FNR – Capítulo 61 – A bruxa do Sul, Glinda



— Cara, estou acabado! Desculpe por isso Nilo!

Nesse momento, Nilo oferecia seu ombro para me levar até em casa, contratei ele com a finalidade de proteger o meu lar, enquanto me recupero de meu esgotamento devido a luta contra Darts.

Nilo, o líder do grupo no qual me juntei recentemente, é um bestial roedor mestiço, não é muito alto, diria que uns dez centímetros maior que a Millin, apesar de sua idade de 32 anos, sua aparência é a de uma criança de no máximo 13 anos.

Com curiosidade, fiz uma pergunta:

— Nilo! Os bestiais do clã roedor, sempre aparentam ser mais jovens do que mostram?

Nilo me olha com reprovação, provavelmente minha pergunta foi insensível, mesmo assim não podia contra minha curiosidade.

— Guh!…. Ne…. Nem sempre! O clã roedor é muito variado, alguns são tão altos quanto você. O clã da minha mãe, em especial é diferente.

— Diferente? Há diferenças entre o mesmo clã?

— O clã roedor é enorme, por isso não existe subdivisões como o clã dos gatos, contudo existe certas características que diferem mesmo sendo da mesma espécie — Nilo pega em seu cabelo azulado e continua — Os roedores que possuem a coloração de cabelos similar a minha, são de uma variedade que detém grande parcela de sangue élfico, não sei explicar corretamente o motivo de termos esse sangue, mas devido a isso, nossa expectativa de vida é maior e nossa idade nunca condiz com a aparência.

“Pensando nisso! Millin também tem um cabelo azulado, embora seja um pouco mais escuro”

É esquisito, devido a aparência infantil dele, não consigo chamá-lo respeitosamente como deveria. Olhar para ele e dizer “senhor Nilo” parece errado, errado em todos os aspectos.

— Você está pensando em algo rude, não é Ferus?

— Im… impressão sua! Vamos logo, estamos quase chegando!

— Hunf!

Nilo tinha uma expressão azeda no rosto, provavelmente foi atormentado por causa da sua cara de criança, melhor não fazer esse tipo de brincadeira, Stela me avisou que esse é um tabu para Millin, creio que seja o mesmo para Nilo.

Por mais que eu esteja completamente tonto, Nilo conseguiu manter minha postura com algum esforço, quinze minutos depois, chegamos ao restaurante.

Nilo, que lia a placa do restaurante conversou:

— Escutei maravilhas sobre esse lugar, embora seja um ambiente familiar e não para aventureiros. Ouvi rumores de que as atendentes aqui são absurdamente lindas, especialmente uma felina do corpão erótico.

De alguma forma me senti irritado com o comentário que falava de Hellen indiretamente, sei que não tenho nada haver com esses tais rumores, mesmo assim fiquei irritado.

— Vamos evitar falar desses rumores ok!

— Tu… tudo bem, mas porque essa cara cheia de raiva?

— Nada!

Minha resposta seca, fez Nilo mudar de assunto:

— Bem! Vamos entrar!

— Boa ideia!

Indo na frente, Nilo abriu a porta do restaurante, para minha surpresa não havia um cliente sequer ali dentro, porém uma cena estranha se apresentou.

Stela, Millin, Jana e Hellen estava todas com rostos aflitos, entre as quatro, uma mulher que nunca havia visto em minha vida, uma mulher madura de excelente aparência, roupas negras e um chapéu pontudo igual ao de uma bruxa dos livros de fantasia, ela tinha um dos olhos na cor vermelha intensa, essa estranha flutuava sem tocar os pés no chão, atrás dela havia uma espécie de “portal brilhante”.

Esse tal “portal”, na verdade era feito de energia mágica, sabia disso graças a minha visão sobrenatural, só que não tinha nexo ele existir ali, era como um buraco aberto no espaço vazio, embora desse para ver claramente o que estava depois dele, um ambiente alheio ao desse restaurante, meu chute é que de fato, esse estranho fenômeno era uma espécie de porta dimensional que liga um lado ao outro.

A mulher de negro botou seus olhos em mim, como se estivesse surpresa por meu aparecimento repentino, mostrando um sorriso desdenhoso, ela murmura:

— Oho! Então é você aquele que jogou água fria nos planos de Ranpa?

Ao mencionar o nome de Ranpa, rapidamente armei uma postura ofensiva, embora não tenha conseguido a manter pela fraqueza.

Tonto, fiz meu joelho tocar o chão, Nilo apareceu rápido e me emprestou seu ombro.

— Ferus! Você está ferido? — Exclamou Hellen assustada.

As garotas que perceberam minha presença, me olham cheias de aflição, Hellen mostrou um rosto abalado pelo meu estado.

A mulher conversa comigo:

— Hmm! Um jovem promissor, hein?…. estava secretamente assistindo você esses dias, por isso fiz uma investigação detalhada sobre você, e adivinhe só! Você é uma lacuna ambulante em Lemur, não existe nada sobre você em um espaço de um ano para trás, tenho confianças em minhas habilidades de obter informação, contudo se tratando de você, parece que nem mesmo nasceu nesse país.

— Quem é você? O que você quer? Por um acaso Ranpa lhe contratou? — Perguntei sem me importar com a conversa anterior.

Vendo minha indignação, Stela responde:

— Não Ferus!… Na verdade, essa mulher é uma aliada!

Stela percebendo que não estava convencido explica em detalhes:

— Ferus! Nunca se perguntou como consegui fugir de Ranpa e me esconder com Hellen por todo esse período?

Entendo bem que esse assunto é uma lacuna que precisa de explicação, de fato não existe explicação coerente que responda como Stela escapou de Ranpa, mesmo assim, não acho que seja hora para isso.

Sem perder meu tempo:

[Identificar]

STATUS

Nome: Glinda Zippel Raça: Humana “wiccana” (tipo raro) Gênero: Feminino
Idade: 102 anos Classe: Grande bruxa anciã do sul Nível: 324
Força: 425Max Resistência 1.090
Agilidade 1.884 Destreza 1.908
Sabedoria 7.600 Inteligência 11.900
Carisma 298 Poder Mágico 12.674
Pontos de Vida 10.009 Mana 50.342
Ataque 600 Defesa 3.800

Equipamentos:

Arma Bônus Propriedades Material
Varinha de salgueiro amaldiçoado Maldição de Thanatus Mágica Salgueiro milenar

Habilidades ativas: []

Diferença grande de níveis, necessária maior graduação na habilidade [Identificar]

Habilidades Passivas:

Diferença grande de níveis, necessária maior graduação na habilidade [Identificar]

Habilidades Especiais:

Diferença grande de níveis, necessária maior graduação na habilidade [Identificar]

Habilidades Únicas:

Diferença grande de níveis, necessária maior graduação na habilidade [Identificar]

Habilidades Mágicas:

Diferença grande de níveis, necessária maior graduação na habilidade [Identificar]

Benção Divina:

Diferença grande de níveis, necessária maior graduação na habilidade [Identificar]

Perícias:

Diferença grande de níveis, necessária maior graduação na habilidade [Identificar]

Técnicas: 『』

Diferença grande de níveis, necessária maior graduação na habilidade [Identificar]

Magias: { }

Diferença grande de níveis, necessária maior graduação na habilidade [Identificar]

Títulos:

Diferença grande de níveis, necessária maior graduação na habilidade [Identificar]

Equipe ou grupo:

Azfir (Demônio de sangue puro), Tabask (Demônio de sangue puro)

 

Merda! Que tipo de status é esse? Ela é uma bruxa e ainda é um tipo raro chamado de “Wiccana”, seu nível é de 324, honestamente nem sabia que os níveis chegavam tão longe, seus atributos numéricos são insanos, levando em conta que ela é um tipo de maga.

A habilidade [Identificar] é muito útil, uma vez que pude ao menos enxergar parcela de seus status, não é preciso ver tudo para saber que essa mulher é poderosa, não a chances de vitória da minha parte.

Essa mulher exala uma atmosfera imponente, quase como se fosse intangível ou inalcançável, meus instintos sabem bem que não posso ganhar, minha intuição é diferente da que tive contra Jù yuán e Darts, não é como se minha intuição pedisse para evitá-la, simplesmente é uma vitória impossível, não existe expectativas de que eu consiga ganhar.

A boa notícia é que se ela quisesse causar mau, ninguém estaria vivo para ter uma conversa, só me resta a opção de negociar, se é que existe algo que ela queira de mim.

Primeiro tenho que confirmar a estória de Stela, agirei depois disso:

— Senhorita Stela, pode me dizer o que está acontecendo?

Nilo, estava ainda mais confuso que eu, afinal ele entrou de gaiato nessa.

Stela responde:

— Ferus! A dois anos quando Hellen e eu fugimos de Ranpa, foi Glinda que nos deu fuga, sem ela não poderia chegar tão longe.

Isso foi surpreendente, nunca imaginei que esse fosse o motivo de Stela e Hellen terem escapado, mesmo assim precisava confirmar:

— Por favor! Me responda, porque ajudou as duas?

Pode ser uma pergunta indelicada, mas não sou ingênuo a ponto de acreditar no conto do bom samaritano.

A bruxa Glinda, abriu um sorriso e falou:

— Fufufufufu! Para não acreditar na bondade alheia, você deve ter tido uma vida difícil apesar da pouca idade!

Essa maldita, ela está me avaliando?

Ela colocou a mão em seu queixo e falou com um rosto cheio de surpresa:

— Oh! Meu…. que valores numéricos sem explicação são esses? Um número gritante de habilidades! Seu tipo raro é inédito, “divino” quão pretensiosa é sua existência? Ou melhor, que diabos é você, garoto lobo?

“Maldição! Ela conseguiu derrubar minha habilidade de [Ocultação de status]? Pensando bem, deveria ter ativado a habilidade de [Dissimular status], que erro tolo da minha parte, Hiekf sempre me alertou sobre o quão poderia ser perigoso ter minha identidade racial revelada, droga, agora é tarde.”

Uma gota de suor caiu de meu rosto, essa situação não é nada boa.

A bruxa, notou minha aflição e disse:

— Não se preocupe! Não vim fazer mal a nenhum de vocês, apenas vim alertar Stela, do próximo movimento de Ranpa, pois ela é uma fiel serva!

— Stela é sua serva? — Perguntei surpreso.

Stela deu um sorriso amargo quando a bruxa tocou nesse assunto, a bruxa então respondeu:

— Sim! Em troca da segurança de dar fuga a ela e Hellen a um tempo atrás, essa coelha concordou usar suas habilidades para minhas pesquisas como pagamento.

A bruxa finalmente deixou seus pés tocarem o chão, puxou em seguida uma cadeira para se sentar e continuou:

— Você já deve saber a essa altura, mas essa coelha cinzenta é especial, sua habilidade única [Alteração contratual] pode dissimular, reincidir e até mesmo anular contratos, mesmo os contratos mágicos, parece uma habilidade qualquer, mas para seres arcanos como eu, isso é uma maravilhosa ferramenta que permite até mesmo enganar poderosos seres elementais.

Não entendo muito sobre o que essa bruxa fala, no entanto ela louvou Stela demais.

Pensando bem, Hellen havia me dito que Stela mudou as regras de seu selo escravo, passando a posse de Ranpa para ela.

Stela cresceu em meu conceito, afinal está servindo essa mulher estranha pelo bem de Hellen.

A felina baixou a cabeça ao escutar as palavras de Glinda, provavelmente estava ciente dessa situação e ficou triste por ser a responsável de Stela servir a bruxa.

Entendi o motivo de Glinda ajudar Stela, se ela me respondesse “fiz isso pois é a coisa certa” com certeza não confiaria nela, meu irmão sempre me dizia que grandes atitudes com intenções humanitárias são apenas fachada, uma forma de conseguir alguma coisa com segundas intenções.

O importante é que essa bruxa falou de forma coerente e expôs suas intenções, provavelmente ela quer proteger Stela, pois ela tem utilidade para suas ambições.

A bruxa me encarava de forma curiosa, como se ela estivesse apenas observando que tipo de atitude iria tomar, mediante a esses fatos recobrei a calma, mesmo que estivesse com sequelas da luta contra Darts, não podia ser deixado de fora.

— Poderia me juntar a essa conversa?

Hellen mostrou certa relutância, mas Stela suspirou e confirmou positivamente com a cabeça.

Nilo, parecia querer correr dali, porém não permiti que o fizesse, ele vai ser pago, então que trabalhe até a morte.

Glinda fala:

— Não me importo que fique, afinal isso diz respeito a você também, já que matou o “lunático” ontem!

Stela, Millin, Jana e Hellen olharam para mim aflitas, como se a notícia fosse alarmante, parece que esse Darts era mais do que pensava, apesar de seus olhares me perfurarem, não liguei e continuei a prestar atenção em Glinda.

Mais uma vez, a bruxa sorriu:

— Fufufufufufufufu! Vocês deviam ser gratas ao lobo negro, o plano de Ranpa era mandar Darts recuperar Hellen depois de dar cabo de Ferus, se ele conseguisse passar por Ferus…. bom! Todas aqui sabem da fama daquele elfo repugnante.

A bruxa cruzou seus braços e pernas e perguntou perplexa para mim:

— Sabe! Você lembra o rei de Deva quando jovem, ele detém o poder de evoluir durante um combate, percebi que você é semelhante nesse aspecto, triunfar diante de um oponente superior não é para qualquer um.

— Fico lisonjeado de ser comparado a seu rei, no entanto não tenho interesse nisso, em vez disso poderia me dizer, o porque o príncipe de Deva é um doente?

Stela e Hellen quase tiveram um estalo devido a minha pergunta rude, Nilo me olhou boquiaberto, se ele pudesse, tenho certeza que me daria um soco.

— Psssssf! Ahahahahahahahaha! Até a forma direta de falar se parece com a de meu rei! Ahahahahahahahahaha! Tenho certeza que vocês dois se dariam bem…

Glinda viu meu rosto sério, após fingir uma tosse explicou:

— De fato! Azfir é um doente, contudo dentre os seis príncipes de Deva, ele é o único assim, Azfir é filho de sua terceira esposa, uma mulher respeitável, infelizmente sua tribo tem hábitos nada nobres por assim dizer!

— Tribo? — perguntei curioso.

Glinda falou com paciência:

— Hmm! Sim…. isso mesmo! Em Lemur dividimos as famílias por “Clãs” no reino humano por “sobrenome” no reino élfico por “linhagem” em deva especialmente, temos muito haver com os bestiais, já que existem subespécies da raça demônio, embora não sejam tão numerosos em variedade quanto os bestiais. Deva possui ao menos doze tribos, cada uma representa uma “Familia” ou espécie diferente de demônios, o rei Garifh, é o líder da tribo dos demônios carmesins.

Nunca me preocupei em saber sobre as raças de outros países, talvez seja bom obter alguma informação.

— Então! Basicamente esse tal Azfir é um “demônio carmesim”?

Glinda negou:

— Não! Como eu disse anteriormente, Garifh possui três esposas, cada uma delas é representante de uma das grandes tribos demoníacas, suas esposas pertencem respectivamente as tribos: Oni, Mazuco e por último a tribo dos demônios brancos, Azfir herdou o sangue de sua mãe, então ele basicamente é um demônio branco.

Glinda, mudou sua postura e continuou:

— Os demônios brancos, são a mais detestável tribo demoníaca que existe, todos têm certos “robes” nojentos, embora a mãe de Azfir seja a mais respeitável das esposas, seu filho não herdou sua conduta proeminente, o rei Garifh não teve muita parte em sua criação, já que Azfir é uma ferramenta de sua tribo para garantir parte do poder de Deva.

Essas asneiras políticas fazem minha cabeça doer, mas devo tirar alguma informação dessa monarquia de demônios, pode ser que seja útil no futuro.

— Azfir possui irmãos?

— Sim! Um total de cinco irmãos, todos eles são pessoas decentes se é o que quer saber, apenas Azfir é um tumor na família real de Deva.

— Porque o rei não faz nada a respeito da atitude lixo do seu filho? É normal permitir que alguém da família real tenha robes tão nojentos?

A bruxa falou com pesar:

— O rei não pode fazer nada! Como disse, Azfir é uma ferramenta política que produz resultados positivos, embora seus meios sejam hediondos, ainda produzem resultados, é difícil reclamar de alguém que está “fazendo bem” ao país.

Parece que ninguém ali queria falar nada, por isso perguntei o principal:

— Stela disse que é uma aliada, o que veio dizer?

A bruxa explica:

— Azfir está em Lemur, ele quer Hellen de qualquer forma e dessa vez não vai desistir!

A felina baixou sua cabeça triste, ao notar isso fiquei um pouco nervoso, não gosto de vê-la assim.

Glinda murmura:

— Não posso permitir que uma garota tão linda morra por causa de um robe doentio desse moleque petulante.

Foquei minha pergunta dessa vez para Stela:

— Stela! Você não reescreveu o selo escravo da Hellen? Porque Ranpa acha que pode ter a Hellen de volta, não seria o suficiente alegar que você é a dona dela?

Stela suspira e responde:

— Acontece que Ranpa sabe sobre minha habilidade, se recorrermos a isso ele pode facilmente alegar roubo de propriedade revelando que eu a roubei dele usando minha habilidade, com seus recursos podemos dizer facilmente quem venceria a disputa.

Esse lixo do Ranpa, de fato com o poder aquisitivo que ele tem em mãos, facilmente subornaria as autoridades em seu nome, que complicado lidar com esse tipinho rico.

— E se retirarmos o selo escravo!

Hellen exclama:

— Eeeeeeh? Ferus…. isso ficaria muito caro! Também não é fácil achar um mago com coragem o suficiente para enfrentar uma punição severa por infligir a justiça.

Olhei para Glinda e perguntei:

— Você faria isso?

A bruxa arregalou os olhos surpresa, mas exibiu um sorriso junto a um olhar semicerrado para mim.

— Oho! Você é corajoso por me perguntar isso!

— Não é questão de coragem, falo de negócios, não estou pedindo nada de graça!

A bruxa colocou o dedo indicador em seu lábio e falou:

— Para que fizesse algo desse nível, pediria ao menos 600 mil moedas de ouro, não é que não tenha riquezas o suficiente, mas não faço nada de graça!

Sorri para ela, afinal ela disse algo realista, e também não se aproveitou da situação, apenas cobrou o que achou justo pelo serviço.

— Ótimo! Eu pago!

Stela, Millin e Jana, mostraram faces patetas pela minha ação, francamente, não precisavam agir assim.

— Espere Ferus! Eu não posso te pagar de volta nem mesmo se trabalhar a vida toda! — Hellen apontou desesperada.

Ignorei sua reclamação e pedi a Glinda que retirasse o selo, no final isso custou quase todo meu dinheiro, levando em consideração que parte dele pertence a Hiekf, parece que obtive minha primeira dívida nesse mundo.

Glinda, facilmente retirou o selo gravado nas costas de Hellen, com isso ela deixou formalmente de ser uma escrava, Ranpa não pode mais clamar posse sobre ela.

Hellen parecia nervosa por alguma coisa, irei conversar com ela depois sobre isso.

Glinda parecia ter pressa em ir, depois de realizar a magia de que retirou a marca de Hellen, não fiquei pessoalmente para assistir ela retirando do selo, pois era um ato onde precisava-se expor as costas de Hellen, por isso evitei tal estímulo.

Antes de ir por seu portal mágico, Glinda me avisou:

— Ei lobinho! Não lute contra Azfir, ele é um idiota que merece o pior castigo desse mundo, mas ele ainda é um demônio de sangue real, ou seja, ele é poderoso, muito mais poderoso que Darts, poderíamos compará-lo a um aventureiro do ranking adamantium, no pior cenário deve evitar também lutar com Tabask, ele é o cavaleiro pessoal do príncipe, embora seja velho, ainda é um poderoso espadachim, dizem que ele empatou com Cyous Leanon, o aventureiro nomeado com “esgrima absoluta”

— Empatou com Cyous? Esse cara é um monstro!

— Que bom que entendeu! Porém…. Azfir é mais forte que Tabask, se for para enfrentá-lo, pegue a Hellen e fuja o mais rápido que puder!

— Obrigado! Você ajudou muito.

Com um sorriso, a bruxa foi embora por seu portal mágico sem olhar para trás.

Stela se aproximou de mim e agradeceu:

— Ferus, mesmo que me leve a vida toda, eu vou repará-lo por isso!

— Ahahaha! Não se preocupe! Não é como se dinheiro fosse problema afinal, posso recuperar essa quantia caçando javalis deviantes, não fiz isso para ter seu favor ou o favor de Hellen, apenas considero esse lugar meu estimado lar, não gosto quando alguém perturba minha paz, apenas isso.

Stela sorriu como nunca havia sorrido antes e inesperadamente me abraçou, arregalei meus olhos surpreso com aquilo, Millin e Jana também ficaram surpresas.

— Obrigado Ferus, Hellen é a filha que não pude ter, por isso a amo muito, então se você faz algo de bom para ela, também faz para mim, obrigado, muito obrigado!

Stela tentava esconder as lágrimas de seus olhos, mas falhou nisso. Vê-la emocionada assim me fez sentir os benefícios de uma atitude altruísta, talvez não seja ruim fazer coisas assim afinal.
Hellen, adotou uma atitude diferente, não é como se ela estivesse negando minha ajuda, mas sua conduta pareceu relutante, tenho mesmo que conversar com ela.

Millin se aproximou de mim preocupada:

— Ferus! Como você está? Você parece tonto, não acha melhor se deitar?

Jana faz um comentário fora de hora:

— Você derrotou o lunático? Garoto você é uma aberração como os rumores dizem!

Stela deu um golpe na cabeça de Jana que ficou no chão segurando a cabeça dolorida.

Millin exprime com desgosto:

— Como sempre, não tem noção da língua solta! Affs! Como é complicado trabalhar com essa mulher.

Jana olhou para Millin com raiva, mas ela não ligou e ignorou por completo a existência de Jana. Millin se aproximou de mim e falou gentilmente ao se inclinar:

— Obrigada Ferus, você passou por uma situação difícil para proteger esse lugar, francamente também considero esse restaurante como uma extensão da minha casa, claro que não posso deixar de agradecer o que tem feito por Hellen e Stela.

Millin é realmente diferente, uma garota gentil e madura, apesar da aparência de criança.

Apenas sorri para seu agradecimento, não havia o que dizer para ela, pois estava muito envergonhado para formular uma frase.

Nilo, que até o momento permaneceu calado, falou:

— Urgh! Tenha a impressão de que você é um tipo de imã para problemas lobo negro!

— Ahahahahahaha! Não vou negar isso, porém uma vez que você aceitou o serviço, espero que trabalhe duro!

— Guh! Você é realmente um lobo demoníaco como dizem os rumores!

— Lo…. lobo demoníaco? Existem rumores assim a meu respeito?

— Tsk! Há também um tabu que Hiekf espalhou, um que diz para nunca o chamar de cachorro, pois você perde a calma fácil com isso e que o caos se instala.

— AQUELE GNOLL DE MERDA! ELE ME PAGA!

Millin riu horrores disso, Stela, embora tentou segurar o riso acabou cedendo e riu junto, francamente, até um gnoll velhote vem aprontando comigo ultimamente.

Hellen estava longe observando, sua face não parece satisfeita comigo pela forma que me encara.

Stela deu um suspiro e falou:

— Bom! Garotas não esquecem fácil, mesmo que tenha feito algo louvável agora, ela ainda está brava com o covarde que fugiu pela janela sem falar uma palavra.

A espada em forma de palavras que saiu da boca de Stela, perfurou meu ego fragilizado. Pensando bem, fugi depois daquela noite, agora que parei para analisar, é mais que justo que ela tenha raiva de mim.

Stela me olhou com severidade e perguntou:

— Vai fugir?

Essa pergunta sarcástica machucou mais que um golpe, todavia ela é justa, dado em conta a forma infantil que venho agindo.

— Não…. vou me desculpar com ela sobre minha atitude patética e falar o que tem de ser dito!

Stela cruzou seus braços ainda com seu olhar severo sobre mim, posso entender sua atitude, afinal fui covarde com a “filha” dela, talvez ao seu ver, minha atitude possa ter sido pior que eu imagino.

— Estou falando sério senhorita Stela, dois dias atrás, não tinha a coragem que tenho hoje, vou fazer isso direito.

— Hunf! Hellen ficou esses dias bem avoada por sua causa, espero que não a deixe triste, não vou jogar fora tudo que fez por ela, mas também não vou perdoá-lo se ela sofrer por você uma única vez.

Fechei meus olhos e sorri com ironia:

— Hehe! Como uma verdadeira mãe, né?

Stela não negou isso, contudo adivinhei que ela já está ciente que tenho sentimentos pela Hellen, é uma merda ser fácil de ler.

Millin por sua vez não me deixou ir sem um tapa de luva:

— Hunf! Hellen me falou sobre isso, você é o pior Ferus!

— Guh! Já…. já disse que vou consertar as coisas!

— Então faça isso rápido! Não quero continuar trabalhando nessas condições, já estamos esgotadas devido a demanda alta, ter uma funcionária avoada não é a melhor coisa sabia!

Respirei fundo e respondi para Millin:

— Vou consertar as coisas, aprendi o quanto ela é preciosa para mim!

Millin suavizou o olhar e sorriu, sua face risonha é a única que ela deveria mostrar. A gentil Millin que sempre recebe todos com um sorriso primaveril, não importando quem seja.

Jana ia dizer algo, porém Stela selou sua boca com a mão.

— Suas palavras são desnecessárias! — acusou Stela com um olhar frio para Jana.

Fui na direção de Hellen, quando ela me percebeu aproximando dela, rapidamente passou pela porta indo para fora.

— Nossa! Ela está zangada mesmo!

Isso não é motivo para desistir, por isso corri atrás dela para fora do restaurante, meu corpo não está no seu melhor, ao menos está melhorando se compararmos com horas atrás, e essa felina anda rápido quando quer.

— Ei Hellen!

— Hunf!

Que teimosia, mas isso é algo que eu gosto nela também.

Corri para frente dela evitando que ela fosse mais longe, ela me encarou um pouco irritada, mas não me intimidei e continuei sorrindo para ela.

Hellen sentiu-se ainda mais irritada, por isso ela falou, mesmo sem vontade:

— Hunf! Estou agradecida pelo que fez por mim agora a pouco, mas não posso deixar de ficar zangada pelo que fez antes. Se não queria me dizer nada, não precisava fugir daquela forma, me senti a pior mulher do mundo, sabia disso?

Pior do que receber uma resposta negativa é ficar sem nenhuma resposta, aprendi isso hoje da pior maneira. Me colocando no lugar da Hellen, não consigo me imaginar sem estar irritado, por isso admito que a culpa é totalmente minha.

Embora tenha gastado essa fortuna para o bem dela, esse ato não foi diferente de um homem que comprou um presente caríssimo para reatar com sua namorada depois de uma briga séria, geralmente as garotas ficam ainda mais irritadas com essa atitude, talvez o contexto seja bem diferente do meu exemplo, porém sinto que agi assim.

Mike me falou que devemos ser sinceros com as mulheres, honestamente vou confiar nas palavras dele, afinal, ele tem duas esposas, têm duas vezes mais problemas do que qualquer homem, só que sabe lidar com isso.

Hellen me encarou ainda com raiva, embora esteja zangada, ela é linda. Não estou temendo estar na frente dela, não estou envergonhado como um otário sem atitude que geralmente sou com ela. As ameaças de Darts me fizeram entender o quanto seria horrível perde-la, embora não avancei um passo sequer nesse relacionamento inexistente, não significa que vou ficar para sempre assim.

Respirei fundo e mais uma vez para tomar coragem e olhei para ela, aqueles olhos azuis cativantes, são lindos não importa o humor que essa felina tenha. Estou apaixonado por ela, ainda que ganhe uma resposta negativa, não vou desistir dela, vou conquista-la de um jeito ou de outro, era o que pensava, mas alguns pensamentos sombrios me deixaram hesitante.

Hellen me repreende por minha demora:

— Estou esperando!

Falei para mim mesmo em meus pensamentos:

“Dê o seu melhor”

Coçando minha cabeça comecei a falar:

— Naquela noite fiquei muito confuso, não estou dando desculpas por ter fugido, essa atitude foi completamente culpa minha. Apenas não sabia o que fazer, nunca em toda a minha vida esperei que uma garota tão bela me beijasse no rosto, muitas coisas se passaram na minha cabeça, até cheguei a pensar que estava brincando comigo…

Hellen tremeu sua face depois da última frase que proferi, não a deixei interromper e continuei:

— Tenho zero de experiências em relacionamento, certamente você já percebeu que eu não sou um homem respeitável, tenho muitas falhas, não sou educado, na verdade sou muito rude e egoísta, tenho dificuldades em me relacionar com as pessoas, parece que cada movimento meu, faz a teoria do caos se completar e joga uma catástrofe nas minhas costas.

Fiquei sério e falei algumas coisas que saíram sem que eu percebesse:

— Minha família foi morta na minha frente, estava vivendo em uma floresta com animais antes de conhecer Hiekf, não sou um bestial comum…. talvez o termo aberração se encaixe perfeitamente em mim.

Hellen suavizou sua face pela primeira vez hoje.

— Hellen, tem muito sobre mim que se souber, nunca mais iria se envolver comigo, mesmo assim…. eu me apaixonei por você.

A felina continuou me encarando sem desviar o olhar, reparei um brilho em seus olhos azuis.

— Na primeira vez que te vi, meu coração acelerou, embora você não tenha simpatizado nem um pouco com a minha cara naquele dia, ahahahaha!

As orelhas de Hellen se contraíram depois lembrá-la desse episódio, olhando para baixo triste, ela me fez entender que talvez se arrependesse disso.

Fechei meus olhos e falei com toda a sinceridade, não vou contar nenhuma mentira para ela:

— Ficar comigo pode te trazer muitos problemas, queria omitir isso de você para que um pequeno raio de esperança talvez me ajudasse a conquistá-la, contudo decidi que você é muito importante para enganá-la com mentiras, então a melhor resposta de sua parte para mim seria um “não”.

Com um sorriso forçado, me aproximei e disse mais:

— Desculpe-me sobre ter fugido, sobre aquele beijo que deu em meu rosto, só posso dizer que fiquei muito feliz como pessoa, e também como o homem que te ama, vou guardá-lo para sempre comigo, como o maior presente que eu poderia ganhar….

Peguei gentilmente Hellen pelos ombros e aproximando sua cabeça de meus lábios e dei um beijo em sua testa, ela se surpreendeu com minha atitude abrindo muito seus olhos azuis.

— Eu te amo Hellen, amo como nunca amarei ninguém em minha vida….. Mas você está melhor sem mim!

Gentilmente soltei seus ombros virando minhas costas, porque não queria que ela notasse a cara patética que estou fazendo, no final isso foi tudo que pude dizer, minha intenção era outra no começo, mas ao confrontá-la percebi que não posso tê-la. Queria muito ficar com ela, desejava muito estar com ela, mas quando penso um pouco nas consequências só enxergo catástrofes para vida dessa felina, ficar comigo não é o melhor para Hellen.

Queria correr agora, contudo, ao menos no fim posso caminhar sem fugir como fiz anteriormente, qualquer pessoa sana correria dos problemas que posso trazer comigo, claro que essa bela garota não seria diferente…. era o que eu pensava, mas estava redondamente enganado.

Hellen me agarrou pelas costas sem me deixar ir, com um abraço apertado selou meus movimentos, podia sair disso se quisesse, todavia não conseguiria essa façanha sem machucá-la.

— He…. Hellen?

Escutei soluços vindos dela, ela estava chorando? Eu a fiz chorar?

— Sniff!… Você é o pior Ferus….

Droga! Ela está mesmo chorando!

— ….Dizer que me ama e depois me rejeitar? Você é o pior homem da face da terra!

Ela não me largou, sentia a força de seus braços finos prender meu tronco. Peguei em sua mão que me prendia suavemente e respondi com ironia:

— Foi isso que eu te disse, eu sou o pior Hellen, por isso está melhor sem mim!

— Não vou aceitar isso!

— Hã?

— Sniff!… você escutou, não vou aceitar isso!

Fiquei pasmado com essa fala de Hellen, por isso eu retruquei com raiva:

— Estou fazendo isso para seu bem! Não estou morrendo de felicidade por isso sabia? Para falar a verdade quero gritar!

Hellen apertou mais forte seus braços e começou a falar:

— Também nunca tive nenhum relacionamento na vida, não sou a melhor mulher do mundo, sou péssima na cozinha, sou lenta para aprender, a única coisa boa sobre mim é a aparência….

— Hellen! Eu….

— Quieto! É a minha vez de falar!

Suspirei fundo e cedi a vontade de Hellen:

— Minha vila foi atacada pelos clãs de lobos, não apenas os lobos azuis, mas os lobos cinzentos e brancos também, por isso não gosto dos clãs de lobos. Cada membro da minha aldeia foi morto ou vendido como mercadoria, tinha dez anos quando aconteceu, meus pais morreram na minha frente.

Droga! Temos mais em comum do que imaginava, sua história era mais do que pensava, não me admira que ela tenha um trauma para os clãs de lobos, para falar a verdade, seria estranho se ela não tivesse.

Hellen soltou minha cintura e colocou seu rosto em minhas costas, sentia suas mãos apertando minha camisa forte, sentia também suas lágrimas molharem minha roupa.

— Sniff!… me desculpe! Eu te tratei mal aquela vez, fui injusta com você, entendo que você ainda tenha raiva de mim…

— Isso não é verdade! Confesso que fiquei irritado, mas quando descobri seus motivos entendi perfeitamente isso, então não estou com raiva de você, ou melhor, não consigo ficar com raiva de você.

— Ferus! Eu te amo, também me apaixonei por você, não sei quando aconteceu, mas…. não quero pensar em uma vida onde não posso vê-lo mais, por esse motivo… — Hellen apertou ainda mais forte minha camisa, ela me segurava como se estivesse com medo que eu fugisse dela — …Não vou aceitar sua rejeição, não estou melhor sem você coisa nenhuma, nunca, jamais vou deixá-lo ir sem me aceitar.

Meu coração bateu forte com aquelas palavras, nunca, nem em um milhão de anos, achei que alguém ia me aceitar sendo como sou, me segurei muito para não chorar, não queria mostrar minha fragilidade na frente da mulher que quero proteger.

Me virei e encarei Hellen nos olhos, a vi fragilizada e cheia de lágrimas, foi um pecado faze-la chorar assim, mas simplesmente não passou pela minha cabeça que ela reagiria dessa forma teimosa, ou melhor, nunca cogitei essa possibilidade.

Aquele rosto lindo encharcado com lágrimas, sorriu para mim, como um tolo eu sorri de volta.

Instintivamente a abracei forte e ela aconchegou seu rosto em meu peito, provavelmente escutou as batidas aceleradas do meu coração, mas não fazia mal, pois escutava as batidas do coração dela também.

Um sonho meu se realizou? Minha confissão foi aceita? Mesmo diante de tudo isso, não era seguro o suficiente para acreditar nos fatos.

Corajosamente ergui minha mão e acariciei a face de Hellen, ao notar meu gesto ela descansou sua face sobre minha mão aceitando meu carinho.

Não há como negar, estou realmente apaixonado por essa felina, não, estou enlouquecido por ela, meu coração palpitou tanto que parecia explodir a qualquer momento.

Dessa vez o olhar dela foi gentil, tão gentil que enxergava um brilho naqueles lindos olhos azuis, ela realmente é a mais linda.

Sua boca se moveu dizendo:

— Não importo de onde você veio, ou como chegou aqui, a única coisa que me importa é que você chegou até mim. Ferus, eu o amo, então nunca mais me diga que estou melhor sem você!

Apertei minha face amargo, não podia fazer nenhuma promessa vazia para ela.

— Hellen! Eu sou um imã de problemas, provavelmente você vai ter momentos difíceis, só posso te prometer uma coisa…. eu morrerei por você, é o máximo que posso fazer!

— Ahahahahahahahahahaha!

— Guh! Sinto muito que não seja grande coisa!

Hellen balançou sua cabeça negando minhas palavras.

— Não! Pelo contrário, isso é muito! muito mais que qualquer mulher poderia querer. Dizer que a única coisa que pode me dar é a vida, isso é o máximo que qualquer homem pode dar a sua amada, porém vou pedir uma coisa egoísta para você!

— E o que seria?

— Se quer me dar sua vida, então viva por mim em vez de morrer…. Se me prometer isso, então não vou precisar de mais nada para ser feliz ao seu lado!

Senti o chão estalar sob meus pés, meus sentimentos ficaram ainda mais fortes em relação a Hellen, mais uma vez ela me surpreendeu, “Viva por mim” acho que foi a primeira vez em muito tempo que sentia a alegria por estar vivo.

Sem resistir mais nenhum minuto, roubei os lábios de Hellen, ela ficou surpresa, mas não lutou contra isso, meu primeiro beijo, nosso primeiro beijo, foi longo e terno, doce e suave, sentia que o tempo só voltou a andar quando nossos lábios se separaram.

Naquela noite, nos beijamos inúmeras vezes, tantas que não podia contar, a cada beijo sentia mais e mais que não podia viver sem ela, a respiração ofegante dela quando a roubava outro beijo, fazia minha sanidade voar longe, seus lábios quente e molhados foram a melhor coisa que já experimentei na vida, aconchegada em meus braços, ela sorria como o sol em seu alvorecer, a mais linda de todas, essa felina fatal que me roubou o coração.


Autor: Marcus | Revisor: Heaven



Fontes
Cores