ALdI – Capítulo 12 – Elites


Tap, tap, tap, tap.

Xia e Alicia andavam pelo corredor indo em direção a sala do senhor Hayama. Elas foram convocadas por ele para participar da missão de resgate de Kishito e agora iam se juntar ao time principal da Makuredan.

Sob os olhares atentos; Xia usava uma roupa que ela achava mais adequada para se movimentar do que o uniforme escolar, ela vestia um short e uma bata branca feita de um pano espesso para não sentir frio. Em seus pés estava um tênis rasteiro azul para não prejudicar seu movimento.

Já Alicia usava um vestido azul que ia até acima dos joelhos e um casaco preto aberto. Diferente da Xia ela não ia participar da missão no campo então usava uma sandália de tiras.

As duas entraram na sala do Senhor Hayama e todos no lugar olharam para elas.

— Oh! Minhas belas damas chegaram. Assim eu me sinto bem melhor.

Um homem com cerca de trinta anos correu até as duas e tentou beijá-las, mas o punho da Alicia foi mais rápido e o acertou na boca fazendo-o recuar alguns passos. Esse homem era Owen, ele era um homem que tinha a fama flertar com todas as mulheres que encontrava.

Ele estava usando uma calça jeans e camisa regata por baixo da jaqueta de couro, o tênis preto combinava com a roupa. Usando o estilo de cabelo pompadour e seus grandes olhos negros combinavam com seu nariz simétrico e o tornavam um cara bonito, mas sua personalidade era irritante para aqueles que o conheciam há muito tempo.

— Hahahahaha! Bem feito Owen.

Essa risada veio de uma garota de doze anos que estava sentada na mesa da sala, enquanto ria ela apontava para Owen e balançava suas pernas que não encostavam no chão. A garotinha era morena e tinha olhos castanhos escuros, ela usava um chapéu panamá bege e um vestido da mesma cor com uma faixa branca abaixo do peito. Pelas roupas que usava ela parecia que iria para a praia.

— Seu soco continua dolorido minha querida. — Owen disse depois de se ajeitar.

— Quem você está chamando de querida? — Alicia retrucou nervosa.

— Ei Mylle, me ajude a trazer ela de volta pro nosso harém.

— Você não tem nenhum harém seu velho nojento. — A garotinha que se chamava Mylle tinha parado de rir quando respondeu.

— Vocês são barulhentos. Vamos logo acabar com isso que eu estou com fome. — Um homem gordo que estava sentado no sofá falou.

Esse homem tinha olhos pequenos e afiados, seu olhar era intimidador e seu rosto redondo combinava com seu cabelo estilo formal. Ele usava uma calça e blusa toda preta que fazia um contraste com sua pele branca.

— De novo? Nós acabamos de jantar. — Owen disse para o homem gordo.

— Ver vocês desse jeito me deu fome.

— Você não tem jeito Gooruma.

— Olha quem fala. — Mylle murmurou se metendo na conversa dos dois.

— Podemos começar? — Percebendo que se deixasse eles iriam continuar com isso por muito tempo, Yago se intrometeu na conversa.

— Sim senhor! — Os três responderam juntos.

— Senhor Hayama me desculpe. Pode começar.

Aquela cena era normal de acontecer nesse grupo e o Senhor Hayama já estava acostumado com ela e, por isso ele apenas esperou até tudo acabar. Agora com toda a atenção da sala ele iria começar a explicar o que estava acontecendo.

— Eu já passei os dados para eles então eu só vou fazer um breve resumo pra vocês duas. — O Senhor Hayama deu uma pequena pausa antes de prosseguir. — Recebemos informações que um pequeno grupo está com Hishima e que eles vão transportá-lo para Odaiba. Eles usarão uma ambulância e nós vamos interceptá-los na Ponte Arco-íris.

— … Para agir na ponte a essa hora… haverá muitas testemunhas. Como vamos fazer isso? — Alicia que era boa em analisar dados indagou inclinando a cabeça.

— Criaremos uma zona morta na ponte.

A resposta da Senhor Hayama pegou Xia e Alicia de surpresa, criar uma zona morta na ponte era uma boa escolha, mas seria facilmente detectada pelo inimigo. Criar uma zona morta consistia em isolar o alvo impedindo- o de interagir com qualquer um fora dela e isso incluía até mesmo pessoas normais.

Uma grande área seria encoberta para impedir que pessoas pudessem ver o que acontecia dentro. A zona morta normalmente era criada para executar missões em lugares populosos para impedir que pessoas comuns saibam sobre eles.

— Isso não vai chamar muita atenção?

Dessa vez era Xia com medo da repercussão de criar algo tão grande na ponte. A zona morta não só ia avisar o grupo sobre eles como também a todas as organizações que tinha alguém com poder para criar algo como aquilo em Tóquio.

O Japão sempre foi negligenciado pelas grandes organizações do mundo o tornando uma zona de guerra para as pequenas organizações como a Makuredan. Criar uma zona morta iria mostrar que eles tinham o suporte de uma organização maior e assim outras que não tinham interesse no Japão poderiam se mover para obter informações. Isso destacaria o Japão no submundo das organizações e criaria o caos no país.

— Essa é a intenção deles.

— Senhor? — Xia não entendeu porque o Senhor Hayama falou isso.

— Nós estamos indo para uma armadilha. — Yago explicou para ela. — O movimento que eles estão fazendo é para nos mostrarmos e, desse modo confirmarem sobre nós. Assim como Yuki disse, informações sobre a portadora da lâmina estar no Japão foi espalhada e algumas organizações da Europa mandaram guerreiros para confirmar sobre nós.

— Então vamos apenas nos mostrar para eles? — Alicia que não entendia o que iriam fazer perguntou.

— Exatamente!

As duas ficaram surpresas pela resposta do Senhor Hayama mas logo voltaram ao normal ao ver seu rosto confiante. Ele parecia ter um plano preparado para o que estava por vir. 


*****

O céu estava claro e as estrelas brilhavam sobre a Ponte Arco-íris. A ponte que atravessa o norte da Baía de Tóquio brilhava com suas luzes vermelhas, brancas e verdes enquanto um grande número de veículos transitavam por ela. Entre eles uma ambulância andava pela ponte com a sirene desligada.

Em cima de uma das torres de apoio podia-se ver seis figuras em pé olhando para os veículos passando. Entre eles estava Xia que olhava fixamente para a ambulância que vinha ao longe.

— Se preparem! Nós estamos iniciando a missão. — Yago que estava ao lado dela falou para os outros.

Ao ouvir que a missão iria começar Xia sentiu seu corpo tremer. Essa era sua primeira missão, por isso estava ficando nervosa. Ter que enfrentar uma organização inimiga não era algo que se podia dizer; fácil. A maioria começava fazendo missões simples como coletar dados ou servir de contato. Já ela tinha ido para uma missão dessas.

— Acalme-se criança, siga o plano e dará tudo certo. — O Senhor Hayama era um dos que estavam na torre e tentou acalmar Xia. — Veja está começando.

Logo após as palavras do Senhor Hayama uma espessa neblina surgiu envolta da ponte. Com a neblina a situação começou a mudar e os carros se distanciaram da ambulância a isolando aos poucos. Em poucos minutos a ambulância estava sozinha viajando pela ponte.


*****

Henry estava dirigindo a ambulância e olhava a neblina no lado de fora. Ele tinha visto os carros se distanciar isolando-os naquela ponte. Apesar da neblina ele podia ver normalmente a sua volta, aquela era uma neblina feita de mana. Uma magia que só podia ser feita por um grupo de guerreiros de controle espacial especializado, uma magia feita para induzir as pessoas comuns a se afastar do local.

Olhando para a neblina ele podia confirmar sua hipótese de que não era apenas pequenas organizações que estavam por ali. Henry estava excitado para ver o que ia acontecer, para ele que estava procurando a anos, enfim estaria frente a frente com a lâmina.

— Eles estão criando uma zona morta? — Susan que estava no banco do carona murmurou.

— Sim, eles não estão tentando se esconder.

— O que vamos fazer?

— Vamos ver o que eles têm.

*****

Xia olhava a ambulância chegando cada vez mais perto, a cada metro mais próximo, igualmente ela ficava mais nervosa. Mas ela também entendia a importância da missão. Ela teria que chegar até Kishito enquanto Yago, Mylle, Owen e Gooruma iriam lhe proteger. Quando ela o pegasse teria que fugir da ponte e o Senhor Hayama a ajudaria na fuga. Isso é claro se der tudo certo.

— Está na hora, vão!

Com o aviso da Senhor Hayama, Mylle foi a primeira a pular seguida pelo Owen e Gooruma. Yago que os viu pulando olhou para Xia que ainda estava parada.

— Não tenha medo apenas pule.

E Yago pulou atrás dos outros. Xia fechou os olhos e inspirou profundamente, depois expirou devagar. Abrindo os olhos que brilhavam cheios de determinação ela pulou.


Autor: Kanino   |   Revisora: Ana Paula



Fontes
Cores