ALdI –  Capítulo 25 – … Com espinhos


Quantas vezes eu vi pessoas do mesmo jeito que eu estou agora?

Eu nunca entendi por que eles gostavam tanto, eu já estive desse jeito a muito tempo mas esse sentimento que eu tenho hoje é diferente da outra vez. Quando eu olho para essas pessoas a minha volta eu tenho um sentimento estranho.

Desde que saímos da Makuredan eu vim andando até a escola com Xia, Alicia e Donavan. Depois de ontem onde eu comecei a os conhecer, passei a vê-los de outra forma. Não dá pra conhecer uma pessoa apenas olhando, sem interagir você não o conhece de verdade.

Hoje junto com eles eu vejo tudo diferente. Eu nem ao menos sabia como eu iria me encaixar nesse grupo mas parece que eu era esperado neste grupo.  Esse sentimento é indescritível. Finalmente pareço pertencer a um lugar além do lado da minha irmã.

Alicia é muito animada e não parou falar todo o caminho até a escola, tudo que ela gostava ou via de interessante ela iria falar sobre isso. E do jeito que ela falava trazia uma animação ao grupo que parecia não ser muito de falar.

As vezes quando não tinha muito assunto, ela implicava com Xia que era facilmente irritada por ela e no fim sempre terminava de um dos dois jeitos, ou Xia quase chorava ou acertava a acertava. Tinha vezes que eu me juntava a Alicia mas diferente dela minha barriga está boa, o mesmo não posso dizer da minha canela. Eu não esperava que um simples chute doesse tanto.

A pessoa que eu mais queria conhecer se mostrou um pouco diferente do que pensei. Xia é uma garota que tentava se mostrar séria mas isso é algo impossível perto da Alicia, ela mostrava várias emoções que eu não imaginava que ela mostraria tanto.

Ela irritada é extremamente fofa e mesmo que eu terminava com minha canela doendo valia a pena por vê-la assim, e quando ela estava prestes a chorar parecia que meu coração ia partir e eu não podia fazer mais nada a não ser parar e tentar animá-la.

Quando a assunto era sobre algo da Makuredan ela sempre parecia estar séria e focada. Ver cada mudança nela era algo que me fascinava.

O único que eu não consegui descobrir muito sobre foi o Donavan. Ele parecia o mesmo que eu via na sala, sempre quieto. Só que ele parecia mais atento a tudo que acontecia ao seu redor, não só apenas a nós.

Eu duvido que eu adivinharia o que ele está pensando. Pelo que Alicia falou ele sempre foi assim e só mostra como ele é quando está em algo sério. Eu na verdade não entendi direito isso mas eu acho que uma hora vou saber.

Bem, isso não é toda a verdade sobre eles e foi somente o que eu vi até agora. Com o tempo eu vou aprender mais sobre eles e o que eu preciso tomar mais cuidado é, que eles vão aprender mais sobre mim.

*****

Quando Rika se levantou a turma virou sua atenção para quem iria entrar na sala. A porta da sala abriu e um grupo de quatro pessoas entrou na sala, na frente deles estava Kishito seguido pela Xia, Alicia e Donavan. Os alunos quando os viram entrando acharam estranho.

“Desde quando eles são amigos?”

Kishito era o garoto estranho da sala e aquele trio não gostava se juntar a ninguém, era assim até dois dias atrás então como eles estão andando juntos assim hoje. Os olhares para Kishito eram com emoções variadas mas a dos garotos eram a maioria de inveja por ele estar ao lado da Alicia. Mas quando eles se lembraram da garota que o estava esperando na sala eles se sentiram melhores pois sabiam que ele iria sofrer um pouco.

Bang!

Antes mesmo de dar tempo de voltar o olhar para a garota eles viram uma cadeira voando pela sala e acertando a parede a poucos centímetros de acertar Kishito.

— Olha só quem resolveu aparecer.

A sala estava toda em silêncio quando a garota falou, sua voz estava cheia de raiva e seu rosto estava distorcido enquanto andava com passos pesados até Kishito.

— Ri-Rika! Você já voltou? — Kishito parecia bastante assustado olhando para a garota.

Quando Xia viu Kishito assustado ela estranhou, no dia anterior ele parecia bastante calmo e até mesmo não se abalou ao encarar o Sr. Hayama. E agora na frente dessa garota, parecia bastante acuado.

— Agora eu me sinto honrada por você ainda se lembrar de mim já que não me respondeu nos últimos dias. — Rika chegou perto e ficou na ponta dos dedos para ficar com o rosto perto dele.

— E-eu tive alguns problemas e não podia te atender.

— E? Eu estou escutando.

Não estava um dia quente mas uma gota de suor escorreu pela testa do Kishito. Ele estava acuado pela Rika e precisava mudar o assunto ou acalmá-la.

— A Yukiko voltou com você? Por que não me avisou que iam voltar antes?

— Te avisar? Se você me atendesse você saberia que íamos voltar mais cedo. Nós chegamos ontem e ficamos te esperando, a Yukiko estava preocupada e ninguém conseguia falar com você. Além disso quando chegamos tinha…

— Rika-chan!

Enquanto Rika falava com raiva com Kishito alguém chamou o nome dela. Era uma voz tranquila mas fez com que Rika parasse de falar. Ela olhou para quem falou e viu a professora olhando para ela. Quando Rika a viu ela mudou da água para o vinho e seu rosto cheio de raiva mudou para um alegre e sorriu para a professora.

— Bom dia Ueno-sensei.

A mudança pegou todos de surpresa pois a garota parecia completamente diferente de alguns segundos atrás.

— Bom dia, como foi a viagem? — Ueno-sensei não pareceu se importar com essa mudança da Rika e apenas continuou a conversa.

— Foi ótimo Ueno-sensei, eu conheci muita coisa interessante lá e os lugares que me falou eram maravilhosos. — Rika estava bastante animada.

— Que bom que gostou, quando eu era mais nova eu também fui pra Paris e fiquei encantada também.

— Ueno-sensei, minha tia Yukiko me pediu pra te convidar para ir lá em casa que ela está preparando um jantar para contar uma novidade e também agradecer por ficar de olho no meu maninho. — Quando ela terminou de falar Rika olhou cheio de raiva para Kishito e depois olhou animadamente para Ueno-sensei.

— Tudo bem, eu vou tentar terminar mais cedo para ir até lá.

— Hoje a festa não pode acontecer sem a Ueno-sensei então depois da aula eu, Kishi-ni e nossos amigos vamos te ajudar com o trabalho e assim podemos ir todos juntos. — Rika virou para Kishito e perguntou. — Não é mesmo Kishi-ni?

— Claro. Eu ficarei feliz em ajudar. — Kishito não tinha muito o que dizer e apenas concordou com ela.

— Obrigada, com a ajuda de vocês eu terminarei bem mais rápido.

Rika sorriu para Ueno-sensei e Kishito apenas suspirou depois de ouvir elas. Já Xia e os outros ficaram ali perto dele e não disseram nada, eles apenas viram Kishito se submetendo a Rika.

— Rika-chan já está na hora de começar a aula e você precisa ir pra sua sala. Que tal conversar com seu irmão depois. — A Ueno-sensei disse com um sorriso.

— Sim Ueno-sensei. Nos vemos depois da aula. — Rika se virou e olhou para Kishito e disse com um sorriso mas seu tom de voz parecia uma ordem — Kishi-ni nos vemos na hora do almoço no lugar sempre.

Logo depois ela saiu da sala.

Alicia que acompanhou tudo viu que Kishito parecia bastante preocupado e perguntou:

— Ela é sua irmã?

— Sim.

— Pau-mandado.

Alicia sorriu e junto com os outros alunos eles foram cada um pra suas carteiras.

Kishito suspirou e pegou a cadeira que Rika tinha jogado nele e voltou pro seu lugar perto da janela. Ele estava pensando em como iria explicar isso para ela ou ter uma desculpa convincente. Rika tinha uma personalidade difícil de lidar e sempre teve uma dor de cabeça quando ela insistia em algo.

Perdido em seus pensamentos Kishito olha pela janela e vê a árvore de cerejeira. Nos galhos da árvore uma família de pássaros cantavam alegremente. A mente do Kishito esvaziou e ficou entretido olhando para eles.

Foi nesse instante que algo entrou em sua visão, embaixo da árvore de cerejeira estava uma garota com uma mão no tronco da árvore. A garota parecia ser um pouco mais nova do que ele e de longe parecia estar triste, sua boca se mexia como se estivesse falando com alguém ou apenas murmurando.

Ela estava usando o uniforme da escola com uma saia que ia abaixo do joelho e seu braço estava enfaixado até as mãos. O cabelo da garota era vermelho escarlate que estava trançado até o meio de suas costas e brilhava apenas pela leve luz do sol que passava pelas nuvens e clareava o dia. Kishito não podia ver o rosto dela direito mas quando a olhava ele sentia uma melancolia que nunca sentiu antes.

Durante um tempo, ficou observando a garota pela janela. Ela ficou lá parada sem mover por alguns minutos. A hora que ela se movimentou foi quando um garoto que parecia ter a mesma idade dela se aproximar, também usava o uniforme da escola e como a garota ele tinha um cabelo vermelho escarlate. Até que se aproximou e falou algo com a garota e logo depois os dois saíram.

Kishito nem ao menos sabe porque mas ficou observando os até sair de vista. Quando foram embora, Kishito se virou e começou a prestar atenção na aula.


Autor: Kanino   |   Revisor: Zezin  



Fontes
Cores