FNR – Capítulo 46 – Técnicas (2)



— Trim! Slash!…

— Droga! Você sequer se moveu!

Cyous tem sua guarda levantada enquanto balança sua espada evitando cada ataque meu, é frustrante ver o quanto é fácil para ele evitar meus ataques.

Cyous brincou:

— Ahahahahahahaha! Faltam alguns anos para você meu jovem!

— Tsk!

Donovan interveio batendo palmas para atrair nossa atenção!

— Clap! Clap!… muito bem! O tempo de combate acabou! Ferus você perdeu novamente!

— Tsk!

Cyous me provoca:

— Não fique tão chateado! Você só tem que me fazer andar um passo para ganhar, com algum esforço talvez consiga daqui a alguns anos Ahahahahahahaha!

Esse maldito me provoca demais, sinto as veias de minha testa saltar com a raiva que estou passando.

— Bem! Como você pediu, fizemos um sparing de uma hora entre vocês dois, agora vamos nos focar no treino técnico — apontou Donovan com seriedade.

Eu baixei minhas adagas e virei o rosto enquanto clicava a língua.

— Tsk!

— Ahahahahahaha! É muito orgulho para um menino que mal chegou à idade adulta! — Cyous provoca.

Eu não podia refutar então me calei com raiva, Donovan suspirou e falou em seguida.

— Ferus! Você conseguiu atingir o nível máximo de perícia em todas as armas que queria, não é?

— Sim! Graças a vocês foi possível, obrigado! — falei baixando a cabeça.

Os dois parecem ter aprovado minha conduta educada, Hiekf sempre me obriga a agradecer as pessoas então meio que virou um hábito.

Cyous, guarda sua espada em sua bainha e fala:

— Lembra-se da conclusão que chegou sozinho mais cedo sobre as técnicas?

— Sim! Elas são ligadas as perícias e habilidades e em alguns casos a magia!

— Exato! É isso mesmo…. hmm! Como posso explicar de forma fácil?…. Bem! Ferus, as técnicas são formas refinadas de um ataque. As perícias e habilidades são os requisitos para uma técnica existir, por exemplo…

Cyous virou-se e encarou uma rocha grande ali próxima, ele armou uma postura ofensiva e preparou a espada ainda em sua bainha, com um forte balanço a rocha foi cortada. Não seria nada impressionante, porém ele está a mais de dez metros da rocha, mesmo assim a cortou daquela distância.

— EEEEEEEEEEEEEEH! COMO ISSO É POSSÍVEL? — exclamei surpreso.

Cyous falou orgulhoso:

— Essa é minha técnica original, chamo-a de 『Focus Slash』¹, ela permite que eu lance o corte da minha espada a distância.

— Oooooooh!

Não podia deixar de dar meu louvor.

Cyous explica:

Os requisitos para usar essa técnica é a perícia em alguma arma de corte no NV 05 e a habilidade [Precisão].

— Eu tenho as duas!

— Quer aprender?

— Sim! Sim! SIIIIM! — falei exaltado.

Donovan soltou um riso e disse:

— Hunf! Não deveria ficar impressionado com uma técnica tão simples, vou te mostrar uma interessante.

Foquei minha atenção em Donovan que repentinamente desapareceu da minha frente.

— Hã? Onde ele foi?

Senti uma batida em meu ombro esquerdo.

— Estou aqui!

Donovan me surpreendeu aparecendo por trás de mim, como ele fez isso?

— OOOOOOOH! Como….. como isso é possível?

Ele explica:

— Essa é uma técnica de velocidade, eu me movi com destreza pelo seu ponto cego, essa é uma técnica assassina chamada de 『Ghost Step』². Seus requisitos são, furtividade NV 06 e [Movimento rápido].

Meus olhos brilharam com essa demonstração, realmente devo respeitar os aventureiros do ranking adamantium, eles são incríveis…

Cyous, debochou de Donovan:

— Hunf! Mostrei um movimento simples para o rapaz, mas você veio se exibindo com um movimento complexo!… Ferus, não seja enganado, essa é uma técnica de movimento que te faz confundir o oponente partindo por um ponto cego dele, não é uma verdadeira técnica de velocidade.

Donovan riu com sarcasmo e falou:

— Pode ser verdade em partes, mas você tem que admitir que é uma excelente técnica de combate!

Eu falei sem reservas:

— EU NÃO ME IMPORTO! ME ENSINE ISSO!

Donovan estufou o peito vitorioso, mas Cyous não desistiu:

— Ferus! Vou te ensinar uma técnica de velocidade verdadeira!

Eu nem queria saber se era verdadeira ou não, essas técnicas são muito legais, quero aprender todas se possível.

— Eu…. eu quero aprender essas técnicas legais!

Cyous cruzou os braços com um sorriso e disse:

— Tudo bem! Primeiro vamos aprender as técnicas de ataque básicas, por isso quero que me diga todas as suas habilidades, claro que não vou pedir suas habilidades únicas, mas preciso saber das demais habilidades para saber quais técnicas você pode aprender.

Cruzei meus braços pensando um pouco, Hiekf me disse para não revelar meus Status a qualquer um, no entanto acho que falar sobre as habilidades não é problema desde que esconda minha condição racial e minhas habilidades únicas, também acho esses dois confiáveis afinal.

Então eu falei sobre minhas habilidades, demorou alguns minutos para falar de todas.

Cyous deu um suspiro e olhou para cima dizendo:

— São muitas habilidades!

— Muitas! Isso é eufemismo! Ele tem mais habilidades do que eu e você juntos! — criticou Donovan.

Eu me assustei um pouco, então Donovan falou:

— Garoto! Obrigado por confiar em nós, mas não fale sobre essa quantidade absurda de habilidades para mais ninguém ok! Para começar é anormal uma pessoa ter acima de cinco habilidades, você está além do anormal, tenha isso em mente!

Cyous suspirou comentando:

— Tem mais habilidades do que Alba Lepus, eu já a achava fora do comum, agora vejo que minha visão do mundo é retrógada.

— Guh! Des…. desculpe por isso — eu falei.

— Bom! Não é sua culpa afinal, mesmo assim deve ter cautela, agora eu sei porque o Gnoll é cuidadoso quando se trata de você.

— Hiekf?

— Sim! Ele mesmo! Nesse momento ele está trabalhando para Jhedar só para garantir sua segurança e evitar investigações sobre você. Até pediu a nosso companheiro Sendor Yami, uma palestra sobre magia.

Uma sensação horrível passou por mim, eu briguei com Hiekf essa manhã e ele apenas estava preocupado comigo, sou muito egoísta, exigindo coisas que não me dizem respeito, contar para ele sobre mim foi uma decisão minha, ele não me pediu isso, não posso querer que ele me diga sobre ele só porque eu quero, isso é decisão dele afinal.

— Guh! Eu sou um idiota!

Cyous notou meu rosto perturbado e perguntou:

— Qual é o problema garoto? Se sente mal?
Sim, eu me sinto mal, mas tenho que me focar no momento, quando chegar no restaurante vou me desculpar sinceramente…

— É isso! Vou me desculpar de forma correta, agora devo me focar!

Donovan e Cyous focam em mim enquanto murmurava sozinho, forcei um sorriso.

— Me desculpem! Estava pensando em algo! Agora podemos continuar!

Apesar de ser desconcertante, não posso me dar ao luxo de fraquejar aqui, as dicas desses aventureiros me farão avançar no futuro, uma oportunidade dessas não deve ser desperdiçada de forma alguma.

Recoloquei o sorriso em minha face e pedi aos dois aventureiros:

— Me ensinem tudo sobre as técnicas! Por favor!

Muitas horas se passaram, aprendi com dificuldade apenas quatro técnicas, esse foi meu limite, mesmo assim são técnicas úteis que mal posso esperar para usar em batalha.

Cyous veio com habitual sorriso e me avisou:

— Ferus! Queria mais tempo para ensiná-lo sobre tudo, mas infelizmente esse é o último dia que poderemos te dar instrução!

— Eeeeeh! Mas já!

Donovan explicou triste:

— Ontem recebemos uma notificação do reino de Lemur, devemos ir até a capital nos apresentarmos a nobreza, foi meio repentino, mas como representamos o nosso país seria rude recusar!

— Sim! A boa diplomacia entre Gaea e Lemur deve permanecer! — completa Cyous.

Infelizmente não acho que evolui muito, mas ao menos sei a estrada que devo percorrer, sorri um pouco e agradeci aos dois no fundo do meu coração:

— Obrigado! Os dois me ensinaram com paciência e dedicação! Um dia vou devolver o favor!

Cyous fala:

— Use o que te ensinei para fazer a coisa certa! Esse é o pagamento que exijo!

Eu ri um pouco:

— Ahahahahaha! Você se diz um aventureiro, mas fala como um herói!

Cyous fechou os olhos e riu do meu lisonjeio, assim apertei as mãos dos dois que deram seu adeus e se foram, amanhã será sua partida, infelizmente não poderei me despedir, pois o horário da partida é segredo.

Ainda é dia, então resolvi voltar ao restaurante, tirar o suor do corpo e descansar depois desse treino maçante me parece bom demais.

A cidade de Lenus, um lugar situado em Lemur, mesmo assim é tratado como território neutro, essa cidade é lar do clã dos lobos azuis, seu líder é Ranpa, o vendedor de escravos.

A mansão mais luxuosa da cidade é a morada desse desprezível bestial, ele lidera tudo com mãos de ferro, com uma política escravista ele alcançou os maiores patamares da riqueza.

Um servo bestial lobo azul adentra os domínios dessa residência, seu rosto severo mostra as marcas da idade junto a uma cicatriz na face, a dignidade é exalada ao seu redor, suas vestes e aparência soam como se ele fosse um nobre, mesmo seu olhar afiado detém uma certa elegância e refinamento.

Esse homem chega a sala de seu chefe, chefe no qual mesmo ele teme.

Seu chefe o observa sentado em um trono, embora nunca foi ou se tornou um rei, Ranpa se intitulava um, o homem conhecido como “o rei sem coroa”.

Ranpa sorri em seu trono pessoal, seu servo se ajoelha perante ele e diz:

— Mestre! Vim como ordenou!

— Levante-se Besker!

Besker obedece e se levanta, com isso Ranpa desceu de seu trono e falou:

— Besker! Sobre a vigilância do chamado lobo negro, quero um relatório!

Besker acenou com a cabeça e começou:

— O Tal lobo negro chama-se Ferus, sua origem é discutível, contudo as informações dizem que ele foi criado em um vilarejo gnoll, seu “pai adotivo” é um gnoll chamado Hiekf. A história de fama desse mestiço começa no vilarejo gnoll, quando por ironia do destino ele matou Laruk Tigar!

Ranpa arregala os olhos e cerrou os dentes.

— E pensar que um mestiço perdedor matou o perfurador dos céus, Laruk!

— Eu temo que sim mestre!…. continuando, o mestiço chamado de Ferus tem ainda quatorze anos de idade, logo depois de matar Laruk, ele salvou a cidade de Harp matando a aberração de espinhos, sendo que nem sequer era registrado como aventureiro, em seguida entrou em conflito contra Jù yuán, ele derrotou sozinho cada uma das três cópias residuais do rei macaco.

Ranpa não parece contente com os fatos apresentados, mas Besker seguiu:

— O lobo negro recebeu a posição de aventureiro da liga ouro, mesmo que não tenha a idade para ser um aventureiro…

Besker torceu o rosto e revelou:

— Mestre! Esse mestiço tem uma ligação com a felina de olhos azuis e Stela, eles parecem próximos, o conflito contra o rei macaco aconteceu por ele ter sequestrado a garota.

As mãos de Ranpa tremem de ódio, Besker sentiu a ira de seu mestre direcionada para ele, assim ele revelou as boas notícias:

— Consegui fazer um acordo com o regente da cidade de Harp, também consegui uma forma de tirar os aventureiros da liga adamantium daquela cidade contatando alguns nobres, instruí para que eles fizessem falsas solicitações de contratação, claro que inclui a coelha branca.

A raiva de Ranpa se apaziguou um pouco, mas ele ainda mostra preocupações em seu rosto.

— Besker! Nunca estivemos tão perto da vitória, eu contatei Azfir e ele disse que ainda tem interesse na felina, mas também me disse que se eu falhar morrerei.

Besker engoliu o próprio ar e falou:

— Não vamos falhar mestre!

— Eu sei disso Besker! Afinal minha morte é a sua morte também, esse é o nosso pacto, não é mesmo?

Ranpa dirigiu um sorriso sinistro para Besker, como resposta ele deu um arco respeitoso e saiu dali.

Ranpa disse para si mesmo:

— Temos que eliminar esse pequeno contratempo.

Com um sorriso maligno ele chamou:

— Apareça Darts! Eu sei que está aí!

Em meio às sombras uma silhueta apareceu de forma mística, com um sobretudo preto enrolado pelo corpo aparece Darts, a única coisa visível nele é a metade superior da face, onde seus olhos brancos ressaltam a pele bronzeada e longas orelhas pontudas.

— Escutei a conversa um pouco, parece que terei uma boa diversão afinal! — comentou Darts.

Ranpa fala com tom autoritário:

— Vigie o tal mestiço! Assim que os aventureiros adamantium deixarem a cidade mate-o, a recompensa será entregue depois que me trouxer a cabeça dele.

— Ho! Que raro de você pedir uma prova de mim!

— Hã? Prova? Não seja tolo, quero a cabeça dele para dar de presente a Garuk Tigar, com isso talvez eu consiga seu favor.

Os ombros do elfo negro tremem e ele soltou uma enorme gargalhada:

— KUAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA! Como esperado de você! Usando até corpos para ganhar dinheiro! Ahahahahahaha!

Ranpa deu os ombros e respondeu:

— Não se faça de inocente aqui! Você é como eu, venderia a alma por riquezas!

— Claro que venderia! O valor de um homem é definido pelo o que ele tem e não pelo que representa!

— Hunf! Não posso refutar tal pensamento! Mas agora quero que vá a Harp e fique de prontidão até a oportunidade surgir, falhar não é opção!

O elfo negro chamado de Darts, deu uma reverência, mas antes de partir, seus olhos cintilam de forma doentia, mesmo com a mascará, ainda era notável um sorriso desprezível em sua face.

— Me diga uma coisa Ranpa, escutei algo sobre possíveis pessoas ligadas ao lobo negro, será que….

Ranpa, ergueu sua mão e parou a fala de Darts, em seguida ele explica em tom autoritário:

— Eu não ligo! Faça o que tiver vontade, contudo não coloque um dedo sequer na felina, ela representa nosso passe para a riqueza absoluta!

— Certamente! Todavia as outras garotas são minhas para fazer o que bem entender, certo?

— Faça o que quiser, desde que não toque na felina!

— Entendo! Uhuhuhuhu! Talvez deva deixar o lobo negro vivo por um dias enquanto estupro as garotas em sua frente, Uhuhuhuhuh! Isso seria impagável!

— Tsk! Guarde seus gostos doentios para si, não tenho interesse em compartilhar de sua loucura repugnante!

Darts, mais uma vez fez meia reverência e sumiu como uma sombra se desmanchando em meio a luz.

Ranpa, sorriu sozinho é murmurou:

— Hunf! Esses malditos talentosos sempre possuem alguma excentricidade que faz meu estômago revirar em náuseas, o próprio príncipe Azfir é um exemplo claro disso. Mas mudando de assunto, Finalmente! O momento em que serei um rei vai chegar!

Restaurante, A Toca da Coelha:

Um dia conturbado devido à época, as caravanas de comerciantes chegavam aos poucos na cidade de Harp, o comércio sempre prospera nessa ocasião, a demanda de pessoas também aumentou muito, claro que os clientes do restaurante também serão muitos, mesmo que ainda não seja a alta temporada o restaurante está mais cheio que nunca.

Stela grita em desespero:

— Rápido Garotas!

Millin que ajuda na cozinha está desorientada devido ao fluxo maior de clientes, Jana e Hellen atendem as mesas.

Stela está preparando uma quantidade enorme de refeições ao mesmo tempo.

Uma garota bestial do clã dos cães correu até a cozinha, sua aparência é boa, uma garota com orelhas caídas de cachorro, olhos castanhos e cabelos marrons, uma calda grande balança por trás de seu corpo, ela fala ofegante:

— Patroa! O cliente da mesa dois está reclamando da demora!

— Sirva-o uma bebida por conta da casa e peça um pouco de paciência Jana! — instruiu Stela! — Millin! Deixe a cozinha para mim e vá ajudar Hellen e Jana!

— Ok!

Stela murmura com raiva:

— Urgh! Da mais requintada professora de etiqueta desse país a uma cozinheira sofredora! Que destino engraçado esse, hein?

Hellen entrou na cozinha com uma pilha de pratos em seus braços, quase perdeu o equilíbrio com tudo que carregava.

Hellen reclama:

— Stela! Precisamos de mais empregados! Nunca vi uma temporada tão difícil! O que será que aconteceu para tantas caravanas virem assim?

Stela responde com indiferença:

— O festival que acontece a cada quatro anos na capital Bérius ocorre daqui um mês, para comerciantes é uma oportunidade de lucro!

— Guh! Eu vou morrer! — Reclamou Hellen.

— Então morra trabalhando! Tome! Esses são os pedidos da mesa dois e sete, peça a Jana para pegar os pedidos da mesa oito e doze em seguida!

— Guh! Ok!

Hellen correu para as mesas, em seguida chamou Jana, mais clientes entraram no restaurante, Hellen ficou tonta só de perceber isso, contudo foi preparar mais mesas.

— por favor! Me acompanhe até suas mesas! — pediu Hellen com um sorriso de atendente.

— Uou! Está cheio hoje! — comentou o cliente.

O parceiro que o acompanhava conversa:

— Hunf! A comida daqui é boa e as atendentes são bonitas, isso é uma receita para o sucesso afinal.

— Ahahahaha! Tem razão velho amigo!

Os dois acompanham Hellen até suas mesas.

Millin corre com os pedidos e Jana está atordoada, Stela não consegue deixar a cozinha, mais e mais pedidos chegam sem parar.

A felina está tonta de tanto serviço, Millin está com os olhos marejados e Jana está murmurando sobre pedir demissão.

Hellen juntou as mãos em forma de reza e pediu aos deuses:

— Por favor! Mande uma ajuda para nossa salvação!

As portas se abriram e Ferus passou por ela.

— Uau! Que lotado!

Hellen correu para Ferus e agarrou suas roupas, o rapaz se assustou com a situação, os olhos da garota cheio de lágrimas olhavam para ele com súplica.

Ferus achou seu jeito bonito com esses olhos suplicantes, mas avaliando seus arredores ele também sabia do que se tratava essa abordagem, suspirando em sua mente ele perguntou:

— Precisa de ajuda?

Stela fala agradecida:

— Muito obrigado Ferus! Sua ajuda é bem-vinda hoje, obrigado mesmo!

Ela foi até um local perto da dispensa e apanhou uma caixa, ela veio até mim e em seguida empurrou a caixa contra meu peito dizendo:

— Vista isso por favor!

Eu suspirei e fui até o andar de cima, lá abro a caixa e vejo um uniforme de garçom.

— Então é isso! (suspiro)!

Sem perder tempo eu me vesti como ela pediu, arrumei meu cabelo despenteado e me encarei no espelho.

Não ficou ruim, a roupa serviu bem e meu estilo ficou legal, um blazer branco com gola e um colete preto, uma calça também preta e sapatos, parecia um daqueles caras bonitos de revistas, contudo achar a mim mesmo bonito pareceu arrogante até para mim.

Pensando nisso, porque as garotas têm uniformes tão simples? Gostaria de vê-las em roupas de empregadas iguais a dos mangás que lia do meu antigo mundo, afinal as roupas de empregada são um dos muitos romances de um homem.

Sem perder mais tempo com esses pensamentos, desci e me apresentei a Stela, ela me olhou de cima a baixo com a mão em seu queixo e comentou:

— Hunf! Você é mesmo um rapaz bonito depois de tudo, pena que é relaxado com sua aparência!

— Guh! Des…. desculpe, mas não tem como ser um aventureiro e andar bem vestido!

Stela suspirou com minha resposta, mas cedeu:

— É um argumento justo!…. Bom vou chamar a meninas e falar que você vai ajudar, também vou te apresentar Jana, uma antiga funcionária que voltou a trabalhar comigo.

Stela foi rápida e trouxe as três, Millin veio a mim com um olhar suplicante:

— Hic! Obligado! Felus!

Seu rosto está coberto por lágrimas, saindo pelos olhos e pelo nariz, parecia uma criança cheia de ranho.

— Urgh! Tá… tá Bom! Não precisa chorar! O negócio tá tão ruim assim?

Hellen respondeu com um rosto mortificado:

— Já fazem três dias que isso continua, desse jeito nós vamos morrer… ehehehehe!

Isso é ruim, a sanidade da felina está voando longe.

— Stela! Você tem que contratar mais pessoal!

— Tsk! Já tentei isso lobinho! Mas nessa temporada, mesmo os mais vagabundos estão empregados!

Faz sentido, muita demanda igual a mais empregos, não tenho opção a não ser ajudá-las, meu corpo está muito cansado após aprender as técnicas de Cyous e Donovan, mesmo assim não podia deixá-las na mão.

Stela fala as garotas:

— Bem! Como estão vendo, Ferus vai ajudá-las em seu trabalho, então? Como devemos dizer?

As três baixaram a cabeça e falaram simultaneamente:

— Obrigado!

Uma nova garota que nunca tinha visto se aproximou de mim com olhos perigosos, ela tem uma boa aparência, porém começou a me olhar de cima a baixo e no final falou:

— Olá! Eu sou Jana! Dezoito anos e solteira!

Por que ela falou que é solteira?

— Hmm? Prazer eu sou Ferus, espero que possamos nos dar bem!

Ela aproximou seu rosto perigosamente perto, seu cheiro é bom.

— Nos dar bem? Com certeza sim!

Seu olhar penetrante fez meu coração bater rápido.

— Vo…. Você não pode! — reclamou Hellen.

Hellen entrou entre Jana e eu nos separando um do outro, senti de alguma forma que ela me salvou de ser comido.

Hellen me encarou com uma face furiosa cheia de reprovação, suas bochechas inflaram “como é bonita”, ela me olhou nos olhos e depois virou a face.

— Hunf!

Não entendi, mas parece que ela ficou com raiva de mim, de alguma forma isso me incomoda muito.

— Ei Hellen! O… o que aconteceu?

— Nada! Hunf!

Ela saiu da cozinha pisando forte e foi para o salão sem dizer mais nada.

Eu murmurei sozinho:

— Eu…. não entendo as garotas!

Millin chegou perto de Jana que ficou impressionada com a cena e falou com raiva:

— Bem! É isso que você viu! Não cause confusão como sempre faz, estamos entendidas?

Jana coça a parte de trás da cabeça com a língua para fora e responde:

— Ehehehe! Foi mal! Não sabia que era assim, mas…. quem diria! A Hellen hein?

Stela farta de tudo grita:

— VÃO TRABALHAR!

As duas correm como se estivessem fugindo de um monstro, eu, no entanto fiquei parado sem entender nada, suspirando em minha mente cansada fui até o salão ajudar.

Obs: o caractere 『 』sempre será usado para representar as técnicas.


Autor: Marcus | Revisor: Heaven



Fontes
Cores