DA – Capítulo 69 – Ostra Celestial Divina



“…Ostra Celestial Divina.”

Gornn termina sua fala. E junto com este nome, o sangue de Mythro se manifesta em seu NOVA Statum!

A auréola se manifesta ao redor de sua garganta. Seu corpo se torna dourado, seus braços ficam completamente azuis.

Os cabelos negros que ondulavam na água se tornam como poderosos raios de sol na escuridão das profundezas do lago.

Do outro lado do lago, Núbia, que estava aguardando Mythro, sente seu corpo ser puxado. Ela manifesta seu NOVA Statum, e uma auréola aparece em cima de sua cabeça. A energia dourada dela começa a transbordar de seu corpo e suas chamas brancas envolvem suas pernas e cauda.

Ela pula dentro da água e vai em direção à Mythro.

As outras três conseguem ver um brilho dourado e branco descendo.

— O que foi isso? — Matcha é a primeira a dizer algo depois de um longo silêncio.

— O que são os Zumb’la afinal? — Isabol toca na água, mas nada ela consegue compreender.

Ferrilha ainda estava segurando a estrutura da esfera guardiã. Ela olha a estrutura e a solta na água.

— Ferrilha!

Matcha e Isabol tentam pegar a estrutura, mas ela começa a cair rápido como uma pesada pedra.

— Eu sinto que Mythro vai precisar dela.

As três se voltam à face do lago, mas para elas, qualquer brilho já foi apagado no fundo. Tudo que as resta é esperar a volta dos dois.

A luz de Mythro faz as enguias circularem e irem para trás da ostra. A Ostra Celestial Divina era prateada, sua forma não era bem como a de uma ostra.

Ela tinha a altura do pequeno NOVA, e tinha 1,5m de comprimento. Sua aura também era do pico do quarto estágio.

A boca da ostra se abre, energia prateada viaja da sua boca até Mythro.

— Ish za ummlk tokno za Rairashi’Rar(É um prazer conhecer um altíssimo).

— Muoin Exclanr Rar(Ostra Celestial Divina). — Mythro fala.

No NOVA Statum, Mythro libera o poder de seu sangue, e isso lhe concede o poder de conversar na língua ancestral.

“Rairashi?” — Ammit pergunta.

“Sim… Existem diferentes seres mesmo entre os da mesma espécie, chamados de variantes. Nas raças divinas, Rairashi é aquele que é o líder do clã. Rairashi’Rar é aquele que tem potencial para ser o mais poderoso do universo daquela respectiva espécie. Isso pode ser atestado pelo manifestar do poder desse ser ao usar sua linhagem.”

“Leões sagrados não tem chifres. Você é um variante? Um Rairashi’Rar?” — Ammit pergunta para Gornn.

“Sim. Eu sou um Rairashi’Rar dos leões sagrados, meu corpo se desenvolveu como uma grandíssima manticora.”

— Molf fhur omn polit, Rairashi’Rar(Quero oferecer meus serviços, altíssimo). — Uma outra rajada de energia prateada sai da boca da ostra.

Mythro levanta sua mão e um raio azul e dourado acerta a ostra.

— Yerm polit sum omn firmament(aceita servir sob meu céu?)

— Yerm, Rairashi’rar(aceito, altíssimo).

Núbia chega ao lado de Mythro neste instante. Ela se coloca a um metro atrás dele, suas chamas brancas continuam queimando, como se não pudessem ser apagadas nem em água.

As poderosas enguias tocam suas testas na ostra. O corpo delas era um negro azulado, mas agora, uma delas fica completamente prata, enquanto a outra fica completamente dourada.

— Ush Iwia omn zumloa, Rairashi’rar. Utalori omni, sensz(A marca da minha promessa, altíssimo. Dê a mim um nome).

— Muoin Exclanr Rar… Mer. — Mythro nomeia a ostra como Mer.

A ostra começa a se modificar. A concha começa a abrir fissuras e a se separar, cada parte vai se separando e moldando em algo novo.

As enguias tinham longas barbas e uma crista que pegava do fim da testa até o meio de seu dorso. Se uma outra pessoa que já tinha visto enguias antes estivesse testemunhando a mesma cena, elas estariam completamente maravilhadas. Mais belas enguias não existiriam nesse mundo.

6 partes ao todo da ostra se separam em diferentes massas. Elas mudam até se tornarem… peças de uma armadura!

Grevas, elmo, manoplas e peito. Elas flutuam um pouco na água, e então se movem em direção a Mythro.

Cada peça se coloca da melhor maneira possível no pequeno NOVA. Cada enguia tinha em torno de 130cm. Elas começam a girar no mesmo lugar até começarem a se transformar. A enguia prateada vira um escudo de 80cm de altura e 50cm de comprimento, a enguia dourada se torna uma lança dourada dupla.

Na ponta de estocada o busto da enguia permanece, emitindo uma aura imponente, digna da ostra celestial divina.

A esfera guardiã alcança o fundo neste momento. Mythro vira para Núbia e aponta para o fundo. Sem demorar, ela começa a nadar até as profundezas do lago.

Pegando a esfera guardiã, ele a ativa e as runas são absorvidas. Logo em seguida Núbia aparece em volta de suas chamas brancas com três plantas diferentes na boca.

Mythro ativa a estrutura novamente e as engole. Olhando ao redor uma última vez, o pequeno NOVA percebe que ainda tem muitos cristais na região. Ele move seu dedo para cima e lança sua energia cósmica pelos últimos recônditos do lago, e logo todos os cristais vão parar no seu saco azul.

— Oika(vamos). — Mythro diz olhando para Núbia, ela nada até sua frente e solta fogo branco pela sua boca, envolvendo ela e seu irmão.

Mythro estoca a lança no ar e eles começam a ascender rapidamente para a superfície.

**

— Onde eles estão? Já faz mais de uma hora! — Ferrilha diz nervosa, sua lágrimas tocam na água.

— Só podemos orar agora… — Isabol junta as mãos, sentada em um canto da caverna.

— Ei, tem uns brilhos de novo na água. — Matcha tinha água nos olhos, mas não tinha chorado como Ferrilha. Ela olha atentamente as luzes se movendo no profundo lago.

— Está bem rápido, não é? — Ferrilha comenta.

O lago começa a borbulhar, como se um vulcão estivesse prestes a explodir.

— Afastem-se! — Isabol usa sua energia para criar uma barreira ao redor das meninas.

Da superfície do lago, algo irrompe, joga Ferrilha e Matcha para longe. Felizmente, nenhuma se machuca já que Isabol usou sua barreira Haokon.

Um urro soa, as meninas se viram para ver Núbia, em seu NOVA Statum. Liberando mais chamas do que nunca.

Ao seu lado, um garoto com seu corpo inteiro dourado, com exceção de seus braços azuis. Uma auréola rodeando seu pescoço ilumina a caverna, junto com a forte aura que irradia de seu corpo.

Em suas mãos manoplas que pareciam como garras, em seu torso um peitoral que no centro mostrava a imagem de uma ostra sendo guardada por duas belas enguias, grevas que cobriam seus pés até os joelhos e um elmo que cobria praticamente a cabeça inteira, mas deixava o rosto à mostra, junto com três pequenas aberturas no topo do elmo que traziam o cabelo para cima, deixando a imagem mesmerizante  gravada na cabeça das três meninas.

A lança dourada fazia suas peles se sentirem na margem de uma faca, e o escudo parecia impenetrável.

— Que lindo… Uma armadura prateada. — Ferrilha coloca a mão na boca e começa a chorar ainda mais.

A demonstração dura alguns segundos até que Núbia e Mythro saem de seu NOVA Statum. Acima da mão do pequeno NOVA a estrutura gira e dentro da estrutura é possível ver duas runas.

— Voltei, desculpem a demora. — Mythro diz ofegante, ele da passos lentos até Ferrilha e entrega a esfera guardiã.

— Tudo bem? O que foi isso agora, nós nunca vimos nada parecido… — Isabol fica na frente do pequeno NOVA e tenta arrancar respostas dele.

— Vai ter que ficar para outra hora… Levem tudo para a gruta… — Mythro desmaia em cima de Isabol, que o segura.

Ele tinha ficado muito tempo sob a água. Embora o NOVA Statum tenha lhe dado mais forças para continuar lá embaixo, fazer o contrato com a Ostra Celestial Divina lhe taxou mente e alma.

As partes da armadura vão caindo no chão e se juntando como se fossem um tipo de líquido. A lança e o escudo emitem um brilho ofuscante e retornam a serem enguias.

Núbia mostra sinais de exaustão, mas ela morde a mão de Matcha suavemente e tenta puxá-la para fora da caverna.

— Eu… O que devemos fazer? O que foi tudo isso? Como é que armas viraram enguias e essa coisa prata… É uma ostra esquisita? — Matcha está quase desmaiando de incredulidade.

— Precisamos levar ele para a gruta do paraíso! — Ferrilha pega a Ostra com grande esforço.

— Núbia estava tentando puxar você, ela deve saber onde é, peguem a água que puderem para essas enguias e vamos! — Isabol pega dois sacos cinzas de dentro de seu saco azul e os enche de água.

Matcha faz o mesmo, e depois elas começam a correr para fora da caverna, seguindo Núbia.


Autor: Mateus Lopes   │   Revisor: BCzeulli



Fontes
Cores