DA – Capítulo 84 – Enfrentando Áries, o primeiro Zodiciano Anima!


— Filho, no seu nascimento incrustamos 12 mandamentos zodicianos na sua alma, Arietem é um deles. Sempre que você estiver para subir um reino, você deverá enfrentar uma tribulação do zodíaco, esta joia voadora, de alguma forma, fez ela avançar antes do tempo determinado, pegue a oportunidade presente e a enfrente! — Lucem lança uma mensagem cósmica para Mythro.

— Pai? — O pequeno NOVA murmura, ele não sabe se já ouviu essa voz antes, mas seu corpo grita a esse título, PAI!

“Joia voadora?” — Ammit se confunde com o jeito que Lucem chama o resquício de Numroharr.

— Aqueles sem permissão de me ouvir, não podem me ouvir, ou localizar! Apenas aqueles que tocaram a deidade de Martzj(memória) podem, no mínimo sentir que estou vivo.

— Obrigado progenitor.

Uma outra voz alcança a área que Mythro estava, é a voz de Xaemi.

— Uma imperatriz Yahniana que tocou Martzj antes do divino? — Numroharr ri e o tempo para ao redor. — Muito bem! Mas isso me irrita, meu menino mais velho da região ainda não tocou Martzj porque ele ainda não terminou de buscar Tuffa(tempo)!

A jóia desaparece por um momento, e reaparece na frente de Lucem.

— Tuffa! — O filete negro aparece na frente do pai de Mythro, e grita na sua frente.

Lucem treme, e da forma de homem, ele começa a virar um blazar!

— Lucem, você está louco, vai engolir os planetas! — Xaemi fica nervosa, se Lucem voltar a sua Corpus Fons, ele destruiria mais da metade do quadrante, antes que alguém viesse pará-lo.

Um grito estridente soa da jóia negra de Numroharr, e Lucem que estava se tornando um blazar completo, entra em uma dimensão diferente, ele consegue se abrir completamente.

— O garoto vai entender Tuffa, e entrar em Martzj. Você deve fazer o mesmo quando termina Martzj. — O filete negro olha para o quadro sendo pintado por Abigail, que não ousa se virar para contemplá-lo. — Uma pintura em quadro eterno, traçada pelos fios de Pangu, com cabo de Yggdrasil. A monarquia espiritual daquele menino vai ter muita ajuda! Continue assim, mulher Yahniana. — Com isso Numroharr desaparece.

A joia reaparece do lado de Mythro e o tempo se resume.

— Seus pais são idiotas, filho distante! Eles estão buscando o caminho do tempo, espaço e memória dos criadores antes de tocarem o divino. Mas quer saber? Eu gosto disso! Se eles errarem nem que seja um pouco, eles morrem! ISSO SIM É CULTIVO.

“Mythro, este carneiro é forte! Sua aura é do pico do primeiro reino, mas com certeza sua força é algo mais. Ele seria o jovem mestre de um clã divino se colocarmos em termos.”

Vórtices dourados emergem para o potro, a serpente e Núbia. Isso também auxilia suas cultivações para despertarem força de quarto estágio do ciclo cósmico.

— Como eu vou usar uma lança e tridente ao mesmo tempo? — Mythro começa a se preocupar, a lança já era muito pesada e longa, agora o tridente, na sua mão esquerda do escudo o preocupa com igual pressão. Mythro sente que ambas armas eram poderosas, e a lança era a mais forte, pois Mer tinha cultivação maior do que a do potro, que ao receber a fruta de Mythro, foi até o segundo estágio intermediário do rio cósmico.

“Você não tem disciplina com nenhuma arma. Então as use alternativamente.”

— Ponto luminoso! — Mythro grita e sua lança dourada emite um raio dourado que bate no carneiro.

O carneiro permanece imóvel, mesmo após receber um ataque da lança dourada de Mer.

O carneiro agacha e inclina sua cabeça em uma pose que diz que ele vai atacar. O brilho de diamante se intensifica e energia cor diamante se forma em volta dos chifres, eles criam uma imagem aumentada deles.

Com o bater de suas patas dianteiras, a imagem se desprende e vem em direção ao pequeno NOVA.

Mythro move sua mão esquerda para defender com o escudo, mas o peso do tridente o limita e é com o tridente com que o ataque do carneiro colide.

O item celeste fricciona com a magia e… começa a absorvê-la!

“Jade negra celeste Lorniana absorve energia?” — Gornn fica surpreso com o desenrolar dos eventos.

A serpente desliza do pescoço de Mythro até o tridente e sua cauda se funde à arma. Ela abre sua boca e um raio negro sai de sua boca e atinge o carneiro.

Dessa vez, o carneiro sente certo impacto!

— Acho que ainda não dei nome para vocês… Suife, Grásio!

O potro relincha, a serpente volta ao seu pescoço, ambos sabem, respectivamente, quem é Suife e Grásio.

Mythro cava a lança no chão, ele prepara o tridente para um arremesso.

Serpentes de energia são invocadas e rodeiam o tridente, energia negra começa a brilhar do tridente, Mythro está a energizando.

Arietem volta a brilhar com seu fulgor diamantino. Ele começa a correr em direção à Mythro e imagens de outros carneiros começam a aparecer do seu lado.

Núbia e Suife atacam! A gata cria uma bola de fogo no ar, dela chamas brancas começam a ser cuspidas.

Suife relincha e corre em direção ao carneiro, que emana uma pressão montanhosa.

As chamas brancas passam pelas imagens e as detém em velocidade, mas a energia da qual elas foram feitas é tão poderosa e consistente que é como se elas fossem reais! O verdadeiro carneiro nem ao menos para.

O potro invoca sua energia negra, com a navalha na sua testa encara de frente os chifres do carneiro.

O som de ferro batendo contra ferro pode ser ouvido. A velocidade da troca de ataques é intensa, um golpe por segundo seria eufemismo!

O carneiro usa uma magia estranha, ele desaparece por um momento, e reaparece com seu chifre apontado na poderosa coxa de Suife.

Mas o carneiro não poderia estar mais surpreso, a pele do potro abre e, o quê poderia ser dito como uma estaca sai e bate no centro da testa do poderoso adversário, que cai para trás, balançando sua cabeça.

Núbia aparece depois de lidar com as imagens e cai em cima do carneiro atordoado. Suas garras liberam chamas de 1 metro, e como gato brincando com madeira, ela arranha o dorso do carneiro, e, as rebarbas de diamante sobem por onde suas garras passam.

O zodiciano grita, uma pressão gravitacional é invocada. Núbia bate sua cabeça no corpo de diamante de Arietem, logo sangue dourado começa a sair de sua boca.

Como touro tentando se livrar de algo em suas costas, o carneiro pula e bate suas pernas traseiras no ar. Núbia voa para cima nessa moção.

O carneiro se vira rapidamente e está prestes a colidir seus perigosos chifres nela quando, metros acima Mythro aparece, sua aura trava o zodiciano.

A energia que o pequeno NOVA emana é densa e cheia de mistérios de energias diferentes. Elas incluem suas raças, relâmpago negro de Numroharr, a energia prata de Mer e o tridente devorador.

Os olhos de diamante do carneiro refletem o tridente que tem uma serpente negra de energia em volta. Ela abre sua boca e sibila, e então, o tridente desce, criando o breve som de trovão na área de 30 metros.

Arietem cria uma imagem aumentada de seu corpo, como se criando uma armadura. A arma chega no seu pescoço e uma nova fricção de energias irrompe.

— Nem fodendo!

Mythro cai em direção ao cabo do tridente e usa seu soco de duas faces para afundar com ainda mais força o tridente. E ele não para!

— Nunca usei isso antes, devido a falta de energia na cultivação, mas agora que eu e Mer estamos dentro do mesmo patamar… Pressão das eras!

Ele vira o escudo prata, uma energia prateada brilha e o escudo aumenta o dobro do tamanho. Como martelo pregando algo, ele novamente bate no tridente, só que usando o escudo.

Uma torrente de energia prata ilumina a área de 5 metros ao redor do carneiro, a pressão gravitacional o afunda, fazendo sua imagem sucumbir de vez, dando uma entrada ao tridente de até 10cm dentro de seu corpo diamantino.

— Serpente-rei! — Mythro pula do carneiro e invocando sua deificação do relâmpago negro, ele invoca uma serpente de 10 metros, com olhos rubi de sua Aura Primal Mortal. — Vá!

O relâmpago negro que ruge fogo de suas extremidades vai até onde seria a testa da serpente-rei de energia e fogo negro começa a cair como uma cachoeira da boca da víbora.

— Grásio! — Mythro chama seu companheiro e o joga dentro da serpente-rei que ele acabara de criar.

E o fenomenal se revela. Grásio fecha e abre os olhos, ele começa a crescer até o mesmo tamanho da serpente-rei de energia que Mythro acabou de criar.

— Boa senciência, filho distante! — Numroharr manda uma mensagem para Mythro, observando tudo dos céus.

— Suife! — O potro corre na direção do menino e o pequeno NOVA o monta com um pulo.

Com o tridente na base de seu pescoço, o carneiro cambaleia. Mas ele não estava acabado.

Com um mé, um de seus chifres se desprende e vai até sua boca. O animal sopra o chifre e ondas sônicas começam a empurrar a todo o grupo de Mythro.


Autor: Mateus Lopes   │   Revisor: BCzeulli   │   CQ: Heaven



Fontes
Cores