ALdI – Capítulo 5 – A pequena garota (2)


— O quê?

— Eu quero a sua alma, foi por isso que vim aqui.

Eu vacilei e meu pé recuou um pouco, mesmo sendo uma garotinha ela tinha acabado de dizer que queria minha alma. O que ela era, um demônio? Que tipo de pessoa diria isso. Não, porque eu a temia? Eu sentia algo vindo dela que me dizia para ter medo dela.

— Você… quer… me matar? — Essas palavras demoraram a sair da minha boca, mas a expressão de Laila nem sequer mudou.

— Oh não! —  Acenando a mão ela negou. — Eu não tenho um corpo, não posso tocar em você.

— Isso não pareceu muito consolador.

— Você viu a sua morte, então não deveria se preocupar, eu só quero a sua alma.

— Eu vi minha… morte?

Então aquilo que eu vi vai acontecer? Eu vou… realmente morrer? Mas, por que eu vi aquilo? Morrer num beco escuro não é algo bom.

— Percebeu? Eu te mostrei sua morte. — Laila me disse enquanto eu pensava naquela visão.

— Qual sua intenção em me mostrar isso? — Eu estava começando a me acalmar novamente, assim eu poderia fazer as perguntas certas.

— Oohh, já está se acalmando. Isso é bom. O que vou te contar é bem simples, essa visão que teve pode acontecer daqui a alguns minutos. Vai depender de você, se você abrir essa porta e ir atrás dela você morre.

Aquilo foi inesperado, o que essa criança estava falando era que se eu seguir Bianlai Xia eu vou morrer. Por isso ela estava na minha visão tentando me ressuscitar. Então se…

— Se você não ir quem vai morrer é Xia. — Laila me respondeu como se lesse meus pensamentos.

Sim. A primeira coisa que pensei é que se eu não ir eu não iria morrer. Aliás, por que eu estou acreditando nessa criança? Por que o que ela diz parece não ser mentira? Normalmente eu duvidaria de tudo que ela está dizendo.

— Eu ou a Bianlai-san, um de nós irá morrer hoje?

— Exatamente, e eu preferiria que fosse você. — Laila disse isso e se sentou em um dos degraus da escada.

— Ei!

Eu expressei meu descontentamento com essa última parte. Ela queria tanto assim que eu morresse. Sem falar porque ela queria tanto que a Bianlai Xia sobrevivesse ao invés de mim. Eu tinha acabado de conhecer ela e mesmo assim ela já me odiava?

— Ah, não leve pro lado pessoal, é só uma questão de preferência mesmo. Ela tem um futuro mais promissor do que você, que fica caçando um fantasma do passado.

— Do que está falando?

Laila parecia saber exatamente o que estava falando, ela expressou um sorriso ao me ver mais tenso depois do que ela falou. Ela sabia o que eu estive fazendo? Não, não tem como ela saber.

— Não se faça de bobo, essa sua brincadeira de gato e rato não tem como acabar bem. Eu admiro sua persistência em continuar por tanto tempo, mas acabou. O que você quer está fora do seu alcance, aceite isso. — Laila começou a falar mais despreocupadamente sentada na escada enquanto balançava as pernas. — Então, em vez de jogar sua vida fora desse jeito por que não me dá ela para salvar Xia?

— Você me diz que tudo que estou fazendo não tem sentido e ainda me fala para morrer no lugar dela. O quão idiota acha que eu sou?

— Tudo bem, se quiser continuar sendo um peso não irei fazê-lo mudar de idéia. — Laila se levantou da escada e começou a subir os degraus, seu corpo foi desaparecendo aos poucos, mas antes de desaparecer completamente ela disse uma última frase: — Eu não tenho asas então só posso observar os pássaros voarem.

Eu estava irritado ainda, essa garota falava demais. Eu não acreditei mesmo em tudo que ela falou, mas do jeito que ela falou era irritante, como se eu fosse me arriscar desse jeito. Eu sabia que tinha esse sentimento estranho pela Bianlai Xia, mas isso não era o suficiente.

No entanto, agora acabou então eu fui pra sala e liguei a televisão. Estava passando um filme antigo. Depois de me sentar no sofá eu acabei me lembrando da última frase que ela falou “Eu não tenho asas então só posso observar os pássaros voarem.”

Eu já tinha escutado isso antes.

Não, eu tinha lido isso em algum lugar, mas não me lembrava onde, eu fiquei uns minutos no sofá quando me lembrei. Essa frase estava escrita na foto que eu tirei com meu avô. Ele escreveu essa frase atrás da foto, ele tinha falado que essa frase define a jornada da família.

Quando eu era criança meu avô sempre dizia que um dia eu iria nessa jornada também. Perseguir um pássaro que me levaria ao meu destino. Perseguir um pássaro… não pode ser.

Eu me levantei rapidamente do sofá e desliguei a televisão. Corri até a porta e calcei meu tênis. Eu precisava alcançar Bianlai Xia, ela poderia ser o pássaro. Quando acabei de calçar eu abri a porta e minhas mãos tremeram, as palavras da Laila me dizendo que se eu a seguisse eu iria morrer me detiveram de sair correndo.

Será que o que ela disse é verdade? Se eu ir vou mesmo morrer?

Essa era a hora que eu precisaria decidir.

Não entendo, porque eu acredito nas palavras dela. Não há como saber o que iria acontecer então peguei uma mochila que eu deixava perto da porta, eu ia usá-la depois que saísse do colégio, mas como a professora me segurou por mais tempo ela ficou ali.

Se eu iria enfrentar minha morte, era melhor estar preparado. Eu vou atrás da Bianlai Xia e farei de tudo para que nós dois sobrevivemos. Com a mochila em minhas costas eu corri em direção ao beco que a encontrei.

 

***


Bianlai Xia andava pela rua a noite, suas feridas estavam melhorando devido ao fato de estar cada vez mais perto da lâmina. Ela não podia ter dito para Hishima Kishito, mas não precisava de cuidados médicos, suas feridas se curavam rapidamente ao estar próxima da lâmina.

A lâmina fazia parte dela agora, destinadas a estar juntas, se elas ficassem separadas por muito tempo Bianlai Xia poderia morrer. Um ser vivo como a lâmina tinha feito um pacto com ela, assim uma sabia onde a outra estava e era desse modo que Bianlai Xia andava em direção a ela.

A cada passo que dava Bianlai Xia melhorava cada vez mais e a cada passo ela pensava sobre o que tinha falado para Hishima Kishito. Se ele esquecesse sobre ela e o que aconteceu hoje, tudo ficaria bem, ela poderia esconder sobre ele e então ninguém iria fazer nada com ele, Hishima Kishito poderia continuar sua vida normalmente.

“Uma vida normal…”

Uma vida normal era algo que ela queria para si mesma desde que foi escolhida pela lâmina. Porém, agora era um sonho distante, um destino diferente foi traçado e ela teria que segui-lo. Ela não queria que o mesmo acontecesse com Hishima Kishito e por isso escondeu de todos sobre seu sonho.

Quase todos os dias desde que chegou ao Japão ela sonhava com a morte de Hishima Kishito num beco e ela sabia o que significava, a lâmina queria a alma dele. Ele tinha algo especial que a deixava apreensiva e ao mesmo tempo ele era um alvo da lâmina.

Pelo pacto que tinha feito com a lâmina, Bianlai Xia lhe daria as almas que ela pedisse em troca de seu poder e agora a lâmina queria Hishima Kishito.

Bianlai Xia estava chegando perto da lâmina e isso a deixava preocupada por achar que podia ser uma armadilha de Yuki. Ele a tinha atacado de surpresa antes e agora podia estar esperando por ela.

Contudo, ela não podia deixar a lâmina lá e também não tinha como falar com os outros, se for uma armadilha ela terá que escapar sozinha. Sentindo a lâmina próxima ela virou num beco e parou olhando para ele. Ela podia sentir que a lâmina estava ali no meio de uma pilha de lixo, ela olhou em volta para ver se encontrava alguém lá, mas estava vazio.

“Esse lugar se parece muito com o do meu sonho, mas…”

Ela entrou no beco tensa com a preocupação de ser o local de seus sonhos. Andando vagarosamente ela chegou até a pilha de lixo e depois de o remexer um pouco ela encontrou a lâmina.

Mesmo sendo chamada de lâmina era na verdade uma espada larga que em pé tinha, um metro e sessenta centímetros de altura e seus trinta centímetros de largura que a deixavam com uma aparência intimidadora.

O cabo era comum para espadas daquele tipo, mas as marcas inscritas na lâmina a faziam se destacar. Andar com uma espada nos dias de hoje não era nada animador ainda mais uma como aquela.

Entretida com a lâmina Bianlai Xia não percebeu que alguém chegava perto dela e sua surpresa foi tanta que ao ser tocada no ombro ela virou-se empunhando a espada para desferir um golpe certeiro.

Somente uma pessoa com treinamento poderia chegar perto dela desse jeito sem ser notado e dessa vez não deveria ser nenhum aliado.


Autor: Kanino   |   Revisora: Ana Paula



Fontes
Cores