DA – Capítulo 52 – Gruta do paraíso



Quando o dia raia, os olhos se abrem em contemplação para algo novo. Um vento ameno faz os couros de coelho mexerem na pele do pequeno, que agora se deita em terra santificada.

Ele se levanta e coloca os couros novamente em uma pedra próxima, o cheiro de queimado toma seu nariz, o fogo queimou até morrer naquela noite. Ele se senta em estado meditativo e começa as primeiras horas do dia como Gornn o ensinou.

Embora ele não esteja mais com Mits, ele continua seguindo a cultivação dupla que foi passado para ele. Agora que ele está no rio cósmico, segundo estágio do primeiro reino, sua energia é mais forte e vibrante. Enquanto ele medita, diversos raios negros pulam de um lado do seu corpo para o outro, trazendo mais conhecimento sobre o relâmpago para o pequeno. A terra santificada de vez em quando absorve um desses relâmpagos, e começa a distribuir mais pontos brilhantes, como se estivesse evoluindo junto com o seu dono.

Mythro ao criar seu sol com um significado interno, criou o Panorama Dao. Que era o início do caminho de um jovem cultivador, nele ele poderia trilhar algo já com esboço. A imagem viva dele aparece, é possível ver o sol negro coroado na copa da árvore, que tem 10 galhos, 9 segurando esferas cinzas, e uma se conectando à Kether. Ao redor da árvore tem a densa névoa cósmica, e fluindo de esquerda a direita, um rio negro com diversos raios. O rio ainda é pequeno, e um pouco ilusório, mas conforme ele cultiva ele se tornará maior e mais real.

‘’Por hoje está bom. Vamos montar seu conjunto deificado.’’

— Mm. — Mythro termina sua meditação e libera a posição que segurava, mas sua imagem viva não retrocede. Ele toma uma respiração e segura as mãos juntas na altura de seu peito, e então fecha os olhos.

Cinco luzes de diferentes cores começam a brilhar nas mãos do pequeno, elas são as runas deificadas que Aurio o deu. A runa do relâmpago, brilha azul, mas então, a árvore e o sol emitem ondulações, que fazem o brilho ficar negro.

‘’Existe uma meditação exclusiva para os NOVAs, que é passada nas memórias de seu sangue. Espero que um dia você possa recordar dela, depois do segundo reino, ela será seu método de meditação principal, bem, assim espero.’’

— Sinto-me mais conectado ao meu próprio corpo cada dia que se passa. — Mythro abre os olhos e vê sua imagem viva, que mede em torno de 1 metro acima dele.

‘’As runas que Aurio lhe deu são as runas essência, mas é somente um dos meios de dizer que são as runas que tem maior contato com o respectivo elemento que a representa. Mas isso é neste planeta, se você quiser usá-las futuramente terá que aprimorá-las você mesmo.’’

— Eu entendo.

‘’O conjunto deificado se forma quando você reúne os elementos para criar uma nova coisa. Aurio, como exemplo, criou todo seu universo com seu conjunto deificado. Existem poucos na história que podem se igualar à ele. Quando vi sua monarquia espiritual, eu vi que o conjunto que ele fez era de uma lança, que tinha a ponta de ‘’terra’’, e se seguia até o cabo por ‘’relâmpago’’, “fogo”, ‘’ar’’ e ‘’água’’.’’

— O senhor Aurio usa uma lança de runas? Por que ele não usa uma arma de… terceira divino?

‘’Terceira divindade.’’

— Isso.

‘’Ele usa. Como te falei, armas divinas tem uma utilização completamente diferente das outras armas. Mesmo que eu fale agora, você esquecerá, e mesmo que não esqueça, te dizer coisas grandiosas estando tão pequeno, pode lhe desanimar. O que você precisa entender é que uma arma de grau céu, pode se tornar senciente e pode se integrar ao seu dono.’’

— É aquela tal vontade das adagas que você tinha dito? — Mythro olha para a adaga enrolada em seu cabelo.

‘’Sim. Mas isso é pro futuro, eu percebi que temos dito muito sobre coisas fora deste planeta, mas estamos esquecendo de falar sobre o que deve ser feito aqui. Primeiro você terá que entrar em algum clã que possa te oferecer recursos de cultivação e proteção. E o melhor método de se vingar do norte é com um exército.’’

— Não, eu vou matar todos eles com a Mits. Farei relâmpagos choverem na terra deles como Ganesha contra seu próprio planeta, e vou comer seus corações, como Ammit com os pecadores egípcios.

‘’Que assim seja. Mas você terá que estar no quarto reino no mínimo. O conjunto deificado é uma escolha própria sua, mas me intrometerei em recomendações. Primeiro, para aumentar o poder das runas você terá que encontrar outras runas.’’

— Como assim?

‘’No fundo deste lago, tem uma runa de água que você não percebeu, nade até lá.’’

Mythro se levanta, e sua imagem viva retrocede. Mas seus dedos continuam brilhando. Ele corre até o lago e o encara, mas não vê muita coisa além do forte azul das águas. Ele então tira a camisa de algodão, as botas e as calças de couro, e pula no lago. Ele desce rapidamente, e coloca raios ao seu redor para intensificar suas proezas físicas, ele desce até que começa a ver um símbolo, um símbolo que parece estar devorando a água nas pontas superior e inferior.

É uma runa azul como as águas.

— Ela está absorvendo as águas?

‘’Sim, mas como ela é uma runa de água, ela calibra seu ambiente. Ela absorve mais água quando chove, e enquanto não chove, ela refina a água ao redor para que ela possa ficar mais forte. Existem 10 níveis de runas, mas aqui você só achará até o quinto no máximo. Elas são, semente de runa, runa florescente, runa completa, runa perfeita e runa de Dao.’’

— E qual é esta?

‘’Esta é uma runa florescente.’’

— Vou deixar ela aqui, já que voltarei aqui sempre, quero esta água bela como está. Na verdade, como deixo ela mais forte?

‘’Você tem que usá-la. Sua terra santificada vai se proliferar enquanto você cultiva, e ela será ótima para plantar flores, ervas e outras coisas. Se a água deste lago tocar sempre na terra, ela poderá absorver nutrientes físicos e espirituais, e assim começará a se refinar mais rapidamente.’’

— Certo!

‘’Antes de sair, tome este lugar como seu. Ofereça seu sangue a runa.’’

Mythro pega a adaga e corta seu dedo, ele então nada até a runa e toca nela. A sensação que percorre seu corpo é renovadora, é como estar em baixo da cachoeira mais branda.’’

A runa treme, a absorção de água acelera, a cor dela fica mais forte. Ela deu um passo adiante em seu refinamento, embora ainda não seja uma runa completa.

Depois disso, um raio de luz azul se desprende da runa, e voa até a runa deificada no dedo de Mythro.

‘’Ela compartilhou parte dela com você, agora você pode usar o poder da água.’’

E essas não foram as únicas mudanças, o rio de Mythro fica menos ilusório, e água começa a escorrer da árvore. Como a névoa antes vinha, agora o rio vem.

Quando Mythro pulou na água, ele segurava a respiração como qualquer outra pessoa, mas depois de ter tocado a runa, é como se o ar fosse as suas narinas de maneira deliberada. Mas claro, isso só funcionaria com esta runa e neste lago.

— Está na hora de voltar!

‘’Vamos mais à frente, talvez possamos encontrar algo interessante. Vá por aquela trilha que encontramos dias atrás.’’

— Não vai demorar demais seguir aquela trilha? É mais fácil ir cortando pela floresta.

‘’Então que assim se faça.’’

Mythro dá mais uma olhada para trás antes de sair. Ele vê a terra soltando partículas de energia, o belo lago azul, e na sua memória, algo desperta.

— Aqui vai ser a minha gruta do paraíso. O lugar no qual encherei de flores para Namhr.

Na testa do pequeno, um brilho dourado começa a emanar. Um círculo com diversas linhas ligadas de um lado para o outro se manifesta e começa a crescer. Quando ela alcança o tamanho de 200 metros, ela voa até o teto aberto da gruta e tranca o lugar. E então some.

‘’Isso foi um selo, pessoas estendendo sua mente em busca de coisas espirituais não perceberam este local, seu sangue o aceitou verdadeiramente.’’

— Mas ainda poderão entrar aqui?

‘’Sim, mas o selo é mais importante. Se você realmente for nutrir este lugar, ele crescerá muito rápido, e vai emanar muita energia cósmica. Qualquer homem no terceiro reino viria aqui e roubaria tudo que você cultivou.’’

Com mais uma olhada no teto, ele se vira, e sai do túnel. Seu próximo destino é a próxima vila.


Autor: Mateus Lopes   │   Revisor: BCzeulli



Fontes
Cores