SE – Capítulo 31 – Encontro



Pequim, China. ¹

Depois de Ye Hong chamar Baijian, eles dois se arrumaram e pegaram um avião direto para Pequim.

Baijian estava olhando curiosamente para todo lugar. Era a primeira vez dele fora de casa, é uma valiosa experiência.

Ele estava vendo todas as diferentes pessoas, diferentes lugares…

Também foi sua primeira vez num avião, ele olhou pela janela em extrema curiosidade.

Baijian ficou imaginando como seria voar… Ele leu o livro e sabe que à medida que se avança o cultivo, mais poder e mais habilidades se ganha. E uma delas é voar.

Depois de voar num avião, Baijian se sente muito animado para voar no futuro.

Tão animado que ele se sente impaciente… Tendo apenas um ano, quanto tempo levaria para ele subir seu cultivo o suficiente para voar?

Ele chegou a Pequim e novamente via coisas novas em todo lugar.

O tempo todo ele olhava algo, e então se virava animadamente para ver Ye Hong como se ele quisesse falar algo, só para se acalmar rapidamente e não falar nada no final…

E então ele via mais coisas, e fazia a mesma coisa.

Vendo tal Baijian, que está se controlando desesperadamente para perguntar o que são as coisas, Ye Hong sentiu vontade de rir.

Eles rapidamente caminharam e saíram do aeroporto.

Do lado de fora, os dois esperaram em pé.

De vez em quando Baijian pedia para Ye Hong se inclinar, e ele perguntava o que eram as coisas, e Ye Hong respondia baixinho. Tal ação não foi notada pelas pessoas, afinal, tem pessoas demais na porta do aeroporto.

As pessoas ou estão entrando ou saindo, a maioria delas com pressa. Depois de um tempo, um homem vestido de terno preto apareceu na frente dos dois. Ele cumprimentou brevemente Ye Hong e logo o levou até o carro.

Era um carro preto que parecia bem caro e resistente. Eles entraram no carro e deram a partida.

Depois de uma hora na estrada, eles chegaram até um enorme portão. O portão se abriu rapidamente e eles avançaram. O carro seguiu uma estrada. Em volta da estrada tinha muitas arvores e plantas, semelhante a uma floresta.

Depois de dirigir por cinco minutos, eles chegaram até uma enorme mansão.

Uma mansão tão grande que mais parecia um castelo.

Era de estilo ocidental bem adornada. Na frente da mansão tinham muitas flores e fontes de água.

Existia até uma enorme fonte de água, em volta tinham vários bancos feitos para se sentar.

Parece um paraíso.

Seja lá quem mora aqui, é extremamente rico.

Assim que saíram do carro, um mordomo apareceu do lado e educadamente os levou para dentro.

Dentro da enorme mansão, tinham muitos criados e criadas em todos os lugares fazendo algo.

Agora eram 11:30, perto do horário do almoço, e um cheiro delicioso se espalhou para onde estavam.

O mordomo continuou os guiando pela mansão.

Desde o momento em que saíram de casa, Ye Hong e Baijian tem andado de mãos dadas.

Isso já foi conversado antes, Baijian teria que agir como uma criança serena, não poderia falar, e ele será apresentado como seu próprio filho.

Baijian concordou facilmente com tudo, ele entende as implicações de, com um ano, ser tão inteligente… Embora não é um problema realmente, mas pode se tornar um.

Depois de andar um pouco pela enorme mansão, eles rapidamente chegaram frente à porta de um quarto.

O mordomo bateu três vezes na porta, se despediu de Ye Hong e rapidamente saiu.

Ye Hong entrou no quarto.

Essa é a casa que Ye Hong nasceu e cresceu. Aqui se vive a maior parte da família Ye, então ele sabe cada centímetro dessa casa.

O mordomo o guiando é só uma formalidade, já que ele já saiu da casa para morar sozinho em outro lugar, embora ele ainda possa morar aqui quando ele quiser, nesse momento, ele é um convidado, então a formalidade é o mordomo levar o convidado até o local.

Ye Hong não se importa com isso. Desde jovem ele aprendeu sobre todas essas coisas. Essas regras que os ricos têm…

Vindo de uma família de centenas de anos, Ye Hong naturalmente aprendeu desde jovem a ser elegante, calmo, amigável, agradável… Isso é etiqueta.

Então ele não se importa.

Os dois entraram lentamente no quarto, com uma mão, Ye Hong abriu a porta e com a outra ele segurou a pequena mãozinha de Baijian.

Assim que entraram, descobriram que tinham várias pessoas no quarto.

O quarto era bem grande. Tinham vários sofás elegantes, algumas escrivaninhas e prateleiras com livros… Não eram muitas prateleiras, nem tinham muitos livros.

Tinha uma pequena mesa baixa no centro do quarto, com dois sofás que podem se sentar até três pessoas em cada lado da mesa e uma poltrona que apenas uma pessoa podia sentar em frente à mesa.

Nesse momento, existem seis pessoas no quarto.

Quatro homens e duas mulheres.

O homem sentado na cadeira de mais importante é um pouco velho, ele tem os cabelos e as sobrancelhas grisalhas com as feições gentis.

Sentado a sua direita tinha um homem com um rosto despreocupado, provavelmente também faz parte de sua personalidade.

Ao seu lado estava sentado um homem com um rosto gentil.

Ao lado estava sentado um homem com um rosto sereno.

Do outro lado, no outro sofá, estão sentadas duas mulheres.

Uma parece uma mulher madura, deve ter uns trinta e poucos anos e é muito bonita.

A outra é jovem e não parece ter mais de vinte e cinco anos, é também muito bonita.

As duas se parecem bastante, sentadas lado a lado é como se fossem a mesma pessoa com diferentes idades, ambas extremamente bonitas.

Ao entrarem, Ye Hong e Baijian tomaram a atenção das seis pessoas.

Ye Hong andou até perto dos sofás e falou devagar:

“Há quanto tempo, Vovô, Papai, Segundo Tio, Terceiro Tio, Primeira tia, Segunda tia.”

Todos esses dentro da sala são os principais membros da família Ye.

Ye Chonghu teve cinco filhos. Três homens e duas mulheres.

Em ordem:

Ye Lincheng: Pai de Ye Hong, 47 anos.

Ye Tian: 46 anos. Não tem filhos.

Ye Ming: 37 anos. Tem um filho de 13 anos.

Ye Bei: 34 anos. Tem dois filhos, um menino e uma menina, gêmeos de nove anos.

Ye Ruo: 24 anos, universitária, tem um namorado e já estão pensando em casar.

A mais nova, Ye Ruo, olhou para Ye Hong como se estivesse brava e gritou:

“Ye Hong, quantas vezes preciso dizer para não me chamar de segunda tia? Eu sou dois anos mais nova que você, é simplesmente muito vergonhoso ter um sobrinho dois anos mais velho.”

Ye Hong olhou para Ye Ruo com um sorriso e respondeu:

“Então devo te chamar de Ruo’er? Ou Ruoruo?”

Ye Ruo, ao escutar as palavras de Ye Hong, correu até ele e falou em voz alta enquanto apontava o dedo:

“Ye Hong, te desafio a me chamar disso.”

Ye Hong sorriu calmamente e respondeu:

“Você não gosta de segunda tia… Tudo bem então. Mas ai, eu vou te chamar de Ruo’er e você não gosta. Ruoruo também não, então como devo lhe chamar?”

Ye Ruo não sabia responder. Ela é tia dele mas é dois anos mais nova, então Segunda Tia é muito estranho… E por ser tia, mesmo que seja dois anos mais nova, é muito constrangedor Ruo’er ou Ruoruo.

No final, como não sabia responder, ela escolheu simplesmente sentar no sofá com um rosto chateado.

A mulher bonita ao seu lado, que é alguns anos mais velha, rapidamente foi ao seu lado e disse algumas palavras de conforto.

Depois de escutar o familiar interlúdio entre os dois, Ye Chonghu falou:

“Ruo’er, Hong’er, vocês não cansam de fazer essa cena não? É sempre igual, até as falas são as mesmas.”

Ye Chonghu falou isso com um sorriso no rosto.

Como eles fizeram isso várias vezes, é sempre engraçado, pois se outras pessoas fossem assistir a isso, pensariam que é a primeira vez.

Ye Hong sorriu ligeiramente envergonhado e respondeu:

“Essa situação sempre se repete porque ela não sabe responder a minha pergunta… A primeira vez foi logo após ela completar dezoito anos. Antes disso, eu sempre a chamei de Ruo’er ou Ruoruo… Depois que ela completou dezoito anos, pareceu perceber que é minha tia e se sentiu envergonhada por ser chamada assim e me impediu. Desde então eu sempre pergunto: Como devo chamar você? E ela nunca me responde.”

Ye Chonghu, ao escutar o relato de Ye Hong, riu gostosamente.

Seu pai, que estava ao lado, e seus outros dois tios também riram.

Ye Hong não sabia o que dizer e Ye Ruo parecia estar furiosa depois do conto de Ye Hong.

Alguns minutos depois, eles pararam de rir e Ye Hong falou:

“Vovô, não é que eu não queira vir aqui, mas o senhor é sempre tão ocupado, então quando me chama assim quer dizer que o senhor quer tratar de um assunto, posso saber do que se trata?”

Ye Chonghu olhou um pouco para Ye Hong e respondeu:

“Hong’er, é você quem quer falar. Um mês atrás você me mandou uma mensagem de voz pedindo para conversar, e eu tentei conseguir um pouco de tempo e estava pensando em combinar, mas ao chegar ao assunto você falou que não queria falar mais… Então agora eu consegui um tempo e quero saber do que se trata. É sobre a proposta que te fiz anos atrás? Pois saiba que ainda está de pé. Seria essencial que você fosse mais novo, assim você teria mais tempo para aprender melhor sobre o trabalho, mas com a sua capacidade eu sei que não deve ser um problema…”

Ye Hong pensou um pouco e respondeu:

“Vovô, era sobre algo que eu precisava de ajuda, mas agora não preciso mais. Desculpe-me por te interromper no trabalho.”

Ye Chonghu escutou isso e falou lentamente:

“Não precisa se preocupar, se precisar de mim eu vou sempre conseguir um tempo para a minha família. Mas você pensou no assunto? Eu quero te colocar como líder da família, e não é apenas eu que quero isso, o seu pai e seus tios também querem… Os outros netos são muito novos, e seus tios também parecem estar muito conflituosos em deixar esse trabalho para eles…”

Ye Chonghu tinha um sorriso amargo.

Qualquer um iria querer ser o líder de uma enorme família com enormes montanhas de dinheiro para gastar como se quiser.

Mas na família Ye é diferente.

Todos na família sabem o quão difícil é o trabalho de chefe da família… E ninguém quer assumir o papel.

Se tornar chefe da família Ye é a mesma coisa que sacrificar o resto da sua vida.

Mas não é que ninguém na família queira se sacrificar para a família… Na verdade, todos eles se amam muito e são uma família muito unida. Então eles com certeza se sacrificariam se assim precisar.

Mas eles não fazem porque não se sentem confiantes o suficiente.

Eles acham que não são bons o suficiente para assumir o futuro da família Ye…

A família Ye, desde centenas de anos atrás, é reconhecida por seus lideres capazes.

O bisavô de Ye Hong foi um gênio nos negócios.

Seu avô, embora não seja um gênio em negócios, depois de anos de tutela de seu pai e muita experiência, é muito bom nisso… Mas o que ele realmente é bom é em política.

Um dos maiores motivos do porque a China e a família Ye são tão próximas é por causa disso.

Mesmo antes do Bisavô de Ye Hong, os antepassados da família… Cada líder foi conhecido como uma pessoa muito capaz, um gênio.

Então os cinco filhos de Ye Chonghu não se veem como gênios e, portanto, não se veem dignos de guiar a família.

Sem falar que eles também têm muito medo de destruírem a família que seus antepassados passaram tanto tempo cuidando e protegendo… Eles não querem cometer esse crime.

Portanto, escolher o chefe do clã Ye é sempre complicado…

Ye Hong, de todos os candidatos, é o melhor. Ele é um gênio em negócios, talvez tão bom quanto o bisavô.

Então ele é o mais requisitado.

É claro, todos eles nunca irão empurrar isso para Ye Hong. A família Ye é uma família muito unida, eles se amam profundamente, a relação de todos é muito próxima.

Então eles nunca fariam uma coisa contra a vontade do outro.

Ye Hong respondeu:

“Vovô, vamos deixar isso para o tempo.”

Ye Chonghu assentiu² lentamente.


Autor: ReaderBecameWriter | Revisor: Blame



Nota¹: Eu sempre conheci por Beijing, mas olhe só, no Mandarim tradicional é Beijing mesmo, porque o dialeto pinyin é mais romantizado, a China tem tantos dialetos diferentes, mds.

Nota²: Assentiu significa: Conceder aprovação; concordar. Muito usado em SOTR e ATG.


Fontes
Cores