SE – Capítulo 1 – A criança dos olhos curiosos


Seus olhos eram extremamente brilhantes, e olhava curiosamente tudo em volta. Quanto mais olhava, mais intensamente seus olhos brilhavam, e cada vez mais curioso esse olhar parecia.

Percebendo a existência do seu corpo, ele tentou se mexer, só para se decepcionar ao descobrir que não consegue.

Acabou de nascer, seu corpo ainda é fraco e desacostumado com os movimentos, como ele teria forças para movê-lo?

Mas isso não o impediu de olhar em volta, examinando tudo que via com uma curiosidade intensa.

Era um bebê.

Ele estava em um quarto de algum hospital. O médico estava o segurando, e percebendo que a criança não chorava, o médico começou a examinar a criança, porém, ao ver os pequenos olhos curiosos desse bebê, ele ficou atordoado.

Não é para menos que o médico ficou atordoado, o bebê tinha olhos brilhantes, inteligentes e extremamente curiosos, olhava tudo em volta como se estivesse examinando todo o ambiente. Esses olhos no corpo de um bebê que acabou de nascer…

O médico que fez o parto, obviamente ficaria chocado.

Por alguns segundos, o médico ficou perdido no olhar da criança, até ser sacudido pela enfermeira que estava ao lado.

Percebendo seu desleixo, o médico deu um sorriso de desculpas para a enfermeira, então colocou cuidadosamente a criança em cima de um balcão que já tinha um pano, pronto para limpar o sangue e o líquido amniótico no corpo dela.

A enfermeira começou a olhar para o médico estranhamente. Normalmente, o médico fazia o parto, e se a criança não chorasse, dava umas palmadas na bunda com o intuito de acorda-la, e ver se havia algum problema…

Ele não fez isso, mesmo que a criança não tenha proferido um único som.

Outra coisa estranha, é que quando o médico foi examinar a criança, ele obviamente estava chocado com alguma coisa. Mas chocado com o que? É apenas um bebê.

Depois de acordar do choque, o médico se desculpou, e assim que colocou o bebê no balcão, começou a limpa-lo ele mesmo…

Quer dizer, ela é a enfermeira, seu trabalho é fazer as coisas simples, as quais os médicos não precisam fazer. Coisas como limpar o corpo da criança, é o seu trabalho, porque que ele que está fazendo isso?

Curiosa sobre as ações estranhas do médico, a enfermeira se aproximou para olhar o bebê. Igual ao que aconteceu com o médico, assim que vislumbrou os olhos brilhantes e inteligentes da criança, a enfermeira ficou chocada.

Enquanto o médico se ocupava em limpar a criança, a enfermeira observava em transe ao lado, até que uma voz quebrou o silêncio da sala:

“Eu quero ver o meu bebê.”

As palavras eram estranhas e não faziam sentido algum, mas por algum motivo, o médico e a enfermeira entenderam.

Uma mulher deitada na cama olhava silenciosamente para o médico limpando a criança.

Se tivesse que usar uma palavra para descrever a mulher deitada na cama, com certeza seria, “Perfeita”. Com longos cabelos pretos, olhos pretos, lustrosos lábios vermelhos, uma pele tão branca quanto neve e com um rosto oval lustroso…

Ela é, em todos os sentidos da palavra, uma mulher de uma beleza perfeita.

Mesmo se você fosse exigente para olhar e avaliar sua beleza, com certeza não encontraria uma única falha. Nenhuma mulher que existe na terra poderia sequer se comparar com a beleza dessa mulher.

Normalmente, qualquer homem que olhasse para a sua beleza, com certeza ficaria parado, olhando em transe, completamente atordoado, ou sentiria uma luxúria infinita, por apenas olhar seu rosto.

Não é só a sua beleza. Seus gestos são extremamente graciosos, seus olhos tem um poder misterioso que faz você pensar que se olhasse diretamente acabaria congelando, suas sobrancelhas gentilmente inclinadas, dão um toque suave ao seu rosto perfeito…

Tudo sobre ela exala elegância. Essa não era a elegância pretensiosa de nobres, ou uma aparência elegante, é como se a sua própria existência, carne, sangue e ossos fossem elegantes…

Uma mulher como essa poderia atrair qualquer um, porém o médico, um homem jovem de vinte e cinco anos, nem lhe deu um segundo olhar. Mesmo quando fez o parto, viu a barriga branca e lisa sem um único traço de impureza em sua pele, mesmo quando cortou tal pele perfeita…

Em nenhum momento ele hesitou, nem mesmo se importou. É como se essa linda mulher não fosse realmente bonita.

A beleza dessa mulher poderia mover qualquer homem, até mesmo as mulheres seriam movidas por tal beleza. Normalmente, quando mulheres vêm outras mulheres mais bonitas que elas, um sentimento de inveja sempre aparece em suas mentes, mas mesmo a mulher mais bonita, se olhasse para essa mulher, só teria adoração nas profundezas de seus pensamentos.

Tal bela era a mulher, mas a enfermeira nem a olhou direito.

Na testa dessa bela mulher, uma pequena joia verde do tamanho de uma unha estava brilhando levemente. A joia era tão pequena, e o brilho tão fraco que, a menos que você chegue perto e olhe atentamente para a joia, você não verá brilho algum.

Uma situação realmente estranha.

A mulher nesse momento olhava silenciosamente para a criança nos braços do médico, era o olhar de uma mãe que queria ter seu filho em seus braços.

O médico entendeu o seu olhar, então rapidamente terminou de limpar o restante do corpo da criança, o colocou em um pano limpo e o entregou para a mulher.

Ao receber a criança, a mulher olhou para seu pequeno rostinho, e fitando seus brilhantes olhos inteligentes, ficou bem surpresa com tamanha curiosidade nestes pequenos olhinhos.

Rapidamente se acalmando, a mulher observou a criança com um olhar extremamente amoroso, tendo sempre um sorriso em seu belo rosto perfeito.

Sempre que a criança sorria, a mulher se sentia entorpecida.

Ela nunca esteve tão feliz.

A mulher não parecia sentir a passagem do tempo já que ficou observando a criança e interagindo com ela sem pensar em mais nada.

O médico, estranhamente, ficou olhando para a criança ao lado o tempo inteiro. A enfermeira olhou por um tempo e, como se tivesse despertado, acordou e saiu do quarto para fazer o seu trabalho.

O médico continuou olhando para a criança fixamente, em nenhum momento olhou para a mulher que estava a segurando.

Tirando os olhos da criança, a mulher olhou para o médico com uma ligeira surpresa. O médico parecia estar obcecado com o bebê que olhava e examinava tudo ao seu redor. A mulher parecia entender alguma coisa, então começou a olhar para o médico com um olhar avaliador.

Depois de alguns segundos, ela estendeu a mão, fazendo uma luz branca suave sair e penetrar o corpo do homem. Ainda olhando para a criança, o homem nem percebeu o que a mulher de beleza colossal estava fazendo.      Após alguns segundos, a luz branca saiu, e disparou em direção à testa da mulher.

A luz penetrou na testa dela, e a mulher fechou os olhos, após alguns segundos a mulher os abriu, e dessa vez seu rosto parecia um pouco mais pálido do que antes, ela não parecia muito bem.

Murmurando em uma voz baixa que só ela poderia escutar, ela olhou profundamente para o homem, parecendo considerar algo muito importante.

Depois de muita hesitação, ela suspirou, e um olhar impotente apareceu em seus belos olhos.

Olhando profundamente para o médico, um olhar determinado brilhou rapidamente em seus olhos, e a pequena joia em sua testa brilhou. O homem, como se tivesse finalmente despertado do seu estupor, parou de olhar para a criança. Depois de alguma confusão, o homem olhou para a mulher e rapidamente saiu do quarto.

Depois que o médico saiu, a mulher começou a observar a criança com um olhar complexo. Olhos que tinham dezenas de sentimentos diferentes: amor, esperança, alegria, expectativa, impotência, medo, raiva, ódio, tristeza…

Pelo seu olhar, obviamente o medo, a raiva, o ódio e a tristeza não são destinados à criança.

A mulher então permaneceu olhando para a criança por um longo tempo, ela não pensava em mais nada, o seu mundo era a criança, como se ela quisesse imprimir a imagem da criança no fundo da sua mente.

A cada momento que passava, o rosto da mulher parecia ficar mais pálido, como se ela estivesse ficando mais fraca. Depois de um tempo, um brilho de determinação apareceu em seus olhos, ela levantou a mão direita que estava livre para o ar, e uma luz azul ciano envolveu sua mão.

Não levou muito tempo, a luz começou rapidamente a se expandir, até que cobriu completamente o céu do hospital enquanto continuava expandido rapidamente.

A cidade…

O país…

O continente…

Em alguns segundos, a luz azul ciano cobriu o planeta inteiro.

Embora a luz fosse forte, nenhuma pessoa na terra parecia percebê-la, era como se essa luz nunca existisse. A vida das pessoas não mudou em nada, tudo parecia normal.

Assim que a luz azul cobriu o planeta inteiro, a mulher permaneceu com a mão parada no ar por um minuto inteiro. Depois de um minuto, a luz retraiu rapidamente até se tornar uma esfera de luz flutuante na palma da sua mão.

Ela abriu seus olhos, e olhando para o teto do quarto, parecia irritada, como se algo ali a estivesse irritando.

A bola de luz azul rapidamente entrou na testa da mulher, desaparecendo completamente, então a mulher fez um gesto de espantar em direção ao teto do quarto, como se estivesse espantando uma mosca irritante.

Depois que fez o gesto, ela fechou os olhos, e depois de alguns segundos os abriu novamente, parecendo ter compreendido algo.

Olhando carinhosamente para a criança, a mulher começou a murmurar em chinês, com uma voz extremamente suave:

“Esse é um bom lugar para você crescer.”


Autor: ReaderBecameWriter    |   Revisor: Blame


Contribua com a Novel Mania!
Alterar fonte
Cores