DA – Capítulo 49 – Procurando briga com a família errada



— A memória de um ser ancestral estava dentro desta joia, ele se chamava Numroharr. O primeiro eterno(Zumb’la).

‘’O primeiro…? Isso quer dizer o progenitor dos arfozianos?”

— Acho que sim… Não tenho certeza. Ele disse para eu reunir suas joias e revivê-lo.

‘’Ressurreição? A alma dele ainda vive então. Ele as deve ter prendido nessas joias.’’ — Gornn especula

‘’Não, ele quer ressuscitar por meio de memória.’’

‘’Memória? Você não quer dize—‘’

‘’Sim, leão rubro. É possível, contanto que ambos, tenham alta cultivação e cosmicidade.’’

— Do que vocês estão falando?

‘’Na verdade, é só um rumor vago. Dizem que se você se lembrar de uma pessoa, ela pode ressuscitar, mesmo que sua alma tenha deixado de existir.’’

— Mas não é isso que devorar almas quer dizer, que elas jamais existirão, tudo e onde ela já passou e existiu, será apagado? Se a alma dele deixou de existir… Então como ele pode voltar, se tudo que há de memória dele, também foi apagado?

‘’Você está confundindo coisas. Devorar é mais complexo. Você terá que ceifar toda a pessoa, se sua cultivação ou determinação não sobrepujar a da pessoa que você devora… Sua alma vai corromper e rachar. E depois você morre. Estamos falando de um progenitor, a única coisa que poderia fazê-lo deixar de existir seriam outros progenitores, ou…’’ — Ammit

— Yah e Weh. — Mythro se levanta e desce as escadas, mas é devagar e seus passos pesam.

‘’É muita cosmicidade. Você terá que meditar sobre tudo isso, sua mente não pode estar em caos quando você usar uma arte, ou cultivar.’’

— O meu sol…

Gornn então olha para baixo, e vê que o sol azul de Mythro agora está negro.

‘’Ele ficou mais forte, este Dao da dominação deve ser o Dao de Numroharr.’’

— O Dao da dominação? O que é isso?

‘’Bem, pelo que pude aprender em minha vida dom—‘’

— Gornn. Eu sinto que é errado o que você vai dizer, mesmo antes de dizer. Acho que eu tenho que achar essa resposta. Meu corpo grita por isso.

O leão rubro cerra os olhos, e olha para a joia negra.

***

Baki e Brosch estavam juntos com uma mulher e um homem, eles conversavam de modo agitado.

— Brosch e Baki, seu filho do abismo deixou Julia em prantos, não conseguimos acalmá-la! — A mulher diz com tom autoritativo, ela balança seu dedo.

— Nós vamos conversar com ele, perdoe, por favor Santiago, ele não sabia do que tinha se passado. — Baki fala com as mãos juntas.

— Nos conhecemos à muito tempo, Baki, Brosch. Só viemos aqui para que tudo fosse colocado no lugar, falem com o menino. — Santiago abaixa as mãos de Baki.

— Como só podemos aceitar isso? Devíamos pegar alguma compensação!

Baki e Brosch ficam com os rostos mais nervosos.

— Amélia iss—

—  Hey!

Os quatro olham para a fonte da voz. É Mythro!

— Esse é o moleque? Escut—

Sem deixar que a mulher termine, Mythro desliza a adaga em sua mão, e usa o salto reação, ele viaja rapidamente, raios negros rodeiam seu braço, serpentes saem de suas costas e descem pela sua clavícula, prontas para atacar! Uma aura perigosa o rodeia.

A mulher não estava preparada para isso, embora ela fosse alguém do segundo reino, sem estar preparada, ainda assim ela poderia levar um na fuça!

O pequeno NOVA recolhe o braço, e então com um impulso, estoca a lâmina! Ele está a centímetros dela, até que Santiago tira uma espada da cintura e bate na adaga, arrancando ela da mão de Mythro.

Mas ele não para, as serpentes se lançam na mulher, crescendo exponencialmente, isso a faz dar passos sem equilíbrio para trás, e a faz cair. Mas novamente, Santiago faz dois cortes, que terminam com as serpentes.

— Deixem os dois em paz! — Mythro entende que com Santiago do lado, ele não conseguiria atacar a mulher.

Santiago aponta a espada para Mythro. Brosch entra no meio com seu martelo.

— Abaixe isso, ele é só uma criança.

— Olha o quanto esse garoto é vicioso, ele realmente é do norte.

— Essa puta estava pedindo coisas irreais à Baki. Se a bosta da sua filha sofre com a morte da mãe dela, por que ela não vai a visitar no inferno?

A aura de Santiago voa, ele é um dos guerreiros da linha de frente. Ele não era menos vicioso do que qualquer nortenho!

— Não deixarei que suje o nome de minha esposa.

Baki fica sem reação, ela não tinha cultivação. A pressão de Santiago a faz perder o fôlego. O pequeno NOVA vê isso e começa ficar mais irritado, a Aura Primal Mortal começa a rodeá-lo, nas suas mãos, duas palmas destruidoras se fazem.

Santiago encara as ondas de energia, em sua mente, um flashback do salto reação entra em moção.

— Você… Usa artes de maestria santa. Como?

— Depois que eu comer seu coração, espere por esta vadia, ela te responderá!

Mythro desliza para pegar a adaga que caiu no chão, ele também pega a outra. Ele usa salto reação e vai ao ar, logo ele cai com diversos revoltosos raios negros que cobrem sua pele. As serpentes que ele cria agora estão sobrepondo seu braço, elas andam por ele até que a imagem fique a de uma serpente soltando uma adaga pela boca. A imagem é poderosa. Inimaginável se vindo de uma criança.

— Brosch, tire a Baki daqui! — O pequeno NOVA fala caindo do céu.

Brosch que estava concentrado em Santiago, vê que Baki está de joelhos ofegando. Ele corre por ela.

Energia cósmica transparece na espada de Santiago, veias pulam de seu braço. Ele está para mexer sua arte quando…

Um forte estrondo soa, entre Santiago e Mythro aparece um homem.

— Chega! — O homem grita, ele aponta para Mythro, e diversas correntes se manifestam e o prendem.

Santiago olha para o homem e se ajoelha.

— Senhor Ariã, não era minha intenção. Viemos resolver um problema entre as crianças e acabou ficando fora de controle.

Amélia que estava caída no chão, rasteja um pouco e fica em igual posição a de Santiago.

— Fiquei sabendo pela menina Bijin. Ela já se direciona aqui. Santiago e Amélia, embora o pedido de desculpas esteja certo de ser clamado, a de uma compensação não! Crianças brigam entre si por inocência, se tivéssemos que clamar compensação sempre que algo do gênero acontecesse, deveria eu, Ariã, pedir que lambesse meus pés, e fosse meu cão, por ter salvado Julia, logo após sua esposa ter sido cruelmente assassinada por alguém do norte?

Santiago fica quieto.

— Mythro é a criança santa dessa vila, e foi reconhecido por mim e a casa maior. Vocês entendem isso?

— Sim senhor!

— Sim senhor!

Santiago e Amélia falam juntos.

— E você, garoto! — Ariã se vira, e o que ele vê o assusta. Mythro está mordendo as correntes de energia… e elas estão ficando menores.

Baki se levanta, e corre até o pequeno. Ariã solta as correntes, Baki consegue pegá-lo no colo. Ele ofega bastante, mas seus olhos dourados continuam emanando sua raiva.

— Podem levá-lo para descansar. — Isso é tudo que Ariã consegue dizer.

Mythro se solta de Baki, e ele usa salto reação em direção a saída da vila. Ele para depois de dois saltos. Ele olha para trás, encara Amélia e passa seu dedo na garganta.

Amélia não tinha motivos de ter medo de uma criança. Ainda mais alguém no primeiro reino. Mas a ferocidade do menino a deixa alerta. Ele era um pirralho agora, mas todo mundo cresce.

Baki começa a chorar. Brosch a pega e olha para Mythro, que novamente se vira e começa a se distanciar.

— É culpa minha… Ele fez isso para me proteger — Baki murmura.

— Não se culpe menina. Os relatórios que temos do acontecido no abismo são cruéis. Mais de 25 mil mortos. Todo o arredor da ponte do abismo estava um mar de sangue, o que esse garoto viu, nem novos soldados da linha de frente veem com frequência. Dê tempo à ele, quando ele voltar estará mais calmo — Ariã fala, e se despede. Ele então pula, e voa mais de 70 metros a frente. É seu salto reação.

— Amélia, vamos.

A mulher estava prestes a abrir a boca. Mas Santiago a olha de maneira que a faz ficar quieta. Ela olha para Brosch e Baki e pede desculpas, então ambos saem usando seus próprios saltos reações, que os levam 50 metros à frente.


Autor: Mateus Lopes   │   Revisor: BCzeulli



Fontes
Cores