ALdI – Capítulo 3 – A primeira conversa


Hishima Kishito tinha acabado de abrir a porta do quarto e viu Bianlai Xia sentada na cama. Ela estava com um olhar perdido olhando à sua volta. Parecia que não tinha o visto ainda. É melhor não se mexer muito, senão a ferida pode abrir.

Essa foi a primeira frase que Hishima Kishito pensou em falar, já que não sabia muito o que dizer.

Bianlai Xia olhou para ele um pouco surpresa, depois sorriu e perguntou:  

— Quem é você?

A pergunta de Bianlai Xia o surpreendeu, pois achava que pelo menos ela sabia quem ele era. Poxa, eles estavam estudando na mesma sala fazia seis meses. E, as vezes que ele achou que ela o estava observando?

— Ei, ei, não se lembra de mim? Eu sou Hishima Kishito, estudamos na mesma classe há seis meses. — Hishima Kishito falava desesperadamente tentando fazê-la lembrar sobre ele.

— Hishima-san? — Bianlai Xia falava parecendo como se estivesse tentando se lembrar quem ele era. Ela o ficou encarando por um tempo. — O garoto estranho da nossa sala?

Aquele foi um golpe certeiro em Hishima Kishito, claramente estava triste por ter sido lembrado desse jeito e quase deixou a bacia com os panos cair no chão.

— É-é, sou eu mesmo — disse meio relutante em confirmar aquilo, mas por agora era melhor do que nada.

Bianlai Xia não queria fingir daquele jeito, ela achou que seria o melhor jeito de lidar com a situação. No começo estava um pouco receosa com isso, mas agora que viu como a conversa estava ocorrendo ela sentiu uma vontade súbita de rir.

No entanto, para continuar convincente ela não podia. Essa também seria uma boa hora para abrir a guarda dele e descobrir algo. Ela precisava atuar mais um pouco.

— Hishima-san onde eu estou?

— Você está no quarto da minha irmã. Bom pelo menos foi o que sobrou dele. — Enquanto falava Hishima Kishito deixou a bacia em cima da escrivaninha. — Ela levou quase o quarto todo dela na mala. — Ele terminou lhe dando um sorriso.

— O quarto da sua irmã? Por que estou aqui?

— Eu te trouxe pra cá, quando a vi desmaiada num beco. Eu pensei em chamar a ambulância, mas como você tem esse símbolo no seu peito achei melhor trazê-la para cá. — Hishima Kishito tinha pegado uma cadeira e sentado em frente a Xia.

“Então ele viu a marca.”

Bianlai Xia agora entendia porque a tinha trazido ali. Ele tinha visto a marca em seu peito, por isso ela não foi parar num hospital. Se fosse hospitalizada seria um grande problema, mesmo com alguns contatos no governo seria difícil abafar o ocorrido e seria notícia nos jornais.

A marca em seu peito indicava seu relacionamento com a Makuredan. Nas últimas semanas a marca estampava todos os noticiários do país, sempre vindo com notícias de atos terroristas causadas pela Makuredan. Eles sempre avisavam que seus integrantes tinham esse símbolo em seus corpos.

“Como ele viu a marca se ela fica no meu peito?”

Ela olhou para o seu peito e viu que estava sem sua blusa, na verdade estava sem sutiã também. Ao invés disso estava com uma faixa enrolada que cobria seu peito e o corte.

A marca ainda podia ser vista. O rosto da Bianlai Xia ficou vermelho, ela pegou a coberta e cobriu o peito. Como pôde ficar conversando com ele daquele jeito? O que ela estava pensando.

— Mi-mi-minhas roupas, onde estão?

Hishima Kishito a vendo com o rosto vermelho logo entendeu o que ela pensou e levantou-se  rapidamente dizendo um pouco nervoso com a situação:

— Ah, desculpe, mas suas roupas rasgaram, então, por enquanto use uma da minha irmã.

Hishima Kishito abriu o armário da sua irmã e procurou uma camisa para Bianlai Xia usar. Não tinha muitas roupas lá já que sua irmã levou quase tudo. Ele pegou uma camisa social branca que parecia caber em Bianlai Xia.

“Não entendo por ela gosta tanto desse tipo de roupa.”

Hishima Kishito olhava para as roupas variadas que sua irmã usava enquanto segurava a camisa. No armário tinha roupas com babados para todos os lados e no meio delas estavam essas roupas sociais. Ela sempre ficava alternando entre esses tipos de roupas sempre dizendo que seria uma empresária de sucesso quando terminasse os estudos.

“Eu estou apostando todas minhas fichas em você maninha.”

Bom, mas agora não era hora de se lembrar disso e Hishima Kishito se virou para dar a camisa para Bianlai Xia. Para sua surpresa ela estava em pé atrás dele.

— Bianlai-san você não pode se mexer muito. É melhor descansar mais um pouco.

— Obrigada pela camisa.

Bianlai Xia pegou a roupa das mãos de Hishima Kishito e começou a se vestir. Seu corpo ainda doía devido aos ferimentos, mas ela tinha sido treinada e suportar a dor era uma de suas primeiras lições.

Os ferimentos que ela tinha sofrido tinham sido graves, mas ela ainda conseguia se mover bem. “Parece que os primeiros socorros que recebi foram bons, devo agradecer quem o fez antes de ir.” ela pensou.

— O que você está fazendo você tem que descansar um pouco. — Hishima Kishito ainda tentava convencê-la a descansar.

— Eu estou bem. Não preciso de mais descanso, esses curativos foram bem feitos então não terei problemas.

— Eu fiz o melhor que pude, mas nem por isso você pode sair se mexendo muito por aí.

— Fo-foi você quem fez os curativos? — Bianlai Xia estava surpresa mas um outro pensamento chamou sua atenção.

Hishima Kishito a vê com o rosto levemente corado quando ela fez a pergunta.

“Por que o espanto?”

Ele tinha sido treinado por sua mãe em fazer curativos já que ela era uma médica, bem na verdade ela era psicóloga, mas sabia muito sobre socorrer alguém. Ela lhe ensinou para uma emergência. Ele tinha feito exatamente como sua mãe ensinou, ao olhar Bianlai Xia ele pensou em repassar passo-a-passo como ele cuidou dela.

Primeiro passo: ele a trouxe para casa tentando não movê-la muito. Tá, ele sabia que o certo era não movê-la do lugar, mas ele precisou tirar ela do beco.

Segundo passo: depois que a colocou na cama ele avaliou a ferida e pegou uma bacia com água limpa.

Terceiro passo: como Bianlai Xia estava ferida no peito ele precisou pegar uma tesoura e cortar…

“Aff. Deve ser por isso. “

Hishima Kishito via Bianlai Xia o encarando enquanto ele pensava, ela estava se irritando e ele falou rapidamente tentando se explicar:

— Eu precisei cortar sua roupa pra fazer os curativos, mas foi necessário. Eu não vi nada. Na verdade eu vi mas…

Já era tarde demais e a mão da Bianlai Xia o acertou na cara. Hishima Kishito não podia ter feito muita coisa, já que essa era uma reação que ele também teria se tivesse no lugar dela. Por hora, ele apenas esfregava seu rosto torcendo para que no outro dia a marca da mão dela tenha sumido.

— Mesmo assim obrigada. — Bianlai Xia disse sem olhar para ele.

“Oi. Oi. Ela poderia apenas ter dito isso ao invés de me bater. . Me acertou duas vezes hoje.”

Depois de se vestir Bianlai Xia abriu a porta do quarto e começou a descer as escadas que estava por perto.

— Peraí, onde você está indo? Por que a pressa? — Hishima Kishito a seguia, descendo.

— Estou indo para casa. — Bianlai Xia respondeu sem parar.

— Mas a essa hora? Isso é perigoso, durma aqui e amanhã você vai. São duas horas da manhã.

— Minha casa não fica muito longe, então não será perigoso.

— Então me deixe te levar até lá?

— Não, eu posso ir sozinha.

Bianlai Xia usou a chave que estava no lado de dentro da fechadura e abriu a porta para sair da casa e antes que a alcançasse bateu a porta. Ela encostou suas costas na porta e segurou a maçaneta, enquanto Hishima Kishito a tentava abrir.

— Ei? O que você fez? Abre a porta. Me deixe pelo menos levá-la em casa? Você está ferida e isso pode ser perigoso. — Hishima Kishito falava, enquanto tentava abrir a porta, ele girava a maçaneta, mas a porta não abria.

“Eu fui tola! Por causa da besteira que fiz vim parar nessa situação.”

Bianlai Xia estava se lamentando encostada na porta. Por perseguir algo sem sentido ela tinha parado naquela situação complicada. Ele era apenas uma pessoa normal, ela não queria acreditar apesar de todos lhe dizerem isso. Era a hora de aceitar isso e corrigir tudo. Agora que sabia que ela era da Makuredan isso poderia se tornar perigoso.

“Será que apenas palavras o convenceria a esquecer.”

Se sim, isso seria perfeito. Ela podia tentar. A outra opção não seria tão amigável e, não queria que fosse usada. Por um erro dela ele foi envolvido.

— Hishima-san você tem que esquecer sobre o que aconteceu hoje. — Bianlai Xia disse interrompendo-o que falava sem parar para ela o deixar ajudá-la.

— Do que está falando?

— Sobre me encontrar, sobre a marca. Esqueça tudo. Eu o envolvi nisso então se você apenas esquecer será melhor.

— Eu não me importo com isso, estou apenas preocupado com seus ferimentos.

— VOCÊ PRECISA ME ESCUTAR!! — O grito assustou Hishima Kishito. Depois de uma pausa ela continuou a falar normalmente. — Eu não sei porque você me ajudou, mas agradeço por isso. No entanto, o caminho que estou seguindo não tem nada para você. Por isso te peço para esquecer o que aconteceu aqui hoje, siga seu caminho como se nunca tivesse cruzado o meu. Por favor não venha atrás de mim… e adeus.

Hishima Kishito tinha soltado a maçaneta enquanto Bianlai Xia falava, o som de suas palavras tinha um peso do qual não entendia.

“Do que ela está falando? Eu não posso deixar ela ir embora desse jeito sozinha.”

Ele ouviu os passos dela se afastando da casa, o som estava cada vez mais longe. Não há o que temer ele iria ajudá-la a ir para casa e se depois ela ainda quiser que ele esqueça de tudo, ele vai fazer a vontade dela.

Porém, por enquanto tinha que ir atrás dela. Hishima Kishito decidido no que quer fazer esticou sua mão para abrir a porta, porém sua visão começou a ficar turva e um clarão lhe cegou.


Autor: Kanino   |   Revisora: Ana Paula



Fontes
Cores