DE – Volume 1 – Arco 1 – Capítulo 3



Arco 1 – Pequenas Patas
Capítulo 3 – Resultados da Caçada

 

Eu não tinha tempo para analisá-la na Janela de Habilidades. Eu sempre soube como ativar; com a minha vontade!

Com isso em mente, eu ativei esse tal “Manto Amba”. E aquele ponto atrás da minha cabeça, onde o Chi trava, ardeu e meu sangue começou a ferver. A circulação se tornou anormalmente rápida!

Meu Chi que envolvia o meu corpo inteiro, retrocedeu para aquele ponto atrás da minha cabeça! Era como se estivesse em piloto automático.

Então, assim que voltou para minha cabeça, o Chi começou a ser espalhado por fora do meu corpo, mais especificamente; na minha pele e pelos. Meu pelo irradiou, e chamas se levantaram!

CARALHO! EU TÔ PEGANDO FOGO! QUE FODA!

O brilho não é como o da minha mãe, mas ainda assim dá para ver a neve derretendo bem rápido.

De alguma forma, meu coração dói demais, parece que não vou conseguir ficar nisso por muito tempo. Pelo visto, estou usando Mana e Chi ao mesmo tempo… Será que é por isso que meu coração sente tanta pressão?

Certo, sem perder tempo! Tenho que terminar isso antes da minha energia acabar!

Investi contra esse coelho de merda. Estou mais rápido que antes, minha visão ainda se mantém no vermelho, o qual posso determinar as coisas vivas próximas.

Merda, há três brilhos se aproximando. Pelo jeito vai ser meu fim. Por que eu sou tão azarado?!

O coelho sabia o resultado de tocar nessas chamas, então ele teria que atacar rápido e desviar. Quando notou que me tornei ainda mais perigoso, o filho da puta usou aquela Habilidade de expandir os músculos das pernas.

Minha velocidade se tornou anormal após ativar o Manto Amba. Quando notei a expansão nos músculos dele, já estava preparado para desviar.

Embora eu tenha investido, deixei ele acreditar que eu atacaria seu pescoço, pois, seria a parte mais óbvia a se atacar. No entanto, fingi fazer um movimento como se preparasse para pular, ele, de imediato, atacou com um chute poderoso onde eu deveria estar, mas para o azar dele, não pulei e sim me agachei.

Seu chute apenas cortou o ar acima da minha cabeça. Quando ela passou por mim, logo saltei em direção da sua garganta.

Entretanto, mais uma vez ele teve reflexos rápidos e colocou o braço na frente.

PORRA! DE NOVO ESSE FILHO DA PUTA COLOCOU O BRAÇO NA FRENTE!

VAMOS VER SE AGUENTA DESSA VEZ!

Assim que mordi seu braço, o calor das minhas chamas fez ele soltar um grito de dor, e com toda a força que tinha, arranquei seu braço com todos tendões e músculos que podia.

Esse é o preço que paga por socar meu focinho!

Merda, minha chama está se apagando e eu só consegui arrancar o braço dele. O Manto Amba aumentou muito meu poder, mas também está me desgastando demais.

Meus olhos estão pesando, minha visão no sentido de tigre está deixando de ser vermelha e meus reflexos estão falhando. É o efeito de usar muita energia.

O coelho gritava em agonia, a dor de perder um braço deve ser absurda. O grito agudo era triste de ouvir, mas é como uma bela serenata aos meus ouvidos. Heh. Até que enfim esse merda sentiu um pouco de dor.

Hah… Como eu gostaria de causar ainda mais dor nesse filho da puta. Mas, no estado atual é impossível…

Mesmo que a dor fosse absurda, o coelho ainda assim conseguiu suportar e o ódio dele estava no pico. Heh… Seus olhos dizem que minha morte vai ser da pior forma.

Enquanto minha visão vermelha sumia, pude ver aqueles três pontos brancos agora estavam nas árvores. Sem dúvidas, morte certa.

Uma segunda vida gasta… POR CAUSA DE UM COELHO DE MERDA! Quão imbecil isso é?!

Quando o coelho controlou sua dor e estava para usar mais uma vez sua Habilidade, três sombras pularam sobre ele. Três figuras apareceram, duas brancas e uma negra.

Sim! São meus irmãos! ELES VIERAM AO RESGATE, PORRA!

Meu irmão mostrou sua crueldade, a primeira coisa que atingiu foram os olhos do coelho, mordendo um e arrancando o outro com suas garras. Parece que não sou só eu que sinto fúria ao ver os membros da própria raça sendo feridos por uma criatura de merda que nem esse coelho.

Minhas irmãs acabaram com ele sem nem dar chance. Se grudaram em sua garganta e arrancaram pedaços dela.

O filho da puta morreu sem nem conseguir dar outro grito.

Eles chegaram em mim, com suas bocas cobertas de sangue e fluídos do coelho e começaram a me lamber.

Heh… Valeu pessoal… mas… não tenho mais forç-…

 

 

Uh? Ah… eu desmaiei… Entendo.

Assim que acordei, estava na toca com a mãe me lambendo.

Metade dela estava coberta de sangue e vísceras dos coelhos. Quando acordei, ela parou de me lamber e começou a limpar o sangue no pelo dela.

Mãe… Está com vergonha de lamber seu filho?! Hahaha. Até parece.

Estou sentindo tanta dor no corpo que não imagino saindo da toca tão cedo. Já meus irmãos, estavam dormindo tranquilos dentro da toca. Olhando para esse momento calmo, vejo que não houve perda do nosso lado.

Claro, ignorando o fato que minha irmã e eu apanhamos.

Pude perceber alguns machucados na minha mãe. Uma pata estava esquisita, parecendo um inchaço… Talvez tenha quebrado essa pata. Mas, acho que não deve ser um grande problema. No fim, os coelhos não eram nada além de insetos para ela.

Já que não tenho nada para fazer, além de olhar o horizonte que já conheço, vamos ver o meu crescimento atual.

 

 

OPA! Agora tô animado!

Parece que os Talentos Físico e Mágico influenciaram muito nesses quatro meses. O Atributo de Mana parece ter crescido muito rápido, e eu nem treino isso!

Agora sobre a força… Acredito que o crescimento acelerado dela se deve à minha raça, já que deu para ver nesses quatro meses que nos tornamos muito fortes tão rápido. Mas ainda somos desajeitados, será que a agilidade vai demorar para desenvolver?

Fora isso, parece que o resto teve crescimento “normal”.

Agora vamos para a cereja do bolo. Habilidades!

 

 

Usando a vontade para ver as Habilidades que tiveram mudança, deu para ver que as Habilidades Únicas não tiveram mudança, já que não apareceram.

Hum…? “Predador”? Não me lembro de ter recebido aviso algum disso…

Espera, quando eu desenvolvi o Manto Amba… recebi algum aviso… um som! Aquele som só soou duas vezes até hoje.

A primeira vez foi quando provei a carne daquele coelho de orelhas cinzas, que matei junto com o meu irmão, e a segunda vez foi quando desenvolvi o Manto Amba.

Então, julgando por isso, concluo que essa Habilidade foi criada quando provei a carne do coelho, o que faz maior sentido aqui, já que essa Habilidade não pode ter brotado do nada!

Bom, independentemente do que seja, essa Habilidade pode ser meu trunfo nesse mundo.

O motivo é óbvio! ELA ME FAZ MAIS FORTE COMENDO! Quem diabos não adoraria ter essa Habilidade?!

Agora esse… “Manto Amba”… ele varia de acordo com a cor dos Tigres Amba…

Isso é uma coisa bem esquisita, devo dizer. Quer dizer que eu tenho uma chama única? Heh… Agora me sinto um pouco melhor em ser laranja.

Sobre os exemplos…

Pelo jeito meu irmão vai causar muito problema por aí quando desenvolver essa Habilidade.

Será que devo começar a levar minhas irmãs branquinhas para passear por aí? Vai que eu me quebro de novo em uma luta e preciso de cura! É uma boa ideia…

Preso nos meus pensamentos, fiquei pensando nas possibilidades futuras.

 

 

 

– Continente Brytia, ano 1652 do Calendário Imperial –

Após as calamidades terem ocorrido, já havia se passado 4 meses. Todos os continentes ainda se lembravam delas como se fosse ontem e por muito tempo iriam lembrar.

O continente de Brytia, sendo o segundo maior continente de Saphir, embora tenha passado por um evento sem precedentes, não sofreu nenhum estrago devastador como os outros continentes. Por exemplo, Beskin que teve o continente rachado em quatro partes.

Em Brytia, o maior problema foram as pessoas que estavam na rua e olharam para o céu. Muitas se tornaram cegas, mas não houve casos de morte por causa desse evento. Contudo, diferente do esperado, houve comemoração!

Não foi comemoração pelas cegueiras, mas sim pelo nascimento do Príncipe Imperial, Arthur von Rotermund!

Apesar do continente de Brytia seguir a regência pelo imperialismo, assim como boa parte dos continentes em Saphir, Brytia na realidade não era um continente regido sob um Império, como Rus’ka, mas sim por três Impérios. Dividindo o continente em três supremacias.

Começando pelo Império mais abençoado. O Império Beauneveu, liderado pela Imperatriz Louise IV Beauneveu de Brytin.

Esse Império foi fundado sob a ideia matriarcal, onde a Imperatriz age como governante absoluta e possui a autoridade máxima, assim como os Impérios patriarcais. A Imperatriz tem até o direito de escolher o Imperador. As filhas da Imperatriz têm o direito de suceder ao trono, enquanto os filhos jamais iriam subir ao trono, mas teriam o direito de receber o título de Duque ou Rei.

Até hoje, nunca houve quaisquer problemas em gerar Princesas Imperiais, então, jamais ocorreu uma mudança nas fundações desse Império.

Esse Império cobre um terço de Brytia, sua Capital Imperial se chama Brytin e também é a base do Império de Louise.

Esse Império era chamado de abençoado pelo simples motivo de que a regência de Louise era diferente. Abolindo a escravidão e ainda concedendo a oportunidade de tornar alguns plebeus sortudos em nobres, caso seus feitos fossem impressionantes. Esse Império também era conhecido como Terra das Oportunidades.

O segundo Império de Brytia, o Império Rotermund, também conhecido como Império dos Guerreiros, tem como Imperador, ou como autointitulado em seu território, Kaiser, Joseph V von Rotermund. E a sua Capital Imperial se chamava Estan.

Joseph embora fosse um homem arrogante – por conta de ter nascido na nobreza – e bruto, ainda era gentil e portava um coração gentil ao seu povo.

Seu Império seguia o padrão comum; patriarcal e militar, mas a escravidão ainda era permitida. Entretanto, esse Império não era chamado de Império dos Guerreiros por nada.

Escravos, filhos de escravos, plebeus e nobres, ou seja, toda e qualquer pessoa tinha um direito em comum. O direito de ser um Soldado do Império e alcançar títulos nobres, adquirir terras, feudos, reinos e recompensas inimagináveis. Joseph valorizava a força de vontade acima de qualquer outra qualidade.

Embora Joseph tivesse o maior poder militar do continente, ele não sentia a necessidade de atacar os outros dois Impérios vizinhos, pelo contrário, ele sempre esteve em bons laços com eles.

Obviamente Joseph V von Rotermund era pai de Arthur, aquele que recebeu o título de “Guerreiro dos Três Sóis”.

E, por fim, o terceiro Império de Brytia, conhecido como Império Evan.

Um Império religioso e com uma ideologia da unificação mundial seguindo seu único Deus, Va’an.

Heresia em seu território seria correspondida com a punição de execução ou tortura em praça pública, como meio de ensino para os outros cidadãos.

Quem quer que nascesse no Império Evan estaria preso a sua ideologia. Seu Imperador, e também intitulado como ‘Papa’, era Robert Evan. Todos regentes desse Império recebiam apenas o sobrenome Evan, porque, esse Império não seguia o padrão de hereditariedade.

A sucessão de um novo Imperador, ou Papa, era realizado pela Igreja Evan, que era o verdadeiro governante deste território.

A prática da escravidão era presente nesse território, na realidade, era um dos Impérios que mais importava escravos, aceitando qualquer raça.

Arthur von Rotermund era a criança abençoada, sendo assim, o Império Evan desejava ele. Arthur desde seu nascimento foi abençoado pelas Criaturas da Luz. Tanto que após nascer, esse menino, de cabelo loiro e olhos azuis, tem sido protegido por três Fadas da Luz.

Todos continentes, exceto Beskin, Zazir e Enir, tinham seus espiões infiltrados nos outros continentes, apenas para descobrir quem eram os ‘Números’ de cada continente.

Brytia e Rus’ka foram os menos afetados pelas calamidades, tanto que, após tais eventos ocorrerem, os dois continentes começaram a desenvolver suas forças para a futura guerra declarada.

Em 15 anos, a Primeira Guerra Mundial iniciaria.

Enquanto os outros continentes estavam sofrendo com as perdas causadas pelas calamidades de quatro meses atrás, aquele que mais sofreu foi Beskin. Sua população foi enormemente reduzida e guerras civis iniciaram em todas partes, apenas para comandar uma parte desse continente partido.

 

 

Certo, estou faz meio ano nessa forma de tigre. Desde aquele incidente de caça, a nossa mãe tem nos levado em caças e lutas com maior frequência, sempre que algo saía errado, ela nos tiraria de lá.

E não é apenas isso que tenho para contar de novidade! Como já sabem, nós, Tigres Amba, crescemos muito rápido, e isso se deve à nossa raça ser especial.

Você deve estar curioso sobre o que isso significa, não é?

Vou contar os acontecimentos. Começando pela ordem:

Quando pude comer uma Besta Mágica… Ah sim, aquelas criaturas se chamam Besta Mágica e aquela pedrinha que temos no nosso corpo se chama Gema de Energia.

Voltando ao assunto. Quando comi uma Besta Mágica e sua Gema de Energia, me foi explicado por um aviso, sim, que nem aquele do Manto Amba, o que são Gemas de Energia, e não apenas o que são! Mas o aviso também mostrou a sua “Classificação” e o nome da Besta Mágica que comi!

Quando eu finalmente comi a Gema de Energia de um dos coelhos desgraçados que eu tinha matado, esse aviso apareceu:

 

 

 

Pois é, aqueles coelhos são conhecidos como “Coelhos Ankis”, e os cinzas são os jovens. Eu não tive a chance de comer o Coelho Ankis negro, que minha mãe matou, mas acho que posso considerar ele como adulto, bom, tanto faz.

Sobre essa “Classificação”, já tenho ideia, desde que vi nas Habilidades algo assim. Então, acho que essas coisas funcionam que nem nos jogos? De acordo com o que sei, o SSS seria o tipo… “supremo” e o F seria o “lixo”?

Se for isso, minha Jeanne! eu sou muito fraco! Como pude apanhar para um lixo assim?!

Agora, sobre essa parte de ‘Atributos Gerais aumentaram minimamente’… Só tenho uma coisa para falar disso; NÃO AUMENTOU NADA!

Sério, é triste só de pensar, mas talvez tenha sido um aumento de 0,0001%! QUEM SABE ATÉ MENOS! Não! Eu não estou triste por isso!

Agora vamos falar de algo surpreendente!

Descobri porque sempre que absorvo Chi ele trava algum tempo atrás da minha cabeça! É simples. Porque eu sou uma Besta Mágica, logo, também tenho uma Gema de Energia!

Sim! Minha Gema de Energia fica na minha cabeça! No caso, na parte de trás! Ao menos é o que eu acredito…

Supus isso quando analisei todo meu corpo num rio – um dos poucos que não estava congelado – próximo e percebi que não havia nenhuma ‘pedrinha’ que meus irmãos ou qualquer outra Besta Mágica tinha, logo concluí.

É impossível eu não ter. O único indício de onde estava era nesse ponto, afinal, pelo que pude entender, as Gemas de Energia sobem a Classificação ao absorver energia circundante, que pode ser Chi ou Mana, então, o único lugar que absorvo energia fica ali.

Claro, isso é suposição, vai que a Gema de Energia fica dentro do meu corpo e não fora, aí tudo o que supus seria idiotice.

Certo, como eu sei que as Gemas de Energia sobem a Classificação é um ponto interessante para eu falar. Primeiro de tudo, como sei que sobem e que há outras Classificações?

Simples, por experiência própria. Se eu absorvo Chi pela minha Gema de Energia, então significa que a Gema de Energia foi feita para absorver a energia, ou seja, quanto mais eu absorver, maior será a Classificação que chegarei. Contudo, isso também é suposição, já que eu só posso afirmar isso caso a minha suba… Haha…

Entretanto! Ainda há outro indicador de que estou certo, uma vez a minha mãe trouxe um Coelho Ankis jovem também, e diferente do anterior que comi, a Classificação da Gema de Energia dele era (E-), ou seja, ele absorveu mais energia que aquele outro.

Assim, eu entendo que a classificação mais baixa é (F-) e vai subindo, então o primeiro Coelho Ankis que comi era quase um (E-), já que estava em (F+).

Agora uma das descobertas mais chocantes!

O Talento Mágico, pelo visto, é a quantidade e qualidade de Mana que absorvo de forma consciente ou inconsciente. Certo, explicarei o que seria isso.

Começando pela absorção inconsciente, vou usar o Chi como exemplo. Se eu gastasse mais da metade do meu Chi e não tivesse tempo para absorver mais, então, meu corpo começaria a absorver de forma inconsciente o Chi circundante. Esse meio é extremamente lerdo, mas está sempre ativo. Nosso corpo nunca para de absorver energia.

Agora, sobre a absorção consciente, é simples. É o ato de eu absorver Chi circundante com minha vontade. A velocidade dessa absorção é muito mais rápida, mas exige muita concentração e calma.

Normalmente, a absorção consciente pode ser usada por todos lugares do corpo, no caso, o Chi daqui, automaticamente vai para minha Gema de Energia, mas a Mana consegue adentrar pelos poros, de maneira consciente ou inconsciente.

Naquele dia que eu tentei absorver Mana de forma consciente, eu forcei ela para meu corpo, adentrando forçadamente na minha circulação, e como resultado, o idiota aqui quase morreu do coração!

Eu concluo que há dois fatores importantíssimos que devo sempre ter em mente: Primeiro, a Gema de Energia é um receptor de energia, tudo o que entra nela acaba indo para o meu corpo da maneira mais pura e na quantidade que eu absorvi por ela.

Segundo, a Mana é uma energia instável, que só entrará no nosso corpo de maneira inconsciente, porque é na menor quantidade, se eu forçar uma quantidade maior diretamente para minha circulação sanguínea, então essas energias instáveis e de propriedades diferentes vão se chocar, causando um efeito de dor ao coração, como se uma faca o perfurasse.

Então, concluindo isso, coloquei em prática o primeiro fator e tentei absorver Mana de maneira consciente, mas canalizando-a para minha Gema de Energia, para ver se iria purificar e estabilizar essa energia instável.

No fim, foi um sucesso. Foi como pensava. A Gema de Energia é um receptor para ambas energias e pelo visto só posso usar a maneira de absorção consciente se eu canalizar para minha Gema de Energia, se não, eu vou morrer de ataque cardíaco.

Obrigado Mestre, sem seus ensinamentos e estudos, jamais imaginaria nessas hipóteses. Sem o conhecimento sobre energias, acho que estaria morto à essa altura.

Atualmente, a Mana que entra nos meus poros de maneira inconsciente é bem mais tranquila e menos instável que antigamente, talvez pelo fato de ter compreendido como absorver Mana, o meu corpo ficou mais receptivo às propriedades dessa energia.

Bom, agora vem a última e mais chocante novidade.

Eu sempre absorvi de maneira consciente uma energia de cada vez, nunca as duas ao mesmo tempo, mas um certo dia eu tentei as duas ao mesmo tempo… e, uma mudança aconteceu dentro do meu corpo….

Como já sabe, com o Chi podemos analisar o interior de um corpo, não que eu seja capaz de ver as cores e tal, mas eu consigo ver as formas de dentro, é como se fosse um… biosonar¹
de um morcego ou visão de raio x. Para utilizar esse meio, preciso estar em contato com a criatura ou objeto.

Por exemplo, quando usei para analisar a minha irmã que foi ferida pelo Coelho Ankis, mas não é por isso que estou explicando!

Seguinte, no dia que eu absorvi as duas energias, Mana e Chi, ao mesmo tempo, a minha Gema de Energia começou a arder demais! E nessa hora eu senti algo acontecendo no meu coração e cérebro! Foi uma sensação muito horripilante! Estranha demais!!!!

Quando parou de arder e a sensação estranha sumiu, fui analisar o que houve, já que meu corpo estava estranhamente mais forte do nada!

E ao analisar… SÉRIO! EU JURO QUE NÃO É MENTIRA! MAS, MEU CORAÇÃO E CÉREBRO TINHAM CRISTALIZADO!

Certo, não é tão assustador assim, mas em algum canto de cada órgão ficou uma “casquinha” cristalizada envolta, com no máximo 1cm, talvez até menor que isso. Eu não tenho hipóteses do que é. Nunca ouvi falar sobre isso!

Eu não sei porque eles foram os únicos a serem cristalizados, tipo, eu tenho uma teoria, mas ainda é só uma teoria. Enfim, acredito que seja porque meu cérebro está alojando ou concentrando o Chi do meu corpo, enquanto o coração é onde fica alojado a Mana. Não penso em nada além disso.

A única diferença que pude ver, é que a cristalização do cérebro foi maior que a do coração, não muito, talvez alguns milímetros, mas dá para perceber que é um pouco maior.

Certo, eu já estou cheio de teorias e hipóteses! Se eu ficar apenas imaginando não vou chegar a lugar nenhum.

 

 

– Continente Enir –

Enir poderia ser o único continente que não sofreu com uma calamidade, mas ele continuaria sendo o continente mais misterioso e perigoso de todos. Ninguém ousaria se aproximar do interior de Enir se não tivesse alcançado o patamar de Duas ou Três Luas da sua classe ou profissão.

Entretanto, até mesmo nesse continente perigoso, havia uma “civilização”, que vivia nas bordas do continente, onde havia apenas monstros medianamente perigosos.

Seria mais correto afirmar que, “civilização”, seria o termo errado, mas sim que havia pequenas Aldeias distribuídas pelas bordas do continente, cada Aldeia sendo de uma raça diferente.

Havia a Aldeia dos Anões Trovejantes, a Aldeia dos Elfos Prateados, a Aldeia dos Demônios Negros e a Aldeia dos Homens-Fera do Clã Leão.

Na Aldeia dos Elfos Prateados, os quais eram diferentes dos Elfos do continente Alran. Os Elfos Prateados têm cabelos prateados, olhos brancos e são ainda mais agraciados pela Mãe Natureza que os Elfos de Alran.

A variação de cabelos entre os Elfos era o indicador da ligação da natureza com o Elfo, ou em outras palavras, a Afinidade dos Elementos com o Elfo.

Começando pelos Elfos que tinham cabelos loiros, indicando que suas maiores ligações eram com os Elementos; Vento, Terra e Água. Eles até poderiam ter Afinidade menor com outros Elementos, mas os principais sempre seriam esses três.

Os Elfos com cabelos prateados, tinham maior Afinidade com os Elementos; Vento, Terra, Luz, Água e Fogo.

Houve apenas um Elfo registrado em toda história que tinha Afinidade com todos Elementos, seus cabelos brancos, não por velhice, eram verdadeiro símbolo da sua Afinidade com todos Elementos.

Esse Elfo tinha Afinidade até com o Elemento Escuridão, o qual era considera maligno, para os Elfos comuns, sendo que este Elemento era vinculado apenas com os Elfos da Noite.

Ele foi conhecido como Elfo Branco.

Cada Aldeia nas bordas de Enir eram comandadas pelas espécies mais fortes de cada raça. E o motivo deles para estarem nas bordas era simples.

Para que a maior calamidade não ocorra sobre todos os outros continentes. Eles eram a defesa final de Saphir. Embora vivessem nas bordas desse continente aterrorizante, cada Aldeia, mesmo com poucos números, eram capazes de conter Hordas de Bestas Mágicas de Classificação (B).

Na Aldeia dos Elfos Prateados estava ocorrendo uma comoção.

O líder dos Elfos Prateados, Sha’l, levantou suas mãos. Todos se calaram com esse sinal.

Sha’l perguntou em um tom sério: “O que está ocorrendo? Por que tanta agitação aqui?”

Rakar, o Sentinela da Aldeia, respondeu em imediato: “Líder Sha’l, meu aprendiz estava viajando pelas aldeias para recolher as informações, como de costume. Quando ele estava na aldeia dos Demônios Negros, eles o informaram que viesse imediatamente para cá e avisasse-nos…”

Rakar, engoliu seco antes de continuar: “Uma perturbação está acontecendo no interior de Enir. As Bestas Mágicas estão ficando mais violentas e ativas a cada dia, eles disseram que possivelmente…” Ele deu uma pausa, enquanto encarava os olhos sérios de Sha’l, e disse: “Haverá outra Horda de Bestas Mágicas de Classificação (B+) ou maior.”

O corpo de Sha’l tremeu, lembrando-se do passado, não muito distante.

Cerrando os olhos, Sha’l ficou calado por um tempo e respondeu: “Se os Demônios Negros falaram isso… não tem como ter erros. Rakar, preciso que ouça tudo o que falarei aqui.”

Rakar, sem demora ajeitou seu semblante e assentiu sério para Sha’l.

Sha’l continuou a falar: “Levarei 50 jovens Elfos Prateados e 20 dos Antigos Guerreiros da Aldeia para o interior de Enir, temos que observar a situação real, mesmo que seja uma perturbação, não significa Hordas irão atacar imediatamente… Nada em Enir ocorre sem ter motivo…”

Rakar estava para dizer algo para Sha’l, mas Sha’l bateu em seus ombros com suas mãos e disse: “Eu sei o que falará, meu velho amigo. A’ela está para fazer quatro anos, é a idade do Elfo Prateado realizar o Ritual do Vínculo. Sabe o quanto amo minha filha, se a situação não exigisse isso… Você sabe que jamais deixaria A’ela sozinha.”

Com os dentes cerrados, Rakar respondeu: “Líder Sha’l! Por sermos velhos amigos e companheiros de batalhas que eu te conheço melhor que todos dessa Aldeia! Você não pode usar isso como motivo para ir na Terra Gélida por vingança por três anos atrás! Já perdemos pessoas demais naquele ano… Se você levar metade do pessoal da Aldeia, estaremos em perigo!”

Sha’l, tirou as mãos do ombro de Rakar, como se todas palavras que Rakar tivessem atingido velhas feridas. Ele respondeu aumentando seu tom: “Rakar! Eu sou o Líder da Aldeia! Não me importa se acha que é vingança ou não, eu estou levando metade da Aldeia não por vingança e sim porque, melhor do que qualquer um, você sabe quão difícil é passar pela Terra Gélida com um time inexperiente!”

Rakar olhou para os olhos de Sha’l, que queimavam em raiva, e afirmou: “Meu amigo… te ouvirei porque é o Líder da Aldeia.”

Sha’l, suprimiu sua raiva, suspirou e falou: “Estarei levando 20 dos Antigos Guerreiros porque treinaremos os jovens lá. Não se preocupe, Rakar.”

Cerrando os punhos, Rakar, ainda indignado, disse: “Líder, por favor ouça ao menos o pedido desse Sentinela. Contate as outras Aldeias para levar um grupo maior de pessoas, acredito que você não tenha esquecido quantos companheiros perdemos para aquele grupo maldito de tigres!”

Sha’l apenas olhou para ele, avaliando a situação e suas palavras.

Rakar continuou a falar: “Se a Aldeia perder o Líder, sabe que aqueles egoístas tentarão tomar o lugar, e A’ela mal tem quatro anos, ela não poderá tomar a posição… Talvez… Até ocorra um ass…” Sha’l levantou a mão, calando Rakar.

Sha’l respondeu em tom pesado: “A Aldeia não perderá seu Líder e nada acontecerá com A’ela, Rakar. Você estará ao lado dela sempre, entendido? Você é o único que ela confia e que eu confio também.”

Rakar assentiu. Ele sabia que teria que cuidar de A’ela após a saída de Sha’l da Aldeia. Uma responsabilidade gigantesca estava em seus ombros agora.

Sha’l anunciou: “Não há tempo para perder. Essa Horda deve ser confirmada rapidamente. Quanto mais tempo perdemos falando, maior e mais forte essa Horda estará. Sei que os Demônios Negros não dão informações falsas, mas eles não moverão um dedo sequer até que isso seja confirmado por nós, Elfos Prateados. Essa é nossa missão! Somos os olhos da Aliança Último Escudo!”

Ouvindo as palavras de Sha’l, todos Elfos Prateados calados começaram a ficar ainda mais animados. Todos Guerreiros foram para suas casas para pegar suas armas e vestimentas de combate.

Rakar era o único que sabia o que Sha’l estava passando e pensando, mas mesmo assim, como seu amigo, ele apoiou a decisão de seu amigo.

Sha’l, com um sorriso orgulhoso, disse: “Velho amigo, sabe que em situações como essa, o Líder dos Elfos Prateados deve ir.”

Após dizer isso, Sha’l olhou para todos Elfos Prateados agitados e gritou para eles: “Os Elfos Prateados são os olhos! Somos a primeira defesa! Se o mal caminha em nossa direção, somos nós os únicos que falam onde apontar a espada e quando levantar o escudo!”

Gritos animados reverberaram por toda Aldeia.

Sha’l continuou seu discurso ainda mais animado: “Como Líder dessa Aldeia é meu dever estar junto aos meus irmãos e irmãs no campo de batalha! A natureza é cruel para todos, mas ela é a mãe de todos e quem nos abençoa! Irmãos! Iremos para o interior de Enir!”

Rakar, como um Antigo Guerreiro, sentiu seu sangue ferver pelo discurso. Sem dizer mais nada, ele bateu em seu ombro com orgulho. Esse era um antigo ato de aceitação na raça dos Elfos Prateados, mostrando respeito absoluto por seu superior.

Sha’l começou a dar suas últimas instruções para Rakar: “Proteja minha filha, meu amigo. No Ritual do Vínculo, não saia do seu lado. Enir é grande, e acompanhado por jovens inexperiente, a viagem se tornará mais lenta do que imaginamos. Sabe o que isso significa, Rakar.”

Rakar assentiu. Ele entendeu que Sha’l levaria meses ou anos para voltar, mesmo que confirmasse que era uma Horda a perturbação, ele só enviaria um mensageiro de volta para alertar as Aldeias.

Sha’l, com olhar reflexivo, disse: “Obrigado por me acompanhar por tantos anos, Rakar. Cuide da A’ela e ensine-a Magias após o Ritual… Rakar… Caso eu não volte…”

Rakar, interrompeu Sha’l, e disse, com um pequeno sorriso: “Não seja tão sentimental na frente da Aldeia. Você é o Líder, tem que dar o exemplo. E, não se preocupe, não sairei do lado de A’ela após sua saída.”

Sha’l, ajeitou seu semblante, e ordenou: “Deixe preparado os mensageiros para cada Aldeia. Se eu não enviar um mensageiro após um ano, haverá uma guerra contra as Bestas Mágicas.”


Se você gostou da novel
Não esqueça de Avaliar na Central Novel e dar seu Feedback.
Isso é de extrema importância para a continuidade do projeto.


Autor: Rose Kethen



1 – Biosonar é uma capacidade biológica de detectar a posição e/ou distância de objetos ou animais através de emissão de ondas ultra-sônicas, no ar ou na água, e análise ou cronometragem do tempo gasto para essas ondas serem emitidas, refletirem no alvo e voltarem à fonte sobre a forma de eco, ou seja, orientação por ecos.⤴


Fontes
Cores