FNR – Capítulo 27 – Enrolados



Muitos eventos desagradáveis ocorrem no dia em que fui fadado a ficar amarrado a uma pessoa que me desagrada.

Essa pessoa é uma fêmea do clã bestial dos gatos, ela me detesta sem que eu tenha dado motivo algum, eu a cada dia tenho mais e mais aversão a essa gata arisca.

Ela raramente dirige a palavra a minha pessoa, mas seu olhar de nojo me deixa muito nervoso, eu sei bem que os mestiços são odiados, mas nunca achei que fosse a esse ponto.

Infelizmente não posso falar nada sobre a aparência dela, qualquer idiota que botasse seus olhos sobre ela, veria que ela pode facilmente ser intitulada como a garota mais bonita daqui, no meu mundo anterior nunca em minha vida vi nenhuma beleza se comparar com a dela, isso me deixa ainda mais irritado.

Escutei de Stela e Milin por um acaso que a felina não gosta do clã dos lobos, claro, não tenho nenhuma intenção de saber o porquê, porém esse olhar cheio de ódio me irrita.

Para mim a forma que ela me olha com repúdio é muito dolorosa, não sei nada sobre ela, todavia é o mesmo comigo, ela não sabe nada sobre mim, nem sequer me deu uma chance, simplesmente me repudiou e me desprezou só em ver que sou um lobo, ou um mestiço, seja o que for.

Para resumir minha lamúria, detesto a forma que ela me encara.

Mesmo agora quando estamos sem opção amarrados um ao outro, seu olhar atravessa meu corpo, ele é tão afiado quanto uma lança, ainda de costas sinto seu olhar de desgosto em mim.

Hiekf me disse que deveria achar outra maneira de resolver isso, mas sei que não há solução para esse caso, mesmo em meu antigo mundo eu já senti esse olhar de repúdio, nunca fui um aluno aplicado ao contrário do meu falecido irmão, os professores, os alunos e até alguns parentes me tratavam como uma falha.

Admito que a maior culpa naquele tempo foi minha, mas sei bem que uma vez que esse olhar de reprovação é posto sobre você, nada e ninguém irá mudá-lo.

Meu castigo é ajudar nas tarefas do restaurante de Stela junto a felina, eu não tenho opção a não ser obedecer.

Foi um dia longo, fiquei encarregado de lavar pratos por horas, a gata infernal forçada a ficar ao meu lado sentiu muito desgosto com isso.

No entanto resolvi parar de provocá-la quando o castigo foi estendido para duas semanas em vez de uma.

Ela também não disse mais nada depois disso.

Ao cair da noite eu fiquei aliviado, finalmente poderia me separar dela para dormir em paz.

Contudo…

— Espere aí Hiekf!

Eu coloquei a mão sobre minha testa e a esfreguei, eu acho que fiquei cansado com a tensão e não escutei direito.

— Hun? Hiekf e senhorita Stela! Eu não escutei muito bem sabe? eu pensei ter ouvido de vocês que não separariam essas amarras quando formos dormir? Será que poderia dizer o que realmente falaram? Esse idiota aqui não está com os ouvidos funcionando!

Stela respondeu com um sorriso:

— Não Ferus! Você escutou bem! a partir de hoje, os dois estão fadados a ficarem assim por duas semanas, isso inclui comer, dormir e outras coisas.

A felina atordoada com a situação discute:

— EI! E quanto ao banheiro? Eu vou ter que ir junto com esse lobo nojento?

Essa gata de merda realmente me irrita!

Stela falou:

— Quanto a isso! A corda mágica em vocês estica a uma distância de dez metros, vocês podem revezar com um ficando do lado de fora enquanto o outro toma seu banho ou faz suas necessidades.

A felina grita:

— DE JEITO NENHUM! EU NUNCA IREI DORMIR NO MESMO QUARTO QUE ESSE LOBO REPULSIVO! NINGUÉM VAI ME OBRIGAR!

Stela pegou a gata por uma de suas orelhas e a puxou sem dó, eu engoli seco com a cena de violência ali.

Stela disse em alto e bom som para a felina:

— Ora! Acho que esqueceu com quem está falando não é?…

— Ai! Ai! Ai! Me…. Me desculpe!

Stela soltou a orelha da gata que caiu de joelhos no chão segurando sobre a parte dolorida.

Stela lançou um olhar aterrorizante sobre a gata, que se encolheu no canto de pavor.

Stela e Hiekf causam medo quando estão com raiva, por esse motivo apenas fiquei ali calado.

Foi decidido que vou ter que compartilhar meu quarto com a felina.

Ao adentrar meu quarto a gata já abriu sua boca maldita:

— É melhor ficar em sua parte do quarto entendeu!

— Ehh? Acho que quem não entendeu foi você! Esse quarto é MEU! Aquela que está invadindo é você!

Com o rosto cheio de raiva ela retruca:

— Se… Se tentar qualquer coisa pervertida…

Eu a cortei imediatamente:

— COMO SE EU FOSSE!

A situação já ficou pra lá de cansativa e eu declaro farto:

— Hunf! que seja, vamos apenas dormir ok, o dia foi muito cansativo e não quero gastar o pouco de energia que me sobrou, então só durma!

Eu pego alguns cobertores e forrei o chão assim eu me deitei ali e virei as costas.

A felina me pergunta:

— Hun? Eu vou dormir na cama?

Sem me virar eu respondi:

— É claro! Posso até ser áspero com as pessoas, mas nunca vou deixar uma garota dormir no chão! Agora boa noite! Quero que essas duas semanas passem rápido.

Naquela noite eu não consegui dormir nem um pouco, a gata não dormiu nada também, ela ficou a noite toda encolhida na cama me observando de forma arisca, eu acho que ela pensou que eu iria tentar alguma coisa e não conseguiu dormir, como senti seu olhar sobre mim, também não consegui dormir.

Já de manhã nós nos levantamos e descemos para o restaurante, sem nem sequer falarmos um com o outro.

Meu humor por causa da noite perdida foi horrível.

Sem paciência eu perguntei a ela:

— Ei felina! Me diga por que diabos ficou a noite toda me observando, eu me senti tão desconfortável que não dormi nada!

A gata respondeu:

— Hunf! não pense que vou baixar a guarda perto de você, eu nunca vou dar oportunidade para que me ataque de noite!

Eu suspirei fundo, não tive forças para revidar a acusação infundada da felina, o pior é que esse jeito de agir dela não é normal, será que alguma coisa aconteceu com ela para que se comporte de forma tão arisca?

Eu lancei minha avaliação nela de forma que não percebesse:

STATUS

Nome: Hellen Raça: Bestial gata mestiça Gênero: Feminino
Idade: 15 anos Classe: Ex-escrava / Garçonete Nível: 12
Força: 10 Resistência 30
Agilidade 25 Destreza 53
Sabedoria 33 Inteligência 38
Carisma 320 +40 Poder Mágico 74
Pontos de Vida 20   Mana 53  

Perícias:

Saltar NV 03, Acrobacias NV 04, Sobrevivência NV 07

Habilidades:

Visão no escuro NV 08

Títulos:

A mais bela peça, Escrava fugitiva

Logo no inicio fiquei surpreso com duas informações dela, a primeira é que a gata é uma mestiça, a segunda foi sua profissão ou classe estar com uma parte da descrição como Ex-escrava.

Ela também é apenas um ano mais velha que eu, foi difícil de acreditar nisso, as outras coisas nela que deixaram curioso são os seus títulos, que são dois, A mais bela peça e escrava fugitiva.

A curiosidade não me permitiu ignorar isso, então analisei os títulos dela com minha avaliação.

[Avaliação]

Escrava fugitiva: A única que conseguiu escapar do grande mercador de escravos, Ranpar, líder do clã dos lobos azuis.

A mais bela peça: Título adquirido por ser a mais bela do acervo de escravos de Ranpar, sua beleza exótica e seus raros olhos azuis lhe concedem esse título. Bônus: + 40 de carisma.

Muita coisa passou nesse momento por minha cabeça, primeiro eu descubro que algumas pessoas podem ultrapassar o bônus de carisma, no meu caso quando o carisma chegou a 200 o medidor acusou como o número máximo que eu podia chegar em carisma é 200.

Contudo essa garota passou e muito o meu carisma, ela tem quase o dobro do meu, por isso é tão bela.

Se ela é uma mestiça isso significa que o fato dela me odiar não tem ligação com a falsa descrição que dei sobre eu ser um mestiço.

Ela também é uma ex-escrava, parece que seu antigo “dono” é um lobo, talvez a fonte de sua aversão a minha pessoa venha daí.

A gata me encarou insatisfeita e disse:

— O que está olhando?

Eu poderia dizer que não é nada, mas sempre fui direto e nunca deixarei de ser.

Eu perguntei sem rodeios:

— Você me odeia por que a pessoa que lhe escravizou é um lobo?

A face da felina torceu de espanto com minha pergunta.

— Co… Como sabe disso?

— Eu apenas vi em seus Status.

A gata deu um passo para trás e ao fazer uma postura hostil ela declara cheia de repúdio e ódio:

— Isso mesmo! Minha família foi separada de mim por malditos lobos, vivi uma vida miserável por causa de malditos lobos, eu… eu nunca vou esquecer as humilhações de estar acorrentada como um animal para deleite de homens nojentos que brigavam gritando valores altos cobiçando meu corpo.

Eu virei meu rosto para ela:

— Entendo!

Fui indiferente e comecei minhas tarefas.

Irritada a gata expressa com um sorriso cínico:

— Ei! Não vai dizer coisas como: “Eu sou diferente deles” ou “não generalize” hã? Não vai nem tentar defender os seus semelhantes?

Eu a olhei nos olhos e falei com sinceridade:

— Não! Não vou dizer coisas idiotas assim, minha família foi assassinada pelos membros da igreja de Isoltis e eu jamais vou perdoar nenhum deles, mesmo que me digam que “Eu sou diferente” ou “não generalize”, meu ódio por eles é maior que tudo, então apesar da ironia, eu entendo como se sente mais do que qualquer um, por isso não vou repreendê-la por algo que faço igual, isso seria a imagem da hipocrisia não acha?

A felina não me perguntou mais nada e também não falou mais nada durante todo aquele dia.

Foi um dia curto e sem nenhum diálogo ou briga, o dia passou rápido e foi entediante.

Na hora de dormir, simplesmente deitei no chão e me virei deixando-a com a cama novamente, afinal passei um grande período dormindo no chão frio da floresta quando morei com meus amigos lobos de chifre, duas semanas não vão me matar.

E assim fomos ao terceiro dia.

Stela me pediu para comprar uma grande quantidade de produtos para abastecer o restaurante, claro que a felina me acompanhou, ela simplesmente ficou muda em relação a mim, eu fui indiferente a situação, afinal deve ser desagradável conversar com alguém que odeia.

Uma lista foi dada a mim e a gata, assim fomos a feira, como hoje era um dos dias de feira nesse mundo, pensei em aproveitar e checar alguma coisa útil.

Hiekf ficou ocupado realizando as missões que peguei, o prazo apertado de três dias acaba hoje, felizmente Hiekf conseguiu realizar a maior parte das missões sem problemas, hoje ela apenas vai encará-las.

Como não sabia nada sobre a feira eu perguntei a gata:

— Você sabe melhor do que eu onde devemos comprar os mantimentos, conto com sua experiência!

Ela afirmou apenas balançando a cabeça.

Assim fomos as compras, logo no início senti alguém com os olhos em mim, ter a percepção de sentir presenças é algo realmente útil.

Mesmo depois de caminharmos um longo percurso, a sensação de que estamos sendo seguidos ficou em minhas costas.

Eu me viro para felina e digo:

— Alguém está nos seguindo! Existe algum problema com sua situação?

Felina focou seu olhar em mim e respondeu:

— Hunf! não seja tolo! Eu uso um item de ocultação de status!

Eu suspiro e respondo:

— Contudo eu consigo olhar facilmente seu status!

— Tsk! Eu não sei como conseguiu isso. A propósito ninguém do restaurante conseguiu ver o seu status, que tipo de item você usa para oculta-lo?

— Nenhum! Eu simplesmente tenho uma habilidade de ocultação, apenas isso!

A felina me olha desconfiada e eu não liguei para sua opinião, então simplesmente dei os ombros e comentei:

— Bom! Você está livre para duvidar o quanto quiser.

Finalmente chegamos ao destino, uma barraca que vende grãos e temperos, contudo o perseguidor ainda está em nosso encalço, foi fácil percebê-lo, pois sua intenção assassina queimava minhas costas.

Como temia o perseguidor está atrás de mim, pode ser difícil revidar com a felina junto, felizmente a corda mágica usada para nos ligar não pode ser vista por ninguém além daqueles presos a ela, isso foi muito bom, não queria ter pessoas perguntando por que diabos estamos amarrados um ao outro.

A gata comprou tudo que faltava, porém a quantidade foi tão grande que é impossível carregar tudo, não que eu não seja forte o suficiente, apenas é complicado carregar tantas coisas sem um transporte adequado.

A felina suspira e comenta:

— Acho que vamos ter que pagar pela entrega!

Eu digo:

— Não vai ser necessário!

{Espaço dimensional}

Eu invoquei minha magia dimensional e guardei tudo dentro.

— Eeeeeeeeh?

A felina me encarou assustada, parece que ela nunca viu uma magia de armazenamento na vida.

Eu explico a ela:

— Não fique com essa cara! Nunca viu uma magia de armazenamento antes?

— Vo… Você pode usar uma magia complicada assim? Mas… mas você não é mais jovem do que eu?

Sem entender a comparação que ela faz com a idade, respondo com indiferença:

— E daí? É só uma magia de armazenamento mesmo!

A gata parecia não entender o que disse e balançou a cabeça, retomando sua postura ela expressa ao olhar novamente a lista de compras:

— Ainda falta alguns artigos!

— Vamos então! Quero que esse dia acabe logo!

A felina me encara fixamente, eu me senti irritado e pedi:

— Poderia parar por favor? Já basta ter que aguentar seu olhar em cima de mim quando vamos dormir!

A felina descontente pergunta:

— Você é mesmo como os rumores dizem?

Eu me viro surpreso:

— Rumores?

— Sim! Escutei muitas pessoas falando sobre você no restaurante, alguns dizem que é uma aberração.

— Aberração né? Me pergunto se é isso mesmo!

Como sempre dou respostas vagas, a gata parece insatisfeita com isso, no entanto não devo satisfações para quem me odeia de graça.

Passamos por um beco íngreme e vazio, não sei se foi a melhor escolha.

A presença que nos seguia se aproximou nesse momento.

Eu falei baixo para a felina:

— Escute! O perseguidor de quem falei está vindo agora, acho que ele vai aproveitar a oportunidade de estarmos em um lugar vazio para atacar.

A felina ficou um pouco assustada com meu aviso, sua face ficou um pouco azul.

Eu cocei a cabeça e tentei tranquiliza-la:

— Não se preocupe, não vou deixar nada acontecer com você!

Eu olhei para cima e falei alto:

— Ei! Quanto tempo vai ficar nos seguindo seu stalker de merda? Apareça logo, ou está com medo?

Uma figura saltou em nossa frente impedindo a passagem, a felina deu um pequeno grito assustada.

A figura traja um sobretudo marrom com capuz, ele revela seu rosto por baixo do sobretudo, o que vi foi um bestial de pelagem branca.

O homem misterioso se apresenta:

— Eu sou Rormand, sou um integrante do clã dos lobos brancos, Ferus… você é uma ameaça que deve ser extirpada desse mundo!

Eu dei os braços e provoquei:

— Quero ver você conseguir!

O misterioso homem torceu sua face de raiva para mim, ele sacou uma grande espada.

A felina começou a tremer sem parar com medo, infelizmente nada posso fazer para amenizar o medo dela nesse momento.

O lobo branco correu para mim e saltou balançando sua grande espada.

— BRUM!

O homem arregalou os olhos ao notar que sua espada foi parada por um pilar horizontal de pedra que se formou entre mim e ele.

Saltando para trás ele pergunta:

— Tsk! Então consegue usar magia do elemento terra?

Ele interpretou erroneamente minha magia, antes de me atacar eu havia encostado minha mão na parede lateral desse beco e usado minha magia de {Moldagem} alterando a estrutura da parede e fazendo esse pilar para me defender.

Com um sorriso cínico converso:

— Terra né? Quem sabe!

Notando a minha ofensa sutil, o homem ficou ainda mais irritado, a gata não parou de tremer por nenhum momento.

Mais uma vez o bastardo me ataca, eu simplesmente evito sua investida com uma simples esquiva, contudo fui ingênuo, o seu alvo não era eu e sim a felina.

Talvez ele quisesse usá-la de refém ou algo parecido, mas não vou permitir:

[Movimento rápido]

Com toda minha velocidade eu superei a dele e me coloquei entre o inimigo e a felina.

O homem que se nomeou como Rormand freou sua investida ao notar que passei em sua frente.

— Tsk! Você é mesmo um monstro! Em um instante superou minha velocidade!

Eu respondi com desdém:

— Ah! Alguém que persegue um refém no meio de uma luta que ele mesmo começou é o verdadeiro monstro no meu ponto de vista!

Rormand aponta sua espada para mim e declara com palavras de ódio:

— Escute aqui mestiço nojento! Eu nunca irei permitir que um “sangue inferior” acenda aos degraus da fama em Lemur, eu engoli calado a maldita coelha, de maneira nenhuma que vou permitir que um lobo sem valor humilhe o clã dos lobos brancos.

Eu ri alto:

— AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA! Que merda é essa?

— Maldito!…

— Escute aqui lobo branco desgraçado! Eu não ligo para sua merda de clã, para mim eles são tão insignificantes quanto qualquer outro clã de lobos.

Tremendo de ódio, Rormand argumenta:

— Como ousa? Você não sabe nada da honra e do esforço que formou os três clãs de lobos!

— Não! Eu não sei e nem tenho a intenção de saber, para mim esses clãs de lobos e um monte de esterco tem o mesmo valor, a única diferença é que o esterco ainda tem proveito como fertilizante.

— MALDITO! Um falso lobo falando como se soubesse de tudo!

Eu cocei a cabeça e declarei com indiferença:

— Eu só vi o que me mostrou! Para mim você é uma falha como lobo e também como homem!

O olhar de raiva e desprezo só aumentaram, mesmo assim continuei:

— Primeiro! Você ataca uma pessoa só pelo fato dela ser diferente, isso prova o quanto é intolerante e mente fechada. Segundo! No meio da luta você prefere uma abordagem covarde como fazer alguém de refém em vez de lutar com todo seu esforço. Terceiro! Você apontou sua espada para uma mulher! Sua mãe nunca lhe ensinou que homens não devem levantar suas mãos contra mulheres?…. Bem analisando toda sua conduta, eu concluo que você não tem mãe.

Depois da última ofensa feita por mim, o maldito simplesmente ficou calado, nenhuma reação veio dele naquele momento, todavia eu sabia muito bem, o como ele ficou irado, foi como se a tampa estourasse.

Eu me aproximei da felina e a avisei:

— Me desculpe! Mas vou ter que fazer isso!

Ela sem entender nada pergunta:

— Isso oque? …

Eu a peguei por sua cintura e aproximei de meu corpo, em pânico ela reclamou:

— O que você está fazendo? Pervertido!

Antes de respondê-la Rormand partiu com tudo para o ataque.

Segurando firmemente a felina eu desviei de seus ataques rápidos com a espada, a gata ficou tonta com meus movimentos rápidos.

Com ódio Rormand grita:

— FIQUE PARADO MESTIÇO NOJENTO!

— Ahahahaha! Vai esperando!…

Rormand desferiu uma chuva de ataques com sua espada, eu consigo desviar mesmo carregando a felina comigo, eu não podia soltá-la, se o fizesse Rormand a visaria novamente.

— Tsk! Bela hora para não ter a Gleipnir comigo!

Os ataques de Rormand se tornam aos poucos mais fluídos e certeiros, de alguma forma ele está marcando meu ritmo, se permanecer sem atacar uma hora ou outra serei alvejado.

A gata está completamente atordoada em meus braços, fugir está fora de questão, virar as costas agora é um suicídio.

Rormand covardemente está visando o corpo da felina em vez do meu, isso me fez ficar mais lento.

Esse covarde de merda me dá nos nervos.

Eu saltei para cima de uma casa com a felina em meus braços, rapidamente Rormand me alcançou.

Corri em direção a feira naquele momento, aproveitando a brecha que eu dei, Rormand desferiu um golpe em minhas costas, eu não sei que tipo de habilidade o maldito usou, mas fui ferido.

— Ouch!

A dor queimou em minhas costas.

Percebendo meu rosto distorcido de dor a Felina pergunta preocupada:

— Você …. Está bem?

— Claro que não Felina! O maldito abriu uma ferida em minhas costas!

— Hellen!

— Eh?

— Meu nome é Hellen, eu não me chamo “felina” e tão pouco “Gata”!

— Ei! Você tem ideia da situação que estamos agora?

— Não importa! Eu tenho um nome!

— Tsk! Você é um saco sabia?

A felina ou melhor dizendo, Hellen me encarou com desprezo quando a ofendi.

Em meio à multidão eu tento despistar o lobo branco filho da pu**, só que o maldito é bem insistente e continua a nos perseguir mesmo com todos olhando para ele.

Eu me desviava das pessoas na minha frente para não derrubá-las, porém o maldito não se importava com isso, ele esbarrou e jogou todos a sua frente no chão, algumas pessoas ele até atacou com sua espada, de fato esse cara é um lixo.

Hellen me pergunta:

— Por que não acaba com ele?

— Você é retardada? Ele está usando você para selar meus movimentos, ele planeja usá-la como escudo para me atingir!

— Eeeeeeeh? EU NÃO TENHO NADA A VER COM ISSO!

— Haha! Bem vinda ao meu mundo! Agora cale-se ou vai morder a língua!

Eu saltei sobre uma casa e depois pulei para cima de um prédio ao lado, o maldito é claro me seguiu.

Eu parei sobre o teto do prédio, para minha alegria o teto é resistente e feito de forma sólida e robusta, antes do maldito pousar atrás de mim, eu coloquei minhas mãos no chão e usei minha magia:

{Moldagem}

Uma coluna sólida se formou com os materiais que o teto do prédio era feito e foi com velocidade ao encontro de Rormand antes dele aterrissar.

Eu expresso com um sorriso no rosto:

— Me responda! Como se desvia tão rápido no ar?

Com uma expressão assombrada ele murmura:

— Droga!

A coluna atinge em cheio a boca do estômago de Rormand:

— AAAAARGH!

Rormand cospe sangue por sua boca, sons de suas costelas quebrando foram audíveis.

Eu corro pela coluna que fiz com Hellen segura por meu braço esquerdo, saltei cerrando meu punho direito e me preparando para desferir o golpe no lobo branco de uma figa.

[Índigo Energy]

A Aura azul índigo revestiu meu braço direito todo e assim enterrei meu punho na face de Rormand:

— POW!

— UARGH!

Meu soco arrancou sangue e dentes de Rormand, ele foi lançado violentamente no centro da feira caído em cima de uma barraca vazia, toda a barraca foi destruída com aquilo.

De cima do prédio vi Rormand inconsciente entre os produtos da barraca.

A milícia da cidade apareceu imediatamente e prendeu Rormand levando-o inconsciente dali.

Com medo eu me escondo da milícia.

Escuto agora uma voz:

— Hun? Ei!

Eu encarei a felina que está segura pela cintura no meu braço, seu corpo está muito colado ao meu.

Ela pede:

— Po… Poderia me pôr no chão agora?

Olhando mais uma vez, noto seu corpo voluptuoso encostado em mim, seus seios que não eram nada modestos pressionavam-se em meu corpo.

Engolindo seco sentia a vergonha formigar em meu rosto eu a soltei devagar, evitei contato visual com ela no momento, o mesmo foi feito por parte dela.


Autor: Marcus | Revisor: Heaven



Fontes
Cores