivamente:

“Acredito que isso é só.”

Então ele virou o rosto e continuou olhando para a janela.

Os professores pareciam querer falar mais, mas no final ficaram quietos.

Um dos professores foi para frente e perguntou:

“Porque você não sabia dessas coisas se tem memória fotográfica?”

O rapaz respondeu:

“Eu nunca li sobre esses assuntos, não tenho interesse em livros.”

O professor pareceu hesitar, mas ainda falou:

“Você não quer mais conhecimento não? Com sua memória fotográfica, deve ser fácil consegui-los.”

O rapaz virou o rosto inexpressivamente para o professor e falou:

“Do que adianta adquirir conhecimento, se ele vem tão fácil para você? Se eu ir atrás de conhecimento, uma hora vai acabar o que não sei, naquele momento, que sentido terá a minha vida? As pessoas passam a vida inteira em busca de muitas coisas, e para mim, essas coisas podem ser conseguidas facilmente, então se eu ir atrás dessas coisas tão compulsivamente, vai chegar um ponto que eu não vou ter mais nada para aprender.”

Os professores ficaram chocados com o que o rapaz falou, e assentiram lentamente.

O que ele disse faz sentido.

Na vida, as pessoas muitas vezes buscam conhecimento, e para ele, isso é tão fácil quanto respirar.

Se ele compulsoriamente ir atrás de conhecimento, um dia vai acabar, então qual o ponto?

Depois de algum silêncio, o professor de matemática, que até agora não tinha falado nada, perguntou:

“Como está a sua matemática?”

O rapaz olhou para o professor e falou:

“De novo? Querem me testar mais? Se quer tanto assim, apenas faça as perguntas.”

O professor percebeu que o rapaz estava ficando irritado, então não se atreveu a demorar e fez muitas perguntas relacionadas à matemática, e então começou a fazer muitas equações, e contas matemáticas gigantescas.

Tudo foi respondido facilmente pelo rapaz.

Depois que o professor de matemática terminou, a professora de inglês foi para frente e falou:

“Como é o seu inglês?”

Ela fez a pergunta em inglês.

O rapaz já parecia cansado disso e se virou para a janela enquanto respondia indiferentemente:

“Fluente.”

A professora de inglês começou a falar então inglês e os dois ficaram conversando por alguns minutos.

Depois de terminar, a professora de inglês ficou de lado e simplesmente não sabia o que pensar.

Os professores ficaram olhando para o rapaz, e simplesmente não sabiam o que pensar.

O diretor então falou:

“Creio que tudo está resolvido aqui, então professores, voltem às aulas.”

Os professores rapidamente se organizaram e voltaram para as suas salas.

Tudo que aconteceu foi presenciado pelos alunos dessa sala, e eles ficaram simplesmente chocados com tudo isso.

O novo aluno é simplesmente muito inteligente.

Ele pode resolver contas facilmente, ele sabe outra língua fluentemente, e ele tem memória fotográfica.

Meimei também ficou chocada com tudo isso, ela observou tudo com olhos brilhando.

Agora, uma semente de curiosidade brotou na mente de Meimei.

A aula continuou normalmente depois disso, mas a sala de aula parecia muito tensa.

O que aconteceu mais cedo, até agora, causa choque tanto para os alunos, quanto para o professor dando aula, então acabou que a atmosfera da sala era muito estranha.

Eles precisavam de tempo para digerir tudo que aconteceu.

Depois de um tempo, bateu o horário do almoço e os alunos saíram para comer.

O rapaz continuou na sala, e Meimei observou isso.

Ela logo foi comer com as suas amigas.

Ela, junto com suas amigas, conversaram sobre o novo aluno e outras coisas como cantores, ou shows de televisão.

Num momento da conversa, a amiga que estuda na mesma sala que Meimei falou:

“E então Meimei? O aluno novo consegue chegar aos seus padrões?”

Meimei parecia confusa e perguntou:

“Que padrões?”

A menina falou:

“Padrões para garotos. Ele é bonito, parece que vem de uma família rica, é um gênio com memória fotográfica, pode até calcular números enormes de cabeça. Ele não está dentro dos seus padrões? Vários meninos que são muito proeminentes tentaram te namorar, mas você nunca aceitou nenhum, até nos falou que nenhum deles te interessou. E então? Esse aluno novo te dá interesse?”

Meimei parecia um pouco embaraçada e falou:

“O que você está falando Tingting, como eu posso me interessar por ele? Eu nem o conheço direito ainda.”

A menina de nome Tingting respondeu com uma risadinha:

“Então se o conhecer direito você vai se interessar?”

Meimei respondeu rapidamente:

“É claro que não.”

Tingting intensificou:

“Você ainda não respondeu, ele está dentro dos seus padrões?”

Meimei falou:

“Eu não tenho padrões. Eu nunca me interessei por nenhum garoto porque eu não quero namorar tão cedo, eu prefiro deixar isso para o futuro.”

Tingting não deixou barato:

“Então quer dizer que os que te pediram em namoro antes ainda têm chance?”

Meimei respondeu quase que instantaneamente:

“É claro que não, eles não têm chance nenhuma.”

Percebendo seu deslize, Meimei tinha um sorriso amargo.

Tingting continuou:

“E o aluno novo? Será que ele tem chance?”

Meimei, até esse momento, já percebeu que sua amiga está jogando com a sua mente, portanto simplesmente respondeu:

“Eu não sei.”

Tingting, com um sorriso de raposa, respondeu:

“Então quer dizer que para os outros, é instantaneamente não, mas para o aluno novo é um “eu não sei”? Parece que finalmente, Meimei, a pessoa que pensei que ficaria sem namorar para sempre, encontrou alguém que atende aos padrões necessários.”

Meimei parecia brava e falou:

“Você manipulou a conversa inteira só para eu responder isso, né? Você é meu nêmesis, minha fraqueza, sempre sou eu que embaraço os outros, só você consegue fazer isso comigo.”

Ela então se jogou nos braços da outra amiga que tem até agora estado quieta e gritou enquanto parecia estar chorando:

“Su-Su, Tingting está me intimidando. Me proteja.”

A menina chamada Su-Su, que até agora estava quieta, falou:

“Tingting, não intimide a nossa Meimei, você sempre a provoca.”

Su-Su parecia uma mãe, enquanto segurava a cabeça de Meimei que estava enterrada na sua barriga.

Tingting se levantou e falou:

“É que ela é sempre tão fofa quando é intimidada, eu simplesmente não me aguento.”

Tingting, sabendo que depois de suas palavras o desastre estava próximo, rapidamente saiu de perto.

Toda a conversa foi escutada coincidentemente por um estudante.

O estudante estava querendo muito falar com alguém sobre o que escutou então ele contou para seus amigos.

Esses amigos enviaram mensagens contando para alguns, e saíram para falar com outros.

No final, isso se tornou uma fofoca enorme na escola, e até o final do almoço, todos os alunos pareciam saber sobre essa conversa.

Quando o horário de almoço terminou, os alunos voltaram para as suas salas.

Quando Meimei voltou para a sala de aula, ela descobriu que um dos alunos estava falando com o rapaz.

O aluno parecia conversar felizmente, e o rapaz ficava simplesmente olhando pela janela, parecendo como se não prestasse atenção ao aluno.

Meimei ficou curiosa e se sentou em sua cadeira.

Como se sentava na frente do rapaz, ela podia ouvir o aluno falando do seu lado. O aluno parecia estar pedindo para os dois serem amigos.

O rapaz se virou para olhar para o aluno, e falou inexpressivamente:

“Tudo bem.”

O aluno era um pouco baixinho e magrinho. Ele parecia honestamente muito fraco, e era da sua sala. Seu nome era Hu Feng, e ele era aquele típico aluno sem presença que não tinha amigos e ficava sempre sozinho.

Os alunos em volta pareciam estar prestando atenção na conversa, até porque o aluno novo é um gênio com memória fotográfica, é algo novo na escola.

Então eles adorariam fazer amizade com ele.

Assim, quando perceberam o quão fácil foi fazer amizade com ele, muitos alunos foram mais perto para conversar.

Mais de 10 alunos foram até a mesa do rapaz novo para conversar, e parecia animada a conversa.

De vez em quando o rapaz comentava alguma coisa, mas ele principalmente ficava quieto enquanto ouvia.

Os alunos pareciam perceber que essa era a sua personalidade, então eles tentaram o máximo possível para não se ofenderem com essa atitude indiferente.

Meimei ficou observando essa conversa de lado, e parecia bem confusa com tudo isso.

Porque ele é tão indiferente? Porque até agora eu não vi uma única expressão em seu rosto?

Meimei olhou para a porta, pois até esse momento o professor já deveria ter entrado.

A porta estava entreaberta, e ela viu o braço de alguém pela fresta da porta.

“O professor já chegou, mas ele parece estar esperando…”

Meimei olhou para o rapaz e então chegou à uma realização.

“O professor quer ajudá-lo a se familiarizar…”

Depois de alguns minutos, o professor entrou lentamente na sala e o grupo de conversa naturalmente se dispersou.


Se você gosta do nosso trabalho e quer nos ajudar,
não esqueça de nos Avaliar e dar seu Feedback,
isso é muito importante para todos nós.
🉐


Autor: ReaderBecameWriter  |  Revisor/Editor: Blame


 


Fontes
Cores