FNR – Capítulo 36 – Depois da batalha



A montanha desmoronava pedra por pedra, a grande estrutura agora torna-se aos poucos uma pilha de escombros, o autor dessa destruição observava lentamente a montanha ruir, sem forças para dar mais um único passo, Ferus perdeu a consciência em meio a esse cenário perigoso.

As rochas da montanha de Lenor caíam como gotas de chuva em me uma tempestade, uma avalanche de rochas caiu sobre a terra soterrando parte da floresta.

Ferus estava em uma posição perigosa, seu corpo inconsciente não se movia dali. A poeira e os pequenos fragmentos de cascalho atingiam partes da floresta estragando sua vegetação natural. Ver a montanha ruir assim, poderia fazer qualquer um se abalar.

O jovem bestial lobo de pelagem negra, mesmo junto à essa catástrofe feita por ele, não se movia dali.

Tudo indicou que a avalanche de rochas engoliria o jovem bestial, mas graças aos deuses haviam espectadores naquele local.

Como um flash, um humano de vestes tribais e um cabelo verde atípico, apareceu e arrancou Ferus inconsciente daquele cenário perigoso.

A montanha de Lenor, recebeu esse nome para homenagear o primeiro filho do rei Bérius, fundador de Lemur. Um patrimônio histórico do país ruiu, a montanha de Lenor agora é um conto folclórico para as gerações futuras.

O homem de cabelos verdes que salvou Ferus, atendia pelo nome de Donovan, ele é um famoso aventureiro da liga adamantium, está junto de seu companheiro também da liga adamantium, Cyous.

Jogando o corpo do rapaz ao chão ele comenta para seus dois companheiros:

— Bem! Não podia deixar esse aí morrer assim, espero que me entendam!

Cyous, deu os ombros e respondeu:

— Se você não fosse na frente, eu pretendia fazer o mesmo, afinal o jovem lobo nos deu uma coisa interessante para assistir.

Donovan, apertou os olhos na direção do rapaz inconsciente:

— Cyous! Precisamos de respostas, você escutou os diálogos dessa batalha, não foi?

Cyous cruzou os braços.

— A força que ele adquiriu repentinamente não tem explicação, sabe! Naquele estado ele podia fazer o que quisesse como adversário!

Donovan coçou a cabeça.

— Tsk! Detesto admitir, mas aquele mago de araque faz falta nessas horas!

— Ahahahahaha! É verdade! A luz¹ de Sendor, seria útil agora.

Alba Lepus torcia o rosto descontente, seus pensamentos eram:

“Quem é esse garoto? Do nada ficou extremamente forte, no final sua força voltou ao normal, mesmo assim ele sobrepujou o destemido, tarefa que seria cansativa mesmo para mim, ele peca muito, seus movimentos são repletos de erros bobos, mesmo assim, possui instintos assustadores, tenho que coletar todas as informações, e se ele vier a ser uma ameaça eu…”

Hellen, que estava em companhia desses três correu para Ferus desmaiado e gritou preocupada, com os olhos marejados de desespero:

—FERUS! ACORDE FERUS!

Ela balançava o corpo de Ferus inconsciente, a coelha branca surpresa, criticou a conduta desleixada da felina:

— E….ei! Se continuar balançando ele assim po….pode prejudica-lo caso ele tenha escoriações e ossos quebrados!

— Urgh!

A face de Ferus estava azul, então Hellen parou com o ato perigosamente desesperado.

Donovan tranquilizou Hellen:

— Ele está bem! Esse monstro de pelagem negra regenerou a maior parte de seus ferimentos, nunca presenciei uma capacidade de recuperação tão rápida! Esse moleque é um troll por acaso?

Cyous completa:

— Isso mesmo felina! Não fique tão preocupada! Esse rapaz apenas desmaiou, isso se deve à sobrecarga que colocou em seu corpo, esse processo é semelhante a uma overdose de níveis, só que nesse caso o corpo cessou as atividades motoras para recuperar forçadamente suas energias em vez de se adaptar às mudanças, aposto que esse aí não é do tipo que descansa depois de um “trabalho” desses.

Hellen, não entendeu nada do que Cyous falou, mas compreendeu que Ferus estava bem, isso a fez menos nervosa.

A coelha branca interroga Hellen:

— Escute garota! Eu sei que não quer entregar seu namorado, mas…

— ELE NÃO É MEU NAMORADO! EU JÁ DISSE ISSO!

Alba, colocou a mão em sua cabeça achando tudo um saco.

A coelha branca insiste nesse assunto apenas para provocar a felina:

— Hmm! Então não é seu namorado? Sabe! Eu o escutei falando que detestou quando Jú yuán cortou seu cabelo!

Donovan riu alto:

— Ahahaha! Isso é verdade felina! Ele guardou um grande ressentimento contra o rei macaco, tudo por que cortou seus cabelos, esse moleque é muito interessante! Ahahahahaha!

Cyous entrou na conversa:

— A parte mais engraçada foi quando ele gritou: “MORRER VIRGEM É UMA DROGA! ” Muahahahahahaha! Eu quero me tornar amigo dele só para caçoar do coitado pelo resto da vida!

Hellen ficou completamente ruborizada, ela não escutou o que Ferus falou, pois não tinha sentidos apurados como os demais ali, mesmo ela sendo uma bestial.

Mas a risada deles incomodaria Ferus com certeza, pelo menos nisso Hellen conhecia ele bem.

Mesmo Alba Lepus, segurou um pequeno riso:

— Pfffffs!

Hellen tenta mudar o assunto:

— Va.… vamos para a cidade!

Cyous, parou por um momento e concordou:

— É verdade! O rapaz precisa de tratamento, também precisamos de descanso, a viagem até Lemur foi longa!

Hellen ficou aliviada ao notar que essas pessoas não são maléficas como pensava, eles têm suas regras e as obedecem, ainda que vá contra a lógica.

Repentinamente, mais uma pessoa saiu dos arbustos se juntando aos demais, esse foi ninguém menos que Hiekf.

O gnoll não conhecia ninguém ali além de Ferus e Hellen, por esse motivo Hiekf levantou sua guarda, ele não é ingênuo ao ponto de confiar em alguém que nunca viu, além disso haviam dois humanos ali, isso não é muito comum nas proximidades de Harp.

Hellen, correu em direção ao amigo gnoll:

— Hiekf! Ferus venceu! Ele está bem!

Hiekf, sorriu amargamente para a revelação de Hellen:

— Ainda bem que Jù yuán veio em sua forma de “O sábio”, se não fosse isso Ferus poderia passar por apuros.

Cyous riu da análise do gnoll e revelou:

— Ahahahahaha! Isso seria lógico! Mas sinto em lhe informar que o jovem lobo venceu as três formas de Jù yuán, claro que seria um fardo enfrentar todas de uma vez, no entanto ele eliminou uma por uma, falo de todas as cópias residuais do rei macaco!

Hiekf fez um olhar soslaio, mas não mostrou surpresa com isso, pelo contrário, ele simplesmente deu um riso farto.

— Nada mais me surpreende vindo desse moleque!

Hiekf abaixou sua cabeça humildemente e agradeceu:

— Obrigado! Esse menino é como um filho para mim, embora sempre esteja arrumando problemas, eu cuido para que ele possa crescer no caminho correto, mesmo que a personalidade dele seja horrível é um bom garoto.

Ao se atentarem ao gnoll que humildemente abaixou sua cabeça, Cyous e Donovan sentiram-se sem jeito.

Alba também se comoveu com a atitude do gnoll que lembrou seu pai adotivo, mesmo assim a coelha branca ainda é uma aventureira a serviço da realeza, era sua obrigação recolher informações sobre o lobo negro, ainda que não fosse o momento adequado.

— Me diga gnoll! Quem é esse garoto? De onde ele veio? Por que diabos é tão forte?

Cyous, reprovou a atitude fora de hora de Alba, mas entendeu que ela só fez seu dever, por esse motivo não interviu com ela.

Hiekf, sabia que essa pergunta viria uma hora, mas o gnoll é ardiloso, então já tinha uma resposta preparada para essa ocasião:

— Ferus foi abandonado ainda bebê por seus pais, como pode ver ele é um mestiço, minha aldeia o acolheu e eu o criei, ele é um tipo raro, por isso o escondi do mundo até esse momento, infelizmente nossa aldeia foi atacada por um dos líderes da predatory, o bestial Tigre, Laruk Tigar…

Alba Lepus e os demais prenderam suas atenções com a explicação de Hiekf, graças aos deuses ninguém ali possuía uma habilidade problemática como a de Zizis, uma bestial leoa que pode revelar as mentiras por trás dos contos.

Por esse motivo Hiekf contou essa “História” para eles.

— Ferus entrou em uma luta mortal contra Laruk e o venceu, saímos do vilarejo para que o perigo não chegasse até nossos entes queridos, como responsável eu o acompanho em sua jornada.

A estória contada por Hiekf não tinha pontas soltas, qualquer investigação levaria para sua versão, ele prioriza o segredo sobre as habilidades de Ferus, claro que o astuto gnoll deixou de antemão todos em seu vilarejo familiarizados com esse conto.

Revelar a verdade sobre Ferus poderia ser nocivo ao rapaz, pois suas habilidades únicas iam ser visadas por pessoas perigosas.

Alba Lepus, não mostrou acreditar em seu conto, contudo Hiekf apenas sorriu sem se preocupar com opinião dela.

Cyous e Donovan omitiram sua opinião, Hellen fingiu ignorância, ela havia escutado de Ferus que seus pais foram mortos pela igreja do sol, foi óbvio para felina que Hiekf mentiu, contudo ela dançou conforme a música.

Ferus que está inconsciente não tinha idéia do que acontecia a seu redor.

A coelha branca interrogou Hiekf ainda mais, contudo o gnoll a cortou:

— Escute minha jovem! Eu não terei nenhum problema em responder suas perguntas depois, mas o rapaz precisa de cuidados, então poderia esperar até chegarmos em Harp? Depois de tratá-lo não me importo que o interrogatório continue.

Alba percebe que foi rude e egoísta:

— Vo…. Você está certo! Tratar o ferido é prioridade, peço desculpas por meus atos, todavia preciso de respostas, mesmo sendo uma aventureira estou a serviço de Lemur, então com certeza terão perguntas mais tarde!

Hiekf respondeu com um arco gracioso:

— Tudo bem! Eu não me importo de qualquer maneira.

Ferus foi carregado por Hiekf em direção a cidade de Harp, ele percebeu que os aventureiros que acompanham a coelha branca são da liga adamantium pelas plaquetas em seus pescoços, o gnoll aproveita essa oportunidade e bola em sua mente uma contramedida para lhe dar com esse assunto.

Hellen preocupada com Ferus pergunta a Hiekf:

— Ferus vai ficar bem não vai? Ele… ele ficou assim para me salvar!

Hiekf deu um sorriso amargo e falou:

— Sim, ele vai ficar bem! Mas com certeza não foi sua culpa menina, infelizmente Ferus e eu estamos sendo alvejados por um grupo perigoso, a Predatory, tenho certeza que Ferus também entendeu isso, então antes de qualquer coisa….

Hiekf abaixou sua cabeça para Hellen e exprimiu:

— … Me desculpe, no final das contas você foi envolvida por nossa culpa, seu cabelo foi arruinado por isso, não tenho como lamuriar mais esse fato!

Hellen baixou seus olhos, ela lembrou de Ferus se desculpando com ela no início de sua luta contra Jù yuán, mesmo assim parte da culpa também foi dela, no fundo não culpa Ferus por nada que aconteceu, apenas suas ações deram a brecha para que os inimigos pegassem a jovem de guarda baixa.

A felina suspirou e murmurou para si:

— Parece que minha decisão foi precipitada, ele é uma boa pessoa.

Hiekf que escutou os lamentos de Hellen respondeu para ela:

— Ele é bem desastrado e desatencioso, nem percebeu a hostilidade que o rodeia, mas é um bom garoto menina Hellen, eu garanto isso a você.

Aqueles que os acompanhavam assistiam em silêncio o diálogo dos dois, algumas horas se passam e chegam finalmente a cidade de Harp, a comoção da cidade tornou todas as ruas um verdadeiro caos.

Alguns pensavam ser o fim do mundo, afinal uma montanha desapareceu próxima dali.

Hiekf começou a ter dores de cabeça só de pensar o quanto teria que se explicar, o autor de todo esse caos, descansava tranquilo nos ombros de Hiekf.

Ainda inconsciente Ferus murmurou:

— Ca… Carne!

Hiekf teve as veias da testa dilatadas sentiu vontade de joga-lo ao chão, contudo ele levou em conta o perigo que Ferus enfrentou, mesmo assim, vê-lo relaxado enquanto ele enfrentaria muitos problemas o fez desejar carimbar a face do jovem com uma voadora.

— Tsk! Relaxando assim enquanto eu me dou mal! Esse é o resumo da minha vida desde que te conheci! Aaaaah!

Hellen riu para si quando escutou Ferus falando sobre carne em um momento tão crítico, ainda que desmaiado.

Passaram-se dois dias e Ferus não acordou, ele estava em seu quarto aos cuidados de Stela e Millin, mesmo Hellen se dispôs a ajudar após o ocorrido.

Hiekf teve que passar esses dois dias dando explicações ao grêmio de aventureiros.

A notícia de que Ferus venceu uma batalha indireta contra Jù yuán correu mais rápida que o vento, o rapaz não tem idéia de que sua fama cresce em Lemur, duas testemunhas do ranking adamantium deixaram bem claro que não é um boato.

Aurus investigou sobre o passado de Ferus, graças as contramedidas do gnoll, tudo deu certo no final.

A montanha de Lenor não existe mais, isso foi um problema.

Ferus é acusado de destruir um monumento histórico, mas Aurus atendendo um pedido de Jedhar moveu seus cordéis e deu um jeito nisso.

Pode não parecer, mas Ferus indiretamente deu outro significado ao termo mestiço, muitos repudiados por essa condição passaram a admirar Ferus, afinal não houve e nunca existiu um mestiço com suas capacidades, de fato ele indiretamente se tornou o símbolo que a predatory mais repudiava.

Nota: aqui o texto volta seu habitual, escrito em 1º pessoa.

— Argh!

Eu abri meus olhos e encarei o teto do meu quarto, alguém deve ter me trazido até aqui.

Ao tentar me levantar uma dor infernal passou por cada músculo meu corpo, a dor foi tão forte que soltei um gemido:

— Ouch!

— Você não devia se mexer!

Me virei com dificuldades para ver a dona da voz feminina, me surpreendeu saber que está voz é da Hellen, ela estava sentada em uma cadeira próxima a minha cama, provavelmente cuidou de mim em turnos junto com Millin e Hiekf, talvez até Stela tenha ajudado.

Hellen é uma bestial felina mestiça, sua pele é bem branca livre de qualquer marca, olhos azuis que deixariam qualquer membro do sexo oposto apaixonado, orelhas felinas, que assim como sua cauda também são negras, sua pelagem combina bem com a minha, um azeviche intenso.

Seus cabelos negros que agora ficaram curtos , não foram o suficiente para danificar sua beleza, pelo contrário, muitos poderiam até preferi-la assim, embora eu gostava e muito de seus cabelos longos.

Ao ver seu cabelo mais curto um sentimento de culpa apertou meu coração, sem poder me mexer eu digo:

— Me desculpe! … Seu cabelo…

A felina abriu um sorriso, apesar do olhar triste e me respondeu:

— Está tudo bem! Cabelos podem crescer novamente!

Eu pedi:

— Deixe-os crescer por favor! Seu longo cabelo era lindo!

Hellen virou seu rosto rápido, não entendia o motivo, ela ainda deve ter raiva de mim.

Não podia deixar de me sentir culpado, os cabelos de Hellen eram muito bonitos, chegavam até a metade de suas costas e me chamavam a atenção, acho que realmente gostava deles.

Eu suspirei cansado de tudo, não devo mais ficar aqui:

— Escute Hellen! Eu realmente sinto muito por tudo que você passou, infelizmente não posso fazer nada a respeito do seu cabelo, minha magia de reparação não funciona em seres vivos, mas eu prometo que isso nunca mais vai acontecer…

Hellen focou seu olhar em mim e me escutou calmamente.

— Eu estarei indo embora junto de Hiekf, não quero que você se meta em meus problemas.

Hellen respondeu com calma:

— Parte do problema foi minha culpa, então peço que esqueça esse assunto e também quero que me perdoe.

— Hã? Eu sou o único aqui que deve pedir perdão! Não entendi sua atitude.

Hellen suspirou com um sorriso vazio e exprimiu:

— O julguei sem conhecê-lo, eu o tratei mal, o desrespeitei, não te dei nenhuma chance, ainda assim você veio me ajudar…. Sabe? Percebi que tenho que mudar a mim mesma, então… tenho que parar de pensar como uma idiota!

Brinquei com ela:

— Impossível! Idiotas sempre serão idiotas, sei disso melhor que ninguém, pois sou o maior deles.

Hellen abriu um bonito sorriso e reclamou:

— Ora! Está dizendo que eu sou uma idiota também?

— É uma possibilidade! Ahahaha! … Ouch!

Droga, parece que até rir dói, minha musculatura inteira lateja como se eu tivesse exagerado em uma academia de musculação, a dor fazia meus músculos rangerem, até mexer o pescoço foi doloroso.

Hellen diz preocupada:

— Evite se mexer! O senhor Donovan que te tratou falou que você sofreu de um esgotamento energético por ter forçado sua habilidade ao limite.

Eu me lembrei da forma poderosa da minha [Índigo Energy] que usei contra Jù yuán, com certeza foi ingenuidade pensar que uma técnica daquelas não teria um custo.
Pergunto a Hellen:

— Me diga! Quem é Donovan no qual mencionou agora? Ele é um curandeiro?

Hellen sorriu amargamente e respondeu:

— Ele é um aventureiro da liga adamantium que assistiu sua luta!

O pior cenário possível se formou, Hiekf sempre me disse para esconder minhas habilidades, no entanto, um aventureiro da liga adamantium me viu lutar.

Se não doesse tanto, eu colocaria a mão sobre meu rosto agora. Fiz mais uma pergunta a Hellen:

— Outras pessoas me viram? Digo, além desse tal Donovan?

Hellen balançou a cabeça positivamente, o que me fez preocupado, mas ela destacou:

— Hmm! O senhor Hiekf conseguiu de alguma forma enganar a todos, então acho que tudo vai ficar bem!

É verdade! Hiekf sabe de tudo, ele deve ter pensado em algum plano para essa situação, mesmo assim estou deixando muito serviço nas costas dele, acho que devo ser mais cuidadoso daqui para frente.

Hellen estava inquieta, parecia querer dizer algo:

— Algum problema, felina?

— Affs! Eu já te disse que meu nome é Hellen… Hellen! Vamos diga! He…llen!

— Ahahaha! Desculpe-me, costume é mesmo uma coisa difícil.

— Hunf!

— Então…. He.. Hellen…

Droga! De alguma forma chama-la por seu nome é vergonhoso.

— … Vo… Você parece querer dizer alguma coisa!

Hellen também parece perturbada por chamá-la por seu nome, mas mesmo assim ela está ignorando isso:

— Fe… Ferus! Hmm! Sobre o que disse antes… sobre ir embora…. Eu gostaria que ficasse… Hmm! Eu quero ser sua amiga!

Eu fiquei completamente envergonhado, foi apenas um pedido de amizade, porém me fez muito feliz, mesmo assim eu tinha que confirmar algo:

— Hmm! Escuta Hellen, eu me envolvi com um grupo perigoso, não quero envolver nenhuma de vocês em meus assuntos, é por esse motivo que acho melhor que não se envolva mais comigo.

Hellen, suspirou e disse:

— Acho que isso já está fora de questão, Hiekf falou dessa possibilidade para senhorita Stela, mas ela exigiu que uma vez que estamos envolvidas, vocês devem nos proteger disso!

— Urgh! Um… um argumento bem sólido esse!

Realmente! Já envolvemos essas garotas nisso, então não podemos simplesmente deixá-las para lá, comecei a me sentir pior ainda.

— Eeh! Desculpe mesmo por isso!

A felina não pareceu aborrecida, no entanto ela fez um rosto preocupado, claro que a situação não foi a melhor para ela.

Hellen inesperadamente desabafou:

— Eu…. Eu estou com medo! … O velho macaco ameaçou me entregar para a pessoa que me escravizou… eu não quero voltar para aquela vida.

O rosto dela está pálido, apesar de não ter ideia do que ela passou, posso dizer que foi horrível devido aos olhos marejados dela.

Tentei tranquiliza-la:

— Fique calma! Não permitirei que nenhum mal venha até vocês, eu prometo!

Hellen limpou os olhos e revelou:

— O nome daquele que foi meu dono é Ranpa, ele é um dos membros da Predatory, basicamente ele patrocina o grupo, como é a pessoa mais rica em Lemur sua influência se estende até os países vizinhos, tem consigo uma guarda particular que o acompanha a todos os cantos, o líder de sua guarda privada é um elfo negro conhecido como Darts “O lunático”, ouvi dizer que ele é tão forte quanto um aventureiro adamantium.

Que dor! Mais um maldito que é bem forte apareceu e ainda tem um nome nojento desses, essa menina é parecida comigo, uma pessoa que atrai problemas.

Hellen, me encarava enquanto pensava sobre isso, dei um sorriso para mostrar que está tudo bem.

Sei que não é o momento, mas eu ousei perguntar:

— Hellen! Pode me dizer pelo menos um pouco sobre sua condição?

— Hã?

— Hmm! … veja bem! Não que eu queira me intrometer em sua vida, mas esse tal Ranpa me parece perigoso demais, enfrentar um inimigo com um amplo poder aquisitivo é complicado, então me diga por favor… como e por que você fugiu, quanto tempo faz desde sua fuga e o mais importante, por que ele ainda a persegue?

Não faz sentido que um vendedor de escravos gaste seu tempo atrás de um único fugitivo, sei que Hellen é linda, mesmo assim é demais ir tão longe.

Hellen ficou bem desconfortável com minhas perguntas, infelizmente não há como poupá-la disso, cedo ou tarde o mal vai persegui-la, saber pelo menos um pouco vai me ajudar.

Ainda relutante a gata começou um monólogo:

— Eu tive meus pais assassinados quando ainda tinha uns cinco anos, vivia em uma aldeia de mestiços desgarrada, essas aldeias sempre foi os alvos de Ranpa, já que ninguém reclamaria se ele adquirisse esse tipo de “produto”, como sabe os mestiços são odiados em Lemur. Em resumo, meus pais foram mortos e eu fui capturada como escrava….

Droga! É claro que ela odiaria os lobos! Afinal foram eles que mataram seus pais, embora isso não pareça ser tudo.

Eu não interrompi a fala de Hellen, apenas a deixei continuar:

— O tempo em que passei como escrava foi horrível, Ranpa pareceu se interessar em mim e me tirou dos serviços pesados, pareceu querer “investir” no meu crescimento, naquela época recebi educação e aulas rígidas de etiqueta, eu inesperadamente cresci de uma forma que agrada os homens, embora não saiba o motivo…

Eu olhei para Hellen de cima a baixo e mais uma vez notei seu corpo erótico, suas medidas são injustas para as garotas da mesma idade, ela é sem dúvida muito linda, mesmo as mulheres do reino do sol não foram tão belas, posso declarar sem temer que Hellen é a garota mais linda que já vi, seu rosto é o de uma princesa de contos de fada, seu corpo desperta desejos em qualquer homem, não é à toa que recebeu o título de “A mais bela peça”.

— Hmm! Ferus?

— Hã?

Eu me dei conta de que me distrai enquanto olhava para ela.

— A… a forma que me olha! … po… poderia parar! É desconfortável!

Hellen ruborizada cobriu seu corpo com seus braços, eu percebo o quão pervertido eu agi.

Embora não pudesse me mexer, passeei com meu olhar pelo corpo dela sem permissão, ela deve me achar nojento agora.

— Me desculpe! Não vai acontecer novamente! Eu prometo!

Hellen ficou um pouco aborrecida, mas continuou com sua história:

— Hun? Hun! …. onde estava? …. Sim! Hmm! Nessa época Ranpa me apresentou a alta roda da sociedade, sempre que ia fazer um negócio com vendas de escravos ele me levou junto, percebi depois que o maldito estava basicamente fazendo propaganda de mim.

Hellen dá um longo suspiro:

—Aaaaaaaah! Foi quando aconteceu….

— O que aconteceu?

Hellen fez um rosto amargo e respondeu:

— Ranpa tinha um bom histórico de negociações com o país dos demônios, o nome desse país é Deva, a maior parte de sua riqueza veio de lá, influência e nobreza são as razões pelo qual Ranpa mataria até a própria mãe, nesse dia um dos príncipes de Deva veio pessoalmente fazer negócios com ele, mas quando ele me viu logo mostrou de forma doentia me querer, chegou ao ponto de fazer uma oferta absurda por mim…

— Eeh? Sei que é indelicado…. Mas quanto foi oferecido a Ranpa por você?

Hellen desviou o olhar e falou baixinho:

— Do… Dois!

— Hã? Dois o que? Dois mil?

— Mi… milhões!

Meu rosto ficou azul nesse momento, mesmo assim quis confirmar:

— Dois milhões de moedas de ouro?

A felina que parecia está sendo intimidada por mim, respondeu com dificuldades:

— Dois Milhões de moedas de platinium!

Eu quase tive um AVC, Hiekf me disse uma vez que as moedas de platinium são as mais valiosas, pois tem dez vezes o valor de uma moeda de ouro, ou seja, dez moedas de ouro = 1 moeda de platinium, a felina a minha frente, se convertermos em ouro, ela teria o valor astronômico de vinte milhões de moedas de ouro, não me admira que Ranpa esteja ainda atrás dela, a gata vale mais que um país de pequeno porte.

Eu não consigo esconder, fiquei pálido, esse cara vai fazer qualquer coisa para ter essa “menina de ouro” de volta.

— e… eu sei que você é linda e tudo mais, só que dois milhões de platiniuns é um exagero!

— Guh! Eu sei disso! A realeza de Deva é muito rica e não se importa de esbanjar dinheiro atoa, infelizmente essa é a “sorte” que tenho na vida.

— Cara! Sua situação é pior que a minha! Como conseguiu fugir?

— A maior serva que Ranpa possuiu tinha a habilidade única de sobrescrever contratos, embora não possa anulá-los ela reescreveu meu selo escravo como se eu fosse propriedade dela, é assim que temos enganado Ranpa.

— Essa pessoa, onde ela está?

— Na cozinha!

— Stela?

Hellen balança a cabeça em confirmação. Olhando para a janela do meu quarto falei para mim mesmo:

— O céu é tão azul…

Hellen fica irritada com minha brincadeira e reclama:

— E… Eu não pedi para ser assim, tá bom!

— Oh! Você não pediu para ser tão linda a ponto de valer dois bilhões de moedas de ouro?

— Urgh!

Eu suspirei alto para mim mesmo e fui franco com ela:

— Ranpa, definitivamente virá atrás de você!

Hellen baixou os olhos com tristeza, mas eu disse com confiança, apesar de não saber se poderia fazer tal façanha:

— Eu vou te proteger! Afinal somos amigos agora, não é?

Hellen ficou feliz com minhas palavras, talvez ela esteja me usando, talvez ela só queira sua própria segurança, eu não a conheço bem a ponto de confiar plenamente, mesmo assim decido que vou confiar nela e a ajudá-la, afinal ela é minha primeira amiga nesse mundo.


Autor: Marcus | Revisor: Heaven


 
[1] – “Luz”, nesse caso refere-se ao conhecimento da pessoa em questão.


Fontes
Cores