FNR – Capítulo 15 – Uma caçada conturbada (Fim)



Dentro do território de Lemur está acontecendo uma calamidade que afeta todo o país.

Uma onda de destruição, varreu vilarejos, destruiu plantações inteiras, além de causar danos nas rotas comerciais e fazer o comércio ficar escasso devido ao medo das caravanas de prosseguir nas rotas ameaçadas.

Um monstro terrível nasceu devido a uma rara mutação, o exército real foi enviado para lidar com a criatura, mas conter o monstro, contudo o líder do exército está ausente devido ao falecimento de seu pai.

A guilda de aventureiros foi contratada para lidar com o assunto o mais rápido possível.

Um rastro de destruição foi deixado pela criatura que agora está se dirigindo a uma importante cidade comercial do reino, trata-se da cidade de Harp, uma das sete cidades centrais que são responsáveis pela rota comercial e distribuição.

A cidade de Harp deve ser protegida a todo custo, essas foram as ordens do rei Darbas Chloe primeiro.

Em um lugar dentro da floresta uma parte dela parecia não fazer contexto com o resto, dentro da vasta mata, que é a vegetação natural de Lemur, um pântano nojento e fétido ocupou uma pequena parcela da floresta.

Não era natural, foi como se alguém recorta-se uma parte de um lugar e colasse em outro.

Uma energia maligna emanava do pântano que exala um cheiro dez vezes mais desagradável do que a carniça em decomposição.

Um bestial de bela aparência se abaixa e confere uma pegada no chão.

Esse homem tinha uma tinha orelhas de cachorro no lugar das normais, uma cauda longa ligada a ele mostrava tensão, os olhos dele são negros e sua pelagem tão negra quanto.

Esse homem é Aurus Cannis, do clã bestial dos cães.

Uma jovem mulher muito bela que pertence ao mesmo clã conversa:

— irmão mais velho, sem sombra de dúvidas esse é o berço da criatura!

— É isso que os animais da floresta lhe disseram, Leslie?

— Sim!

A jovem dama, em questões de físico, se assemelhava e muito a seu irmão mais velho, contudo as vestes dos dois não combinavam, as roupas de Aurus, são típicas de um morador nobre da capital, mas seu estilo que combina uma camisa de linho branco, uma jaqueta preta e calças também pretas, lhe dão um ar imponente.

Já Leslie, vestia roupas mais como as dos moradores do campo, coberta com ornamentos tribais e uma bata bege.

Acompanhando Leslie, um cão cinzento com um olhar inteligente não se separou dela.

Aurus fez um sorriso amargo e murmura:

— Com tantos problemas acontecendo na capital, não tinha hora pior para essa maldita aberração nascer.

— Irmão! Está tudo bem? digo, faz tempo que você não sai em campo pessoalmente.

Aurus deu os ombros cansado e respondeu:

— Foi um pedido pessoal de vossa majestade, mesmo com os acontecimentos envolvendo o grupo revolucionário anti monarquia “Predatory”.

— ouvi dizer que um dos líderes importantes da predatory morreu.

Aurus faz uma expressão cansada e responde a sua irmã:

— Ele não morreu, ele foi assassinado.

A bela dama comenta:

— E pensar que existe alguém que podia derrotar o ex-capitão da guarda real, Laruk.

— Ahahaha! A coelha Alba, não o derrotou também?

— É diferente irmão, Alba Lepus é uma aberração, linda, forte, inteligente, fria, indiferente, uma combinação antinatural.

— Ahahaha! De fato! Eu tenho que concordar com minha linda irmã.

Aurus, investigou todo o local, mas suas conclusões não foram algo que o deixasse animado, longe disso, a preocupação tomou sua face.

— Algo errado irmão?

— Leslie, pergunte aos espíritos da floresta se alguém estranho, de alguma forma trouxe esse pântano até aqui!

Leslie, fica chocada com a suposição de seu irmão.

— Ir… irmão, você acha que alguém “fez” esse pântano?

— Eu estou farejando uma forte infusão de magia, então eu não diria “Fez”, mas isso foi obra de alguém, não foi natural.

Leslie rapidamente realiza um cântico mágico e diversas luzes de todas as cores possíveis se reuniram próximas aos dois.

Leslie pergunta aos espírito em uma linguagem diferente.

Após isso as bolas de luz emitem um som relaxante e gentil.

Leslie vira-se para Aurus com a face séria e declara:

— Os espíritos dizem que foi obra de um homem de trajes negros e um cajado de ossos, esse homem carregava consigo a magia da morte.

— Tsk! Um inimigo de fora? Droga!

Aurus que já fez o que devia avisa a Leslie:

— Leslie, reúna os aventureiros de ranking “A” e “S” esta missão foi categorizada por mim como missão de nível Desastre.

— Sim irmão!

Leslie Saltou dali em alta velocidade usando as árvores.

Aurus encarou o pântano e falou consigo:

— Devo me livrar da fonte do miasma antes que outra aberração nasça dela.

Aurus uniu as duas mãos e começou seu cântico mágico.

“Ô divindades da natureza, protetoras da fauna e da flora, eu peço-lhes auxílio para purificar o mal que assola nossa amada terra”

Aurus anuncia sua magia:

{Invocação espiritual}

Um clarão vermelho toma a região onde Aurus se encontra e dele surgiu um grandioso cão de pelagem vermelha.

O animal que media uns seis metros abre sua boca e expressa:

— EU SOU CRVENA O CÃO CARMESIM, O QUE DESEJA DE MIM, MORTAL NO QUAL TENHO UM CONTRATO?

— Crvena! Destrua esse pântano, corte o mal dessa floresta!

— ACEITO!

Crvena começa a emanar de seu corpo uma poderosa energia vermelha, uma bola energética carmesim se manifestou em sua boca.

[Carmesim Energy Ray]

Crvena disparou seu Energy Ray apagando todo o pântano daquele lugar.

Horas antes…

Um bestial de grande porte foi arremessado em uma casa rural destruindo toda a estrutura com o impacto de seu corpo.

Uma bestial do clã dos leões Gritou:

— BARBATUS! FALE COMIGO!

A mesma que gritou, foi uma fêmea com o corpo todo coberto com a pelagem dos leões, sua cabeça é como a de uma leoa, mas sua forma feminina deixaria mesmo humanos admirados.

Ele saltava com tudo brandindo sua espada contra uma enorme criatura.

Os javalis deviantes, são uma espécie Feroz, contudo eles nunca atacam cidades ou plantações, eles se restringem ao coração da floresta.

A criatura que media uns quinze metros é um tipo de variação do javali deviante, um fator que ocorre até mesmo na natureza, essa “mutação” acontece quando os seres vivos habitam em ambientes imbuídos com miasma e energia maligna, por meio disso às vezes os animais e bestas se tornam as chamadas aberrações.

Mas nunca na história de Lemur, aconteceu uma “mutação” de uma besta tão grande, isso por que seria necessária uma grande quantidade de miasma para realizar esse ato.

A bestial leoa atinge a pele do grande animal, mas foi inútil, sua lâmina quebrou-se ao se chocar com a pele poderosa da criatura.

Os estrondos da casa na qual o grande bestial foi arremessado são tirados de forma abrupta do caminho, revelando a pessoa que sofreu o impacto.

Um poderoso e grande bestial do clã dos rinocerontes se ergueu dos escombros, apesar de estar um pouco ferido seu espírito ainda estava no pico da batalha.

O bestial de pele cinzenta e encarou a criatura com seus olhos cheios de raiva.

Sua cabeça era como a de um rinoceronte, mas sua estrutura é bem humanoide apesar de corpulento.

O grande rinoceronte recolhe seu machado absurdamente grande e grita:

— SAIA DAÍ ZIZIS! VOCÊ JÁ PERDEU SUA ARMA, QUALQUER OUTRA COISA É IGUAL A TENTAR É SUICÍDIO.

— Tsk!

A leoa se afasta do monstro em fúria e se aproxima de Barbatus.

— Qual é o plano Barbatus?

— Plano? Não tem plano! Vamos afastar esse troço da aldeia, isso é a única coisa que podemos fazer.

— Entendo!

— Zizis! Eu vou usar a minha habilidade energética e desferir um ataque com tudo que tenho, assim vamos conseguir chamar a atenção da criatura para nós.

— Tudo bem! já que é assim deixe-me pelo menos auxiliá-lo com minha magia.

Zizis começa seu cântico mágico.

“Pelos deuses da batalha, eu invoco o poder de fazer com que minhas lâminas atravessem a mais rígidas das rochas, assim com os ventos transformam montanhas em areia, afie minha lâmina como o vento que passa por tudo”

{Lâmina mágica dos ventos}

Um poderoso vento reveste o machado de Barbatus, ao sentir o poder aumentado de sua arma agradeceu com um sorriso destemido.

Segurando seu enorme machado com suas duas mãos Barbatus chama sua habilidade energética:

[Power break]

Uma poderosa aura verde cobriu o corpo de Barbatus como um manto, usando todo seu poder de investida ele avança contra a aberração.

Barbatus grita ao golpear a criatura com seu machado com tudo que tem.

— HIAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!

O monstro não fica apenas parado, ele também investe contra Barbatus, na troca uma onda de choque varre parte do local que já estava completamente destruído.

Girando no ar, uma das inúmeras presas ligadas ao corpo da criatura foi quebrada.

— GYOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!

O monstro urra com a dor, Barbatus tinha usado todo seu poder nesse ataque e tudo que conseguiu foi arrancar um dos muitos espinhos do corpo do monstro.

Fadigado o bestial murmura:

— Merda! Isso foi tudo que pude fazer com esse ataque?

Zizis, sem perder tempo chega perto de Barbatus, que devido ao uso de muita energia não conseguia ficar de pé.

O Javali Demônio dos Espinhos, assim como planejaram focou sua atenção toda neles, os olhos da criatura queimavam de ódio e fúria.

Zizis apoia o corpo do companheiro de batalhas no seu e com muito esforço saltou dali usando o máximo de velocidade.

O monstro persegue os dois sem perde-los de vista.

Barbatus reclama:

— Ei Zizis! O que está fazendo? Eu tenho seis vezes o seu peso, me deixe e fuja agora!

— Não fale merda maldito! Eu pessoalmente te mato!

Zizis, jamais deixaria um companheiro para trás, Barbatus impotente, clicou a língua em frustração.

Mesmo que agora estejam em um grande apuro, pelo menos o objetivo foi alcançado, o que sobrou da vila está a salvo e mais nenhuma vítima foi feita.

Uma ajuda inesperada aparece para os dois.

Leslie apoia o outro lado do corpo de Barbatus, tirando metade do fardo que Zizis carregou sozinha.

Isso fez a mobilidade deles aumentar e se distanciarem da aberração de espinhos.

Barbatus pergunta ofegante a Leslie:

— Arf! Arf! … Leslie… E os reforços?

— Cinco minutos, reuni a mando de meu irmão, os cavaleiros reais chegarão graças a uma magia de teleporte em massa e Urs lidera as tropas.

Barbatus sorriu com a notícia.

— Hanf! O atual rei não poupa esforços para ajudar seu povo, até mandou Urs com eles, aquele maldito é confiável.

Zizis esbraveja:

— Ei! Olha como fala do rei!

Ele se desculpa sorrindo.

Felizmente os três despistam a criatura e param em uma árvore de carvalho forte e alta.

O rinoceronte finalmente toma seu fôlego.

Leslie que verificava os arredores ficou espantada com o que seus olhos mostraram.

— Que diabos!

Barbatus pergunta:

— O que houve? Senhorita Cannis?

— Dois bestiais estão que nem idiotas em um campo aberto!

— O QUE?

Barbatus que já havia recuperado parte das forças, se levanta assustado e procura pela visão desses dois.

De longe ele avistou um bestial do clã gnoll e outro que não conseguiu definir o clã.

— Ei Leslie! Aquele de pelagem negra, não é do clã dos cães negros como voc

Zizis Lamuriou:

— Tsk! Em pensar que esses idiotas se colocariam no meio do nosso plano de deter a criatura.

Leslie sem perder tempo tentou saltar na direção dos dois, mas foi impedida por Barbatus.

— Me solte! Eu devo ajudá-los!

— ABRA OS OLHOS MENINA!

Leslie se assusta com o grito de Barbatus que apontou o dedo para longe.

Na direção apontada por Barbatus, a criatura destruidora ia de encontro aos dois.

— Não perca seu tempo! Aqueles dois já eram.

Leslie cerrou os dentes frustrada.

Como um flash Aurus apareceu para os três e disse:

— Os preparativos estão prontos! Vamos começar.

— Sim! (Recíproco)

Presente…

— Garoto! Vamos correr!

— Não! Você pode ir Hiekf, mas eu vou lutar.

— Tsk! Não diga besteiras Ferus! Essa criatura está em outro nível.

Ferus voltou seu rosto para Hiekf e disse com um olhar muito sério:

— Eu sei! Mas eu tenho que passar por tudo, senão jamais poderei cumprir meu objetivo.

Hiekf clicou a língua e preparou a posição para a batalha.

— Hei! Eu disse que não precis…

— AFFS! CALE A BOCA PIRRALHO! NÃO FAÇA OS ADULTOS DE IDIOTAS, EU DISSE QUE VOU ACOMPANHA-LO ATÉ O FIM NÃO DISSE.

Ao contemplar a atitude do companheiro, Ferus não pode deixar de sentir-se feliz, pela primeira vez em muito tempo, ele entendeu que tem um aliado confiável ao lado dele.

Ferus chama sua técnica:

[Shackle Dagger]

Os grilhões afiados de suas correntes Gleipnir tomam sua forma compacta semelhante a dois punhais afiados.

O monstro soltou sua respiração furiosa, ele trota com uma das patas mostrando hostilidade para os dois, os olhos vermelhos da criatura mostram que ela não possui nenhuma sanidade.

O enorme monstro guinchou em fúria:

— CUIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII!

O som ensurdecedor servia para intimidar suas vítimas, no entanto o gnoll e o jovem lobo permaneceram em suas posições ofensivas.

Ferus, que não costuma deixar o inimigo tomar a iniciativa partiu com tudo para cima do monstro.

Hiekf, espantado com a atitude repentina do rapaz grita:

— MULEQUE! NÃO SE PRECIPITE!

Mas era tarde, Ferus usou sua velocidade sobre humana para ir de encontro com a aberração de espinhos.

O monstro que viu a atitude hostil de Ferus investiu contra ele, o ataque em carga do monstro levantou poeira em seu caminho.

Antes de chegar perto do monstro Ferus saltou em cima dele, ao pousar em seu corpo em cima de seu corpo gigante, Ferus preparou seus Grilhões para enterra-los na carne da criatura.

No entanto uma sensação agourenta fez o jovem lobo saltar de cima da besta corrompida antes de realizar seu ataque.

Uma infinidade de espinhos cresceu no local onde Ferus havia pousado, se ele permanecesse ali, seu corpo seria alvejado pelos espinhos.

Pousando novamente no chão Ferus clicou a língua frustrado.

— Tsk! Esse maldito possui uma defesa esquisita.

Ferus soltou suas [Shackle Dagger] adotando a sua postura de combate a longa distância.

Rapidamente o jovem lançou suas correntes com força na direção do Javali Demoníaco, mas a dura pele da criatura repeliu facilmente o Grilhão afiado lançado nela.

A criatura então toma sua visão em Ferus e alguns espinhos começam a sair de seu corpo.

Hiekf, ao ver a cena percebeu que aquilo não era nada bom.

O gnoll grita:

— Desvie jovem!

Os espinhos são disparados do corpo da aberração em uma velocidade avassaladora, Ferus surpreso viu inúmeros espinhos de grande tamanho indo a seu encontro.

— BRUM! …

Todo o solo em volta de Ferus foi destruído com o impacto do disparo de espinhos.

— FERUS! …

Hiekf gritou em desespero.

Mas com o baixar da poeira a silhueta do jovem mostra que ele ficou bem, apesar de alguns ferimentos.

— Obrigado Hiekf! Se não fosse seu aviso, eu estaria com um buraco no abdômen agora.

Hiekf viu uma ferida no lado esquerdo do tronco de Ferus, sua armadura artesanal foi destruída naquele local.

Uma gota de suor caiu da testa do gnoll, mas a face do jovem lobo não mostrou falta de confiança.

Honestamente o bestial hiena queria correr dali, entretanto ele nunca se permitiria deixar Ferus para trás.

Ele só tinha que esperar o momento certo para oferecer apoio a Ferus e assim decidiu esperar.

Ferus que desviou por pouco, está em meio a muitos espinhos enormes lançados pela criatura, os espinhos fincados ao chão eram muito grandes.

Com um sorriso Ferus grita:

— ESTOU DEVOLVENDO O PRESENTE!

Ferus fez a Gleipnir envolver um dos espinhos e com sua força sobre-humana ele o arranca do chão, com um giro de corpo, Ferus lançou de volta o espinho da criatura contra ela.

O gigantesco monstro não consegue desviar do espinho lançado, ele e é atingido em cheio, o espinho foi lançado tão forte por Ferus que perfurou a carne do monstro.

— CUIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIM!

A aberração cuincha de dor.

Furioso, o Javali Demônio dos Espinhos entra em fúria, um poderoso miasma emana do corpo do monstro, sua musculatura enrijece deixando-o ainda maior que já era, mesmo sua cor que era marrom, mudou para um cinza escuro, os espinhos de seu corpo saíram ainda mais, no final a forma do monstro foi mais atroz que o habitual.

Ferus não se intimidou com a mudança do monstro.

— Hunf! ficar mais feio não vai te ajudar!

Ferus usa sua habilidade:

[Connection With Chains]

Essa habilidade dá a Ferus um controle melhor sobre a Gleipnir.

O monstro como um flash atacou Ferus com suas presas, a rapidez foi enorme, mesmo Ferus não conseguiu acompanhar o ataque do monstro e também ele nunca esperou que um animal desse porte se movesse assim.

Por uma fração de segundos Ferus fez suas correntes envolverem seus braços e assim fez uma guarda cruzada, as presas do Javali Demônio dos Espinhos atingiram o lobo no ponto de sua guarda cruzada.

— KRIM!

O choque entre a defesa de Ferus e o ataque do monstro cria um estrondo, mas o jovem levou a pior.

Ele foi lançado a dezenas de metros de distância dali, seu corpo se chocou contra inúmeras árvores causando muitos ferimentos nele.

Ele só parou ao se chocar contra um carvalho centenário com uma grossa tora, mesmo assim seu corpo foi enterrado nela.

— UARGH!

Ferus cuspiu sangue com o choque.

Após alguns segundos Ferus se descola do tronco do carvalho e cai de cara no chão, a dor de seu corpo foi muito intensa.

Ele faz um esforço para se levantar, mas após tossir mais sangue seu corpo desaba novamente.

Frustrado, Ferus agarra o solo com seus dedos que se enterram nele e murmura para si:

— Cof! … Droga… depois… depois de tudo que passei… eu ainda sou fraco assim?

Ferus cerra seu punho e bate no chão com força, uma pequena cratera se abre com impacto.

— NÃO MESMO!

Ferus reuniu toda sua força de vontade e ergueu seu corpo.

Em pé ele chamou o espaço dimensional e pegou um pote com água da fonte sagrada que armazenou, depois de beber dois potes sua dor começou a sarar.

Ele pensou:

“Que velocidade foi aquela? Como diabos eu vou vencer isso?”

Ferus cerrou os dentes com seu pensamento pessimista.

“Não! Eu vou vencer! Não importa o obstáculo”.

Ferus correu de volta para a luta.

Enquanto isso Hiekf se escondia da criatura na mata densa da floresta, ele percebeu que o monstro ficou muito veloz e que não poderia correr dele, assim preferiu se esconder, contudo a criatura é uma especialista em procurar presenças, então Hiekf tinha que estar em constante movimento se esgueirando de uma árvore a outra.

— Tsk! Esse moleque! Eu sei que ele deve estar bem, pois ele possui a habilidade [Pele de Titânio], mas com certeza ele não saiu ileso.

Longe dali…

— Droga! Onde estão os reforços?

Barbatus gritou enfurecido.

Aurus cerrou seus punhos com tensão, pois ele estava assistindo duas pessoas lutando sozinhas contra o monstro sem poder fazer nada e parece que um deles foi morto pela criatura.

O Javali demônio dos espinhos destruía uma grande parte da floresta procurando pelo gnoll que lá se escondeu.

Zizis pergunta a Aurus:

— Ei Cão Negro! já passaram de cinco minutos!

— Eu sei Zizis, deve ter acontecido alguma coisa para Urs se atrasar com o exército real.

— Senhor Aurus! Tenho uma mensagem do capitão Urs!

Um mensageiro real do clã das gazelas apareceu e entregou uma carta a Aurus, após lê-la Aurus clicou a língua.

Leslie pergunta:

— Irmão o que aconteceu?

— Uma mina desmoronou por causa do ataque do monstro e cerca de cem moradores estão em perigo de morte, Urs deu prioridade ao resgate deles.

Barbatus comenta frustrado:

— Não podemos culpa-lo por tomar a decisão correta!

Abaixando a cabeça Aurus concorda.

Leslie reclama:

— Irmão! Uma pessoa acabou de ser alvejada pelo monstro, temos que agir!

Aurus fecha os olhos e diz:

— Não! Vamos esperar!

— Mas irmão…

— LESLIE! É tarde demais para eles, infelizmente eu não vou sacrificar pessoas preciosas por tolos que nem sequer conheço, diga o que quiser de mim, mas eu não sou um hipócrita.

Barbatus e Zizis ficam calados com as palavras de Aurus, Leslie tem um olhar triste no rosto e murmura:

— Vamos usar a vida de inocentes para ganhar tempo? Belo exemplo de aventureiros nós somos.

Zizis e Barbatus torcem o rosto de desgosto com a declaração de Leslie.

Aurus com um sorriso amargo vira as costas e ia saindo até escutar um grito de fúria:

— SEU PORCO MALDITO!

Barbatus arregala os olhos admirado:

— Pelos deuses, o rapaz está vivo e bem!

Zizis de boca aberta comenta:

— Impossível! Sobreviver a um ataque daqueles?

Aurus sentiu um arrepio em sua espinha e devagar virou-se para ver de longe um jovem bestial de pelagem negra correr feito um idiota para cima do terrível monstro.

— Mas que diabos esse rapaz está fazendo?

A aberração não percebeu a aproximação nem o grito de Ferus, pois estava focada na caça de Hiekf, após se aproximar correndo Ferus saltou e unindo toda a força do seu ser chutou a cara do monstro.

— CUIIIIIIM!

Graças a habilidade [Força dos gigantes] que dá a Ferus uma força sem par, o monstro foi lançado longe pelo golpe enfurecido do lobo.

A criatura quicou no chão depois do forte chute, sua boca começou a sangrar.

Ferus novamente abre seu sorriso destemido e declara com uma veia saltando de sua testa:

— Maldito porco! Eu vou grelhar você.

Barbatus teve sua boca aberta por ver uma cena que pareceu mentira.

Zizis arregalou as órbitas sem acreditar no que via.

O rosto de Leslie perdeu a cor com o que presenciou.

Mas para Aurus a sensação foi nostálgica, uma cena de muito tempo atrás apareceu como um flash em sua memória.

Uma cidade restrita foi atacada por uma legião de orcs, infelizmente os aventureiros se atrasaram, mas quando Aurus chegou na cidade, o que viu foi uma gigantesca pilha de cadáveres de orcs, entre os cadáveres uma menina que não devia ter nem doze anos, em suas pequenas mãos, duas adagas coberta pelo sangue dos inimigos, ela pertencia ao clã dos coelhos brancos, seu olhar para Aurus foi frio como o gelo, mas mesmo com sua pouca idade ela já esbanjava uma beleza cativante.

Aurus murmura espantado:

— Igual a ela…

O Javali Demônio dos Espinhos se levanta e mostra sua hostilidade para Ferus.

Ferus respirou fundo tentando manter o foco, ele sabia que outro ataque de velocidade como o que o lançou longe, pode vir a qualquer momento.

O jovem se concentra e aflora todos os seus sentidos, respirando fundo ele pensa:

“Vamos Ferus você consegue! Lembre-se de sua luta com Laruk, aflore seus sentidos, concentre-se pense em como desviar, pense em como acompanhar a velocidade do inimigo”

O monstro imita o movimento anterior e investe contra Ferus com uma velocidade alarmante, no entanto o rapaz decidiu que não iria bloquear dessa vez e sim desviar do ataque.

Em um instante a presa do monstro ficou próxima a jugular do jovem lobo.

“VAMOS CORPO! Mova-se”

A presa do monstro estava a um segundo de ceifar a vida de Ferus.

Na mente de Ferus que entra em ebulição uma enxurrada de pensamentos:

“Vamos Ferus! Mova-se, não permita que tudo acabe aqui, mova-se…. Mova-se! MOVA-SE… MOVA-SE!”

Como um choque elétrico em seus músculos seu corpo se moveu como se o tempo parasse por um momento e assim ele saiu da mira mortal das presas do monstro.

Com uma acrobacia terrestre, Ferus desvia do movimento súbito da besta.

*Habilidade adquirida:

  • Movimento rápido: essa habilidade permite que o usuário se mova em uma velocidade alarmante, os reflexos, a agilidade do usuário também se aprimora, assim como sua visão.

Ferus sorriu.

O monstro mais uma vez atacou Ferus da mesma forma, mas dessa vez ele foi capaz de ver cada detalhe do movimento da besta.

O javali demônio dos espinhos fez sair de seu corpo muitos espinhos e atirou incessantemente contra Ferus.

Contudo o rapaz desviou com maestria de cada um lançado nele.

Em seus pensamentos enquanto desviava:

“Mais rápido! Preciso de mais velocidade, desvie, desvie e desvie…”

*Habilidade adquirida:

  • Esquiva sobrenatural: permite desviar de projéteis em alta velocidade e também permite sentir os projéteis se aproximando.

Hiekf assistia a luta no alto de uma árvore, ele diz para si mesmo:

— Ferus, você é mesmo especial! Ninguém nesse mundo possui essa capacidade, foi o mesmo contra Laruk! No meio do combate você está evoluindo e assim chegando ao nível do adversário.

— Status não significam nada para você, chegará o dia em que estará no topo e eu quero assistir isso, talvez esse mundo sofra alguma mudança graças a você.

O gnoll sorri em cima da árvore.

Ferus continuava desviando dos ataques do monstro que agora parece esgotado.

Ali próximo Aurus Cannis e os demais que o acompanhavam ficaram imparciais assistindo a impressionante luta entre o desconhecido bestial e o monstro que destruiu grande parte do reino.
Barbatus deu sua opinião:

— O que é isso? Os movimentos desse garoto estão se refinando? Quem diabos é ele? Um aventureiro de outro país?

Leslie comenta:

— Eu não acho isso, já que ele é um bestial, mas eu não consigo ver o status dele.

Zizis responde:

— Deve ser uma habilidade de ocultação, elas são raras, mas dada a força do rapaz eu não me surpreendo que ele a tenha.

Aurus fala:

— Ele é um tipo raro, isso eu tenho certeza.

Barbatus concorda com a cabeça.

Ferus golpeia o javali demônio com suas correntes, todavia é inútil.

Cansado de prolongar a luta Ferus decide acabar com isso.

Ele chama sua habilidade energética:

[Índigo Energy]

A aura azul índigo cobriu seu corpo inteiro.

Zizis boquiaberta falou:

— Azul índigo? Que cor é essa? Eu nunca vi essa habilidade energética antes!

Aurus cerra seus olhos e fala:

— Esse garoto é realmente do tipo raro, essa habilidade energética é de alto nível, eu nunca vi uma tão intensa, mesmo a de Alba Lepus não é tão forte.

— Ir… Irmão! Está insinuando que esse rapaz pode ser mais forte que a coelha branca?

— Não! Ele é com certeza mais fraco!

Leslie respirou aliviada com a afirmação do irmão que continuou:

— No entanto isso não quer dizer que ele não possa superá-la.

Zizis discute:

— Hei Aurus! Nã… não exagere OK.

Aurus finta seu olhar seriamente em Zizis e responde:

— Eu não estou exagerando! Como Barbatus disse, os movimentos dele estão se refinando, já escutou alguma coisa assim em sua vida? Alguém que cresce durante o combate? Sinceramente eu estou assustado com ele.

O coração de Zizis disparou com a confissão de Aurus, ela engoliu o próprio ar depois de pensar um pouco sobre o que ele disse.

Aurus voltou a prestar atenção na luta do jovem bestial desconhecido e o monstro que causou calamidade no reino.

Ferus tenta enterrar seus grilhões na carne do monstro, porém antes que conseguisse espinhos crescem na criatura evitando o contato.

— Tsk! Que desgraçado difícil de lidar!

Mesmo com sua [índigo Energy] a aproximação é difícil.

Ferus pensa:

“Esse porco filho da puta! Minhas [Shackle Dagger] são muito fracas para atravessa-lo arremessando, um golpe direto e impossível por causa dos espinhos, Tsk! Quer saber, eu vou apenas jogar algo maior nele”

Ferus invoca sua habilidade mais forte:

[Shackle Spear]

O grilhão afiado de sua corrente Gleipnir toma um tamanho anormal, Ferus usa todo o centro de gravidade para equilibrar o gigantesco grilhão em seus ombros.

[Índigo Chains]

O grilhão gigante agora ficou azul incandescente por ele ter feito usado sua habilidade que permite sua [índigo Energy] correr por suas correntes.

Ferus saltou e atirou o grilhão que perfurou profundamente as costas da criatura.

— CUIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIM!

O monstro urra de dor, no entanto isso não foi o suficiente para abatê lo.

— Hunf! Maldito persistente, QUE TAL ISSO!

[Shackle Spear]

Ferus fez seu outro Grilhão tomar a forma gigantesca de antes e novamente atirou nas costas do monstro.

— CUIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIM!

Dessa vez o outro arremesso foi mais forte, assim o grilhão encravou mais ainda na sua carne que o primeiro, porém o monstro ainda não mostra sinais de desistência.

Ferus puxava as correntes enquanto o javali demônio dos espinhos tentava puxar Ferus, a batalha acabou se tornando um cabo de guerra entre monstros ridiculamente fortes.

Ao sentir seus pés se arrastando, Ferus rapidamente forçava mais retomando terreno.

— De jeito nenhum que eu vou perder para um pernil!

As veias dos braços de Ferus dilataram mostrando o esforço que ele estava colocando nisso.

Em contrapartida a aberração também não se rendia de jeito nenhum.

Inesperadamente um grito:

— BATALHÃO! AO MEU COMANDO, DISPARAR!

Uma chuva de flechas atinge o corpo do monstro, havia tantas flechas nele que não se via mais sua pele, mesmo assim a criatura não se rendeu.

— ESQUADRÃO DE MAGOS! LANÇAR MAGIAS!

Vários encantos e feitiços ofensivos do elemento fogo e luz foram lançados no monstro.

Que finalmente caiu no chão.

Ferus virou-se para ver de onde veio a ajuda e viu um batalhão de bestiais o cercando, o jovem lobo Fez seus grilhões voltarem ao tamanho normal e os recolheu rapidamente.

Sem mostrar medo Ferus encara o batalhão de bestiais.

Um Bestial do clã dos ursos pardos deu um passo à frente e falou de forma arrogante:

— Ei! Quem diabos é você?

Ferus o ignorou e andou até a criatura.

A veia de raiva dilata na testa do homem urso que vai na direção de Ferus e o puxa.

— Eu Perguntei quem…. Urgh!

Ferus pegou a mão que o tocou e torceu sem dó, o bestial que tem três vezes seu tamanho caiu de joelhos no chão com a dor que sentia.

O exército se arma e aponta suas lanças para Ferus, que olhou com indiferença para eles.

— PAREM!

Aquele que gritou não foi ninguém menos que Aurus Cannis, o diretor da guilda de aventureiros da capital.

Como ele é uma figura de respeito entre a nobreza de Lemur os guardas abaixaram suas lanças.

Ferus solta o braço do Bestial urso e avisa:

— Não me toque!

Ferus chama sua magia dimensional.

{Espaço dimensional}

Um enorme portal azul índigo apareceu e começou a tragar o corpo do javali demônio dos espinhos.

Leslie que apareceu ali proferiu:

— Se… Sem cântico?

Aurus tenta pedir para Ferus:

— Garoto! Se possível eu gostaria de ter esse monstro.

Ferus virou sua face para Aurus com o rosto torcido.

— Hã?

— Como eu disse! Eu quero que me dê esse monstro.

Ferus fez um sorriso cínico e se vira dando os braços.

— Por que eu daria para você? Eu o peguei sozinho! Vocês apareceram no final quando já não havia necessidade nenhuma.

Aurus apertou a face e falou:

— Esse monstro é importante para a guilda de aventureiros…

— E daí? Espera que eu tenha simpatia depois de usar a mim e meu companheiro com iscas enquanto assistiam de um local seguro?

O rosto de Aurus torceu com a acusação de Ferus, Leslie abaixou a cabeça envergonhada, Barbatus e Zizis Cerraram seus punhos, pois não podiam jogar de volta nenhuma palavra.

Ferus coçou a cabeça e falou:

— Deu para senti-los de longe, eu até pensei que viriam ajudar, mas depois de um tempo perdi as esperanças e resolvi me virar sozinho, então não me venha com essa merda!

Aurus propõe:

— Então vou compra-lo de você.

Ferus que lembrou de Hiekf dizendo sobre o dinheiro ser necessário parou sua magia dimensional e deixou a criatura ali.

Ferus encarou Aurus e expressou:

— Vamos esperar meu companheiro, ele vai discutir o preço.

Ferus se sentou no chão com as pernas cruzadas encarando sem medo o exército real, Urs que chegou a seu limite esbravejou:

— Que atitude petulante é essa? Quem diabos é você?

— Meu nome é Ferus, muito prazer urso esquisito.

Urs ficou com os olhos fumegantes de ódio para Ferus, o jovem, no entanto foi indiferente.

Quando Urs ia gritar Barbatus o parou:

— Chega Urs! O garoto não é qualquer um, aconselho não o provocar.

— Tsk! Ei maldito, me diga de que clã você é! Eu não acho que seja do clã dos cães.

Ferus respondeu com uma carranca:

— Eu não sou um cão, eu sou um lobo…

Ferus se lembrou sobre o que Hiekf havia pedido a ele, para nunca revelar sua raça e se apresentar como um mestiço, ainda que sofra preconceitos.

Ele encara o bestial urso e completa:

— Não pertenço a nenhum clã, sou um mestiço!

O jovem lobo escuta do exército real clique de língua e até alguns cuspindo no chão depois de sua declaração.

Ferus foi indiferente em tudo.

Urs murmura:

— Hunf! uma escória sem educação, só podia mesmo ser um mestiço, nesse caso não devo me resguardar em nada, saia da frente lixo e deixe aquilo que pertence ao reino ou então enfrente o exército real.

Uma poderosa onda de energia fez as plantas do local balançarem, Aurus cobriu os olhos com o braço para que a poeira não o machuca-se.

Uma intenção hostil emanou do corpo de Ferus, que coberto com sua aura azul índigo declarou com uma voz assustadora:

— Então eu escolho enfrentar seu exército de merda! Venham todos!

Ferus intensificou ainda mais sua habilidade energética.

Os soldados de Urs tremiam em suas bases, mesmo Aurus percebeu que se enfrentasse esse rapaz a coisa ficaria feia mesmo com um pequeno exército.

Aurus decidiu negociar para acalmar a ira do rapaz, mas antes de abrir a boca, a haste de uma lança acerta a cabeça do garoto com muita força.

Um Bestial hiena do clã gnoll acertou o rapaz que abaixou no chão segurando sua cabeça dolorida.

Ele pegou o jovem lobo pela orelha e gritou:

— QUE DIABOS VOCÊ TEM MENINO! ENFRENTAR O EXÉRCITO REAL? EU VOU POR JUÍZO NESSA SUA CABEÇA OCA DE LOBO.

Com a cena inusitada todos ali, fizeram olhares patetas para Ferus e Hiekf!


Autor: Marcus | Revisor: Heaven

QC: Bczeulli



Fontes
Cores