FNR – Capítulo 56 – Jornada de Hiekf (1)



Há um dia anterior a batalha de Ferus contra Darts:

— Ei Hiekf! Não deveria falar com Ferus antes de ir? — perguntou Stela.

Hiekf dá um longo suspiro, ele sabe que no fundo sua amiga tem razão.

— Falei com ele lá fora, embora não tenha entrado em detalhes, a propósito? Ele aprontou alguma coisa? — perguntou Hiekf, com uma voz cansada.

— Hmm! Não! Pelo contrário, ele me ajudou bastante ontem a noite no restaurante, o movimento cresceu bem rápido, a assistência que ele ofereceu ajudou bastante, aos poucos ele vem entrando na linha, mas…. porque a pergunta?

Hiekf, respondeu pensativo com a mão em seu queixo:

— Nah! É que o vi mais cedo fugindo pela janela, achei bem estranho, mesmo para ele!

Stela se lembrou de hoje cedo, quando viu Hellen se escondendo pelos cantos enquanto fazia mal o seu trabalho, a coelha é astuta, então formulou uma possibilidade, já que Ferus levou Hellen para casa ontem:

— Hmm! Entendo!…. bom deixe isso de lado é só coisa da adolescência!

— Espero que esteja certa velha amiga!

Stela abaixou seu semblante e falou com preocupação:

— Porque? Porque tem que ir para Bérius?…. Ferus te vê como um pai sabia? Se algo lhe acontecer, o que será desse garoto? Eu não sou uma mulher tão boa a ponto de criar bem uma criança! Essa tarefa é sua!

— Ahahahahaha! Você diz isso, mas desistiu de tudo por sua “filha”, não é?

Stela arregala os olhos e depois olha para o lado tentando esconder seu constrangimento. O astuto gnoll completa:

— Hellen foi bem-criada! Por isso confio em você, todavia isso não é uma despedida, voltarei logo, logo…. você vai ver!

— Não desvie do assunto Hiekf, explique o porquê dessa sua decisão repentina!

O gnoll deu um sorriso amargo, mas desiste e explica:

— Ferus, está sendo usado pelo reino! Como a disputa entre realeza e nobreza está em seu pico, membros da realeza querem usar o menino para eliminar a predatory, visto que ele conseguiu a façanha de vencer Jù yuán.

Stela, tem um rosto complicado depois de escutar Hiekf.

— Stela, acho que é hora de se preocupar com a sua “filha” também, não é?

— Eu…. Eu estou sempre preocupada, você sabe que eu traí Rampa para fugir com ela, então estou preparada para o pior, mas ao menos quero que ela seja feliz, mesmo que não esteja mais aqui.

Hiekf simpatiza com o desejo de Stela, ela pretende jogar sua vida fora por Hellen, ele entende bem esse sentimento.

— Se você é capaz de jogar sua vida fora por Hellen, então peço que entenda minha posição.

— ……

— Minha amiga! Eu devo fazer isso, contudo não vou estar sozinho, há aventureiros da liga adamantium me acompanhado, eu…. Eu preciso fazer isso pelo garoto, não quero perder outra família.

Stela tem uma expressão complicada, ela conheceu Hiekf a décadas atrás, na verdade Stela não era amiga de Hiekf e sim de sua finada esposa.

Com nostalgia em sua voz ela relembra:

— Você era completamente sem jeito, um desastrado e patético homem, Aaaaah! Não sei o que Garuza viu em você?

— Ahahahahaha! É verdade, embora eu continue patético, não sei o que ela viu em mim também, então não possa responder por ela, eu fui um homem Feliz, a criança que ela me deu…. quando lembro de seu nascimento, ainda sinto o gosto da felicidade, mesmo que os dois não estejam mais nesse mundo.

A melancolia estava crescendo em ambos, Stela não queria chorar pelo passado agora.

Stela, olha seriamente para Hiekf e pergunta:

— Hiekf, a biblioteca de marfim está segura?

— Eu destruí a “chave”!

Stela ficou surpresa com essa revelação, mas isso não a fez menos preocupada.

— Se você a destruiu realmente, só significa que o conteúdo físico deixou de existir, mas eu sei bem Hiekf, sei que você tem a capacidade de memorizar qualquer conteúdo, por esse motivo você se tornou o novo escriba tomando o lugar de sua esposa falecida.

— É verdade! A biblioteca ainda está aqui — disse Hiekf enquanto tocava sua cabeça com o dedo indicador.

Hiekf se levantou e se dirigiu até a porta de saída da casa de Stela, com um sorriso destemido ele falou:

— Eu vou voltar, então não preocupe meu filho com coisas tolas, OK!

Hiekf saiu dali sem olhar para trás.

Stela murmurou solitária:

— Ele era mesmo um bom marido e pai, por isso você sempre se gabava dele, não é? Garuza…

……

Mais uma vez estou na guilda de aventureiros, para um gnoll da minha idade as missões que venho fazendo não são tão maçantes, talvez isso se deva as habilidades únicas que ganhei recentemente.

Meu Status disparou de forma abrupta, cheguei ao nível 70 bem rápido, ainda que meu nível seja maior que o de Ferus, os valores das minhas características nem arranham as dele.

— Uhuhuhu! Ferus é uma verdadeira trapaça!

Droga! Terei outra reunião maçante hoje, em pensar que Ferus ficou tão famosos sem nem sequer sair da primeira cidade.

Cumprimentei educadamente a recepcionista que me levou com gentileza ao escritório de Jedhar.

Jedhar é um bestial do clã pantera, ele parece beirar os oitenta anos de idade, mesmo assim seu físico não aparenta ser tão desgastado, talvez deva aprender com ele.

Abro devagar a porta de seu escritório situado no segundo andar da guilda, a recepcionista se despediu de forma cordial.

Ao adentrar o escritório, Jedhar me espera sentado em sua poltrona.

— Sente-se meu amigo.

Sem motivos para recusar sentei de forma que ficássemos cara a cara, gosto das coisas diretas, então sempre adotei essa postura quando o assunto é delicado.

— Não precisa ser tão reservado Hiekf! Nós até já bebemos juntos, então fique à vontade, essa postura rígida só fará mal a suas costas, eu sei disso muito bem.

Jedhar, como sempre tenta ser atencioso comigo, no entanto não quero perder a seriedade quando estamos tratando de negócios, amigos são amigos, mas negócios são a parte.

Jedhar, suspirou quando viu que minha postura não mudaria, ele se debruça sobre sua poltrona confortável descansando as costas.

— Aaaah! Como sempre, direto ao ponto! — reclamou Jedhar.

— Me desculpe por isso velho amigo, mas as coisas tornaram-se delicadas para Ferus, muitos criaram interesse nele, com um grupo igual a predatory como seu inimigo jurado, simplesmente é impossível relaxar.

— Eu entendo! Um bestial mestiço que veio do nada, matou Laruk, declarou guerra à predatory em público e ainda venceu Jù yuán, se não fosse por ele salvar a cidade de Harp da aberração de espinhos o rei poderia tomar alguma atitude, contudo o rei Darbas sente-se agradecido pela eliminação do monstro, não sei se seu garoto é sortudo ou azarado.

Hiekf, fez um rosto infeliz as palavras adequadas de Jedhar.

— Eu vim até aqui para saber das informações que Aurus me prometeu, tem alguma novidade?

— Sim eu tenho — respondeu Jedhar enquanto coçava a cabeça — Téo Linz, o secretário do rei está se movendo, como viu a dias atrás ele recrutou Ferus em segredo para trabalhar de acordo com a realeza.

— Tsk! Aquele lince é astuto, ele deixou que Ferus chegasse a uma situação onde não poderia negar auxiliá-lo — comento insatisfeito.

— Eu nunca gostei dele, mas seu amor por sua terra é real, não duvide que ele sacrificaria a própria vida para o bem de Lemur — respondeu Jedhar.

— Eu não duvido disso! Todavia envolver os outros em “guerras de idealismo” é uma coisa bem egoísta, não é?

— Concordo! Minha filha trabalha a serviço do reino graças a articulações meticulosas dele.

Jedhar, olha nos olhos de Hiekf e pergunta com um tom sério:

— Você tem certeza disso? Quer mesmo se encontrar com esse lince?

— Eu quero vê-lo com meus olhos, preciso tirar minhas conclusões quando encará-lo, por isso vou até ele.

— Aaaaaaaaah! — suspirou Jedhar farto — Escute, minha filha deve voltar para a capital Bérius, ela vai escoltar os aventureiros da liga adamantium até o rei, vou pedir que eles protejam você como um favor pessoal.

Hiekf fica boquiaberto com as palavras de Jedhar, ele se levanta negando o favor:

— De jeito nenhum! Não posso dar-lhe tanto trabalho!

— Sente-se meu amigo! Isso não vai ser nenhum trabalho, tenho medo que sua criança fique sem seu amparo, ele é apenas um garoto sem rumo, então não pense como um aventureiro, não pense como um amigo, pense como um pai que deve voltar em segurança para seu filho.

Diante das palavras sábias de Jedhar, Hiekf se sentou, ele não podia contrariá-lo mediante as suas palavras pesadas.

— Obrigado Jedhar! Nunca poderei ser grato o suficiente.

— Se quer mesmo me agradecer, volte a salvo e vamos beber mais uma vez!

— Ahahahahaha! Obrigado! Muito obrigado mesmo!

Eu não tenho como agradecer o bastante, esse amigo que assim como eu tem um filho problemático.

Jedhar, fala com uma face mortificada:

— Meu amigo, tenho más notícias infelizmente, você deve saber que parte do clã pantera aderiu o regime da Predatory, o líder atual do clã pantera…

— Sim eu sei! Seu nome é Aufis panther se não me falha a memória.

— Isso mesmo! Aufis é um parente distante, porém sei bem do que é capaz, seu poder de persuasão e sua facilidade em coletar e distribuir informações o deu posição de destaque na Predatory.
— Eu entendo!

— Não, você não entende! Aufis está se movendo, seus alvos são sempre o oposto daquilo que achamos, tenho um palpite que ele te quer, embora você guarde um segredo que não faço ideia, posso afirmar que Aufis sabe.

Como sempre Jedhar se mostrou um homem afiado, sua intuição junto com suas décadas de experiência faz dele uma pessoa incrível e relevante, mesmo nos altos da realeza o nome “Jedhar” é mencionado com nostalgia.

— Ainda que seja alvo, já fiz minha decisão — Respondeu Hiekf, dando um ponto final nesse assunto — Agora me diga Jedhar! Quais são as informações de Aurus? Anseio por uma resposta boa.
Jedhar percebeu que é inútil insistir no assunto anterior e aceitou a súbita mudança da conversa.

— Aaaaaaah — Suspirou cansado a velha pantera — Hiekf, felizmente a audiência com Téo Linz foi aceita, no entanto devo lhe dizer que essa pessoa não é flexível, posso afirmar que ele arrogantemente se acha o detentor da razão, então…. Critica-lo com paradigmas éticos não funcionará.

— Vou ter isso em mente, todavia meu objetivo não é convencê-lo de nada, apenas quero olhar nos olhos de uma pessoa que tem a coragem de depositar a situação de um país nas costas de uma criança e ainda usá-la como seu bode expiatório.

— Ahahahahahahaha! Se quiser saber disso eu mesmo conto! Esse maldito é um desgraçado que acha que a mudança vem com sacrifícios, no caso ele escolheu Ferus como o próximo peão.
Hiekf deu um sorriso vago e respondeu:

— Veremos isso!

— Argh! Teimoso como uma porta! Tudo bem! A viagem será amanhã as 9hrs, esteja preparado.

Hiekf se levanta e com um arco gracioso se despede:

— Até logo! Se o destino permitir, beberemos novamente juntos.

— Ahahahaha! Nesse caso, rezarei para que esse “destino” o traga em segurança.

— Mais uma vez obrigado — Disse Hiekf enquanto passava pela porta saindo do escritório.

Eu sei bem que a jornada para Bérius será um perigo pleno, mas não é hora de fraquejar, Ferus está fazendo o seu melhor, devo dar um exemplo digno a ser seguido, mesmo que custe minha vida.

……

Finalmente o outro dia chegou, Ferus saiu cedo, pelo que escutei de Stela ele resolveu fazer missões, tomara que ele faça amigos, francamente já estou me preocupando com seu desenvolvimento social.

Me dirijo até o ponto de embarque na estrada para Bérius, lá vejo rostos familiares.

Um homem vestido como um completo bruxo, trajes negros e um chapéu pontudo, seu nome é Sendor Yami.

— Ahahahahaha! Jedhar nos contou ontem sobre seu acréscimo a nosso time, fico feliz em tê-lo conosco Hiekf! Terei alguém culto para conversar!

— Sinto muito se não somo cultos o suficiente seu mago de araque — Reclama o homem de vestes tribais e cabelo verde, seu nome é Donovan Richardberg.

— Affs! Vocês dois sempre brigando, parecem crianças! — Indagou o terceiro membro, este tem uma armadura metálica brilhante como sua marca registrada, seu nome é Cyous Leanon.

A última integrante do time está em um canto de cara feia apesar de jovem, uma pena, pois a “carranca” afeta sua beleza sem par, a famosa aventureira que chegou ao ranking platinium com a idade de 12 anos, ela é ninguém menos que a última de seu clã, “a coelha branca”, Alba Lepus.

Hoje a coelha branca ocupa o ranking oriculum e pretende chegar ao adamantium, tornando-se assim a primeira aventureira de lemur a chegar nesse patamar, se não me engano, ela está com quase dezesseis, segundo o que Jedhar me disse.

A carruagem que vai nos levar é demasiadamente suntuosa, me fez ficar com vergonha de entrar nela, sinceramente algo tão espalhafatoso é um convite perfeito para bandidos atacarem, adornada de preto e dourado a carruagem parece um circo ambulante.

— Eh? Por um acaso vamos nisso? — Eu pergunto enquanto aponto para o “circo” móvel.

Alba Lepus que até o momento estava calada reclamou:

— Eu não quero entrar nisso! Dá vergonha!

“Oho! Por esse motivo ela está de mal humor! Bem! Não posso culpá-la!”

— EEEEEEEEEEEH? Vocês não gostaram da minha linda carruagem — Sendor perguntou com o rosto surpreso.

Foi difícil de acreditar que ele achou mesmo que alguém gostaria dessa aberração circense, se Ferus estivesse aqui ele diria: “não entro nessa merda nem fudendo! ”, ou coisa parecida.

Para falar a verdade estou com vergonha de entrar nesse troço, mas pelo menos terei a companhia de três aventureiros da liga adamantium.

Droga! Por que os talentosos têm de ser tão excêntricos?

Foi fatídico, mas todos adentramos a carruagem-aberração, Alba Lepus ficou encolhida no canto, com certeza está morta de vergonha de andar em algo assim.

Olhei a janela a fora e vi crianças apontando e rindo desse veículo, nunca achei em minha vida que ficaria tão vexado com alguma coisa.

Apesar de ser dos contras há também os prós, para começo o veículo é bem espaçoso, também é rápido, pois é puxado por quatro cavalos.

Cyous e Donovan também não estão satisfeitos por andar em uma carruagem assim.

— Urgh! Só de me imaginar entrando em Bérius com isso, Argh! As pessoas vão pensar que eu sou um estranho — Comentou Donovan cheio de desgosto.

— Affs! E eu achava que minha armadura chamava atenção! — Concorda Cyous.

— Ei! Não digam isso! A “Flecha negra” é uma ótima carruagem! — Reclamou Sendor.

Flecha negra?

— VOCÊ AINDA DÁ NOME TÃO VERGONHOSO A ESSA COISA? — Alba gritou desesperada, ele aponta a atenção a Cyous e Donovan e continua a sua queixa — ESSE CARA É MALUCO? COMO AGUENTAM ANDAR COM UMA PESSOA ASSIM?

Cyous, fez de conta que não era com ele, Donovan, por sua vez deu um olhar farto de tudo e desistiu da situação.

Eu, no entanto, me vejo em uma situação vergonhosa dentro desse “carro alegórico”.

Mesmo assim a viagem segue sem ninguém mais tocar nesse assunto.

…….

Para chegar até Bérius leva-se exatamente cinco dias a cavalo, com uma carruagem pesada como essa, pode-se subir mais dois dias nesse número, ou seja, uma semana inteira para se chegar em Bérius.

Ainda bem que Ferus não veio junto, ele se entedia facilmente, embora estejamos apenas no segundo dia de viagem, nota-se que todos aqui estão de saco cheio.

Mesmo Sendor, que costuma se ocupar com leitura assim como eu, está farto da longa viagem.

— Tsk! Temos a merda de um mago que não sabe a magia de teleporte em nosso grupo, que desperdício — Donovan deu seu argumento cheio de veneno em direção a Sendor.

— Não sou um mago, sou um bruxo! Infelizmente não tenho afinidade com o elemento “espaço”, mas eu já salvei sua bunda diversas vezes com minha afinidade com o elemento “sagrado”, isso não é bom? — Respondeu Sendor com sarcasmo.

— Pare com isso os dois, ainda faltam cinco dias, então acho bom ocuparem a cabeça com uma coisa construtiva em vez de brigarem como crianças — Cyous bota ordem na situação.

Eu suspirei farto, esses aventureiros são muito jovens, embora atingiram o patamar mais alto, ainda lhes falta maturidade.

Alba Lepus me encarou a viagem toda, ela parecia querer me perguntar alguma coisa.

— Posso ajudá-la? — Eu pergunto.

A coelha branca queria mesmo me perguntar alguma coisa, embora ela mexeu seus lábios, se negou a fazer a pergunta.

Como é apenas uma adolescente acho melhor insistir um pouco:

— Se quiser dizer algo, diga! Se estiver ao meu alcance vou responde-la!

A menina parecia tímida, mas ela tomou coragem e perguntou:

— Vo… Você é o pai do garoto Lobo, não é?

“Garoto lobo? Ahahaha! Acho que nunca vi essa definição de Ferus, mas…”

— Eu criei Ferus! Não sei como ele me considera, mas sou seu responsável!

Alba parecia ter um dilema complexo, mesmo assim tomou ar e me perguntou.

— Como ele consegue evoluir tão rápido? Eu…. Eu sei que estou sendo rude, afinal as habilidades de um aventureiro são um segredo pleno, mas…. Mas…. Simplesmente não posso acreditar que ele atingiu o “overbreak” mesmo eu não consegui essa façanha!

“Droga! Não peguei os detalhes da batalha de Jú yuán com Ferus, nem tive tempo de falar com ele esses dias, o moleque atingiu o overbreak? que piada é essa! Mais uma vez esse pequeno bastardinho me surpreendeu”

Fazendo o máximo para não demonstrar surpresa, repondo de uma forma articulada:

— Hmm! Alba, sua habilidade única lhe permite subir seus níveis mais rápido que qualquer um, não é mesmo?

— Is… isso mesmo — Respondeu alba sem jeito — Embora as habilidades únicas são um segredo, por causa da minha condição, a nobreza exigiu que fosse revelado a público o motivo de minha força sem compreensão.

— Deixe-me dizer uma coisa! Ferus é similar a você, mas seu poder não sobe os níveis ele em vez disso….

— Compreensão instintiva — Cyous me cortou antes de falar qualquer coisa — O lobo negro tem uma capacidade evolutiva sem compreensão, ele pode evoluir durante o combate, porque seus instintos não têm comparação com nenhum outro ser desse mundo, talvez ele mesmo não saiba, mas seus sentidos com certeza são superiores, isso dá a ele uma compreensão absurda das coisas.

Fiquei surpreso com a análise de Cyous, nunca imaginei que alguém pudesse chegar a esse parâmetro, isso pode ser perigoso para Ferus.

Donovan completa:

— É absurda! A evolução daquele fedelho é monstruosamente absurda, não é uma evolução que tem a ver com níveis, trata-se de uma coisa bem sutil, eu diria que é uma capacidade de entender como ele mesmo deve evoluir!

Alba não entendeu:

— Entender como deve evoluir?

Cyous completa a explicação de Donovan:

— Alba! Digamos que você lute com um inimigo poderoso, mas ele é absurdamente mais poderoso que você, tendo em vista que táticas como envenenar e fazer uma armadilha não seria possíveis, como ganharia?

Alba não conseguia responder isso, mas Cyous respondeu dando os braços:

— A resposta parece absurda, mas é essa: simplesmente…. você tem que ficar mais forte que esse adversário, ou seja, superá-lo.

Alba dirigiu sua atenção para Cyous que continuou falando:

— O lobo negro, seu maior poder são seus instintos, ele mesmo não percebeu isso, mas talvez seus instintos sejam tão afiados que ele pode sentir o perigo sem nenhum aviso prévio, algo como uma sensação ruim ou coisa parecida.

— Como assim? Como os instintos podem levar uma pessoa tão longe a ponto de atingir o “overbreak”? — Perguntou Alba cheia de tensão.

— Alba, sabe qual é o maior instinto de todos os seres vivos?….

Mesmo eu quero escutar a resposta de Cyous, afinal Ferus é um ser além da compreensão atual.

— Esse é o instinto de sobrevivência — Cyous palestra com um olhar sério — o instinto de Ferus levou a um ponto onde ele só sobreviveria se atingisse o overbreak, embora não o conheça tanto, tenho certeza que em suas lutas ele grita para si mesmo: “Aprenda”, “supere”, “evolua”.

— Como sabe disso? — Perguntou Alba pasmada!

— Ele me pediu para treiná-lo, Donovan me ajudou, foi um treino curto de três dias.

Ei! Eu não sabia disso! Quando Ferus e Cyous treinaram juntos? Droga! Devido as missões com que fiquei ocupado esse mês, não pude me atualizar sobre os acontecimentos.

Sentia frustração, parece que de alguma forma falhei como responsável de Ferus.

— Aquele moleque é um absurdo, se tivesse que descrevê-lo só uma coisa vem a minha cabeça, esse moleque é uma pegadinha divina — Completa Donovan, enquanto falava com um rosto com um rosto complicado.

Cyous mesmo não gostando dessa definição, não podia descordar.

— Argh! Em três dias, ele chegou ao nível máximo em cinco perícias de armamento diferentes.

Alba arregalou seus olhos e indagou:

— O que? Mesmo para mim, que posso subir níveis com maior facilidade, subir perícias e habilidades ainda é uma tarefa tortuosa.

— Para o lobo negro não! Já entendi um pouco como funcionam suas habilidades únicas, ele pode subir níveis, perícias e habilidades em um ritmo acelerado, porém há algo a mais!

Droga! Não sabia que esses caras chegaram tão longe em suas pesquisas sobre Ferus, isso é mau! Tomara que o caráter deles seja como eu imagino que seja.

Cyous continua com sua teoria sobre Ferus:

— O garoto é misterioso, seu potencial latente é tão grande quanto o seu Alba!

Donovan concorda com a cabeça e adiciona:

— Sim! Embora você seja esmagadoramente superior no momento, isso não quer dizer que esse bestial não possa se igualar a você, melhor não relaxar com os treinos!

Alba mostrou um olhar perigoso quando Ferus foi louvado dessa maneira.

— Hiekf, me diga como Ferus ficou tão forte mesmo sendo mais novo que eu? — Continuou a coelha.

— Oho! Primeiro me diga como ficou tão forte mesmo sendo mais nova do que qualquer um aqui!

A jovem coelha torceu a face com a minha pergunta evasiva, comparar o talento mediante a idade era uma tolice nesse mundo, a própria coelha branca é prova disso.

Sem opções eu respondo de uma maneira vaga:

— Alba! o jovem Ferus não é alguém que deva levantar a guarda, ele pode ser antissocial, mas ele é um bom garoto, assim como você que só tem problemas de comunicação.

— EEEEEH? EU NÃO TENHO PROBLEMA NENHUM!

— Sério? Seu pai me contou muitas coisas sobre você enquanto bebíamos juntos, ele é como eu, alguém que lamúria as façanhas desastrosas de seu filho tolo — Hiekf puxa esse assunto propositalmente, ele quer cortar as perguntas de Alba sobre Ferus.

Hiekf com um rosto travesso fala:

— Hmm? Será que eu digo uma das histórias que seu pai contou aqui? A mais engraçada que eu escutei foi….

— PARE! EU…. EU ENTENDI! NÃO VOU PERGUNTAR MAIS NADA — Diante à ameaça de Hiekf, a coelha encerrou o interrogatório.

Todos ali riram da situação onde Alba se sentiu vexada e assim a viagem seguiu.


Autor: Marcus | Revisor: Heaven



Fontes
Cores