FNR – Capítulo 29 – Jù Yuán (1)



Muitas horas se passam, já é praticamente madrugada, a felina não voltou ao restaurante, Stela falou que ela deve ter retornado a sua casa, pois Hellen vive sozinha.

Mesmo assim a preocupação não saia do meu peito, eu senti uma sensação muito ruim em relação a isso.

Embora o horário não fosse o melhor, eu decido ir procurá-la.

Hiekf diz:

— Escute Ferus! Deixe isso para amanhã!

Eu argumento:

— Sinto muito! Não vou conseguir, parte disso é minha culpa então quero ao menos saber se ela está bem.

Hiekf suspirou, ele está muito cansado, Stela e Millin já se foram, como estou na sala da nossa casa que fica no andar de cima do restaurante, incomodei o sono de Hiekf andando de um lado para outro.

— Sinto muito mesmo Hiekf! Mas vou atrás dela! Não vou ficar tranquilo até que saiba que ela se encontra segura.

Hiekf massageia sua testa cansado.

— Tudo bem! mas leve Gleipnir, com os acontecimentos não sei se um ataque súbito pode acontecer ou não, então acho melhor se prevenir.

Hiekf buscou minhas correntes Gleipnir e as entregou para mim.

— Escute jovem! Qualquer problema ao menos tente avisar de alguma forma, ok?

— OK!

Finalmente consigo sair e procurar pela felina, eu rodei a cidade inteira no encalço da garota, mas não tive êxito, por não saber onde ela mora não tive chances de checar.

Uma sensação de que algo está errado não deixou meu peito, mais uma vez procurei pela cidade inteira, porém a alvorada se mostra e eu não consigo achá-la.

Sentei-me em um lugar próximo à praça da grande feira pensando em onde procurá-la.

Uma voz me surpreendeu:

— Ahahahaha! Sua melancolia me diverte!

Sem perder tempo virei-me já com minhas correntes armadas em meus braços, de uma forma misteriosa esse maldito conseguiu passar pela minha perícia de sentir presenças.

Eu me deparei com um grande gorila, ele se vestia como as pessoas orientais em meu antigo mundo, suas vestes sem dúvidas eram similares aos filmes chineses de época.

Eu perguntei sem perder tempo:

— O que quer?

O grande gorila andou em minha direção, seus movimentos são demasiadamente perfeitos, alguém que mostra uma conduta assim apenas em seu andar, não é normal!

O gorila me reverência com desdenho:

— Meu nome é Dà Ching, não precisa mostrar tanta hostilidade a minha pessoa, pois venho como um mensageiro… Ferus!

Esse maldito gorila sabe quem sou!

— Hunf! mensageiro? Que tipo de mensagem tem para mim então?

O gorila que se intitulou como Dà Ching apontou para sua direita como se quisesse me mostrar algo.

Eu entrei em seu jogo e olhei para onde pediu, não havia nada naquela direção, apenas uma montanha que parecia estar bem longe.

— Ah sim! Uma montanha!

— Sim! o nome daquela montanha é montanha de Lenus, meu mestre o aguarda lá!

O gorila abre um sorriso sinistro e afirma:

— Meu mestre é muito bondoso! Oferecer um túmulo tão famoso para um impuro nojento!

Eu olhei bem para o maldito gorila, em sua mão direita, a marca da Predatory está em destaque.

Fiquei apenas calado esperando pela mensagem completa dele.

O gorila retirou algo de sua bolsa e lançou para mim, reflexivamente peguei o que me lançou.

Me surpreendi muito ao averiguar aquilo que Dà Ching me joga, longas mechas de um lindo e cabelo negro deslizaram entre meus dedos, eu engoli seco naquele momento, sabia bem a quem pertencia aquele cabelo cortado.

— Es… Esse é o cabelo de Hellen!

Sorrindo ele me provoca:

— Entendo! Então aquela bela felina de olhos azuis se chama Hellen!

Eu senti um ódio tremendo se espalhando em mim, arrepios, ódio, fúria, tristeza, medo e muitos outros sentimentos se misturaram em meu coração.

Olhei dentro dos olhos de Dà Ching, meu raciocínio não estava pleno.

O gorila deu um passo para trás suando frio, forçando um sorriso me revela:

— Três horas! É o tempo máximo que meu mestre vai te espera, um minuto de atraso e a felina morre!

Nunca em minha vida senti vontade de matar alguém, mas hoje foi a exceção, contudo não posso perder tempo com esse gorila covarde.

Apertando os cabelos de Hellen em minha mão fui como o vento em direção a montanha.

Em algum lugar em meio a montanha de Lenor.

Hellen está inconsciente atada a uma grande rocha em meio as montanhas, em sua volta uma espécie de ciclo com inscrições estranhas.

Jù Yuán, um ancião do clã dos macacos observa pacientemente a natureza que envolve a montanha, sentado em cima de uma rocha ele fica em prontidão aguardando a mínima mudança.

O velho macaco não conseguia tirar o sorriso de seu rosto, não por que estaria perto de realizar a sua vingança e tão pouco pela promessa que fez a Garuk de entregar a cabeça de Ferus a ele.

O velho está empolgado, pois irá enfrentar um oponente digno, a sensação do sangue fervendo lhe lembrou sua juventude, o corpo de seu amigo Laruk mostrou um rosto repleto de satisfação.

O velho tem um pequeno vislumbre do passado esse foi o último momento no qual falou com Laruk:

Laruk estava sentado em um local próximo a um campo verde, ele encontrou Jù Yuán naquele tempo com esperança que as culturas antigas das terras do leste obtivessem a cura de sua doença.

Todavia não aconteceu, Jù Yuán aproxima-se de seu amigo e ao seu lado comenta:

— Não há vergonha em temer a morte meu amigo!

O tigre riu:

— Huhuhu! Temer a morte? Não! Não é nada disso, eu não temo a morte.

Jù Yuán sabe bem que Laruk não é uma pessoa que mente, mesmo em uma situação assim.

— Então o que te aflige amigo? Olhar para um campo tão calmo não é do seu feitio.

Laruk argumenta:

— Uhuhu! Você está certo! Algo tedioso assim não é mesmo minha cara, mas sabe? depois de saber que não vou durar muito, comecei a pensar que essa visão é agradável.

— Kukukuku! Eu nunca cogitei que uma frase tão emotiva sairia de sua boca!

— Sim! não posso retrucar isso, mas sabe? eu não vou deixar a linha de frente, se for para morrer prefiro que seja em um combate em vez de sucumbir aos poucos no leito de uma cama.

— Pretende ter uma revanche com Alba Lepus?

— Eu até pensei nessa possibilidade, contudo sei bem que no máximo perderia outro olho, eu odeio Alba Lepus, no entanto tenho humildade o suficiente para admitir que ela é superior, eu não a desafiei por que me sentia humilhado como todos pensam, eu apenas queria saber se a guarda real estava em boas mãos.

— Eh! Oque achou?

— Está tudo bem! o reino de uma forma ou outra vai entrar nos eixos, só que sou velho e mente fechada demais para aceitar tantas mudanças, o mesmo acontece com você não é?

— Hunf! não seja idiota! Nossas tradições e conduta sustentaram esse país e o levou ao patamar que está hoje, jogar-nos fora assim? Está tudo bem para você Laruk?

Laruk sorriu ao contemplar mais uma vez o campo a sua frente, ele responde:

— Não! Não está! Por isso seguirei lutando.

— Me diga Laruk… você acha que a vida vai agir como pensa! E se por algum motivo encontrar um adversário parecido com a coelha branca que tanto despreza?

— Então colocarei toda minha força a prova, mostrarei que o esforço supera o talento!

— Não seja tolo tigre idiota! Você nem sequer é a metade do que foi!

— Ahahahaha! Isso é verdade! Eu nem consigo mais manipular minha lança tormento dos céus… Mesmo assim quero dar meu melhor em uma batalha de vida ou morte, desde que decidi seguir pelo caminho do guerreiro já havia escolhido o campo de batalha como cemitério, uma lápide diferente dessa eu não aceito.

Jù Yuán Fechou seus olhos por um momento e disse a única coisa que poderia dizer para alguém tão centrado como Laruk:

— Espero que ache um oponente e tanto!

Voltando de seus pensamentos Jù Yuán escuta um barulho vindo de seu bolso, ele pegou um pequeno cristal de lá.

A imagem de seu discípulo Dà ching apareceu no cristal.

— Shifu! * o recado já foi passado, faz quinze minutos que ele foi a seu encontro, em algumas horas creio que ele o alcançará.

— Kukukuku! Muito bem Dà ching, seu próximo passo é achar e capturar o Gnoll chamado de Hiekf… Não o mate! Preciso dele vivo para conseguir informações sobre a desaparecida biblioteca de marfim, apenas ele sabe de seu paradeiro.

— Sim, shifu!

O cristal cessou com a imagem, o velho macaco guarda o cristal e se levanta de onde estava, ele reparou que a garota está despertando.

Hellen que agora tem um cabelo curto, arregalou os olhos tendo noção da situação em que se encontra.

Jù Yuán provoca a garota:

— Kukuku! Confortável? Eu espero que não, mas não fique tão chateada, o recado já foi passado ao lobo negro, logo, logo ele estará aqui.

Hellen devolveu:

— Seu macaco velho pervertido e sequestrador, ME SOLTE AGORA!

Jù Yuán colocou sua mão no rosto e riu das ofensas da felina:

— KUAHAHAHAHA! Eu nunca pensei que alguém ousaria me chamar disso em minha vida! você É muito corajosa dada a situação em que se encontra.

Hellen respondeu com um sorriso:

— Hunf! você perdeu seu tempo macaco velho! Ferus não virá por mim, eu sei disso!

— Hou! Acha mesmo que vou escutar suas lamúrias menina? Eu sei que o garoto vem a seu encontro e…..

Jù Yuán subitamente se virou surpreso para a direção oposta, sem acreditar ele murmura:

— Ei! Ei! Isso é sério? A distância entre Harp e essa montanha são de pelo menos 112 km, esse pequeno bastardo…

Ferus saltou do meio das árvores de forma abrupta e pousa no chão frente a frente com Jù Yuán, sua aterrissagem forte fez a poeira se levantar do chão.

— Em menos de meia hora chegou até aqui? Kukuku! Você é interessante lobo negro!

Ferus estava esgotado, o suor escorria de seu corpo e ele ofegava muito.

Jù Yuán diz:

— Hunf! Esses jovens de hoje não têm paciência! Tsk!

Hellen olhou para Ferus sem acreditar que ele veio.

Ferus também encarou Hellen e se desculpou:

— Me desculpe por te enfiar nisso! Não se preocupe de alguma forma vou salva-la, mesmo que morra tentando.

Hellen se sente pior que nunca, mesmo depois de tudo Ferus veio em seu resgate, ele acha que tem culpa nisso, mas a situação só aconteceu por que ela correu sem rumo em uma noite perigosa.

Mesmo com tudo que ela disse para Ferus, ele apareceu e ainda se desculpou por tudo, com certeza ele se culpa de alguma forma.

Hellen não conseguiu encontrar palavras para dizer nada.

Jù Yuán saltou para cima de uma rocha e se sentou sobre ela, seu bastão como sempre descansa em seus ombros.

Ferus pergunta cheio de ódio:

— Por que recorreu a essa forma covarde para me chamar?

— Kukukuku! Não seja tolo! Essa foi minha última alternativa, já que em nenhum momento botou seus pés fora de Harp.

Ferus não pode sair de Harp graças ao castigo dado por Hiekf, contudo isso revelou seus relacionamentos laterais, isso é bastante perigoso, talvez Hiekf, Stela e Millin também corram perigo, esse pensamento fez Ferus temeroso.

Ferus pediu:

— Solte-a e vamos resolver o assunto entre nós!

— Eu poderia fazer isso! Mas não quero! Essa menina tem um valor inestimável para uma pessoa detestável, contudo um aliado é um aliado, até mesmo aquele lixo do Ranpar tem muita utilidade para Predatory.

Ferus se lembra bem das informações que leu no Status de Hellen, Ranpar é um mercador de escravos, também é o líder do clã dos lobos azuis.

— Tsk! Ei velhote, por que diabos está atrás de mim?

— Não se faça de tolo moleque! Você matou uma figura importante para nós, estou falando de Laruk Tigar!

Ferus torceu o rosto para o velho macaco.

Jù Yuán descansa sobre a pedra na qual saltou.

— Sugiro que descanse lobo negro! Não quero iniciar uma luta com um oponente esgotado! Meia hora deve ser o suficiente para que recobre suas energias.

— O que você está…

Jù Yuán levanta sua mão interrompendo o diálogo de Ferus.

— Escute rapaz! A sua garota não está em bons lençóis, o ciclo desenhado no chão que a envolve só pode ser desfeito caso eu morra ou perca a consciência, esse ciclo inflige a morte dela caso você tente entrar na área em que ela está presa, ou caso ela tente sair da área que eu determinei.

Hellen se assustou com a revelação de Jù Yuán, Ferus também sentiu medo, ele mostrou os dentes ferozmente para o velho macaco.

Jù Yuán devolveu com sorriso.

— Kukuku! Isso mesmo! Se não vier com vontade de me matar a garota morrerá, então recupere suas forças e descanse.

Sem ter como recusar, Ferus sentou-se no chão e fechou seus olhos concentrando-se em recuperar o fôlego.

O ancião bota seu olhar sobre Ferus pensativo:

“Esse moleque! Eu nunca imaginei que ele pudesse chegar tão rápido aqui! Como imaginei ele não é alguém comum”

Jù Yuán tenta avaliar o Status de Ferus, mas:

STATUS

Nome: Ferus Raça: Informação protegida Gênero: Masculino
Idade: 14 anos Classe: Guerreiro das Correntes Nível: 31

Informações restantes impossíveis de serem avaliadas, habilidade de Ocultação ativada.

“Hou! Uma poderosa habilidade de ocultação? As únicas informações que tenho são idade, o nível e a classe, tendo em vista que ele protege as informações raciais eu concluo que ele é um tipo “raro”! Hunf! essas fraudes são uma dor de cabeça! Contudo esse moleque tem apenas quatorze anos?”

Ferus tenta recuperar o máximo possível de estamina para lutar com o ancião macaco, seus instintos o dizem que o velho e demasiadamente perigoso, o ar em sua volta lembra o mesmo de Laruk.
Ferus tenta avaliar seu oponente:

[Avaliação]

STATUS

Nome: Jù Yuán Raça: Bestial macaco Gênero: Masculino
Idade: 78 anos Classe: Supremo Mestre do Bastão Nível: 106

Informações restantes impossíveis de serem avaliadas, habilidade de Ocultação ativada.

Ferus se assustou com o nível de Jù Yuán, seu nível e quase o dobro do nível de Laruk, sua classe também tem um nome assustador, ela indica que o macaco a sua frente chegou ao limite de sua especialidade, que no caso é o bastão que tem sobre seus ombros.

O macaco riu ao perceber que o jovem lobo avaliava-o.

— Kukuku! Você deve sempre trabalhar com a hipótese de que seu adversário pode ter a mesma habilidade que você! Como se sente quando não pode ver o Status de seu oponente?

Ferus sentiu-se intimidado pelo adversário que enfrentaria, ele é definitivamente um poço de experiência, ao contrário de Ferus que sempre contou com o acaso para vencer as técnicas de seu oponente.

Faltam 15 minutos para o início do combate, Hellen não conseguiu dizer nada em meio a tensão que os dois causavam a sua volta, era como se o mundo se resumisse aos dois.


Autor: Marcus | Revisor: Heaven



Fontes
Cores