DA – Capítulo 78 – Matriarca Haokon!



Uma voz jovem viaja por trás dos seis. É um garoto montando um belo pavão que emite ondas do pico do primeiro reino.

Mythro se vira para ele e emite Aura Primal Mortal.

O pavão cai de joelhos por um instante, mas sua aura sobe e o protege do ataque do pequeno NOVA.

— Magia de aura interessante a sua, me dê! — Os olhos do menino se enchem de inveja e arrogância.

— Vem pegar, formiga do oeste! — Mythro abre a mão perto de Brosch, ele entende que o pequeno pede o martelo.

Quando o martelo aparece o garoto fica com ainda mais inveja da arma que Mythro empunha.

— Tio do clã! — O garoto se vira em seu pavão e pede auxílio a um homem montado em um pavão ainda maior.

— Eu sou Xor Uin do clã Ondas Barbáricas, e este é Zou Uin, filho do atual patriarca. Peço que este jovem garoto ceda aos ambos pedidos do jovem mestre. — O homem aumenta sua aura, é possível sentir sua força de segundo reino.

— Que ele venha tomar! — Mythro desce do lagarto e uma serpente de energia o pega no mesmo instante.

Xor e Zou encaram a serpente por um instante. Não era fácil dominar tal arte, e o garoto fez uma serpente só pra montar nela, como se não fosse nada!

— Você está mostrando sua pouca habilidade na frente de um mestre! — Zou invoca uma parede de água de 3 metros, ele a derruba sobre Mythro.

— Suas pífias habilidades de ralé não vão nem alcançar minhas pernas quebradas! — Mythro ruge, ele também invoca uma parede de água.

Mas a parede de água criada por ele tem 5 metros, ela começa a girar como se fosse tocada por um redemoinho. Um sinal azul acende em um dos dedos do pequeno NOVA. É sua runa de água.

Xor levanta a mão e espanta a habilidade de Mythro, isso deixa que o ataque de Zou desça desimpedido.

10 serpentes saem do dorso de Mythro e fazem um escudo na sua frente, que bloqueia toda a água.

— Um escudo de serpente? — Ariã olha para o pequeno e sua admiração cresce. Serpentes de energia eram apenas usadas para um combo de ataque contínuo, ninguém as usava dessa maneira!

— Serpente-rei!

Com um grito, a serpente que carrega Mythro se levanta até 5 metros de altura, seus cabelos são tomados por serpentes de energia, e sua face começa a lembrar uma medusa.

— Que garoto! — Xor exclama.

— Chega!

Uma palavra soa. Mas todos tremem sob seu jugo.

Uma mulher vem na direção dos dois grupos, acompanhada de três meninas.

— Mythro!

— Senhor Mythro!

— Prepotente!

São as três Haokon. Isabol, Ferrilha e Matcha.

— Matriarca Monica Haokon! Este Uin se sente enaltecido por estar em tua presença. — Xor se curva.

Zou encara Monica por um momento, e se curva logo após.

— Parece que os cães das Ondas Barbáricas esqueceram que meu clã não teme o meio-oeste, é bom você se curvar até o chão quando me ver, jovem mestre Zou Uin.

O garoto encara Monica com raiva, mas faz como é dito e coloca sua testa no chão.

— Melhor assim. — Monica encara com desprezo os dois Uin na sua frente. Ela se vira para Mythro e joga algo para ele. — Tome, uma recompensa por ter protegido a vida de minhas meninas.

O pequeno NOVA abre o saco e vê algumas pedras cósmicas. Tinha pelo menos 10 kg ali!

— Então… A senhora é a mãe de Isabol?

— Sim.

— Você a criou bem. Ela será muito forte e sábia.

— Estou falando com uma criança ou um velho? — Monica cobre o rosto e ri levemente.

Os Uin se levantam e engolem à seco. A beleza de Monica podia tomar até aqueles que a odiassem até os ossos.

— Você não parece surpreso. Não gosta de mulher, garoto? — Monica provoca Mythro.

— Você é de longe a mulher mais bonita que vi. Sua Tantrum Praesidii é a única coisa que me faria ter alguma surpresa.

Monica abre bem os olhos e encara Isabol.

— Mãe, eu não contei nada, ele já sabia!

— Não precisa brigar com elas. Esses segredos milenares de vocês já estão na palma de minha mão. Nem o clã da lua foge dos meus conhecimentos. Agora, se me dá licença, tenho que me apresentar na competição de criança santa, espero poder vê-la novamente Matriarca Monica.

— …

Saindo do modo serpente-rei, Mythro senta novamente no lagarto e, o monstro continua seu caminho a comando de um trêmulo Ariã.

Ferrilha olha para Zou, e aponta seu dedo. Uma linha amarela de energia toca o solo e flores desabrocham ao redor do jovem mestre das Ondas Barbáricas.

— Pegue elas como compensação. E saiba que, nem eu, nem Matcha, nem mesmo Isabol conseguem derrotar Mythro. O que você viu hoje não foi nada. Ele de armadura completa, lança e escudo, vão fazer você se sentir lutando contra seu pior pesadelo.

Matcha ri alto e segura em sua barriga. Isabol pega na mão das outras duas e elas adentram os portões da vila.

Monica vê as três meninas entrando na vila e começa a fixar a imagem do menino que ela acabará de conhecer na sua mente.

— Mythro Zumb’la… O garoto perdido do abismo que no nível intermediário do rio cósmico consegue derrotar minha menina… Quero ver quem é este garoto.

**

Como é comum nas vilas do oeste, no centro tem a casa maior, e ao seu redor as mais importantes instituições e comércios.

Era em uma destas instituições que vai ocorrer a luta entre as crianças e adolescentes sagrados. O lugar era chamado “Salão Arena Schut”.

A vila Schut superava a vila Chamto em tamanho e prosperidade quatro vezes. Era como uma vila do meio-oeste.

O salão era um lugar que podia caber mais de 300 mil espectadores. A arena era um círculo feito de pedra maciça, rocha da qual superava em força o mármore comum, e que podia ser facilmente restaurada se quebrasse devido a possibilidade de tornar ela em líquido, por causa das grandes concentrações de ferro na mesma.

Ao redor da arena, lanças com correntes penduradas umas nas outras, como se fossem arame separando gado erguiam-se pela circunferência de 3 mil metros quadrados.

Um homem vestindo uma camisa vermelha com detalhes verdes, acompanhado por outros com iguais padrões, andou até o centro acompanhado com jovens estendendo a sua esquerda, e direita.

Ele levanta seu braço e abriu sua mão, logo um dos homens ao seu lado levanta uma bandeira e a coloca em sua palma.

— A competição de criança e adolescente santo das vilas do oeste de fora irá iniciar! — Sua voz é baixa, mas com energia cósmica, ela reverbera por todo o salão.

Clamor!

Todos se levantam e esperam pela apresentação deste homem. Ele é o Senhor da vila Schut, um cultivador do terceiro reino!

— Este ano, grandes talentos foram encontrados, e até mesmo, um em especial que surpreende até mesmo estes velhos ossos! Um garoto, que dizem poder aprender uma arte em grau santo, com apenas uma olhada!

— Bobagens Senhor Schut!

— Se isso fosse possível, já teria acontecido antes!

— Completamente improvável, a não ser que os céus tenham lhe dado talentos além de nossos anfitriões.

Os anfitriões eram os grandes personagens do Clã da Lua. Aqueles que reinam sobre todo o oeste. A moral e o prestígio do clã da lua eram inegáveis.

“Você fez bem em poder encontrar Oprita e Tuin, e mostrar seus talentos a eles. Um dia o contato com o Clã da Lua lhe trará grandes benefícios.”

Mythro assistia tudo ao lado esquerdo do Senhor Schut. Bijin estava ao lado direito do homem, e de vez em quando olhava para o pequeno NOVA, vendo se ele estava bem.

— Não sejam precipitados! Se um jovem talento deste realmente existir, e, aqui se provar, veremos talvez um próximo rei no oeste em dezenas de anos a seguir. Contra a guerra do norte, jovens talentos devem ser sempre nutridos com o máximo de nossas mãos! — A voz do senhor Schut aumenta e faz todos se calarem.

— Senhor Schut, mostre-nos então esta criança! — Um homem se levanta, e Mythro o reconhece. Era Xor Uin.

— Ora, Senhor Xor, ele está ao seu lado!

Todo o público se vira para os Uin, do Clã Ondas Barbáricas. Zou Uin se levanta e balança seu braço para cima. De sua mão, uma tatuagem brilha, e um pavão se materializa. Zou pula em cima do animal e voa até o centro da arena.

— Zou Uin é a criança sagrada do meio-oeste que estará guiando a competição esse ano, eu, e meus conselheiros estaremos junto ao público, esperando as claras e detalhadas informações do jovem mestre Uin!

Muitos engolem a seco e logo após levantam sua voz em êxtase.

— Este garoto foi colocado aqui para humilhar os jovens das vilas? — Mythro lança um pensamento para Gornn.

“Provavelmente. Mas foi bom que você o encontrou antes.”

— Obrigado! Obrigado a todos. Eu, Zou Uin, declaro que a competição irá iniciar agora! Todos serão separados entre suas respectivas idades…. Mas… Antes de tudo…

Zou se vira e aponta para Mythro.

— Teremos uma rápida batalha entre eu e este fedelho da vila Chamto!


Autor: Mateus Lopes   │   Revisor: BCzeulli   │   CQ: Heaven



Fontes
Cores