Ronan – Capítulo 30 – Trégua – Parte I



A internação de Dario no Hospital Hobes completou um mês e meio. A infecção provocada pelo sangue manipulado fora tratada com sucesso e seus ferimentos cicatrizavam numa progressão otimista. O pior já havia passado. Caso a recuperação continuasse neste ritmo, seus dias no hospital estariam contados.

Apesar das boas novidades, o peitoral permanecia enfaixado para esconder a roxidão da infecção tratada. Susan e William Zeppeli vinham visitá-lo diariamente enquanto Ronan comparecia umas três vezes por semana e, quando conseguia, trazia consigo Jonas e César.

No fim de tarde de uma semana especial aonde nem seus pais vieram, Dario encarava o teto branco quando a enfermeira veio lhe avisar que tinha visita. Quem entrou pela porta foi seu camarada de confusões. A felicidade o inundou por em fim interagir com algo além do livro trazido por Anna em sua visita dias atrás.

Ronan nem o cumprimentou, foi reto até a mesinha de madeira ao lado da cama. Analisou a superfície e pegou em mãos, um livro.

Paixões proibidas, por Anastácio Ambrósio — leu em voz alta para constranger o amigo internado.

Com o rosto corado, Dario tentou se justificar.

— Foi a Anna quem trouxe, ela devia estar louca para achar que eu leria isso daí.

Rindo da situação, Ronan fez uma observação:

— Ambrósio não é o sobrenome da Anna?

— É sim.

Pensar nisso o fez recordar da recepção aos calouros, quando Anna sentou-se ao lado do pai, naquele dia ambos pareciam incomodados. A curiosidade o fez perguntar:

— Como se chama o pai dela?

— Não sei, ela nunca fala da família — Dario respondeu após sentar-se na cama e cobrir o colo com o cobertor de lã. — Você acha que foi o pai dela quem escreveu esse livro?

— Claro que não! — respondeu em voz alta sem perceber.

— Qual é o problema, Ronan? Tá com medo do sogrão?

Desta vez foi o garoto de cabelo negro quem corou de vergonha. Mas a verdade não poderia passar mais longe. Imaginar aquela figura amedrontadora escrevendo uma história do gênero era um absurdo.

Ronan guardou o livro e virou-se de frente ao amigo.

— Na verdade… — Hesitou. — Eu venho pensando sobre como é a relação dela com o pai. Eu o vi na recepção, lá na primeira semana de aula e… parecia que eles tinham uma vida complicada.

Os olhos castanhos de Dario se arregalaram.

— A Anna parece a última pessoa que teria problemas em casa. Ela é sempre sorridente, feliz, simpática e prestativa, ao contrário daquela víbora de cabelo loiro —expressou repulsa colocando a mão em seu peito enfaixado, aquele lembrete de mau gosto. — Como pode! Sou sempre eu quem saio na pior, ela deve estar rindo da minha desgraça agora mesmo.

Deixando o assunto “Anna“ de lado, Ronan disse algo que o surpreendeu.

— Ela não é tão ruim assim…

Dario se jogou na cama de volta, mas com o braço sobre seus olhos.

— Ela fez seu cachorro de refém? Ameaçou queimar sua casa? Já sei! Ela vai revelar a receita dos bolinhos da sua mãe?

— Eu não tenho cachorro e os bolinhos de minha mãe são horríveis.

— Ela vai queimar sua casa então — Dario concluiu balançando a cabeça de um lado pro outro.

— Acredite ou não, ela está diferente. A turma inteira não fala em outra coisa, estamos surpresos com a mudança.

— Eu só ficaria surpreso se entrássemos em guerra.

Ele não sabe? Ronan estremeceu com os olhos bem abertos.

— O que foi? Estamos em guerra e ninguém me contou? — Dario perguntou com um riso despretensioso.

Ronan balançou a cabeça em afirmação e o riso no rosto do colega se desfez.

— Como assim? Entre nós e o Reino de Lince? — Mal conseguia acreditar.

— Pior.

— Pior? — retrucou subindo a voz.

— Nós contra todos — respondeu balançando a cabeça. — Nós contra todos — repetiu baixinho.

E relatou os fatos desde o início. Ronan contou sobre a repercussão da conferência. A unificação dos reinos e a recente confusão numa cidadezinha do reino vizinho, ao nordeste de onde estavam, onde os rumores diziam que a nova imperadora fora emboscada com a ajuda do Império de Leon. Dario ouviu aquilo tudo, ficou atônito, assustadíssimo, mas uma coisa o tranquilizou.

— Entendi, não é uma guerra de verdade… ainda…

— Mas pode acontecer. Talvez esse seja o assunto mais falado, e não a mudança da água para o vinho que foi a Leonhart.

Dario conseguiu dar um sorriso, apesar de tudo.

— Lembra que costumávamos imaginar sobre uma possível guerra entre nós e eles? — Ronan acenou positivamente. — Agora que pode acontecer de fato, é assustador e nada animador, não é mesmo?

— Ainda mais contra todos eles juntos.

Vendo que estava para anoitecer, Ronan se despediu.

— Tenho que ir. Espero que consiga dormir depois de tudo que contei.

— Eu durmo como uma rocha — disse orgulhoso por possuir uma habilidade tão inútil.

— É bom mesmo. Tchau, e até a próxima.

— Até mais e obrigado por vir.

Ronan saiu, mas antes que Dario pudesse deitar na cama, ele voltou.

— Eu quase esqueci — disse Ronan se apoiando no batente da porta

— O quê?

Ronan havia furtado o livro Paixões proibidas e escondido por baixo da camisa. Ele abriu-o na última página e recitou o final em voz alta para o amigo de cama:

E assim, Caroline se esqueceu do bravo e rico cavaleiro para se casar com o amor de sua vida: seu gentil vizinho de porteira. E viveram felizes para sempre.

Ronan atirou o livro na cama e saiu em disparada.

— SEU DESGRAÇADO! — Dario berrou ao jogar o travesseiro no vão da porta, agora vazio.


Cansou de esperar lançar capítulos?

🛒 Adquira o eBook e leia agora mesmo todos os capítulos.

💵 Quer contribuir de outra forma? Faça hoje mesmo sua doação no Padrim.

🌟 Você pode me ajudar sem gastar nada, comente, avalie e favorite Ronan na Central Novel.


    Autor: Raphael Fiamoncini   |   Revisora: Marina



Fontes
Cores