Ronan – Capítulo 31 – Trégua – Parte II



Ronan descia o último lance de escadas do Hospital Hobes quando avistou uma garota da sua idade trajando um conjunto de couro preto. Aquele cabelo dourado não o enganava. Ela o notou quando estavam a poucos passos um do outro. Eles se encararam por um momento, até Ronan se manifestar:

— Você vai visitá-lo?

— Eu preciso! — ela respondeu fugindo do olhar julgador.

— Boa sorte, Nathalia.

— Obrigado, Ronan.

Ela parou e observou o colega seguir pelo corredor, sair do hospital, descer o pequeno lance de escadas até se perder na multidão que ia para casa após um longo dia de trabalho.

Reunindo toda a coragem que conseguiu, Nathalia subiu a escadaria interna do hospital, decidida a fazer o que era certo. Após um demorado trajeto pelos corredores brancos e fantasmagóricos, estava de frente à porta do quarto onde o garoto descansava. Respirou fundo, pôs sua mão pálida na maçaneta e a girou. Ao entrar devagarinho, viu o paciente ficar atônito até uma raiva ferina transparecer em seu olhar. Dario se levantou num impulso e sentou na cama, ofegou, e perguntou com frieza em sua voz:

— Veio terminar o serviço, Leonhart?

Os lábios e os olhos de Nathalia tremularam, pôs a mão direita no peito, respirou fundo e caminhou para perto dele.

— Eu vim me desculpar…

Num gesto de amizade levou sua mão direita ao braço dele, mas antes que encostasse, ele rejeitou o gesto. Tomado pela fúria de antes, Dario esbravejou a plenos pulmões:

— O que? Você quase me matou e agora vem pedir desculpas?

A indignação do colega fez reviver algumas das memórias mais desagradáveis, memórias que Nathalia queria enterrar, esquecer para sempre. Lampejos de suas mentiras, manipulações e principalmente, arrependimentos fizeram lágrimas escorrerem pelo seu rosto.

— Eu quase morri também… — ela soluçou levando a mão esquerda aos olhos. — Eu sei que sou uma descontrolada! — finalizou rendendo-se a um choro contido, mas verdadeiro.

Preocupada com gritos vociferados por Dario, uma enfermeira que passava pelo corredor chegou para ver o que havia acontecido naquele quarto. Ao constatar que era apenas uma briga de casal, saiu tranquilizada por não ser algo sério envolvendo o paciente.

Dario constrangeu-se por causar aquela cena, mas o que ela esperava? Ela tentou me matar! É a verdade, ela é louca, tentou convencer-se de que não estava errado em gritar no quarto do hospital. Quando repassou em sua mente o lamento choroso de Nathalia, percebeu que ela poderia estar falando a verdade. Será que foi um acidente mesmo? Afinal, todo mundo vinha falando isso para ele, até mesmo Ronan.

Teria de passar a história a limpo.

— Escuta… Na-ta… — desistiu de chamá-la pelo nome, pois doía só de tentar. — Você não fez aquilo de propósito.. fez? — questionou agora mais calmo.

Ela parou de soluçar, mas ainda com os olhos úmidos tentou responder.

— Claro que não, seu besta! Não é porque sou melhor que você na manipulação que eu iria saber como fazer uma monstruosidade daquelas.

Continua uma bruxa. E o Ronan ainda tentou me convencer que ela tinha mudado, pensou, mas foi interrompido do devaneio.

— Desculpa — disse ela baixinho.

Dario sentiu-se desarmado pela dramaticidade de seu desafeto.

— Vou aceitar o pedido de desculpas, mas isso não significa que irei te ver como uma amiga, ou uma colega.

— Eu sei… — Nathalia hesitou por um instante, mas tinha algo para dizer. — Sua mãe é uma figura.

— Como você… — balbuciou, mas foi interrompido mais uma vez.

— Eu jantei na sua casa quando fui pedir desculpas por toda confusão que causei. — ela confessou brincando com uma mecha do cabelo.

Dario tinha muito a refletir. De uma hora para outra seu mundo virou de cabeça para baixo. Inspirou profundamente e soltou o ar numa longa expiração. Tentou não gritar para o mundo. Fechou os olhos.

— Meu pai não te expulsou da nossa casa?

— Ele tentou, mas quando mostrei… isso…

Nathalia despiu-se da jaqueta e arregalou a manga longa da camisa. Mostrou a ele o que restava do preço da conjuração. O braço direito já não estava tão roxo como em sua visita aos Zeppeli, mas as cicatrizes dos 16 cortes ainda a lembrava do acidente sempre que os via.

Observar o braço dela o fez se lembrar do dia que despertou ali mesmo, na cama do hospital. Reviver a lembrança de observar impotente todos os seus ferimentos o fez ser tomado por um ódio mecânico e irracional. Dario cerrou os punhos e encarou a garota de cabelos dourados.

— Saia daqui, agora! — rugiu dando um murro na mesinha onde guardara o livro de Anna.

Com um grito de espanto, Nathalia recolheu o casaco e disparou para fora em meio às lágrimas e lamentos.

A respiração de Dario era profunda e quando recobrou o juízo, arrependeu-se da forma grotesca que tratou sua rival. Respirou fundo mais uma vez, fechou os olhos e se largou na cama.

Filetes de uma lamentação melancólica umedeceram o seu rosto.

A enfermeira voltou após ver a garota correndo no corredor, algo que parece irônico, mas proibido. Sob o vão da porta entreaberta, ela perguntou:

— O que aconteceu? Brigou com a namoradinha?

— Ela não é minha namorada — respondeu emburrado ao secar o rosto.

— Ela é uma familiar?

— Não!

Ela franziu o cenho e apoiou-se no batente da porta, a corpulência em demasia empurrou a chapa de madeira que fez ranger as dobradiças, abrindo a porta por completo.

— Engraçado… — ela disse levando o dedo indicador aos lábios. — Ela veio aqui algumas vezes, costumava ficar ali do seu lado enquanto tu dormia. Eu lembro que ela chorava bem quietinha, e às vezes até falava alguma coisa, mas não dava para ouvir daqui. Ela deve gostar de você, não trate a coitadinha assim, ela é tão fofa.

Você só pode estar de brincadeira.

 

 

Nathalia soube na segunda feira, por intermédio de Ronan, que Dario gostaria de conversar, mas ao ouvir o pedido, protestou, explanando ao inocente Ronan o que havia acontecido dois dias atrás quando foi visita-lo. Porém ele foi mais teimoso e não se deu por vencido. Insistiu que ela fosse visitá-lo. Surpresa pela insistência do rapaz, Nathalia decidiu dar mais uma chance. Iria visitar Dario assim que terminasse a tradicional leitura de segunda-feira do Estatuto da Manipulação.

Quando chegou ao hospital após uma chata aula expositiva, bastou olhar para a recepcionista, que num aceno permitiu sua visita. Nathalia seguiu o ritual que vinha fazendo uma vez por semana, subiu as escadas, percorreu os corredores com calma e entrou no quarto onde a vítima repousava. Ao olhar para ele, lembrou-se dos dias que passou neste mesmo hospital. Ele se ergueu e sentou na cama, mas com os pés cruzados.

— A enfermeira me falou das suas visitas quando eu ainda estava inconsciente.

O rosto dela enrubesceu.

Ele prosseguiu:

— Eu andei pensando e…

— Isso é uma novidade — ela interveio cortando sua fala.

— Quê?

— Você… pensando… não se vê isso todo dia — zombou dando um sorriso com as bochechas ainda coradas.

Dario soltou um riso abafado, ela se juntou.

— Sorte sua que estou de bom humor, senão teria te jogado pela janela com minha poderosa conjuração do vento.

— Poderia ser um tornado, desde que repetisse aquela encenação ridícula da vez que nos mandou para a coordenação.

Dario se recordou do primeiro incidente. Aquele que os fez serem mandados à sala de Rafael por utilizarem conjurações dentro da sala. Comparado ao último, aquilo parecia nada mais do que uma brincadeira de criança.

— Parece que foi a mais de dez anos — disse com saudosismo em sua voz.

— Mas faz três meses.

Mesmo o tendo corrigido, Nathalia concordava com esse sentimento.

— Éramos tão inocentes.

Ao ouvir aquilo ela arqueou as sobrancelhas.

— Minha nossa vovozinho. Vai devagar!

Apesar de ter sacaneado o colega, sabia que Dario dizia a verdade, mesmo assim não poderia deixar a chance de constrangê-lo passar em branco. Ao olhar para ele, viu aquele sorriso esvair e os olhos arregalar. Será que ele não gostou da brincadeira? Perguntou-se antes de ouvir o que ele tinha a dizer.

— Posso acreditar que você não vai mais prejudicar eu e o Ronan?

Eu devo isso a ele, pensou antes de responder.

— Pode — disse adotando a mesma seriedade.

— Obrigado — concluiu fechando os olhos.


Cansou de esperar lançar capítulos?

🛒 Adquira o eBook e leia agora mesmo todos os capítulos.

💵 Quer contribuir de outra forma? Faça hoje mesmo sua doação no Padrim.

🌟 Você pode me ajudar sem gastar nada, comente, avalie e favorite Ronan na Central Novel.


    Autor: Raphael Fiamoncini   |   Revisora: Marina



Fontes
Cores